Rio botas um rio em extinçÃO



Baixar 0.86 Mb.
Encontro06.03.2019
Tamanho0.86 Mb.
RIO BOTAS UM RIO EM EXTINÇÃO

Danielle Silva de Moura, Allan Pessanha de Jesus, Levi da Silva Araújo de Oliveira.

Orientador: Enio Silva De Lima.

Coorientador: Aline


Colégio Estadual Gustavo Barroso.

AV. GAL. JOSÉ MÜLLER. S/Nº HELIÓPOLIS – BELFORD ROXO / RJ

CEP 26140-040 INEP 33046247 U . A . 186815

C.N.P.J 00923806/0001-51 TEL : (21) 2779-6994 /2762-8524

cegbarroso@ibest.com.br (21) 2661-7111(FAX)


Resumo
O projeto rio botas um rio em extinção, visa contar a história desse rio que corta a cidade de Belford Roxo e seu estado de calamidade pública em que ele se encontra. Tentar mostrar a visão dos alunos que já conheceram o rio nesse estado, com pessoas que conheceram o rio quando ele não estava poluído. Verificar se o rio ainda tem partes livres da poluição se suas nascente estão correndo risco e finalizar o projeto com ideias para solucionar o problema.

O projeto Belford x o lixo, tem finalidade de descrever um problema que vem acontecendo na cidade de Belford Roxo causando vários problemas ambientais e urbanos até de saúde pública. O que deve ser feito para solucionar esse problema.



Objetivo
O objetivo desse trabalho é comparar a situação do rio botas em diferentes épocas e localidades mostrar o estado de degradação desse, que um dos rios mais importantes da cidade de Belford Roxo .

Mostrar sua degradação e seu alto grau de destruição que ele vem sofrendo no decorrer dos anos e do seu trajeto, pesquisar o tipo de fauna e flora que se encontra nas intermediações do rio.



Materiais e Métodos
• Serão realizadas pesquisas de campo.
Nascente do Rio Botas

O Rio Botas nasce em Nova Iguaçu, no Bairro de Adrianópolis, e desagua no Rio Iguaçu, na altura de Belford Roxo. Se observarmos o mapa abaixo vamos perceber que ele drena as águas da APA Gericinó-Mendanha. É um rio extremamente poluído na medida que ultrapassa as manchas urbanas da cidade.



RIO BOTAS
O Rio Botas é um rio que banha o estado do Rio de Janeiro. Nasce na cidade de Nova Iguaçu no bairro de Adrianopolis, passa pelo bairro de Comendador Soares, mais conhecido como Morro Agudo deságua no Rio Iguaçu, no município de Belford Roxo. seu principal afluente é o Rio Maxambomba. Extensão 20 Km

Era um Rio de característica rural, hoje sofre com construções irregulares em vários trechos, principalmente nas áreas mais urbanizadas dificultando os serviços de dragagem.

É muito prejudicado pela quantidade de resíduos tais como entulhos, galhadas e lixo domiciliar que constantemente são removidos.

Pertence a Macro Região Ambiental 1 - Bacia Hidrográfica da Baía de Guanabara :Sub -Bacia do Rio Iguaçu


O RIO BOTAS
No final do século XVIII, ainda sem estarem assoreados e apresentando límpidas águas, diversos rios da Baixada Fluminense, como os rios Iguaçu e Sarapuí tornaram-se “estradas” naturais de navegação, pelo qual eram levados, ao mercado do Rio de Janeiro, produtos cultivados e processados na região como: açúcar, mandioca, arroz, feijão, laranja, aguardente, milho e legumes, que alcançavam a Baía de Guanabara, conduzidos por pequenos barcos à vela, ou levados por compassadas remadas impelidas pelo braço escravo.

O Rio Botas não cumpria essa função, pois as estradas que vinham das fazendas não levavam esses produtos em sua direção. Porém, era um dos ou o mais belo rio da região, tendo sua bacia hidrográfica apresentando densas florestas com grande quantidade de espécimes vegetais e animais. Com o avanço da civilização em direção à Baixada Fluminense, as florestas foram se tornando, dia a dia, mais ralas, sendo substituídas por lavouras associadas às queimadas e à retirada de lenha, dando início à situação que encontramos hoje, a qual foi ratificada com a urbanização.

O Rio Botas nasce na APA Gericinó-Mendanha, em Nova Iguaçu, próximo da divisa com o município de Queimados. Percorre 11,4 km no município de Belford Roxo até desaguar no Rio Iguaçu, entre os bairros de Recantus (antigo Babi) e Maringá, tendo o seu primeiro terço direção leste-oeste, e os dois últimos terços direção sudoeste-nordeste. Possui comprimento total de quase 24km . Suas águas, assim como os outros rios da Baixada Fluminense, estão muito poluídas e seu leito, cada vez mais, assoreado. A medida mais eficiente para “limparmos” nossos rios é a implantação de Estações de Tratamento de Esgoto (ETEs).

A ETE é uma infraestrutura que trata as águas residuais de origem doméstica e/ou industrial, comumente chamadas de esgotos sanitários ou despejos industriais, para depois serem escoadas para o mar ou rio com um nível de poluição aceitável (ou então, serem "reutilizadas" para usos domésticos).

Existem, em Belford Roxo, cinco ETEs, todas desativadas. Três são de responsabilidade do Estado (Orquídea, Sarapuí e Joinvile), todas de grande porte, e outras duas de responsabilidade do Município (Vilar Novo e São Bernardo), ambas de pequeno porte. Atualmente os efluentes são despejados “in natura” nos corpos hídricos.

O desafio de Belford Roxo, representado pela Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Saneamento é a criação do “Pacto pelo Saneamento”, uma parceria entre os três Poderes Públicos (Município de Belford Roxo, Estado do Rio de Janeiro e Governo Federal), a fim de colocá-las em operação.



Futuramente, de acordo com o Projeto Federal (PAC), em parceria com a Secretaria de Estado do Ambiente, com o Instituto Estadual do Ambiente e com a Prefeitura Municipal de Belford Roxo, virão a ser executadas ações em diversos córregos de Belford Roxo, como os valões Distinção, Redentor, Olavo Batista, Alexandre Magno, São Bento, Subestação Furnas, Santa Teresa e seu afluente, através da Ação “Limpa Rio”.

Análise da fauna e flora identificando a vegetação nativa e a vegetação intrusa como a fauna que e encontrada no rio botas.




• Entrevistas com pessoas para relatarem o problema
Ouvir relatos sobre a situação do rio em diferentes épocas e identificar os períodos de degradação do Rio no decorrer dos anos.

Entrevista sobre a situação do rio botas no link:

http://www.youtube.com/watch?v=ZYdwak7fZsE&feature=c4-overview&list=UUJ02Aq8vkckUy9YllzPekLw
Segundo vídeo sobre o rio :

http://www.youtube.com/watch?v=Mvbo06h3wko


• Fotos, vídeos, notícias em jornais.
Placas mostrando a intervenção do governo com obras para controlar as inundações causadas pelo rio botas




Relatar os resultados de pesquisa com diversos métodos de pesquisa.
Análise microscópica da Água do rio Botas



Resultados e Discussão
Com objetivo de conscientizar e informar a população da crescente situação de degradação do rio botas e conscientizar as gerações futuras sobre esse crescente problema de poluição que vem aumentando no decorrer do tempo .

A conservação do rio botas e uma necessidade urgente os órgão governamentais tem trabalhado nisso e tem tirados os moradores ribeirinhos ,dragando o seu interior e fazendo um trabalho de conscientização da população.



Referências
http://riobotas.blogspot.com.br/
https://sites.google.com/site/eufrasiopereira2010/geografia-de-belford-roxo/hidrografia-de-belford-roxo
https://sites.google.com/site/eufrasiopereira2010/geografia-de-belford-roxo/hidrografia-de-belford-roxo

Baixar 0.86 Mb.

Compartilhe com seus amigos:




©bemvin.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Prefeitura municipal
santa catarina
Universidade federal
prefeitura municipal
pregão presencial
universidade federal
outras providências
processo seletivo
catarina prefeitura
minas gerais
secretaria municipal
CÂmara municipal
ensino fundamental
ensino médio
concurso público
catarina município
reunião ordinária
Dispõe sobre
Serviço público
câmara municipal
público federal
Processo seletivo
processo licitatório
educaçÃo universidade
seletivo simplificado
Secretaria municipal
sessão ordinária
ensino superior
Universidade estadual
Relatório técnico
Conselho municipal
técnico científico
direitos humanos
científico período
pregão eletrônico
Curriculum vitae
espírito santo
Sequência didática
Quarta feira
conselho municipal
prefeito municipal
distrito federal
língua portuguesa
nossa senhora
educaçÃo secretaria
Pregão presencial
segunda feira
recursos humanos
educaçÃO ciência
Terça feira
agricultura familiar