Salmos, orações do passado e do presente



Baixar 33.05 Kb.
Encontro29.10.2017
Tamanho33.05 Kb.

www.abiblia.org – Curso on line – Ivete Holthmam

Salmos, orações do passado e do presente
www.abiblia.org

Ivete Holthmam

AULA 1/9

Introdução 1

Como seus vizinhos do Egito, da Mesopotâmia e de Canaã, Israel cultivou, desde as origens, a poesia lírica sob todas as formas. Alguns textos estão inseridos nos livros históricos, como:



  • o Cântico de Moisés (Ex 15),

  • o Cântico do Poço (Nm 21,17-18),

  • o hino de vitória de Débora (Jz 5),

  • a elegia de Davi sobre Saul e Jônatas (2Sm 1) etc.,

  • Até os poemas de Judas e de Simão Macabeu (lMc 3,3-9 e 14,4-15)

E, mais tarde os cânticos do Novo Testamento:

  • o Magnificat (Lc 1,46-55),

  • o Benedictus (Lc 1,68-79),

  • o Nunc Dimittis (Lc 2,29-32).

Numerosas passagens dos livros proféticos pertencem aos mesmos gêneros literários. Existiam antigas coleções, das quais só restaram o nome e alguns vestígios: o livro das Guerras de Iahweh (Nm 21,14) e o livro do Justo (Js 10,13; 2Sm l, 18). Mas o tesouro da lírica religiosa de Israel nos foi conservado pelo Saltério ou seja, pelos 150 Salmos.

Os nomes


O Saltério (do grego Psaltérion, propriamente nome do instrumento de cordas que acompanhava os cânticos, os salmos) é a coleção dos cento e cinquenta salmos. Do Sl 10 ao Sl 148, a numeração da Bíblia hebraica (a que aqui seguimos) está uma unidade na frente da numeração da Bíblia grega e da Vulgata, que reúnem os Sl 9 e 10 e os Sl 114 e 115, mas dividem em dois os Sl 116 e o Sl 147.

Em hebraico, o Saltério chama-se Tehillim, “Hinos”, mas o nome só se aplica adequadamente a um certo número de salmos. De fato, nos títulos que encabeçam a maioria dos salmos, o nome de hino é dado apenas ao Sl 145. O título mais frequente é mizmor, que supõe um acompanhamento musical e que se traduz muito bem com nossa palavra “salmo”. Alguns destes “salmos” são chamados também “cânticos”, e o mesmo termo, usado sozinho, introduz cada peça da coleção “Cântico das Subidas”1 (Sl 120-134). Outras designações são mais raras e às vezes difíceis de interpretar.



(Continuaremos na próxima aula)

Salmo 121
1. Cântico das subidas.

Eu ergo os meus olhos para os montes;

De onde virá meu socorro?

2. Meu socorro (virá) com o Senhor,

Aquele que fez o céu e a terra.

3. Não dará tropeço teu pé;

Não fugirá aquele que te guarda.

4. Eis! Não fugirá

e não dormirá aquele que guarda Israel.

5. O Senhor é aquele que te guarda;

O Senhor é tua sombra sobre a tua mão direita.

6. Durante o dia, o sol, não te ferirá,

e a lua na noite.

7. O Senhor te guardará de todo mal;

Ele guardará a tua vida.

8. O Senhor guardará tua saída

e tua entrada,

desde sempre e até sempre.


Reflexões
Leia com calma o Salmo e veja que frase lhe chamou a atenção. Reflita um pouco e comece a escrever espontaneamente.

  • Você acredita que seu socorro vem do Senhor?

  • Alguma vez você sentiu que a Sombra do Senhor te cobriu? Pense em algo que te aconteceu e você sentiu totalmente protegido pelo Senhor.

  • De que mal você sente que o Senhor o protege?

  • Repita três vezes este outro versículo: “Na minha angústia, invoquei o SENHOR, gritei por socorro ao meu Deus. Ele do seu templo ouviu a minha voz, e o meu clamor lhe penetrou os ouvidos.” (Sl 18,6)

  • De que mal o Senhor pode te guardar?


Versículo a ser memorizado:

Meu socorro vem do Senhor que fez o céu e a terra.


Comentário do Salmo 121
1. Tipo de salmo

É um salmo de confiança individual. Uma pessoa expressa sua profunda e inabalável confiança No Senhor, em todos os momentos e situações da vida.


2. Como está organizado

Como o anterior, também este salmo não possui introdução nem conclusão. Essas duas partes talvez tenham sido eliminadas porque, na forma atual, os Salmos 120-134 constituem um bloco único, isto é, o livrinho para os romeiros que peregrinam a Jerusalém para as festas.

O corpo apresenta dois momentos: lb-2 e 3-8. No primeiro (lb¬2), a pessoa faz a si mesma uma pergunta. E ela própria responde. A questão fundamental é de onde vem o socorro. Os montes, para os quais olha o fiel, recordam um dado interessante. Quando os hebreus saíram do Egito e tomaram posse da terra da promessa, tiveram de se refugiar nas montanhas para se livrar dos exércitos inimigos, che¬fiados pelos reis das cidades-estados cananeias. Esses reis tinham carros de guerra e estes, evidentemente, não subiam morros. As montanhas passaram a ser o lugar privilegiado dos hebreus, lugar de refúgio (compare com o Salmo 11,1b). De qualquer forma, as mon¬tanhas sempre representaram (e ainda representam) lugares segu¬ros contra os ataques do inimigo. Será delas que virá o socorro para o salmista? Não. Ele próprio responde, afirmando que o socorro dele vem do Senhor criador do céu e da terra (2). Talvez as montanhas exer¬çam simplesmente a função de "puxar para cima" quem as admira, apontando para algo que está acima delas, no céu: o Deus que as criou. Ele é o criador de tudo (céu e terra é uma expressão que pre¬tende abraçar todas as coisas criadas). No primeiro momento é mui¬to importante a palavra "socorro" (lb.2a).

No segundo momento (3-8), a pessoa fala a si própria, mos¬trando como Senhor é socorro. Esse tema se desdobra em duas partes: o que o Senhor não faz (3-4) e o que Ele faz (5-8).

O que não faz? Não deixa o pé do fiel tropeçar, jamais dorme, não dorme nem cochila. A negação é repetida quatro vezes. O Senhor é apresentado como pastor, pois quem não dormia à noite para cuidar dos rebanhos eram os pastores (compare com Lucas 2,8). A imagem é interessante, pois faz lembrar o episódio de Elias no monte Carmelo, em conflito com os sacerdotes de Baal (1 Reis 18,27). Ele caçoa deles, dizendo que, talvez, Baal esteja dormindo (em pleno meio-dia!). O Senhor, ao contrá¬rio, é guarda pessoal do salmista e também guarda de Israel. Vêm, a seguir, as ações que o Senhor faz (5-8). A palavra guardar torna-se muito importante, caracterizando as ações de Javé em favor de seu aliado: guarda sob a sombra, guarda de todo o mal, guarda a vida e guarda as entradas e as saídas. Nota-se que o verbo guardar apare¬ce quatro vezes. Além disso, Javé toma posição "à direita" do fiel (5b), lugar do defensor (compare com o Salmo 109,31a). A imagem da som¬bra (5a) faz pensar na nuvem de Êxodo 14,19-22 (fato recordado em Sabedoria 19,7a). As duplas de lugares ou situações de perigo não têm mais razão de existir: dia-noite, sol-lua, entradas-saídas, ago¬ra-para sempre, tudo é banhado pela confiança absoluta naquele que é socorro, não dorme, está à direita e guarda a vida do justo. A expressão dia-noite e a expressão agora-para sempre abraçam todo o tempo: entradas e saídas representam todas as atividades da pes¬soa, em casa (entradas) e fora dela (saídas), vida privada e vida pública. Não fica claro como a lua poderia ferir alguém de noite (6a). Pode simplesmente ser um recurso literário para formar du¬pla com o sol. Este, sim, com seu calor, pode causar danos à pessoa. Em algumas culturas antigas acreditava-se que o luar pudesse fa¬zer mal.
3. Por que surgiu?

O salmo expressa absoluta confiança no Senhor, apesar dos peri¬gos ou conflitos que a vida apresenta. De fato, fala-se da possibilida¬de de o pé tropeçar (3a) e insinuam-se perigos noturnos (3b-4.6b). Se não houvesse perigo, não haveria a necessidade da sombra proteto¬ra do Senhor, nem de seu posicionamento à direita do fiel (5). São re-cordados perigos naturais, como o excesso de exposição ao sol (6a), sinal de que essa pessoa está a caminho e correndo riscos (compare com o Salmo 91,5-6). Fala-se de "mal", sem especificar em que con¬siste. Finalmente, recordam-se os perigos dentro de casa (veja Amós 5,19) e fora dela. Nada disso abala essa pessoa. Sua confiança no Senhor é total.

4. O rosto de Deus

Descobrimos neste salmo várias características de Deus. Em primeiro lugar, é chamado de "socorro" (1b.2a). Em todo o Antigo Testamento, o único socorro de Israel se chama Senhor. Os profetas criticam as autoridades políticas quando elas vão pedir socorro ao Egito ou à Assíria. O salmista, portanto, acertou "na mosca" quanto à fé do povo de Deus. Em segundo lugar, o Senhor criou o céu e a terra, é o aliado de tudo e de todos para a vida. É por isso que a vida dessa pessoa está a salvo (7b). Além disso, a imagem do pastor que não dorme é muito importante. E o tema "Deus-pastor" faz pensar no êxodo e na aliança. A sombra (5a), sinal de proteção, também é tema ligado à saída do Egito e à aliança. Igualmente a lembrança das "entradas e saídas". Vale a pena recordar um texto de Deute-ronômio 28,6. Aquele que for fiel à aliança "será abençoado ao en¬trar e abençoado ao sair". Finalmente, o Senhor é aquele que se põe, como aliado, à direita do pobre (versículo 5b comparado com Salmo 109,31a).

De alguma forma, todos esses aspectos do rosto de Deus refle¬tem-se no rosto de Jesus. Com suas palavras e ações, fazia nascer confiança nas pessoas. Chamam a atenção seus milagres em favor dos pobres, doentes e excluídos. Jesus foi "socorro" para quantos con¬fiaram nele. É interessante, também, aprofundar o tema "Jesus-pas¬tor" (João 10), para senti-lo constantemente vigilante em favor da vida para todos.
5. Rezar o Salmo 121

A vida é cheia de surpresas, riscos e perigos sem conta. Quem confia em Deus como confiava o autor deste salmo pode apropriar-se dele e fazer a mesma experiência. É bom ressaltar que se trata de confiança em meio às tensões e conflitos da vida. Confiar quando tudo corre bem é fácil. Mas a confiança só é madura quando a senti¬mos apesar dos conflitos e em meio a eles.



Outros salmos de confiança individual: 3; 4; 11; 16; 23; 27; 62; 131.

Perguntas para a primeira aula


  1. Leia e cite os poemas que aparecem nos Livros históricos da Bíblia.

  2. Leia e cite os textos em forma de Salmo que aparecem no Livro de Lucas.

  3. O que significa Psalterion?

  4. Qual o nome dos Salmos em Hebraico?

  5. O título mais frequente que aparece na Bíblia é ………………., que supõe um acompanhamento musical e que se traduz muito bem com nossa palavra “salmo”.




1 No cabeçalho de cada poesia encontra-se a expressão shir hama´alot, que significa, literalmente, cânticos ou canção das subidas. A expressão “das subidas” está ligada a palavra ma´alot, que tem a raiz verbal na palavra ´lh (‘alah), que significa subir.


Baixar 33.05 Kb.

Compartilhe com seus amigos:




©bemvin.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Prefeitura municipal
santa catarina
Universidade federal
prefeitura municipal
pregão presencial
universidade federal
outras providências
processo seletivo
catarina prefeitura
minas gerais
secretaria municipal
CÂmara municipal
ensino fundamental
ensino médio
concurso público
catarina município
Dispõe sobre
reunião ordinária
Serviço público
câmara municipal
público federal
Processo seletivo
processo licitatório
educaçÃo universidade
seletivo simplificado
Secretaria municipal
sessão ordinária
ensino superior
Relatório técnico
Universidade estadual
Conselho municipal
técnico científico
direitos humanos
científico período
espírito santo
pregão eletrônico
Curriculum vitae
Sequência didática
Quarta feira
prefeito municipal
distrito federal
conselho municipal
língua portuguesa
nossa senhora
educaçÃo secretaria
segunda feira
Pregão presencial
recursos humanos
Terça feira
educaçÃO ciência
agricultura familiar