Universidade Federal De Minas Gerais Faculdade de Educação cecimig a relevância de se estudar nutriçÃo numa perspectiva investigativa com alunos do ensino fundamental



Baixar 4.42 Mb.
Página8/29
Encontro06.11.2017
Tamanho4.42 Mb.
#37876
1   ...   4   5   6   7   8   9   10   11   ...   29

4 CONCLUSÕES

De acordo com a pesquisa realizada, sugere-se que a promoção da educação nutricional na Escola Estadual do Bairro Jardim do Ipê trouxe bons conhecimentos acerca da relevância da nutrição e da boa alimentação à população estudada, em vista que boa parte dos participantes obteve diminuição em seu índice de massa corporal (IMC) ao longo da pesquisa, sendo este um ponto favorável quanto à promoção à saúde, prevenção à obesidade e doenças relacionadas ao aumento de peso e gordura corporal.

As estratégias didáticas utilizadas na pesquisa, a partir da perspectiva investigativa, instigaram os alunos a terem maior participação ativa nos debates e discussões acerca do tema estudado, bem como oportunizou mostrar diferenças funcionais quanto aos grupos alimentares e seus nutrientes. O trabalho desenvolvido permitiu ensinar aos alunos a importância de se habituar a uma alimentação saudável, a calcular o índice de massa corpórea (IMC) e analisar o perfil nutricional diante do valor encontrado.

Quanto aos alunos que se mantiveram abaixo do peso adequado para sua faixa etária, sugere-se que façam acompanhamento nutricional com profissional especializado, em prol de se descobrir as causas para o baixo IMC e encontrar alternativas frente aos hábitos alimentares que os conduza a atingir o IMC adequado com a finalidade de prevenção da saúde e melhoria na qualidade de vida.

No entanto, os alunos classificados com IMC entre 18,5 e 24,99 (peso normal) durante todo o período da pesquisa nos conduz a inferir que o seu consumo e gasto alimentar se mantiveram em equilíbrio, seja por manutenção de hábitos alimentares regulares e/ou por prática de atividade física (influencia diretamente no gasto calórico), e até por questões genéticas. Considerando que questões voltadas à obesidade, e/ou alterações de peso devem ponderar múltiplos fatores, para afirmar enfaticamente qualquer uma das hipóteses que podem causar alteração no índice de massa corpórea (IMC), deve-se fazer um estudo a longo prazo e específico para cada indivíduo.

De modo geral, deve ser ressaltado que o período de investigação e intervenção foi curto, não permitindo demonstrar a ocorrência de mudanças relacionadas aos hábitos alimentares ao longo da vida, e sim um efeito, a princípio, em curto prazo. Todas as intervenções relacionadas à promoção da saúde são válidas, mas infelizmente a maioria delas é mantida por pouco tempo, e assim, apenas uma pequena parte da população mais consciente tende a seguir o aprendizado como um hábito alimentar para toda a vida.

As atividades educativas promotoras da saúde na escola tendem a oportunizar que toda comunidade escolar tenha mais acesso à informação e assim maiores chances de fazer escolhas alimentares que sejam favoráveis ao bem estar e qualidade de vida.

O ideal seria buscar um modelo de aprendizado multidimensional que promovesse a boa alimentação a longo prazo, que engendrasse a temática nutricional como uma condição básica e essencial à qualidade de vida, que pudesse fornecer subsídio de controle e incentivo regulares à boa nutrição humana da população.

Trabalhos envolvendo educação nutricional como este, podem ser amplos e interdisciplinares, e além de atuarem a nível social sobre a saúde, trazem consigo oportunidades práticas, cotidianas e que estimulem a busca do aluno pelo conhecimento. Quando o aluno é participante ativo de um processo de ensino-aprendizagem ele revela maior contentamento em seu semblante e demonstra-se proativo frente às atividades e discussões propostas.

Percebeu-se a grande influência da perspectiva sócio-interacionista neste estudo, uma vez que a abordagem comunicativa foi essencial para o desenvolvimento cognitivo dos alunos, ou seja, as trocas sociais com o meio estimularam o aprendizado.

Como aprendido no curso “Ensino de Ciências por Investigação”, uma atividade investigativa pode levar o aluno a participar com maior intimidade do processo de aprendizagem, pois o faz sair de uma postura passiva e começar a agir a respeito do objeto de estudo (discurso interativo), fazendo-o estabelecer reflexões e interações que pudessem explicar os resultados encontrados.

Ao aprender a calcular seu próprio índice de massa corpórea (IMC) e relacioná-lo aos aspectos da saúde, os estudantes também puderam compreender melhor a presença da interdisciplinaridade efetiva no processo educacional, uma vez que, em tal experimento utilizaram não apenas da disciplina de “Ciências” em si, mas também da matemática (na efetuação dos cálculos), da Geografia e História (com a relação entre tipos de alimentos e regiões, bem como da história e evolução do ser humano quanto a seus hábitos alimentares), e do português na criação e escrita das receitas saudáveis criadas pelos grupos em sala de aula.

Dessa forma, todo esse trabalho foi construído de modo que buscasse o interesse do aluno quanto à formulação de um problema, criação de hipóteses, reflexão sobre metodologia científica, ou seja, que socializasse o estudante quanto à forma que os cientistas trabalham. Nesse sentido, o diálogo e a interação entre os alunos foi indispensável e pôde facilitar a aprendizagem, trazendo benefícios não apenas aos voluntários da pesquisa (alunos), mas à comunidade escolar como um todo.

Com a participação ativa dos alunos nas aulas de Ciências, pode-se perceber com maior clareza a busca dos mesmos por autonomia de suas próprias opiniões, sendo esse um elemento importante na formação do cidadão.

Na concepção de ciência, tecnologia e sociedade, o ensino utilizado por meio da investigação pôde demonstrar como em circunstâncias que exigem resolução de problemas, os alunos são estimulados a refletir, discutir, analisar ideias e assim desenvolver habilidades cognitivas que fazem parte do processo de aprendizagem. Ainda que os alunos não tenham uma formação acadêmica específica na área de Ciências, a contextualização de um tema sob a perspectiva de ciência, tecnologia e sociedade pode trazer maior proximidade entre os alunos e a temática trabalhada, já que os alunos têm a oportunidade de vivenciar e construir ciência em seu cotidiano.

REFERÊNCIAS

ACEVEDO, J. A. (1996) Cambiando la práctica docente en la enseñanza de las ciencias a través de CTS. Borrador, 13, 26-30. Versão eletrônica em Sala de lecturas CTS+I da OEI, 2001. Disponível em: , acesso em 02 de julho de 2014.


AZEVEDO, M. C. P. S. Ensino por investigação: problematizando as atividades em sala de aula. In: CARVALHO, A. M. P. et al. Ensino de ciências: unindo a pesquisa e a prática. Anna Maria Pessoa de Carvalho (Org.) 1. ed. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2006. p. 19-33.

BARLOW, S.E. Expert Committee and Treatment of Child and Adolescent Overweight and Obesity: Expert Committee Recommendations Regarding the Prevention, Assessment, Report Pediatrics. 2007;120;S164-92.

BAKHTIN, M. M. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

BIESDORF, R.K. O Papel Da Educação Formal E Informal: Educação Na Escola E Na Sociedade. Revista Eletrônica do Curso de Pedagogia do Campus Jataí – UFG. 2011. v.1, n. 10. 15p.

BOOG, M. C. F. 2004. Educação Nutricional: por que e para quê? Jornal da Unicamp. Disponível em Acesso em 26 de setembro de 2013.

BOOG, M.C.F. Contribuições da educação nutricional à construção da segurança alimentar. Saúde Rev. 2004. Acesso em 3 de outubro de 2013; 6(13):17-23. Disponível em: .

BRASIL. Constituição (1998). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: DF, Senado, 1988.

BRASIL. Ministério da Educação. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília, 1996.

BRASIL. Ministério da Educação. Parâmetros Curriculares Nacionais. Brasília, 2000.

BRASIL. Ministério da Educação. Lei nº 11.947, de 16 de junho de 2009. Brasília: MEC; 2009. Acesso em 3 de outubro de 2013. Disponível em: .

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 2.715, de 17 de novembro de 2011. Brasília: MS; 2011. Acesso em 3 de outubro de 2013. Disponível em: .

CACHAPUZ, A.; PRAIA, J.; JORGE, M. Da Educação em Ciências às orientações para o ensino das Ciências: Um repensar epistemológico. Ciência & Educação.v.10.n.3.p.363-381.2004.

CARTA DE OTTAWA. 1986. Primeira Conferência Internacional Sobre Promoção Da Saúde. 4p. Disponível em Acesso em 3 de julho de 2014.

CONSEA – MG. Conselho de Segurança Alimentar e Nutricional Sustentável de Minas Gerais. Orientações para uma Política Municipal de Segurança Alimentar e Nutricional Sustentável. Belo Horizonte, MG. 2006. 40p.

DEBOER, G. E. Historical Perspectives on Inquiry Teaching in Schools In Flick, L. D.

and Lederman, N. G. (Ed.), Scientific Inquiry and Nature of Science, Netherland,

NED, Springer, p.17-35, 2006.
DOS SANTOS, W.L.P.; MORTIMER, E.F. Uma análise de pressupostos teóricos da abordagem C-T-S (Ciência – Tecnologia – Sociedade) no contexto da educação brasileira. Ensaio – Pesquisa em Educação em Ciências. v.2. n.2.2002. 23p.

FIORAVANTI, C. Ciência – Saúde Pública. Revista Pesquisa Fapesp. 2013. p.36 a 39. Disponível em http://revistapesquisa.fapesp.br/wp-content/uploads/2013/07/036-039_Obesidade_209.pdf Acesso em 26 de fevereiro de 2014.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2008.
GONDIM, M.S.C.; MÓL, G.S. Experimentos Investigativos em laboratórios de química fundamental. In.: Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências, 6, Florianópolis, SC. Anais...Florianópolis, 2007.

JELLIFFE, D.B. The assessment of the nutritional status of the community. Geneva,1966. 271p. (Série de Monografias, 53). 

LATOUR, B., WOOLGAR, S. (1997). A vida de laboratório: a produção dos fatos científicos. Rio de Janeiro: Relume Dumará.

MARCONDES, M.E.R.; DO CARMO, M.P.; SUART, R.C.; DA SILVA, E.L.; SOUZA, F.L.; SANTOS JR, J.B.; AKAHOSHI, L.H. Materiais Instrucionais Numa Perspectiva CTSA: Uma Análise De Unidades Didáticas Produzidas Por Professores De Química Em Formação Continuada. Investigações em Ensino de Ciências – v.14(2), pp. 281-298, 2009.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Vigilância Alimentar e Nutricional – Sisvan. Orientações básicas para a coleta, o processamento, a análise de dados e a informação em serviços de saúde. Série A. Normas e Manuais Técnicos. Brasília, DF. 2004.122p.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Saúde e Educação: uma relação possível e necessária. Ano XIX Boletim 17 - Novembro/2009. 56p.


MOREIRA, M.A. Uma abordagem cognitivista ao ensino de física. Porto Alegre. Editora da Universidade, 1983.

MORIN, E. Os sete saberes necessários à educação do futuro. São Paulo: Cortez 1999.

MORTIMER. E. F.; SCOTT, P. H. Atividade discursiva nas salas de aula de ciências: uma ferramenta sociocultural para analisar e planejar o ensino. Investigações em Ensino de Ciências. v. 7, n. 3, p. 283-306, 2002.
PROGRAMA DE FORMAÇÃO CONTINUADA. O Ensino de Ciências por Investigação. 1º Encontro: O Ensino de Ciências por Investigação. Tema: Tendências atuais para o ensino de Ciências. Prefeitura Municipal de Ipatinga - Secretaria Municipal de Educação. Centro de Formação Pedagógica – CENFOP. 2011. 35p.
PUZZO, M.B. Teoria Dialógica Da Linguagem: O Ensino Da Gramática Na Perspectiva De Bakhtin. Linha d’Água, n. 26 (2), p. 261-278, 2013.

SANTOS, L.A.S. Educação alimentar e nutricional no contexto da promoção de práticas alimentares saudáveis. Rev. Nutr., Campinas, 18(5):681-692, set./out., 2005.

SCHWARTZMAN, F.; TEIXEIRA, A. C. Educação Nutricional- Prevenindo a Obesidade. Nutrição em Pauta, São Paulo, 1998. ANO VI- Nº 32.

SIQUEIRA, S. O Trabalho e a Pesquisa Científica na Construção do Conhecimento. Governador Valadares: Universidade Vale do Rio Doce. 1999. 164.

SUART, R.; MARCONDES, M.E.R. As habilidades cognitivas manifestadas por alunos do ensino médio de química em uma atividade experimental investigativa. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, v. 8, p. 1-6, 2008.

VIGOTSKY, L.S. A Formação Social da Mente. Trad. José Cipolia Neto. São Paulo, Martins Fontes, 4.ed. (original parcialmente publicado em 1960 na URSS); 1991.

VOLOCHINOV, V. Marxismo e Filosofia da Linguagem. São Paulo: Hucitec, 1997.

WORLD HEALTH ORGANIZATION (WHO). Development of a WHO growth reference for school-aged children and adolescents. 2007;85:660–667.Disponível em < http://www.who.int/growthref/growthref_who_bull.pdf?ua=1> Acesso em 02 de julho de 2014.




Baixar 4.42 Mb.

Compartilhe com seus amigos:
1   ...   4   5   6   7   8   9   10   11   ...   29




©bemvin.org 2022
enviar mensagem

    Página principal
Prefeitura municipal
santa catarina
Universidade federal
prefeitura municipal
pregão presencial
universidade federal
outras providências
processo seletivo
catarina prefeitura
minas gerais
secretaria municipal
CÂmara municipal
ensino médio
ensino fundamental
concurso público
Serviço público
catarina município
Dispõe sobre
reunião ordinária
câmara municipal
público federal
processo licitatório
Processo seletivo
educaçÃo universidade
seletivo simplificado
Secretaria municipal
sessão ordinária
Universidade estadual
ensino superior
Relatório técnico
técnico científico
Conselho municipal
direitos humanos
espírito santo
científico período
Curriculum vitae
língua portuguesa
pregão eletrônico
Sequência didática
distrito federal
Quarta feira
prefeito municipal
conselho municipal
educaçÃo secretaria
nossa senhora
segunda feira
educaçÃO ciência
Pregão presencial
Escola estadual
Terça feira
agricultura familiar