Revista eletrônica


b) Quanto ao recurso da Câmara



Baixar 39.61 Mb.
Página134/234
Encontro05.04.2017
Tamanho39.61 Mb.
1   ...   130   131   132   133   134   135   136   137   ...   234

b) Quanto ao recurso da Câmara.


Segundo consta, a Câmara Municipal de Paulo de Faria realizou concurso público para provimento dos cargos de Auxiliar Administrativo, Motorista, Porteiro e Telefonista - Edital 02/2010 (fls. 10/39). O Ministério Público, diante de denúncias efetuadas por candidata ao cargo de Auxiliar Administrativo, ajuizou a presente ação acolhida para a) invalidar o certame para o provimento do cargo de Auxiliar Administrativo desde a publicação do Edital e b) condenar a Câmara Municipal na devolução da taxa de inscrição para os candidatos.

Daí o inconformismo. Sem razão, contudo.

O Edital 01/2010 regulamentando o certame, previa, para o cargo de Auxiliar Administrativo, a realização de prova objetiva e prova prática, ambas, de caráter eliminatório e classificatório.



Quanto à prova prática assim dispôs o edital:

9. DAPROVAPRÁTICA- ELIMINATÓRIAE CLASSIFICATÓRIA

9.1. Todos os candidatos ao Cargo de Auxiliar Administrativo e

Motorista serão submetidos à prova prática.

9.2. A prova prática será considerada e divulgada as respectivas notas, somente para os candidatos que obtiverem aprovação na prova objetiva.


“9.3 As provas práticas serão realizadas no dia 30 de maio de 2010 em horários e locais a serem divulgados, conforme item 4.2;


9.4. As provas práticas, terão o valor de 0 (zero) a 100 (cem)

pontos; (fls. 20/21).

Edital não previu especificamente em que condições seria realizada a prova prática. Nenhuma regra específica foi previamente estabelecida. Sequer

quanto ao critério de avaliação ou no que consistiria a prova prática (digitação de texto, elaboração de planilha ou banco de dados, etc), ou qual o sistema operacional a ser utilizado, dispôs o edital. Condições imprescindíveis para a validade do certame.
Jurisprudência - Direito Público

Acesso ao Sumário

Na medida em que ele deve fixar as regras do certame, definindo em que condições se estabelece o relacionamento entre a Administração e aqueles que concorrerão aos cargos, deve obrigatoriamente prever a forma de avalição de cada fase.

Confira-se, a propósito, o ensinamento de FRANCISCO LOBELLO DE OLIVEIRA ROCHA:

“... na elaboração do edital, o Administrador deve fornecer critérios objetivos e suficientes para a seleção dos melhores candidatos, bem como as regras e procedimentos que serão observados na condução do concurso.

Não basta, todavia, que o edital contenha os critérios de avaliação dos candidatos. É imperioso que descreva, de forma minudente e exaustiva, a forma de avaliação e pontuação atribuída a cada critério. Isto porque, após a publicação do edital, não pode restar ao Administrador qualquer margem de discricionariedade que pudesse ter sido exaurida no momento de sua colaboração. (grifei - “Regime Jurídico dos Concursos Públicos” - Ed. Dialética - 2.006 - p. 57).

E de MÁRCIO CAMMAROSANO:



“... devem ser preestabelecidos os tipos de provas a que os

candidatos se submeterão - teóricas ou práticas, escritas e ou orais

-, os fatores a serem levados em consideração - clareza e correção da linguagem, sob os aspectos de ortografia, pontuação, acentuação etc., desencadeamento lógico do raciocínio, conhecimento do direito aplicável à espécie, propriedade e domínio da linguagem técnica utilizada etc. -, e os critérios para avaliação desses mesmos fatores. (“Concurso Público e Constituição” - Ed. Fórum - ed. - p. 173).

Não se afigura razoável a realização de certame, máxime para seleção de pessoal, sem o estabelecimento de critérios objetivos de avaliação.

Não se presta referência da corré ao Anexo IV do Edital (fls. 710). Restringe-se ele ao conteúdo programático da prova, não à prova prática (fls. 34). A prevalecer o raciocínio da interessada (fls. 710/711), de cálculos de matemática também poderia ser a questionada prova prática quando necessários tais conhecimentos para quem deve “... efetuar pagamentos...” (fls. 31).

Situação inviabiliza a melhor seleção de pessoal para a Administração Pública, na medida em que impede a preparação dos candidatos e desestimula a participação de outros por falta de conhecimento da avaliação a que serão

submetidos.
Jurisprudência - Direito Público

Acesso ao Sumário


Afora a omissão de regras do certame, várias irregularidades foram cometidas durante a aplicação da prova prática para o cargo em questão, realizada no Telecentro Comunitário (fls. 191).

De acordo com a denúncia efetuada perante o Ministério Público pela candidata Patrícia Mendes Barbosa Pereira,

Depois de terem concluído e se retirado do local (Telecentro Comunitário Municipal, no endereço Rua XV de Novembro s/nº, Centro, nesta cidade) onde foi aplicada a prova prática, algumas candidatas foram chamadas para retornarem ao local onde estava sendo realizada a prova prática do concurso citado. A candidata ADRIANA ANDRADE DA COSTA foi a primeira a se retirar do local da prova, outras duas candidatas, ALINE CALDAS BARRIOUNUEVO e ALANA RAMOS

GOUVEIA, também terminaram suas provas e se retiraram. Logo depois, o profissional aplicador da prova da Instituição Soler de Ensino, chamou as candidatas ALINE CALDAS BARRIOUNUEVO e ALANA RAMOS GOUVEIA, para retornarem ao local onde estava sendo realizada a prova prática, pois as provas das mesmas não haviam sido salvas no computador (não posso precisar se por imperícia do aplicador da prova ou por falha no sistema), e elas teriam que refazer suas provas. Como a candidata ADRIANA ANDRADE DA COSTA havia se retirado a bastante tempo do local da prova a candidata ALINE ligou de seu celular (pois somente ela tinha o número de celular da candidata Adriana Andrade da Costa) para chamá-la de volta ao local da prova prática. As candidatas Aline e Alana reiniciaram suas provas e a candidata Alana iniciou uma discussão com o aplicador da prova prática, nervosa e claramente alterada por ter que refazer sua prova. Logo depois, o aplicador da prova registra o fato na ATA da Instituição Soler de Ensino. Chegando em seguida a candidata Adriana Andrade da Costa para também reiniciar sua prova. Na norma 8, subtítulo 8.18 alínea ‘f está explícito que se o candidato se afastar do local da prova a qualquer tempo sem o acompanhamento do fiscal será eliminado (Como não qualquer menção a prova prática no edital, esta candidata está se baseando na norma da prova objetiva). (fls. 06).

Situação inteiramente confirmada pelas demais candidatas (fls. 584/589 e 590/593). Adriana Andrade da Costa, em depoimento em juízo, afirmou:

A prova prática foi no período da tarde. Eu fiz a prova prática e foi mil maravilha. Eu salvei a minha prova e fui embora. Despois estava em casa do meu namorado o celular tocou. Era uma pessoa que estava no local da prova pedindo que eu retornasse para refazer a prova. (fls.

584).


Jurisprudência - Direito Público

Acesso ao Sumário


Jean Carlos dos Santos, responsável pela aplicação da prova prática,

também confirma os fatos:

Eu estava aplicando a prova prática de informática e quando eu fui salvar a prova de uma das candidatas houve um problema no computador e a prova se perdeu, razão pela qual aquela aluna, que ainda não havia deixado o local, foi chamada para refazer a prova, sendo o computador reiniciado. Este problema se deu com três candidatas e o mesmo procedimento foi adotado em relação a todas elas. (fls. 547).

A prova, segundo depoimentos prestados, consistia na digitação de um texto e na elaboração de uma planilha no sistema operacional ‘Linnux’. O candidato ao concluir, procedia a gravação do arquivo em um pen drive de posse do aplicador da prova. Esse procedimento sofreu um imprevisto, com a falha em alguns microcomputadores que perderam algumas provas concluídas. A solução encontrada naquele momento foi conceder às candidatas cujas provas foram perdidas, nova oportunidade de fazerem a mesma prova.



Duas delas Aline e Alana, ainda se encontravam no recinto e retornaram ao local da prova para refazê-la (fls. 06), a candidata Adriana que se encontrava na casa de seu namorado (fls. 584) foi contatada por meio de ligação celular e também retornou para refazer a prova.

Contudo, não como ver regularidade nesse proceder.

A falha ocorrida na gravação das provas inviabilizaria o prosseguimento do certame com o consequente cancelamento daquela prova a todos os candidatos e remarcação prévia de nova data com a publicidade necessária.

Inequívoca a violação ao princípio da isonomia. Se, por um lado, a inesperada convocação para refazer a prova possa causar transtornos psicológicos às candidatas prejudicadas (“... ao retornar a declarante ficou sabendo que teria que refazer toda a sua prova, e assim o fez, porém completamente nervosa e desconcentrada...” - declaração prestada pela candidata Alana nos autos do Inquérito Civil - fls. 347), por outro, proporciona-lhes a oportunidade de corrigir erros cometidos na prova anterior.



Não como, diante desses fatos, manter o certame como feito. Como bem posto na r. sentença:

3.0 - As irregularidades descritas na inicial, que efetivamente ocorreram durante a aplicação da Prova Prática, como ficou demonstrado pelos testemunhos, decorreram exatamente do fato de não constar do edital, de forma clara e objetiva, as regras, condições e os critérios dessa prova. Os desacertos, que surpreenderam o próprio aplicador da prova, que foi obrigado a improvisar por várias vezes, foram causados pela falta de objetividade do edital.



3.1 - A Prova Prática, conforme as contestações da candidata Tatiane Barreto Fernandes Hauixan e da Câmara, era de datilografia. No entanto, para o aplicador era de conhecimento de programas, manuseio deles, formatação de textos, cálculos pelo sistema ‘Excel’ (f. 547 v.). Não se pode afirmar que algum deles esteja errado, porque, em verdade, o edital não definiu a prova.
Jurisprudência - Direito Público

Acesso ao Sumário


4.0 - Por outro lado, se o processo concursivo não padesse (sic) de invalidade de origem, por vício do edital, as irregularidades ocorridas durante a aplicação da Prova Prática constituíram causas bastantes para a sua invalidação. Com efeito, candidatas foram auxiliadas pelo aplicador da prova, o sistema operacional instalado nos computadores usados apresentou problemas, o que obrigou o aplicador a enviar as provas por e-mail para a instituição contratada para a execução do concurso, no lugar de grava-las em pen drive, como originalmente estava previsto (f. 547-60).

4.1 - Com isso, a impessoalidade na condução da prova, e a forma de sua condução, foram violadas. (fls. 693/694).



De rigor, portanto, a anulação do concurso público 01/10 quanto ao cargo de Auxiliar Administrativo desde a publicação do edital, com a devolução da taxa de inscrição aos candidatos, como determinado (fls. 694).


  1. Baixar 39.61 Mb.

    Compartilhe com seus amigos:
1   ...   130   131   132   133   134   135   136   137   ...   234




©bemvin.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Prefeitura municipal
santa catarina
Universidade federal
prefeitura municipal
pregão presencial
universidade federal
outras providências
processo seletivo
catarina prefeitura
minas gerais
secretaria municipal
CÂmara municipal
ensino fundamental
ensino médio
concurso público
catarina município
reunião ordinária
Dispõe sobre
Serviço público
câmara municipal
público federal
Processo seletivo
processo licitatório
educaçÃo universidade
seletivo simplificado
Secretaria municipal
sessão ordinária
ensino superior
Universidade estadual
Relatório técnico
Conselho municipal
técnico científico
direitos humanos
científico período
pregão eletrônico
Curriculum vitae
espírito santo
Sequência didática
Quarta feira
conselho municipal
prefeito municipal
distrito federal
língua portuguesa
nossa senhora
educaçÃo secretaria
Pregão presencial
segunda feira
recursos humanos
educaçÃO ciência
Terça feira
agricultura familiar