Revista eletrônica



Baixar 39.61 Mb.
Página61/234
Encontro05.04.2017
Tamanho39.61 Mb.
1   ...   57   58   59   60   61   62   63   64   ...   234

ACÓRDÃO




Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação 0022460- 86.2011.8.26.0004, da Comarca de São Paulo, em que é apelante CONDOMÍNIO SHOPPING CENTER LAPA, é apelado NORBERTO CHERICONI.

ACORDAM, em Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo, proferir a seguinte decisão: “Negaram provimento ao recurso. V.U.”, de conformidade com o voto do Relator, que integra este acórdão. (Voto 7249)

O julgamento teve a participação dos Exmos. Desembargadores SALLES ROSSI (Presidente sem voto), LUIZ AMBRA E GRAVA BRAZIL.



São Paulo, 29 de janeiro de 2014. HELIO FARIA, Relator

Ementa: RESPONSABILIDADE CIVIL - Dano


moral - Suspeita de prática de pedofilia em banheiro de shopping center - Imputação de prática de suposto ato ilícito ao apelado - Avô que apenas levara neta de três anos e meio ao banheiro para não deixa-la sozinha - Constrangimento existente - Abalo moral indenizável - Lesão à honra subjetiva e objetiva - Vulneração de direitos personalíssimos - Manutenção

do valor indenizatório arbitrado - Sucumbência mantida - Aplicação do art. 252 do Regimento Interno do TJSP - Recurso não provido.
Jurisprudência - Direito Privado

Acesso ao Sumário




VOTO

Trata-se de apelação interposta de r. sentença que julgou parcialmente procedente a ação de indenização por dano moral, condenando o réu a pagar ao autor a quantia equivalente a R$ 6.000,00, acrescido de juros de mora a partir da data do ato ilícito e correção monetária pela Tabela Prática do TJSP.

Os embargos declaratórios opostos pelo réu foram desprovidos, em face

do caráter infringente e da inexistência da contradição apontada, fls. 116.



Insurge-se o réu contra a sentença, alegando que a teoria do risco poderia fundamentar a responsabilização do apelante caso o serviço prestado por ele, como fornecedor, não apresentasse a segurança esperada, não sendo este o caso dos autos.

Afirma que, ainda que a prestação do serviço tenha resultado defeituosa, o fornecedor se exime de responsabilidade se provar que o defeito ocorreu por culpa do consumidor ou de terceiro.

Ressalta que o apelado, querendo utilizar o banheiro, levou sua neta consigo, sendo que não poderia alegar que era a criança que precisava e não havia um familiar disponível nas instalações do shopping.

Reputa inegável que o mal entendido ocorreu por culpa exclusiva do apelado ou em concorrência como o terceiro que chamou a segurança, uma vez que o autor não se preocupou em avisar a segurança ou outro funcionário do apelante sobre sua intenção de levar a neta ao sanitário masculino.



Ao assim agir, o apelado assumiu o risco de que sua atitude fosse mal interpretada.

Alega que não ocorreu o dano moral, pois, durante a abordagem, cuidou- se ao máximo da preservação da imagem do apelado e sua neta, tendo agido o apelante apenas por dever de ofício.

Postula o provimento do apelo para que seja a r. sentença reformada julgando-se improcedente a ação ou reduzindo-se o valor arbitrado.

Tempestivo, bem processado e sem resposta. É o relatório.

Relata o autor que em 30.07.2011 levou sua neta de 3 anos e meio de idade para brincar na Playland do Shopping Center Lapa e para utilizar o sanitário, levou consigo a criança para o banheiro masculino.



Dentro da cabine do banheiro foi abordado pelos seguranças de forma

agressiva, batendo na porta, acusando-o do crime de pedofilia, constrangendo-o

moralmente diante dos clientes que ali estavam e assustando a menor, que contava com apenas 3 anos de idade.
Jurisprudência - Direito Privado

Acesso ao Sumário

Em face da situação descrita e do dano moral configurado, ajuizou a

presente ação para ver-se indenizado pelos danos experimentados.

A r. sentença de mérito de fls. 103/108 reconheceu a procedência parcial da ação, condenando o réu a pagar ao autor a indenização arbitrada em R$ 6.000,00, com correção monetária desde a data da sentença e juros de mora desde o evento danoso.

Irretocável a sentença.

Apesar de o réu afirmar que possuía um fraldário e um “cantinho da criança” para que a menor fosse deixada enquanto o avô utilizava o banheiro, não se poderia exigir ou obrigar o autor a fazê-lo, porque, por força do inciso II do art. da Constituição da República, “não se poderia exigir do autor a confiança necessária para deixar a neta com os funcionários.”, como observou o Magistrado.



Além disso, não seria esperada outra conduta do avô zeloso, que parece ser o autor, pois as outras possibilidades - deixar a neta do lado de fora do banheiro, utilizar o mictório com a criança ao lado, deixá-la dentro do banheiro e utilizar a cabine, fazer uso do banheiro feminino ou pedir ajuda a alguma mulher - não são nem um pouco adequadas, tampouco seguras.

Totalmente descabida a alegação de que o autor não se preocupou em avisar a segurança ou outro funcionário do apelante, assumindo o risco de ser mal interpretado, isto porque sequer poderia imaginar que sua ida ao banheiro do shopping poderia se desdobrar nos acontecimentos aqui relatados.

Ressalta-se, outrossim, que além de ter sido observado por debaixo da porta, dentro da cabine do banheiro, teve que abrir a porta quando nela bateram os seguranças, mesmo ainda sentado no vaso sanitário.

A apelante não negou que tenha abordado o autor no banheiro, fato bem confirmado pelas testemunhas, tendo havido lesão à honra subjetiva, dignidade pessoal e intimidade do apelado.

Também houve lesão à honra objetiva e imagem do requerente, pois havia pessoas do lado de fora do banheiro aguardando a ação dos seguranças, sendo que foi a pedido delas que ocorreu a evacuação do banheiro para a averiguação.

A testemunha José Eraldo, fls. 90/91, afirma que os seguranças reprimiram algumas pessoas alteradas e que pessoas exaltadas do lado de fora falaram sobre levar o autor à delegacia. Revela, ainda, que o pedido de averiguação foi feito de forma coletiva pelos usuários que saíram do banheiro acusando o autor de pedofilia.



Situação extremamente humilhante e vexatória sucedeu-se, restando

patente o dano, bem como do nexo de causalidade, evidenciado pela conduta do apelante que abordou o apelado de modo injustificado, constrangendo-o, fato este que gerou danos morais a serem reparados. Comprovados o dano e o nexo de causalidade, evidencia-se o dever de indenizar.


Jurisprudência - Direito Privado

Acesso ao Sumário

Em responsabilidade civil, decidiu este Tribunal:

Ementa: Responsabilidade civil - Expressões injuriosas dirigidas pela à Autora - Dano moral - Caracterização - Lesão ao princípio da dignidade humana - Ofensa tanto à honra subjetiva como à honra objetiva da autora, pois consumada na presença de terceiros - Vulneração a direitos da personalidade - Precedente do STJ - Satisfação de R$ 6.780,00 fixada na origem - Redução - Descabimento - Pertinência às peculiaridades do caso concreto - Observância aos critérios compensatório e punitivo da reparação pela lesão extrapatrimonial, com juros moratórios de 1% ao mês do evento danoso (Súmula STJ 54) e correção monetária da sentença (Súmula STJ 362) - Sentença mantida - Aplicação do art. 252 do RI-TJSP - Recurso improvido. (Apelação Cível 0000979- 36.2012.8.26.0003, Câmara de Direito Privado, Rel. Des. Luiz Antonio Costa, j. 11.09.2013).

A reparação do dano extrapatrimonial tem o condão de curar ou amenizar a sensação de dor da vítima proporcionando-lhe uma sensação agradável em compensação.

Contudo, a indenização não pode levar ao enriquecimento ilícito para a parte a ser indenizada, mas deve servir como desestímulo à reiteração da conduta da parte que causou o dano, passando a realizar abordagens de modo a não expor pessoas a constrangimento, no caso, a exposição do apelado com imputação de ato suspeito. E tais premissas estarão atendidas com a reparação em R$ 6.000,00, como arbitrada.

Confirma-se, portanto, integralmente a decisão proferida em primeiro

grau de jurisdição.

As verbas de sucumbência, inclusive as honorárias, foram bem fixadas,

devendo ser mantidas.

No mais, a r. sentença apreciou a questão posta nos autos com inegável acerto, devendo ser mantida por seus próprios e jurídicos fundamentos, nos termo do art. 252 do Regimento Interno do Tribunal de Justiça de São Paulo.

Posto isso, nego provimento ao recurso.



Baixar 39.61 Mb.

Compartilhe com seus amigos:
1   ...   57   58   59   60   61   62   63   64   ...   234




©bemvin.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Prefeitura municipal
santa catarina
Universidade federal
prefeitura municipal
pregão presencial
universidade federal
outras providências
processo seletivo
catarina prefeitura
minas gerais
secretaria municipal
CÂmara municipal
ensino fundamental
ensino médio
concurso público
catarina município
reunião ordinária
Dispõe sobre
Serviço público
câmara municipal
público federal
Processo seletivo
processo licitatório
educaçÃo universidade
seletivo simplificado
Secretaria municipal
sessão ordinária
ensino superior
Universidade estadual
Relatório técnico
Conselho municipal
técnico científico
direitos humanos
científico período
pregão eletrônico
Curriculum vitae
espírito santo
Sequência didática
Quarta feira
conselho municipal
prefeito municipal
distrito federal
língua portuguesa
nossa senhora
educaçÃo secretaria
Pregão presencial
segunda feira
recursos humanos
educaçÃO ciência
Terça feira
agricultura familiar