Série de ficço mais lida no mundo, Deixados Para Trás vendeu mais de 70 milhões de livros e foi traduzida



Baixar 1.16 Mb.
Página8/26
Encontro03.11.2017
Tamanho1.16 Mb.
1   ...   4   5   6   7   8   9   10   11   ...   26

- Até certo ponto - ela disse.

- É verdade.

- E já provei que sou boa nisso.

- E sutil - ele disse, envolvendo-a em um abraço.

- Buck, você não acha que devíamos ouvir o que Carpathia tem a dizer?

Ele encolheu os ombros e depois concordou.

- Não temos meios de impedir que ele faça alguma coisa. Buck e Chloe se dirigiram até a

sala onde Tsion e Chaim

assistiam ao que se passava na tela da TV.

- Alguma notícia de Jacov? - perguntou Buck.

- Não - respondeu Chaim balançando a cabeça. – Não estou gostando nada disso.

- Eu só pedi que ele entrasse no estádio e retirasse os dois de lá - justificou Buck. -

Desviar a atenço dos guardas e sacar a arma foram ideias dele. Eu também não estou

gostando disso.

- Do quêll - interpelou Chaim.

Rayford sentia-se estranhamente animado, apesar das ameaças de Hattie em relaço a

Carpathia. Em sua opinião, aquelas ameaças eram prova de que ela estava em seu juízo

perfeito, o que não acontecia havia semanas, conforme dissera o Dr. Charles. Rayford não

se considerava um lunático, a despeito de admitir que sentia vontade de matar

Carpathia. O que ele mais almejava, no fundo do coraço, era que Hattie se

restabelecesse logo para mudar de ideia a respeito de Deus. Ela conhecia a verdade; o

problema não era esse. Hattie era o tipo de pessoa que conhece a verdade, mas não age

de acordo com ela. Bruce contara a Rayford que foi deixado para trás por esse motivo. E

Rayford foi deixado para trás porque não havia compreendido - por mais que sua

primeira esposa tivesse tentado explicar - que ninguém é merecedor da graça de Deus por

meio de obras. Bruce sabia de tudo isso. Sabia que a salvaço é concedida pela graça

mediante a fé. Só que ele nunca pôs essa regra em prática, deixando-a para mais tarde.

O mais tarde se tornou logo. Sua família foi arrebatada, e ele, deixado para trás.

Ken apareceu no topo da escada que dava acesso ao porão e disse:

- O doutor e eu estávamos pensando se não seria melhor você ver o programa aqui. Ele

acha que é melhor deixar Hattie dormir um pouco.

- Claro - disse Rayford, levantando-se rapidamente. Antes de descer, tentou ligar mais

uma vez para Chloe e Buck, mas ninguém atendeu. Ele deixou o telefone em cima da

cadeira.

Assim que ele saiu da sala, Hattie o chamou.

- Você não vai deixar o telefone ligado, Rayford?

- Você não gostaria de dormir um pouco?

- Deixe o som baixo. Não vái me incomodar.

- Meu pessoal está andando por aí à procura de Jacov - disse Chaim em voz baixa quando

Leon Fortunato apareceu na tela, sorrindo de modo benevolente. - Se aconteceu alguma

coisa com ele, não sei...

53

Não creio que alguém possa fazer algum mal a ele, Chaim. Jacov passou a acreditar no



Messias e tem o selo na testa, o selo dos santos da tribulaço, visível a todos os outros

crentes.

- Você está dizendo que é capaz de ver o selo e eu não?

- Foi o que eu disse.

- Conversa fiada. Que arrogância!

- O senhor consegue ver o selo na nossa testa? – perguntou Chloe.

- Bobagem! Você não tem selo nenhum – respondeu Chaim.

- Nós podemos ver o selo de nossos companheiros – disse Tsion. - Eu estou vendo

claramente o de Buck e o de Chloe.

Chaim fez um gesto de descrença, como se os três estivessem zombando dele. Em

seguida, Fortunato foi apresentado.

- É melhor eu tentar ligar para meu pai antes que Carpathia comece a falar - disse

Chloe. Ela se dirigiu apressada até o quarto e voltou com o telefone na mão, mostrando-o

a Buck. O visor mostrava que Rayford havia ligado quando eles estavam no quarto. Ela

discou para o número do pai.

Rayford pensou ter ouvido o telefone tocar no pavimento superior, mas achou que havia

se enganado, porque não houve uma segunda chamada. Olhando ao redor do porão, ele

se perguntava como um homem alto e magro como Ken Ritz conseguia viver em um lugar

pequeno, escuro e abafado como aquele. Aos poucos, Ritz estava ampliando o porão nas

horas vagas, preparando-se para o dia em que o Comando Tribulaço inteiro passaria a

viver ali. Rayford não queria nem pensar nessa possibilidade.

Teria sido imaginaço de Rayford, ou Fortunato estava com a aparência mais aprimorada?

Ele não notou a diferença quando o viu aparecer no estádio. Porém, naquela ocasião

Rayford tinha visto a transmissão na tela de seu laptop, que não mostrava uma imagem

tão nítida quanto a que ele via agora na TV de Ken, por ser gerada por satélite.

Geralmente, a imagem da TV não era muito generosa com homens robustos e de meia-

idade, mas Fortunato parecia mais magro, olhos mais brilhantes, mais saudável e mais

bem vestido que o normal.

"Senhoras e senhores da Comunidade Global", ele começou a dizer, olhando diretamente

para a câmera como se a lente fosse os olhos dos telespectadores (da mesma forma que

Carpathia costumava fazer), "até mesmo as melhores famílias têm seus maus momentos.

Desde que foi conduzido ao poder, contra sua vontade, há pouco mais de dois anos, Sua

Excelência, o potentado Carpathia, não tem medido esforços para unificar o mundo.

"Ao promover o desarmamento global e mudanças drásticas na antiga Organizaço das

Nações Unidas, hoje Comunidade Global, ele transformou o nosso planeta em um lugar

mais feliz onde se viver. Depois dos desaparecimentos que ocorreram no mundo inteiro, ele

trouxe paz e harmonia aos povos. Os percalços no meio do caminho foram conseqüncia de

acontecimentos que estão fora de seu controle. A guerra trouxe pragas e mortes, mas Sua

Excelência quebrou rapidamente a espinha dorsal da resistência. Sofremos desastres

atmosféricos, desde terremotos e inundaçes marítimas até chuva de meteoros.

Acreditamos que todos esses fenômenos tenham sido causados por forças desconhecidas,

que também foram responsáveis pelos desaparecimentos.

"Ainda existem alguns focos de resistência ao progresso e às mudanças. Um dos mais

significativos movimentos nessa direço revelou sua verdadeira natureza no início desta

noite, diante dos olhos do mundo inteiro. Sua Excelência tem o poder e o direito de

retaliar com medidas extremas esta afronta à sua autoridade e à dignidade do cargo que

ocupa. Contudo, no espírito da nova sociedade que Sua Excelência construiu, ele tem

uma resposta alternativa e deseja participá-la aos senhores esta noite.

"Antes, porém, de passar-lhe a palavra, eu gostaria de compartilhar uma história pessoal

com os senhores. Não se trata de uma história ouvida de terceiros, nem de uma lenda ou

fantasia. Aconteceu comigo, e estou aqui para confirmar a veracidade de cada detalhe. Vou

contar-lhes a minha história porque ela está relacionada ao assunto que o potentado

54

abordará, tanto do ponto de vista espiritual como sobrenatural."



Fortunato contou ao mundo a história de sua ressurreiço

por Carpathia, uma narrativa que Rayford ouvira muitas vezes. Fortunato concluiu:

"E agora, sem mais demora, passo a palavra ao potentado, a quem considero um deus,

Sua Excelência Nicolae Carpathia."

Chloe conversou em voz baixa ao telefone durante o eloqüente discurso de Fortunato para

apresentar Carpathia. Ela desligou no momento em que Leon perdeu o equilíbrio para dar

lugar a Carpathia e, ao mesmo tempo, curvar-se reverentemente diante dele.

- Hattie perdeu o bebê - ela disse com tristeza na voz.

- Você falou com seu pai?

- Hattie atendeu. Diante de tudo o que aconteceu, ela parecia estar razoavelmente lúcida.

De repente, Chloe começou a rir, fazendo com que Buck voltasse a olhar para a TV.

Quando tentou recuar para dar lugar a Carpathia e curvar-se, Fortunato tropeçou em um

fio de eletricidade. A câmera não mostrou, mas ele devia ter levado um tombo e rolado

pelo chão, chegando a chamar a atenço do imperturbável Carpathia, que ficou fora do

foco da câmera por alguns instantes.

Carpathia se recompôs rapidamente e exibiu um largo sorriso de generosidade e

condescendência.

"Concidadãos", ele começou a dizer, "tenho certeza de que, se os senhores não viram o

que aconteceu no início desta noite no estádio Teddy Kollek, em Jerusalém, já devem ter

tomado conhecimento dos fatos. Desejo expor em poucas palavras a minha visão quanto

àquele incidente e participar as providências que decidi tomar em relaço a ele.

"Permitam-me fazer uma retrospectiva até o ponto em que aceitei, com relutância, o

cargo de secretário-geral da Organizaço das Naçes Unidas, cargo este que nunca

almejei. Meu objetivo sempre foi ocupar uma posiço na qual eu pudesse ser útil. Como

membro da assembléia legislativa do país onde nasci, a Romênia, colaborei durante

muitos anos com meus eleitores, defendendo seus argumentos - e os meus - em prol da

paz e do desarmamento. Minha ascensão à presidência de meu país foi uma surpresa

tanto para mim como para o mundo, sendo apenas sobrepujada pela minha elevação ao

cargo de secretário-geral - que teve como conseqüência o governo mundial que

desfrutamos hoje.

"Um dos pontos altos de minha administraço é a tolerância. Só poderemos ser uma

verdadeira comunidade global se aceitarmos a divergência de idéias e fizermos dela uma

lei. A maioria dos senhores manifestou o desejo de que os muros fossem demolidos e que

as pessoas vivessem em união. Portanto, agora existe uma economia baseada em uma

moeda única, não há mais necessidade de passaportes, temos um governo único, e em

breve teremos uma língua única, um sistema de medidas único e uma religião única.

"Essa religião encerra o maravilhoso mistério de desenvolver em si mesma aquilo que, em

séculos passados, aparentemente se compunha de sistemas de crença intrinsecamente

contraditórios. As religiões que se consideravam como o único caminho verdadeiro para a

espiritualidade agora aceitam e toleram outras religiões com os mesmos preceitos. Trata-

se de um enigma que provou ter dado certo, uma vez que todos os sistemas de crença

são verdadeiros para seus seguidores. Cada um dos senhores tem um caminho próprio,

assim como eu tenho o meu. Sob a união da Fé Mundial Enigma Babilônia, um nome

sabiamente

escolhido, todas as religiões do mundo provaram que podem viver em harmonia.

"Todas, menos uma. E os senhores sabem qual é. Trata-se de uma facção que diz ter

raízes no cristianismo histórico. Essa facção afirma que os desaparecimentos ocorridos há

dois anos e meio foram atos de Deus. Seus seguidores dizem que Jesus tocou a trombeta

e levou seu povo escolhido para o céu, deixando o restante de nós, os pecadores

perdidos, sofrendo aqui na terra.

"Eu não acredito que tal ideologia reflita o verdadeiro cristianismo, conforme foi ensinado

55

há séculos. Ouvi falar que essa maravilhosa religião apresenta um Deus de amor e um



homem que pregou a moralidade. Seu exemplo devia ser seguido a fim de que a pessoa

um dia alcançasse o céu, desde que estivesse continuamente procurando fazer o bem.

"Logo depois dos desaparecimentos que causaram um verdadeiro caos no mundo,

algumas pessoas começaram a procurar explicação em algumas passagens obscuras e

visivelmente alegóricas, simbólicas e figurativas da Bíblia cristã e visualizaram um cenário

que incluía este princípio totalmente distante da verdadeira igreja. Muitos líderes cristãos,

que hoje fazem parte da Fé Mundial Enigma Babilônia, dizem que essa teoria nunca foi

ensinada antes dos desaparecimentos, e, se tivesse sido, poucos estudiosos de renome a

teriam aceito. Outros tantos, que tinham opiniões diferentes sobre a maneira como Deus

daria um fim à vida de seus seguidores na terra, desapareceram.

"De um pequeno grupo de fundamentalistas, que acreditam ter continuado aqui na terra

porque não foram suficientemente bons para ser levados da primeira vez, surgiu uma

seita com alguma substância. A maioria dessa seita é composta de ex-judeus, que agora

chegaram à conclusão de

que Jesus é o Messias por quem aguardaram a vida inteira. Eles seguem um rabino

convertido chamado Tsion Ben-Judá. O Dr. Ben-Judá, conforme os senhores se recordam,

foi um erudito respeitável que, durante uma transmissão internacional de televisão,

renegou sua religião a ponto de ter de fugir de sua terra natal.

"Estou falando aos senhores esta noite do mesmo estúdio onde o Dr. Ben-Judá profanou o

legado de seus pais. Durante sua permanência no exílio, o rabino tem tentado fazer uma

lavagem cerebral em milhares de pessoas, com idéias megalomaníacas, as quais, no

desespero de encontrar algo a que pertencer, formaram uma igreja manipulada por ele.

Por meio de uma falsa psicologia que trata da moralidade, o Dr. Ben-Judá tem usado a

Internet em benefício próprio, tosquiando seu rebanho para ganhar milhões de dólares.

Ao longo do processo, ele inventou uma guerra "nós-contra-eles", na qual os senhores,

meus irmãos e irmãs, são "eles". Nessa charada, os "nós" se autodenominam crentes,

santos, selados ou coisas do gênero.

"Durante meses, tenho considerado esses entraves inofensivos à paz mundial, esses

rebeldes que se opõem à causa da religião única. Tenho sido aconselhado a reprimi-los,

mas sempre acreditei que é melhor ser tolerante. Embora o Dr. Ben-Judá esteja

continuamente desafiando nossa posiço e tudo aquilo que prezamos, mantive a política

de viver e deixar viver. Quando ele convidou dezenas de milhares de seus convertidos

para se reunirem na mesma cidade que um dia o exilou, decidi passar por cima das

afrontas pessoais e permitir a realização do evento.

"Para demonstrar minha flexibilidade e diplomacia, cheguei a garantir publicamente a

segurança do Dr. Ben-Judá. Apesar de estar ciente de que a Comunidade Global e eu,

como seu

dirigente, fomos declarados inimigos dessa seita, acreditei que a atitude mais sensata a

ser tomada seria estimular esse encontro. Confesso que esperava, com tal gesto, que

esses zelotes enxergassem como estamos sendo transigentes e tolerantes e que um dia

optassem por juntar-se a nós para fazer parte da Fé Mundial Enigma Babilônia. Essa

atitude, porém, teria de partir deles. Eu não quis forçá-los.

"E qual foi a recompensa que recebi por meu gesto magnânimo? Fui convidado para a

festividade? Convidado para saudar as delegaçes? Convidado para dar as boas-vindas ou

estar presente em qualquer parte daquela encenação pomposa?

"Não. Por intermédio de canais diplomáticos particulares, tomei conhecimento da

promessa do Dr. Ben-Judá de que ele não faria restriçes à minha presença nem proibiria

meu comparecimento. Viajei até Israel por conta própria, para não sobrecarregar a

Comunidade Global, e compareci ao estádio para proferir algumas palavras naquele

evento ao qual deram o nome de Encontro das Testemunhas.

"Meu supremo comandante recebeu um tratamento rude e silencioso, apesar de seu arroubo

e comportamento exemplar. O venerável sumo pontífice Peter Segundo, o supremo papa,

56

também foi recebido de maneira hostil, a despeito de ser um sacerdote. Sem dúvida, os



senhores concordam comigo que aquela reaço foi muito bem orquestrada e executada em

massa.


"Quando me dirigi à multidão, apesar do controle mental exercido por seu líder para que

todos não esboçassem nenhuma reaço, percebi que eles desejavam minha presença ali.

Tive a nítida sensação - e um orador experiente desenvolve essa capacidade - de que a

multidão estava do meu lado, recebeu-me com simpatia e queria me acolher de maneira

calorosa, mas sentiu-se constrangida diante de seu líder.

"O Dr. Ben-Judá, sentado a poucos metros de mim e ostensivamente ignorando minha

presença, fez um sinal a alguém para que liberasse uma substância no ar, um pó ou

poeira invisível, que imediatamente secou minha garganta, provocando uma sede terrível.

"Eu devia ter suspeitado quando uma pessoa da multidão imediatamente me ofereceu

uma garrafa de água. Porém, como sou um homem de bem, acostumado a receber o

mesmo tratamento que dispenso aos outros, entendi que um desconhecido tinha vindo

em meu socorro.

"Qual não foi minha decepço ao ver que caí na cilada de uma garrafa contendo sangue

contaminado! Foi uma evidente tentativa de assassinato em público, para a qual exigi

explicaçes ao Dr. Ben-Judá no ato. Por ser um pacifista não habituado a hostilidades,

deixei o problema nas mãos dele. Ele infiltrou na multidão os dois anciãos lunáticos do

Muro das Lamentaçes que tanto têm ofendido os judeus na Terra Santa e que já

mataram várias pessoas que tentaram debater com eles. Usando microfones ocultos, bem

mais possantes do que aquele que eu estava usando, eles me ameaçaram aos gritos e

transformaram meu humilde ato de diplomacia em um completo fracasso.

"Fui retirado às pressas para receber atendimento médico, e fiquei sabendo que, se

tivesse engolido o líquido que me ofereceram, teria morrido instantaneamente. Não há

necessidade de mencionar que aquele foi um ato de alta traiço, passível de ser punido

com a morte. No entanto, tenho algo mais a dizer. Meu desejo é que possamos nos unir

em um espírito de paz e harmonia. Estas palavras, que, segundo consta, fazem parte da

Bíblia, partiram de mim: 'Vinde, pois, e arrazoemos.'

"Não tenho dúvida nenhuma de que todo aquele terrível

incidente foi maquinado e posto em prática pelo Dr. Ben-Judá. Porém, por eu ser um

homem de palavra e carecer de provas para incriminá-lo por tentativa de homicídio,

planejo dar autorizaço para que as duas próximas reuniões tenham continuidade. Minha

promessa de segurança e proteção será mantida.

"O Dr. Ben-Judá, contudo, será novamente exilado de Israel no prazo de 24 horas após o

encerramento da reunião de amanhã. As autoridades israelenses estão insistindo nesse

exílio, e eu peço ao Dr. Ben-Judá que não crie problemas, se quiser beneficiar-se da

segurança que estou lhe proporcionando.

"Esta advertência pública também serve para os outros dois que se autodenominam Eli e

Moisés. Nas próximas 48 horas, eles ficarão restritos à área perto do Muro das

Lamentaçes, onde se instalaram há muito tempo. Eles não poderão sair daquele local em

hipótese alguma. Após o término das reuniões no estádio, Eli e Moisés devem deixar

imediatamente a área do Monte do Templo. Se, após o prazo de 48 horas, eles forem

vistos fora da área restrita ou rondando o Monte do Templo, meu pessoal recebeu ordens

para atirar neles sem pestanejar.

"Algumas testemunhas oculares afirmaram que as mortes por eles cometidas foram, de

certa forma, em defesa própria. Rejeito essa explicação e estou exercendo minha

autoridade como potentado para privá-los de um julgamento. Portanto, quero deixar bem

claro: se, nas próximas 48 horas, eles aparecerem fora do local determinado ou

mostrarem seus rostos em público, em qualquer lugar do mundo, serão mortos no ato.

Qualquer funcionário da Comunidade Global ou cidadão comum está autorizado a atirar

para matá-los.

"Sei que os senhores concordarão comigo que estou sendo muito generoso diante do

57

atentado que sofri, e minha



autorizaço para o prosseguimento das reuniões prova que tenho um espírito

condescendente.

"Muito obrigado, meus amigos, e desejo, daqui de Israel, uma boa noite a todos."

Rayford olhou para Ken Ritz ao vê-lo aprumar-se na cadeira e dar um tapa na própria

coxa.

Não sei o que vocês pensam - Ritz disse -, mas tenho de fazer alguma coisa. Em primeiro



lugar, preciso descobrir como podemos conseguir uma parte daquele dinheiro que o

rabino tem recebido de seu rebanho. Todos nós estamos desempregados e vamos precisar

de um pouco de dinheiro.

- Você tem um minuto, Ray? - perguntou Floyd, levantando-se.

- Claro.

Eles subiram a escada, e Floyd debruçou-se sobre a cama de Hattie, que continuava

dormindo.

- Agora ela parece estar bem - ele disse -, mas você pode imaginar uma depressão pós-

parto depois de tudo o que ela sofreu?

- Você acha que isso é possível, mesmo após um aborto?

- Se você pensar bem, faz mais sentido ter esse tipo de depressão após um aborto.

Rayford desligou a TV e acompanhou Floyd até a varanda. Ambos esquadrinharam o

horizonte e prestaram atenço antes de iniciarem a conversa. Rayford desenvolvera esse

hábito desde que passara a morar naquela casa. Na sede da Comunidade Global, era

importante saber com quem se podia conversar. Fora de lá, era mais importante ainda

saber se não havia espiões por perto.

- Eu queria contar-lhe um problema pessoal, Rayford, apesar de conhecê-lo há tão pouco

tempo.


- Amizades, relacionamentos, tudo tem de ser muito bem estudado nos dias de hoje -

disse Rayford. - É provável que você e eu tenhamos de viver juntos pelo resto da vida,

mas esse período durará menos de cinco anos. Se você tem alguma coisa guardada no

peito, é melhor desabafar. Se quiser me criticar, vá em frente. Vou entender. Não preciso

dizer que minhas prioridades mudaram muito.

- Ah, não, não se trata de nada disso. Só acho que você tem o direito de me repreender

depois do que fiz hoje.

- Por ter gritado comigo no auge da afliço? Ei, eu também tive um pouco de culpa. Em

situações de emergência como aquela, você é quem deve dar as ordens. Você tem de

gritar


com quem achar que deve.

- É verdade, mas, apesar de saber que Tsion é uma espécie de pastor de nosso grupo,

acho que você é o líder. Quero que saiba que compreendo e respeito sua posiço.

- Não temos mais tempo para hierarquias, doutor. Vamos, me conte o que está havendo.

- Tenho um problema com Hattie.

- Todos nós temos, Floyd. Ela foi uma moça atraente, inteligente. Isto é, mais atraente

que inteligente, mas você a conheceu no pior momento possível. Acho que ela vai sair

dessa. Dentro de algumas semanas, você vai passar a gostar mais dela.

- Fiquei sabendo que você e ela trabalharam juntos e que, apesar de nunca terem tido

um caso...

- Ah, sim, está bem. Não me orgulho do que fiz, mas tenho de admitir que essa história é

verdadeira.

- De qualquer forma, não é sobre o comportamento dela que quero falar. Estou comovido

ao ver como todos vocês se preocupam com ela e desejam que ela se converta.

Rayford deu um longo suspiro.

- Essa história de Hattie acreditar, mas se recusar a aceitar a verdade, tem me deixado

confuso. Eu até vejo uma certa lógica nisso. Ela não é uma pessoa que precisa ser

58

convencida de que é indigna da misericórdia de Deus, não



Baixar 1.16 Mb.

Compartilhe com seus amigos:
1   ...   4   5   6   7   8   9   10   11   ...   26




©bemvin.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Prefeitura municipal
santa catarina
Universidade federal
prefeitura municipal
pregão presencial
universidade federal
outras providências
processo seletivo
catarina prefeitura
minas gerais
secretaria municipal
CÂmara municipal
ensino fundamental
ensino médio
concurso público
catarina município
Dispõe sobre
reunião ordinária
Serviço público
câmara municipal
público federal
Processo seletivo
processo licitatório
educaçÃo universidade
seletivo simplificado
Secretaria municipal
sessão ordinária
ensino superior
Relatório técnico
Universidade estadual
Conselho municipal
técnico científico
direitos humanos
científico período
espírito santo
pregão eletrônico
Curriculum vitae
Sequência didática
Quarta feira
prefeito municipal
distrito federal
conselho municipal
língua portuguesa
nossa senhora
educaçÃo secretaria
segunda feira
Pregão presencial
recursos humanos
Terça feira
educaçÃO ciência
agricultura familiar