Revista eletrônica



Baixar 39.61 Mb.
Página11/234
Encontro05.04.2017
Tamanho39.61 Mb.
1   ...   7   8   9   10   11   12   13   14   ...   234

Ementa: Prescrição - Ação de cobrança de indenização securitária, cumulada com indenização por danos morais - Prescrição ânua do art. 206, § 1°, inciso II, alínea “b”, do Código Civil - Seguro por motivo de desemprego, vinculado a contratos de empréstimo bancário - Cômputo errôneo desde o aviso prévio


- Cômputo a partir da negativa de pagamento da indenização - Princípio da actio nata - Prescrição rejeitada - Recurso desprovido nessa parte.

Prova - Perícia contábil - Determinação de ofício pelo juiz e custeio a cargo dos corréus - Inadmissibilidade -

Custeio disciplinado pelo art. 33 do CPC - Prova inútil
Jurisprudência - Direito Privado

Acesso ao Sumário


- Pedido certo deduzido pelo autor - Simples cálculos aritméticos, se for caso - Determinação revogada - Recurso provido nessa parte.

VOTO

Exarada r. decisão de saneamento, nos autos de ação de cobrança cumulada com indenização por danos materiais e morais, que o agravado intenta contra a agravante, Cardif do Brasil Vida e Previdência, e os corréus Bradesco Vida e Previdência S/A. e Banco Bradesco S/A., a agravante se insurge contra a rejeição da arguição de prescrição fundada no art. 206, § 1°, inciso II, alínea “b”, do Código Civil, visto que a pretensão é sobre contratos de seguro de proteção financeira pactuados simultaneamente com contratos de empréstimo bancário para garantir o adimplemento em caso de desemprego involuntário, entendendo a agravante que o prazo prescricional anual é contado do termo de rescisão, datado de 24 de agosto de 2011, e não da homologação da rescisão. Ainda se insurge contra a determinação de prova contábil e nomeação de perito, ao argumento de que a prova não foi requerida e é desnecessária no caso concreto, não sendo, ademais, o caso de o custeio ficar a cargo dela agravante e dos corréus por força do art. 33 do CPC.

Deferido efeito suspensivo ao recurso, o agravado contraminutou. É o relatório.

Procede em parte o inconformismo.

É incontroverso que o prazo prescricional no caso concreto, sobre indenização baseada em contratos de seguro, é o anual previsto no art. 206, § 1°, inciso II, alínea “b”, do Código Civil, a saber, a pretensão do segurado contra o segurador, contado o prazo da ciência do fato gerador da pretensão.

A recorrente se opõe à r. decisão do juízo de primeiro grau que afastou a arguição de prescrição sob o fundamento de o prazo ter iniciado com a homologação da rescisão do contrato de trabalho no dia 27 de outubro de 2011, advogando que o termo inicial deu-se no dia 24 de agosto de 2011, isto é, coincidiu com a data do aviso prévio providenciado pela empregadora do autor ao provocar a rescisão do contrato de trabalho.

Equivoca-se a recorrente.



Num exame das “Condições Contratuais” reproduzidas a fls. 44/53 e da Apólice reproduzida a fls. 211/216, em que a agravante opera como cosseguradora ao lado da corré Bradesco Vida e Previdência S/A., a cláusula “10.1.3”, do capítulo “Documentos Necessários”, estipula que entre os documentos, em caso de desemprego involuntário, o segurado deve apresentar “cópia autenticada do termo de rescisão de Contrato de Trabalho devidamente homologado com a

discriminação das verbas rescisórias”.
Jurisprudência - Direito Privado

Acesso ao Sumário


a cláusula “10.1.8” das “Condições Contratuais” e da Apólice estipula que: O atraso na entrega da documentação e/ou documentação incompleta poderá acarretar atraso no pagamento da indenização, e os encargos e juros decorridos serão de responsabilidade do Segurado”.

Pode-se sentenciar que a cópia autenticada do termo de rescisão homologado é “conditio sine qua non” para o pagamento da indenização.

Em sendo assim, o prazo se estivesse correta a arguição iniciar-se-ia da homologação, nunca antes, do contrário o segurado estaria sendo instigado a apresentar documento ainda inexistente.

A homologação ocorreu no dia 27 de outubro de 2011, conforme cópia reproduzida a fls. 55, e no dia 18 de outubro de 2012, antes de completado um ano, o agravado encaminhou-a por intermédio da empresa de correios (fls. 58).

Acresce que é errônea a arguição de prescrição por esse enfoque, pois o prazo iniciou-se com o indeferimento administrativo da indenização.

Dispõe o art. 189 do Código Civil que nasce para o titular de um direito a pretensão desde o momento da violação.

O enunciado n. 14 do Conselho da Justiça Federal, aprovado na Jornada de Direito Civil de 2002, é no sentido de que: a) “o início do prazo prescricional ocorre com o surgimento da pretensão, que decorre da exigibilidade do direito subjetivo”; b) “o art. 189 diz respeito a casos em que a pretensão nasce imediatamente após a violação do direito absoluto ou de obrigação de não fazer”.



Antônio Luís da Câmara Leal doutrinava que: “Tendo por fim proteger e garantir o direito, a ação tem uma individualidade própria, distinta do direito, em benefício do qual exerce a sua atividade, e, por isso, diferentes são as suas origens. É assim que o direito nasce do fato que o gera, ‘jus oritur ex facto’; e a ação da violação por ele sofrida. Enquanto nenhuma perturbação sofre o direito, nenhuma ação existe que possa ser posta em atividade pelo seu titular”. E concluía: “Ora, sendo o objetivo da prescrição extinguir as ações, ela é possível desde que haja uma ação a ser exercitada, em virtude da violação do direito. Daí a sua primeira condição elementar: existência de uma ação exercitável. É a ‘actio nata’ dos romanos” (“Da Prescrição e da Decadência”, Ed. Forense, 1978, ed., atualizada por José de Aguiar Dias, págs. 21-22, n. 14).

Ponderando sobre a prescrição como um fenômeno objetivo e também subjetivo, que tem início no fato da violação e no conhecimento dessa violação pelo titular do direito violado, Câmara Leal professava que: “Não nos parece racional admitir-se que a prescrição comece a correr sem que o titular do direito violado tenha ciência da violação. Se a prescrição é um castigo à

negligência do titular - ‘cum contra desides homines, et sui juris contentores, odiosae exceptiones oppositae sunt’ - , não se compreende a prescrição sem a negligência, e a esta, certamente, não se quando a inércia do titular decorre da ignorância da violação... Exercitar a ação, ignorando a violação que lhe origem, é racionalmente impossível, e antijurídico seria responsabilizar o titular por uma inércia que não lhe pode ser imputada - ‘ad impossibilia nemo tenetur’ (ob. cit., pág. 23, n. 16).
Jurisprudência - Direito Privado

Acesso ao Sumário

In casu”, a violação se deu no momento em que a seguradora se negou ao pagamento da indenização, mais exatamente no dia 31 de outubro de 2012 (fls. 33, ou fls. 22 do processo).



Protocolizada a pretensão no dia 21 de fevereiro de 2013, ao ser distribuída a ação de cobrança, é translúcido que a prescrição não se completou.

No que se refere à prova ordenada pelo juízo, além de inútil, o custeio não pode ser atribuído à agravante e aos corréus.

A inversão do ônus da prova, como preconizada no Código de Defesa do



Consumidor, não significa inversão do custeio.

O custeio de prova é disciplinado pelo art. 33 do Código de Processo Civil. A remuneração do perito será paga pelo demandante que houver requerido o exame, ou pelo autor quando determinado de ofício pelo juiz.

Logo, determinada a prova pelo juiz, ao autor incumbe o custeio, não fosse o fato de que a prova é desnecessária.

O autor-agravado, consoante a petição inicial da ação, deduziu pedido

certo, líquido, de R$ 7.473,05 a título de dano material (fls. 29).

Se existe controvérsia sobre o “quantum”, simples cálculo aritmético

será suficiente, feito o decote de verbas em excesso.

Diante do exposto, dá-se parcial provimento ao recurso, a fim de revogar

a r. decisão na parte que ordena prova pericial.





Baixar 39.61 Mb.

Compartilhe com seus amigos:
1   ...   7   8   9   10   11   12   13   14   ...   234




©bemvin.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Prefeitura municipal
santa catarina
Universidade federal
prefeitura municipal
pregão presencial
universidade federal
outras providências
processo seletivo
catarina prefeitura
minas gerais
secretaria municipal
CÂmara municipal
ensino fundamental
ensino médio
concurso público
catarina município
reunião ordinária
Dispõe sobre
Serviço público
câmara municipal
público federal
Processo seletivo
processo licitatório
educaçÃo universidade
seletivo simplificado
Secretaria municipal
sessão ordinária
ensino superior
Universidade estadual
Relatório técnico
Conselho municipal
técnico científico
direitos humanos
científico período
pregão eletrônico
Curriculum vitae
espírito santo
Sequência didática
Quarta feira
conselho municipal
prefeito municipal
distrito federal
língua portuguesa
nossa senhora
educaçÃo secretaria
Pregão presencial
segunda feira
recursos humanos
educaçÃO ciência
Terça feira
agricultura familiar