Revista eletrônica



Baixar 39.61 Mb.
Página8/234
Encontro05.04.2017
Tamanho39.61 Mb.
1   ...   4   5   6   7   8   9   10   11   ...   234

ACÓRDÃO




Vistos, relatados e discutidos estes autos de Agravo de Instrumento 2054122-75.2013.8.26.0000, da Comarca de São Paulo, em que é agravante SANOFI-AVENTIS FARMACÊUTICA LTDA, é agravado HUMBERTO WERNER.

ACORDAM, em sessão permanente e virtual da Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo, proferir a seguinte decisão: “Deram provimento em parte ao recurso. V.U.”, de conformidade com o voto do relator, que integra este acórdão. (Voto 20320)

O julgamento teve a participação dos Desembargadores EDUARDO PINTO SANDEVILLE (Presidente) e FRANCISCO LOUREIRO.



São Paulo, 3 de fevereiro de 2014. PAULO ALCIDES, Relator

Ementa: AGRAVO DE INSTRUMENTO.


Indenização. Danos morais. Reações provocadas por uso de medicamento. Relação regida pelo CDC não torna automática a inversão do ônus da prova, cujos requisitos não restaram preenchidos nos autos. Necessidade, ainda, da produção de outras provas, mas não a pericial, diante da constatação de que o medicamento ultrapassou seu prazo de validade.

RECURSO PARCIALMENTE PROVIDO.

VOTO

Sanofi-Aventis Farmacêutica Ltda. interpõe agravo de instrumento, com pedido de liminar, contra a r. decisão (fls. 187/189), que nos autos da ação indenizatória ajuizada por Humberto Werner, fixou os pontos controvertidos, inverteu o ônus da prova, deferiu a produção de provas documental e oral e indeferiu a pericial.

Sustenta, em síntese, ser incabível a inversão do ônus da prova, pois ausentes os requisitos necessários, bem como ser insuficiente a fundamentação da decisão que a decretou. Além disso, argumenta com a inutilidade da oitiva de testemunhas e a imprescindibilidade da realização da prova pericial técnica sobre medicamentos do mesmo lote (fls. 01/17).
Jurisprudência - Direito Privado

Acesso ao Sumário

O efeito suspensivo foi concedido (fls. 193/194).



Sem contraminuta no prazo legal. É o relatório.

Assiste parcial razão ao recorrente.

Estabelece o art. 6º, VIII, do CDC, que é direito do consumidor ter “a facilitação da defesa de seus direitos, inclusive com a inversão do ônus da prova, a seu favor, no processo civil, quando, a critério do juiz, for verossímil a alegação ou quando for ele hipossuficiente, segundo as regras ordinárias de experiências”.



Isto não significa, porém, que a mera aplicação do Código de Defesa do Consumidor, mesmo presente a verossimilhança ou a hipossuficiência, torne incondicional a inversão do onus probandi.

Trata-se apenas de “um instrumento para proteger a parte que teria excessiva dificuldade na produção da prova” (EDUARDO CAMBI. A Prova Civil. São Paulo: Ed. Rev. dos Tribunais, 2006, p. 410).

Desse modo, apenas cabe a inversão “para evitar a injustiça de se proporcionar a vitória da parte mais forte, pela extrema dificuldade ou impossibilidade de a mais fraca demonstrar fatos que correspondem ao normal andamento das coisas ou quando isso pode ser, mais facilmente, comprovado pela parte contrária” (Ob. cit., p. 410), e não para mero conforto do consumidor.

Afinal, o disposto no artigo 6º, VIII, do Código de Defesa do Consumidor jamais pretendeu facilitar a defesa do consumidor às custas do sacrifício do direito de defesa do fornecedor.

No caso, o agravado afirma que após consumir o medicamento “DORFLEX”, produzido pelo agravante, passou a sentir “vertigem, náusea e alternações na pressão arterial”, sendo que ao buscar atendimento médico, aventou-se que o remédio “apresentava corpo/aparência estranha”. Por conta disso, ingressou com ação indenizatória, postulando reparação pelos danos morais no valor de R$ 200.000,00.

A realização da perícia sobre o medicamento, de fato, mostra-se descabida, pois tendo ultrapassado atualmente sua validade, evidente que podem ter ocorrido alterações em sua fórmula, assim como de todo lote remanescente, o que leva a imprestabilidade desta prova, a despeito dos argumentos apresentados pela agravante.



Isto, porém, não afasta a obrigação do agravado de demonstrar o ônus de seu direito através de outras provas, como relatórios médicos e testemunhas, sendo descabido transferir-se tal ônus ao agravante.
Jurisprudência - Direito Privado

Acesso ao Sumário


Assim, o consumidor deverá demonstrar, com base em fatos concretos, suas alegações e eventuais direitos, competindo ao Magistrado, no momento da apreciação das provas, sopesar o que foi apresentado por ambas as partes e decidir, sem partir da presunção, pura e simples, do contido na norma insculpida no art. 6º, VIII, do CDC.

No mesmo sentido:Agravo de Instrumento 2047225-31.2013.8.26.0000, a 11ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo, Rel. Des. Gilberto de Passos, j. 19 de dezembro de 2013.

Ante o exposto, dá-se parcial provimento ao agravo tão somente para afastar a inversão do ônus da prova.



Baixar 39.61 Mb.

Compartilhe com seus amigos:
1   ...   4   5   6   7   8   9   10   11   ...   234




©bemvin.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Prefeitura municipal
santa catarina
Universidade federal
prefeitura municipal
pregão presencial
universidade federal
outras providências
processo seletivo
catarina prefeitura
minas gerais
secretaria municipal
CÂmara municipal
ensino fundamental
ensino médio
concurso público
catarina município
reunião ordinária
Dispõe sobre
Serviço público
câmara municipal
público federal
Processo seletivo
processo licitatório
educaçÃo universidade
seletivo simplificado
Secretaria municipal
sessão ordinária
ensino superior
Universidade estadual
Relatório técnico
Conselho municipal
técnico científico
direitos humanos
científico período
pregão eletrônico
Curriculum vitae
espírito santo
Sequência didática
Quarta feira
conselho municipal
prefeito municipal
distrito federal
língua portuguesa
nossa senhora
educaçÃo secretaria
Pregão presencial
segunda feira
recursos humanos
educaçÃO ciência
Terça feira
agricultura familiar