Revista eletrônica



Baixar 38.06 Mb.
Página17/253
Encontro30.10.2016
Tamanho38.06 Mb.
1   ...   13   14   15   16   17   18   19   20   ...   253

ACÓRDÃO




Vistos, relatados e discutidos estes autos de Agravo de Instrumento 2227840-45.2015.8.26.0000, da Comarca de São Roque, em que são agravantes GILBERT BASILI CAMEnZInD e SÃO ROQUE PARK HOTEL LTDA. ME., é agravada GISELE BASILI CAMEnZInD BALDASSI.

ACORDAM, em sessão permanente e virtual da Câmara Reservada de Direito Empresarial do Tribunal de Justiça de São Paulo, proferir a seguinte decisão: “negaram provimento ao recurso. V.U.”, de conformidade com o voto do Relator, que integra este acórdão. (Voto 28.785)

O julgamento teve a participação dos Desembargadores MAIA DA CUnHA (Presidente) e EnIO ZULIAnI.



São Paulo, 29 de janeiro de 2016. PEREIRA CALÇAS, Relator

Ementa: Agravo. Direito Empresarial. Sociedade Limitada. Ação com pedido de destituição de administrador c/c alteração de contrato social. Cerceamento de defesa. Inocorrência. Desnecessidade de produção de prova testemunhal para esclarecer os pontos controvertidos. Decisão mantida. Agravo a que se nega provimento.




VOTO

Vistos.

  1. Trata-se de agravo de instrumento manejado por GILBERT BASILI CAMENZIND e SÃO ROQUE PARK HOTEL LTDA. ME. nos autos da ação de destituição de administrador cumulada com alteração de contrato social que lhe move GISELE BASILI CAMENZIND BALDASSI. Insurge-se contra decisão reproduzida às fls. 30/31, que, dentre outras providências, indeferiu a produção de prova testemunhal, concluindo que a prova pertinente ao caso seria apenas pericial.

Afirmam que apesar de a prova pericial elucidar as características da gerência e os resultados financeiros, entendem indispensável a produção de prova testemunhal com o depoimento dos que presenciaram a dinâmica e o cotidiano da sociedade, que podem esclarecer fatos que nem sempre constam dos balanços contábeis. Alegam que o indeferimento da produção de qualquer prova acarreta cerceamento de defesa, violando o artigo 5º, LV, da Constituição

Federal.
Jurisprudência - Direito Privado

Acesso ao Sumário

O efeito suspensivo foi indeferido às fls. 109/110.

Instada a se manifestar, a agravada apresentou contraminuta às fls.

112/113.

Relatados.



  1. O agravo não comporta provimento.

O juiz somente está obrigado a abrir a fase instrutória se, para o seu convencimento, permanecerem os fatos controvertidos, pertinentes e relevantes, passíveis de prova testemunhal ou pericial.

Outrossim, o julgamento conforme o estado do processo é uma decisão reservada, em princípio, à prudente discrição do juiz, da prova que apreciará a causa assim como posta na petição do autor, na resposta do u e pela prova produzida, avaliando-se como um conjunto útil ao esclarecimento dos pontos relevantes para o julgamento. Se ele concluir pela suficiência, a revisão de sua decisão nesta instância especial somente se aplica se constatada violação à regra sobre a prova ou ofensa aos princípios do processo”. (AI 53.975-SP, Rel. Min. RUY ROSADO DE AGUIAR, DJU 20.04.95).

Assim, tendo ele entendido como suficientes os elementos constantes dos autos e a produção de prova pericial, não que se falar em cerceamento de defesa, que o princípio do devido processo legal não implica concessão da produção de todas as provas, mas somente as necessárias e que de fato contribuam para a convicção do Juiz, tanto que o Código de Processo Civil prevê a possibilidade de indeferimento daquelas inúteis, julgando antecipadamente a lide.

Dos elementos constantes dos autos, afigura-se correta a orientação do juiz de primeiro grau, que considerou desnecessária a produção de prova testemunhal.

Como não poderia deixar de ser, é nesse sentido que se mostra a uníssona jurisprudência do colendo Superior Tribunal de Justiça:



(...) No sistema de persuasão racional, ou livre convencimento motivado, adotado pelo Código de Processo Civil nos arts. 130 e 131, de regra, não cabe compelir o magistrado a autorizar a produção desta ou daquela prova, se por outros meios estiver convencido da verdade dos fatos. Isso decorre da circunstância de ser o juiz o destinatário final da prova, a quem cabe a análise da conveniência e necessidade da sua produção. (...). (REsp 469557/MT; j. 06/05/2010 Rel. Min. LUIS FELIPE SALOMÃO).

no caso da ação de destituição de administrador, os pontos controvertidos, detalhadamente pormenorizados pelo magistrado, serão esclarecidos por meio de prova pericial. Como bem observado na decisão recorrida, as opiniões e impressões das partes ou testemunhas não são capazes de indicar causa concreta

para o afastamento ou manutenção do agravante Gilbert como administrador da sociedade.


Jurisprudência - Direito Privado

Acesso ao Sumário

Bem por isso, será integralmente mantida a decisão recorrida.



  1. Isto posto, pelo meu voto, nego provimento ao agravo.



Baixar 38.06 Mb.

Compartilhe com seus amigos:
1   ...   13   14   15   16   17   18   19   20   ...   253




©bemvin.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Prefeitura municipal
santa catarina
Universidade federal
prefeitura municipal
pregão presencial
universidade federal
outras providências
processo seletivo
catarina prefeitura
minas gerais
secretaria municipal
CÂmara municipal
ensino fundamental
ensino médio
concurso público
catarina município
Dispõe sobre
reunião ordinária
Serviço público
câmara municipal
público federal
Processo seletivo
processo licitatório
educaçÃo universidade
seletivo simplificado
Secretaria municipal
sessão ordinária
ensino superior
Relatório técnico
Universidade estadual
Conselho municipal
técnico científico
direitos humanos
científico período
espírito santo
pregão eletrônico
Curriculum vitae
Sequência didática
Quarta feira
prefeito municipal
distrito federal
conselho municipal
língua portuguesa
nossa senhora
educaçÃo secretaria
segunda feira
Pregão presencial
recursos humanos
Terça feira
educaçÃO ciência
agricultura familiar