Principais Caraterísticas da apd portuguesa Volume e Evolução da apd



Baixar 460.31 Kb.
Página1/4
Encontro29.10.2016
Tamanho460.31 Kb.
  1   2   3   4
Principais Caraterísticas da APD Portuguesa

 

Volume e Evolução da APD 



A APD portuguesa, após um período de tendência positiva entre 2010 e 2012, verificou, em 2013, um decréscimo para níveis muito próximos de 2009. Apesar de em 2011 a Cooperação Portuguesa ter superado os 500 M€, em 2012 deu-se uma diminuição de 11% e em 2013 um novo decréscimo de 18,6%, situando-se, em termos líquidos, nos 368 M€. O atual período de controlo do défice público e de consolidação orçamental e o fato de Portugal se encontrar, ainda em 2013, sob um Programa de Assistência Económica e Financeira justificam esta redução.

Em 2011, a APD portuguesa registou uma variação positiva de 3,9% face a 2010, apesar da conjuntura desfavorável. Todavia, 2012 foi um ano cujas restrições de natureza orçamental ditaram uma descida, tanto na ajuda bilateral, na ordem dos 9,9%, como na componente multilateral, em 13,9%. O ano de 2013, ainda por razões de contenção orçamental, não inverteu esta tendência, mais marcante na APD bilateral (-26,2%), atingindo uma descida na APD total na ordem dos 18,6%.



Fonte: Camões,I.P./DPC

A variação positiva da APD de 2011 face a 2010 teve origem num incremento da ajuda bilateral, onde as Linhas de Crédito Concessionais e Empréstimos a países parceiros da Cooperação Portuguesa assumiram um peso significativo na APD global. Este tipo de ajuda influência assim, em grande medida, a variação anual da APD bilateral. A tendência negativa da APD em 2012 e 2013 explica-se, por um lado, pela diminuição geral do esforço financeiro do Estado Português (motivada por razões de contenção orçamental) e por outro, pelo período de reembolso de dívida a Portugal por parte do Estado Angolano, iniciado em 2009.

O volume da APD Multilateral de 2013 verificou alguma estabilização, após uma marcada tendência de decréscimo desde 2011. A redução das contribuições APD canalizadas através das instituições da União Europeia (UE), do Grupo do Banco Mundial e dos Bancos Regionais de Desenvolvimento, explica esta redução.



O peso da APD portuguesa no Rendimento Nacional Bruto (ratio APD/RNB) em 2013 situou-se nos 0,23%, o que representou uma descida face aos últimos três anos. Esta diminuição constitui um reflexo do programa de ajustamento económico e financeiro a que Portugal esteve sujeito.

Neste contexto, Portugal mantém-se aquém do cumprimento da meta de 0,7% em 2015, uma vez que as medidas de controlo do défice público e de consolidação orçamental têm condicionado o seu cumprimento. Todavia, Portugal reafirma o compromisso de afetar 0,7% do RNB à APD à medida que a situação económica e financeira o permita.

A APD Bilateral portuguesa representa, em média, 63% da APD Total, comportando uma forte concentração geográfica nos PALOP e em Timor-Leste, enquanto a APD Multilateral assume um peso relativo de 37%, sendo maioritariamente canalizada através das instituições da UE, Grupo Banco Mundial e das Nações Unidas (NU).



A distribuição da APD portuguesa (Desembolsos Brutos) por Tipologia de Ajuda permite ver, em detalhe, a forma como a Ajuda é concedida. Em 2013, as tipologias mais utilizadas são a C01-Intervenções Tipo-Projeto (55%) que engloba, por exemplo, projetos de investimento, estudos de viabilidade, apoio às ONG e cooperação técnica sempre que integrada em projetos de investimento e, ainda a tipologia B02-Contribuições Gerais para Organizações Multilaterais (35%), onde se destacam as contribuições para as instituições da UE e das NU. Ambas as tipologias abarcam 90% da ajuda.



Em 2013, a APD do conjunto dos países membros do CAD/OCDE, totalizou, a preços correntes, 134.8 biliões USD (dados preliminares), mais 6,1% que em 2012 e com um racio médio APD/RNB por país de 0,4%. Neste indicador Portugal situou-se no 20º lugar no ranking dos 28 países doadores. 




Catálogo: images
images -> Ref: Contribuição Cooperativista e Autogestão 2016
images -> Colman fundiário colman empreendimentos
images -> Scientific and technological co-operation between fct and nsfc
images -> Termo de consentimento do proprietário do animal e/ou do
images -> CoraçÕes de ferro (“fury”) Informações de Produção
images -> Lista de documentos sobre o mercado moçambicano
images -> Minuta Orientadora de Acordo de Pré-Adesão no âmbito dos projetos conjuntos de formação-ação
images -> Ministério da educaçÃo secretaria de educaçÃo profissional e tecnológica instituto federal de educaçÃO, ciência e tecnologia de minas gerais coordenaçÃo de extensãO, pesquisa, inovaçÃo e pós-graduaçÃo cepip
images -> Secretaria Municipal de Saúde Superintendência de Administração e Gestão de Pessoas Diretoria de Gestão e Desenvolvimento de Pessoas

Baixar 460.31 Kb.

Compartilhe com seus amigos:
  1   2   3   4




©bemvin.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Prefeitura municipal
santa catarina
Universidade federal
prefeitura municipal
pregão presencial
universidade federal
outras providências
processo seletivo
catarina prefeitura
minas gerais
secretaria municipal
CÂmara municipal
ensino fundamental
ensino médio
concurso público
catarina município
Dispõe sobre
reunião ordinária
Serviço público
câmara municipal
público federal
Processo seletivo
processo licitatório
educaçÃo universidade
seletivo simplificado
Secretaria municipal
sessão ordinária
ensino superior
Relatório técnico
Universidade estadual
Conselho municipal
técnico científico
direitos humanos
científico período
espírito santo
pregão eletrônico
Curriculum vitae
Sequência didática
Quarta feira
prefeito municipal
distrito federal
conselho municipal
língua portuguesa
nossa senhora
educaçÃo secretaria
segunda feira
Pregão presencial
recursos humanos
Terça feira
educaçÃO ciência
agricultura familiar