Revista eletrônica



Baixar 38.06 Mb.
Página65/253
Encontro30.10.2016
Tamanho38.06 Mb.
1   ...   61   62   63   64   65   66   67   68   ...   253

Por outro lado, não como se determinar que a devolução se em dobro, como pleiteado pelo autor, visto que não se afere propriamente má-

na cobrança, requisito essencial nos termos do art. 42, parágrafo único, do CDC e da Súmula 159 do Supremo Tribunal Federal, afigurando-se apenas uma falha na prestação do serviço.
Jurisprudência - Direito Privado

Acesso ao Sumário


neste sentido:

Somente a cobrança de valores indevidos por inequívoca má-fé enseja a repetição em dobro do indébito. (AgRg no REsp 1.127.566/RS, Rel. Ministra MARIA ISABEL GALLOTTI j. 13.03.2012).

Por fim, em relação à ocorrência de danos morais, a hipótese não retrata qualquer ofensa aos direitos da personalidade do autor a ensejar a indenização. O dano moral deve ser reconhecido nas situações em que se observa

efetiva violação a direito extrapatrimonial, o que não se afere do caso em virtude

da cobrança de comissão de corretagem, mesmo que sob a designação de sinal/ arras. Inexiste ato ilícito da a ensejar o arbitramento de qualquer quantia em favor do requerente

Isto posto, nega-se provimento aos recursos.



ACÓRDÃO




Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação 1023667- 67.2015.8.26.0100, da Comarca de São Paulo, em que são apelantes M.A.C. e K.S.A.C., é apelado JUÍZO DA COMARCA.

ACORDAM, em Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de o Paulo, proferir a seguinte decisão: “Deram provimento ao recurso. V.U.”, de conformidade com o voto do Relator, que integra este acórdão. (Voto 12.414)

O julgamento teve a participação dos Exmos. Desembargadores CLAUDIO GODOY (Presidente), LUIZ AnTOnIO DE GODOY e RUI CASCALDI.



São Paulo, 26 de janeiro de 2016. CLAUDIO GODOY, Relator

Ementa: Casamento. Regime de bens. Pretendida alteração da comunhão parcial para a separação de bens. Matrimônio celebrado sob a égide do anterior Código Civil. Possibilidade, por força do art. 1.639,


§ 2º, do CC/02. Imutabilidade prevista no art. 2.039 que se refere exclusivamente às normas específicas de cada regime. Precedentes desta Câmara. Potencial prejuízo a terceiros não demonstrado. Direito de

terceiros preservados com a averbação da mudança no Registro de Imóveis e Registro Civil. Ademais, efeito ex nunc da alteração que se assenta e ressalva. Sentença revista. Recurso provido.
Jurisprudência - Direito Privado

Acesso ao Sumário




VOTO

Cuida-se de recurso interposto contra sentença (fls. 60/61) que desacolheu pretensão de modificação do regime de bens do casamento das partes, de comunhão parcial para separação. Sustentam os recorrentes a existência de motivação legítima à alteração, pois os cônjuges possuem atividades profissionais próprias, auferindo renda própria, havendo conflito na administração do patrimônio comum. Aduzem não haver prejuízo a terceiros com o acolhimento do pedido.

Recurso regularmente processado, tendo o Ministério Público deixado de

se manifestar, na origem (fls. 82).

é o relatório.

Respeitada a convicção do I. Juiz prolator da sentença recorrida, não se acede à conclusão por seu intermédio externada.



O casamento foi celebrado na vigência do Código Civil de 1916, que previa a inalterabilidade do regime de bens - note-se, uma forma de tutelar a mulher, afinal, na sistemática originária do CC antecedente, relativamente incapaz e sujeita ao poder marital, por isso, não fosse a imutabilidade, à mercê de alterações potencialmente danosas, deliberadas pelo marido -, não se havendo de cogitar de óbice que esteja nessa previsão, particularmente por força do contido no art. 2.039 do atual Código, destarte a despeito da adoção, em geral, de princípio diverso, o da mutabilidade justificada do regime.

neste sentido, segundo se entende, a norma do preceito citado dispõe que os regimes de casamento estabelecidos antes do atual CC permanecem regidos pela normatização anterior. não se veda, pelos seus termos, a alteração de regime, propriamente. Mal comparando, seria como que vedar o divórcio para cônjuges casados antes de 1977 porque então não prevista no ordenamento esta causa dissolutória.

na justa observação de nelson Rosenvald, preocupou-se o legislador em resguardar tão somente os aspectos específicos de cada regime, mas estendendo aos casamentos anteriores ao CC/02 as disposições gerais, comuns a todos os regimes, dentre as quais a alteração, nos termos do art. 1.639, § 2º, do atual CC. Insta diferenciar, ainda nas suas palavras, regime matrimonial primário

- estatuto genérico sobre a disciplina econômica do casal em qualquer regime de bens - do regime matrimonial secundário, alusivo às especificidades de cada regime de bens (in Código Civil comentado, Coord.: Min. Cezar Peluso,


Baixar 38.06 Mb.

Compartilhe com seus amigos:
1   ...   61   62   63   64   65   66   67   68   ...   253




©bemvin.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Prefeitura municipal
santa catarina
Universidade federal
prefeitura municipal
pregão presencial
universidade federal
outras providências
processo seletivo
catarina prefeitura
minas gerais
secretaria municipal
CÂmara municipal
ensino fundamental
ensino médio
concurso público
catarina município
Dispõe sobre
reunião ordinária
Serviço público
câmara municipal
público federal
Processo seletivo
processo licitatório
educaçÃo universidade
seletivo simplificado
Secretaria municipal
sessão ordinária
ensino superior
Relatório técnico
Universidade estadual
Conselho municipal
técnico científico
direitos humanos
científico período
espírito santo
pregão eletrônico
Curriculum vitae
Sequência didática
Quarta feira
prefeito municipal
distrito federal
conselho municipal
língua portuguesa
nossa senhora
educaçÃo secretaria
segunda feira
Pregão presencial
recursos humanos
Terça feira
educaçÃO ciência
agricultura familiar