Testes de literatura trovadorismo humanismo classicismo



Baixar 59.06 Kb.
Encontro28.10.2017
Tamanho59.06 Kb.
TESTES DE LITERATURA

TROVADORISMO - HUMANISMO - CLASSICISMO


1. Sobre a poesia trovadoresca em Portugal, é incorreto afirmar que:

(A) refletiu o pensamento da época, marcada pelo teocentrismo, o feudalismo e valores altamente moralistas.

(B) representou um claro apelo popular à arte, que passou a ser representada por setores mais baixos da sociedade.
(C) pode ser dividida em lírica e satírica.
(D) em boa parte de sua realização, teve influência provençal.
(E) as cantigas de amigo, apesar de escritas por trovadores, expressam o eu-lírico feminino.

 

2. Sobre o Humanismo, é incorreto afirmar que:


(A) Em sentido amplo, designa a atitude de valorização do homem, de seus atributos e realizações.
(B) Configura-se na máxima de Protágoras: “O homem é a medida de todas as coisas”.
(C) Rejeita a noção do homem regido por leis sobrenaturais e opõe-se ao misticismo.
(D) Designa tanto uma atitude filosófica intemporal quanto um período especifico da evolução da cultura ocidental.
(E) Fundamenta-se na noção bíblica de que o homem é pó e ao pó retornará, e de que só a transcendência liberta o homem de sua insignificância terrena.
 

3. Indique a afirmação correta sobre o Auto da Barca do Inferno, de Gil Vicente:

(A) É intricada a estruturação de suas cenas, que surpreendem o público com o inesperado de cada situação.

(B) O moralismo vicentino localiza os vícios, não nas instituições, mas nos indivíduos que as fazem viciosas.

(C) É complexa a critica aos costumes da época, já que o autor primeiro a relativizar a distinção entre Bem e o Mal.

(D) A ênfase desta sátira recai sobre as personagens populares mais ridicularizadas e as mais severamente punidas.

(E) A sátira é aqui demolidora e indiscriminada, não fazendo referência a qualquer exemplo de valor positivo.


4. Assinale com V (verdadeiro) ou F (falso) as seguintes afirmações sobre o teatro do português Gil Vicente e do brasileiro Ariano Suassuna.

( ) Nos autos vicentinos, são comuns figuras da Igreja que não cumprem seus votos, a exemplo de padres envolvidos com amantes ou com a venda de indulgências.


( ) No Auto da Compadecida, a santa é apresentada de acordo com a perspectiva popular, já que protege os oprimidos.
( ) A postura moralista de Gil Vicente contraria a visão de mundo estratificada da Idade Média, pois condena os personagens a partir de seus defeitos individuais.
( ) Ariano Suassuna, inspirado nas tradições populares ibéricas, criou heróis que sobrevivem graças ao uso da astúcia que burla a ordem social, como é o caso de João Grilo.
A sequência correta de preenchimento dos parênteses, de cima para baixo, é
(A) F  –  F  –  V –  F.
(B) F  –  F  –  F  –  V.
(C) V  –  F  –  V –  V.
(D) V  –  V –  F  –  V.
(E) V  –  V –  V –  F.
5. Leia o soneto a seguir, de Luís de Camões.

Um mover de olhos, brando e piedoso,
sem ver de quê; um riso brando e honesto,
quase forçado, um doce e humilde gesto,
de qualquer alegria duvidoso;

um despejo quieto e vergonhoso;


um desejo gravíssimo e modesto;
uma pura bondade manifesto
indício da alma, limpo e gracioso;

um encolhido ousar, uma brandura;


um medo sem ter culpa, um ar sereno;
um longo e obediente sofrimento:

Esta foi a celeste formosura


da minha Circe, e o mágico veneno
que pôde transformar meu pensamento.



Em relação ao poema acima, considere as seguintes afirmações.
I - O poeta elabora um modelo de mulher perfeita e superior, idealizando a figura feminina.
II - O poeta não se deixa seduzir pela beleza feminina, assumindo uma atitude de insensibilidade.
III - O poeta sugere o desejo erótico ao se referir à figura mitológica de Circe.

Quais estão corretas?


(A) Apenas I.
(B) Apenas III.
(C) Apenas I e II.
(D) Apenas I e III.
(E) I, II e III.
6. Leia os textos que seguem.

Texto I - Mar português (Fernando Pessoa)


Ó mar salgado, quanto do teu sal
São lágrimas de Portugal!
Por te cruzarmos, quantas mães choraram,
Quantos filhos em vão rezaram!
Quantas noivas ficaram por casar
Para que fosses nosso, ó mar!
Valeu a pena? Tudo vale a pena
Se a alma não é pequena.
Quem quer passar além do Bojador
Tem que passar além da dor.
Deus ao mar o perigo e o abismo deu,
Mas nele é que espelhou o céu.

Texto II - (Camões)


“Em tão longo caminho e duvidoso
Por perdidos as gentes nos julgavam,
As mulheres co’um choro piedoso,
Os homens com suspiros que arrancavam.
Mães, esposas, irmãs, que o temeroso
Amor mais desconfia, acrescentavam
A desesperação e frio medo
De já nos não tornar a ver tão cedo."

A partir dos trechos e de seus conhecimentos de Os Lusíadas, assinale a alternativa incorreta.
(A) O texto II pertence ao episódio “O velho do Restelo”, de Os Lusíadas, em que Camões indica uma crítica às pretensões expansionistas de Portugal, nos séculos XV e XVI.
(B) Apesar das diferenças de estilo, tanto o texto de Camões quanto o de Fernando Pessoa indicam uma mesma idéia: a de que o caráter heróico das descobertas marítimas exige e justifica riscos e sofrimentos.
(C) O fato de Camões, em Os Lusíadas, lançar dúvidas sobre a adequação das conquistas ultramarinas – o assunto principal do poema – contrapõe-se ao modelo clássico da epopéia.
(D) Ainda que abordem uma mesma circunstância histórica e ressaltem as mesmas reações humanas, o texto de Fernando Pessoa e o episódio “O velho do Restelo” chegam a conclusões diferentes sobre a validade das navegações portuguesas.
(E) Os dois textos referem-se aos sofrimentos que a expansão marítima portuguesa provocou.
7. (ENEM)

Leda serenidade deleitosa,

Que representa em terra um paraíso;

Entre rubis e perlas doce riso;

Debaixo de ouro e neve cor-de-rosa;

Presença moderada e graciosa,

Onde ensinando estão despejo e siso

Que se pode por arte e por aviso,

Como por natureza, ser fermosa;

Fala de quem a morte e a vida pende,

Rara, suave; enfim, Senhora, vossa;

Repouso nela alegre e comedido:

Estas as armas são com que me rende

E me cativa Amor; mas não que possa

Despojar-me da glória de rendido.

CAMÕES, L. Obra completa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 2008.





SANZIO, R. (1483-1520) A mulher com o unicórnio. Roma, Galleria Borghese Disponível em: www.arquipelagos.pt. Acesso em: 29 fev. 2012.

A pintura e o poema, embora sendo produtos de duas linguagens artísticas diferentes, participaram do mesmo contexto social e cultural de produção pelo fato de ambos

(A) apresentarem um retrato realista, evidenciado pelo unicórnio presente na pintura e pelos adjetivos usados no poema.

(B) valorizarem o excesso de enfeites na apresentação pessoal e na variação de atitudes da mulher, evidenciadas pelos adjetivos do poema.

(C) apresentarem um retrato ideal de mulher marcado pela sobriedade e o equilíbrio, evidenciados pela postura, expressão e vestimenta da moça e os adjetivos usados no poema.

(D) desprezarem o conceito medieval da idealização da mulher como base da produção artística, evidenciado pelos adjetivos usados no poema.

E) apresentarem um retrato ideal de mulher marcado pela emotividade e o conflito interior, evidenciados pela expressão da moça e pelos adjetivos do poema.


8. (ENEM) Leia atentamente o trecho de uma música de Caetano Veloso e, em seguida, assinale a alternativa correta.
Um amor assim delicado

Você pega e despreza

Não o devia ter desprezado

Ajoelha e não reza

Dessa coisa que mete medo

Pela sua grandeza

Não sou o único culpado

Disso eu tenho a certeza

Princesa

Surpresa

Você me arrasou

Serpente

Nem sente que me envenenou

Senhora, e agora

Me diga onde eu vou

Senhora

Serpente (...)
(A) O texto remete ao lirismo trovadoresco presente nas cantigas de amigo.

(B) O texto apresenta uma clara postura de vassalagem amorosa.

(C) O texto é moderno, com referência clara às raízes da poesia palaciana.

(D) A presença do vocativo Senhora remete ao amor platônico, típico do período feudal.

(E) O homem posiciona-se como um herói perante a mulher amada.


LEMBRE-SE!!!
TROVADORISMO (séc. XII a XV): cantigas, Idade Média, Teocentrismo (Deus é o centro).
HUMANISMO (séc. XV e XVI): teatro de Gil Vicente; crítica social; antropocentrismo (ser humano começa a ser o centro das reflexões); religiosidade.
CLASSICISMO (séc. XVI): Camões, poesia lírica (amor, questões filosóficas); poesia épica: Os Lusíadas; antropocentrismo; razão; mitologia.




GABARITO

1-B 2-E 3-B 4-D 5-D 6-B 7-C 8-B






Baixar 59.06 Kb.

Compartilhe com seus amigos:




©bemvin.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Prefeitura municipal
santa catarina
Universidade federal
prefeitura municipal
pregão presencial
universidade federal
outras providências
processo seletivo
catarina prefeitura
minas gerais
secretaria municipal
CÂmara municipal
ensino fundamental
ensino médio
concurso público
catarina município
Dispõe sobre
reunião ordinária
Serviço público
câmara municipal
público federal
Processo seletivo
processo licitatório
educaçÃo universidade
seletivo simplificado
Secretaria municipal
sessão ordinária
ensino superior
Relatório técnico
Universidade estadual
Conselho municipal
técnico científico
direitos humanos
científico período
espírito santo
pregão eletrônico
Curriculum vitae
Sequência didática
Quarta feira
prefeito municipal
distrito federal
conselho municipal
língua portuguesa
nossa senhora
educaçÃo secretaria
segunda feira
Pregão presencial
recursos humanos
Terça feira
educaçÃO ciência
agricultura familiar