Plano de ensino departamento



Baixar 174.74 Kb.
Página2/2
Encontro06.11.2017
Tamanho174.74 Kb.
1   2

6 CRONOGRAMA DAS AULAS


DIAS

ATIVIDADE

RESPONSÁVEL

23 de fevereiro

Apresentação do plano e proposta da disciplina – legislação institucional, lugar do estágio na formação docente. http://www.faed.udesc.br/?id=114

Filme: Entre os muros da escola – Dir.: Laurente Cantet – França – 2008

Discussão e problematização da ação docente e das demandas colocadas à escola no presente.


Profa. Luciana

2 de março

Saber histórico escolar e o pensamento histórico de crianças e adolescentes

PRATS, Joaquim. Ensinar História no contexto das Ciências Sociais: princípios básicos. Educar, Curitiba, Especial, p. 191-218, 2006. Editora UFPR (on-line)

ASHBY, Rosalyn. Desenvolvendo um conceito de evidência histórica: as idéias dos estudantes sobre testar afirmações singulares. Educar, Curitiba, Especial, p.151-170, 2006. (Disponível on line)

BARCA, Isabel. Concepções de adolescentes sobre múltiplas explicações em História. In: __________(Org.). Perspectivas em Educação Histórica. Actas. Primeiras Jornadas Internacionais de Educação Histórica. Braga: Universidade do Minho, 2001, p. 29-43. (digitalizado)




Profa. Luciana

9 de março

Funções do Saber Histórico

RÜSEN, Jörn. História Viva. Brasília: UnB, 2007. pp. 85-134.

CERRI, Luis Fernando. Os conceitos de consciência histórica e os desafios da didática da história. Revista de História Regional 6(2): 93-112, 2001. (Disponível on-line).


Profa. Luciana

16 de março

Relatórios de Estágio da UDESC – modelo do projeto, planos de aula e artigos

FERNANDES, Lindamir Zeglin. A reconstrução de aulas de História na perspectiva da Educação Histórica: da aula oficina à unidade temática investigativa. Disponível on-line: http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/pde/arquivos/158-4.pdf


BARCA, Isabel. Aula Oficina: do projecto à avaliação. ___________________ (org.) Para uma educação histórica de qualidade. Actas das IV Jornadas Internacionais de Educação Histórica. Braga:Universidade do Minho, 2004, p.131-144.

Seminário:

SEGANFREDO, Andréia, RIBEIRO, Gabriela & MOREIRA JUNIOR, Hélio. Representações do Trabalho a Partir do Uso de Fontes Históricas em Sala de Aula: Um Estudo Investigativo das Ideias e Representações de Alunos Sobre as Relações de Trabalho no Brasil da Segunda Metade do Século XIX. In: ROSSATO, Luciana, SILVA, Mônica Martins da & SILVA, Cristiani Bereta da. Experiências do ensino de História no Estágio Supervisionado – vol. 2. Florianópolis: Editora UDESC, 2012. pp. 51-70.
FREITAS, Juliana de Almeida, CEREZER, Larissa. Prática docente e novelas de época: Uma nova perspectiva para o ensino de História. In: SILVA, Cristiani Bereta da; et. al (orgs.) Experiências de ensino de história no estágio supervisionado. Florianópolis: Editora UDESC, 2011. pp. 117-134.



Profa. Cristiani

30 de março

Organização e Seleção de conteúdos

BITTENCOURT, Circe. Ensino de história: fundamentos e métodos. Capitulo III: Procedimentos metodológicos no ensino de história.

SCHMIDT, Maria Auxiliadora & CAINELLI, Marlene. Ensinar História. Capitulo 2

Atividade: Redação do item Metodologia do Projeto de Ensino e de Pesquisa


Profa. Cristiani

6 de abril

Discussão sobre processos avaliativos

ZABALA, Antoni. A prática educativa: como ensinar. Capítulo 8

SCHMIDT, Maria Auxiliadora & CAINELLI, Marlene. Ensinar História. Capitulo 10

DEPRESBITERIS, Lea. Avaliação da aprendizagem do ponto de vista técnico-científico e filosófico-político. Série Ideias n. 8, São Paulo: FDE, 1998. p. 161-172.



Atividade: Redação do item Avaliação do Projeto de Ensino de Pesquisa

Profa. Cristiani

20 de abril

Prova individual e sem consulta

Profa. Luciana

27 de abril

Seminário: apresentação e discussão de pesquisa sobre Ensino de História
Tópicos a serem salientados nas apresentações das dissertações e teses:

  1. Os pressupostos teóricos utilizados pelos autores;

  2. Como foi realizada a pesquisa;

  3. Os resultados obtidos.




Alunos/as responsáveis:

Profa. Cristiani



4 de maio

Apresentação e discussão dos relatórios audiovisuais (após a segunda semana de observação)


Todos/as

Profa. Luciana



11 de maio

Primeira parte da aula: Seminário: apresentação e discussão de pesquisa sobre Ensino de História

Discutir a primeira oficina: planos, material, situações e desafios enfrentados




Alunos/as responsáveis:

Cada Profa. Orientará seus grupos.



18 de maio

Primeira parte da aula: Seminário: apresentação e discussão de pesquisa sobre Ensino de História

Orientação do Projeto de pesquisa e de ensino – Introdução e Problema de pesquisa



Alunos/as responsáveis:

Cada Profa. Orientará seus grupos.



25 de maio

Primeira parte da aula: Seminário: apresentação e discussão de pesquisa sobre Ensino de História

Orientação do Projeto de pesquisa e de ensino



Alunos/as responsáveis:

Cada Profa. Orientará seus grupos.



01 de junho

Primeira parte da aula: Seminário: apresentação e discussão de pesquisa sobre Ensino de História

Orientação do Projeto de pesquisa e de ensino



Alunos/as responsáveis:

Cada Profa. Orientará seus grupos.



08 de junho

Primeira parte da aula: Seminário: apresentação e discussão de pesquisa sobre Ensino de História

Discutir a segunda oficina: planos, material, situações e desafios enfrentados



Alunos/as responsáveis:

Cada Profa. Orientará seus grupos.



22 de junho

Primeira parte da aula: Seminário: apresentação e discussão de pesquisa sobre Ensino de História

Orientação do Projeto de pesquisa e de ensino



Alunos/as responsáveis:

Cada Profa. Orientará seus grupos.



25 de junho

Até as 24:00



Entrega da primeira versão do Projeto de pesquisa e de ensino para o OK da versão final (apenas online)

Apenas em arquivo digital em extensão-doc a ser enviado aos e-mails dos professores responsáveis:

lucianarossato1972@gmail.com e cristianibereta@gmail.com





30 de junho

Entrega versão final do Projeto de Ensino e de Pesquisa Digital. Documento Word extensão–doc para o email lucianarossato1972@gmail.com até às 24:00




05 a 11 de julho

Exames finais





7. CRONOGRAMA NO CAMPO DE ESTÁGIO:

OBS.: nos meses de março, abril e maio conforme calendário nos campos de estágio


Primeira Semana


Segunda Semana


Terceira Semana


Quarta Semana


3 aulas –


  1. Observação

2. Na primeira aula da semana organizar com o professor/a a realização de um pequeno vídeo com os alunos




3 aulas –

1. Observação


2. Nesta semana realizar vídeo com os alunos (que será discutido em sala de aula)


  1. Definir com o professor o tema/conteúdo a ser trabalhado na quarta semana




3 aulas –
1. Observação
2. Preparar a aula a partir do conceito de aula oficina de Isabel Barca e do conceito de Unidade Temática Investigativa de Lindamir Zeglin.
3. Preparar pelo menos uma atividade que já seja instrumento de investigação sobre a História como área de conhecimento.

Relacionar essa investigação aos conteúdos. Pensar em conteúdos substantivos e de segunda-ordem.





3 aulas –
1. Regência – três aulas.
2. Aplicação do instrumento de investigação.
3. Entrega do Relatório de observação individual

Quinta Semana


Sexta Semana


Sétima Semana


Oitava Semana


3 aulas –
1. Observação

3 aulas -
1. Observação
2. Novamente organizar com o professor um espaço para dar as três aulas da oitava semana.
3. Definir o tema ou conteúdo que será tratado.
4. Entrega do Etnografia escolar

3 aulas -
1. Observação
2. Preparar a aula a partir do conceito de aula oficina de Isabel Barca e do conceito de Unidade Temática Investigativa de Lindamir Zeglin.
3. Preparar pelo menos uma atividade que já seja instrumento de investigação sobre a História como área de conhecimento.

Relacionar essa investigação aos conteúdos. Pensar em conteúdos substantivos e de segunda-ordem.




3 aulas -
1. Regência – três aulas.

2. Aplicação do instrumento de investigação.


3. Entrega do Relatório de observação individual


OBSERVAÇÕES:

  1. Os relatos de observação do campo de estágio devem ser entregues ao final da 4ª e 8ª semana de observação. A Etnografia escolar ao final da 6ª semana de observação.

  1. O projeto de ensino e de pesquisa deve ser organizado em três partes:

    1. A primeira parte deve conter uma análise da escola e da turma a partir das informações levantadas com o vídeo, a etnografia escolar e os relatórios de observação. Além disso deve analisar as ideias históricas dos alunos sobre temporalidade história e sobre História como campo de conhecimento conhecidas a partir das atividades realizadas nas oficinas.

    2. A segunda parte é a estrutura do projeto de ensino e de pesquisa já elencando quais ideias históricas serão investigadas. Problema a ser investigado com a pesquisa, justificativa, objetivos bem como uma discussão sobre a metodologia a ser desenvolvida no decorrer das aulas e a forma de avaliação.

    3. A terceira parte é o cronograma de aulas (tema, conteúdo, objetivos, estratégias) a ser desenvolvido no 2º semestre de 2017.



8. AVALIAÇÃO


ATIVIDADE

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

PESO

Atividades propostas em sala de aula, tais como: leitura e discussão de textos em grupos ou individualmente; análises orais e/ou escritas sobre questões referentes ao Estágio docente e ao ensino de História, em particular.

Inclui:


Observação no campo de estágio. Registro e reflexão realizados a partir da observação no campo de estágio.

Assiduidade, pontualidade, criatividade, coerência e criticidade nos argumentos utilizados – escritos e/ou orais. Utilização da norma culta na redação.

Ética e responsabilidade em Campo de Estágio



2,0

Avaliação escrita e sem consulta

Apropriação das leituras realizadas e dos debates feitos em sala. Utilização da norma culta na redação. Originalidade na escrita do texto.

2,0

Oficinas/Regência

Notas individuais para a atuação no campo de estágio



Criatividade na elaboração da atividade, envolvimento, coerência entre a elaboração e a aplicação da proposta de ensino. Boa utilização do tempo e do espaço disponível para a realização das Oficinas

Assiduidade e pontualidade no Campo de Estágio.



3,0

Projeto de pesquisa e de ensino.

Pontualidade na entrega do Projeto. Viabilidade. Criatividade, clareza e coerência conceitual e metodológica das aulas e atividades propostas.

3,0

OBSERVAÇÕES:

  1. O Estágio com docência em história é regulamentado primeiramente pela Lei 11.788, de 25 de setembro de 2008: http://www.faed.udesc.br/arquivos/id_submenu/278/estagios_lei11788.pdf

Pela resolução 066/2014 da UDESC: http://secon.udesc.br/consuni/resol/2014/066-2014-cni.pdf e pelo Regulamento dos estágios supervisionados da FAED aprovado em 28/11/2014 http://www.faed.udesc.br/arquivos/id_submenu/278/regulamento_de_estagios___faed___aprovado_concentro_28_de_novembro_2014.pdf

  1. Em relação as avaliações na disciplina de Estágio Curricular Supervisionado II salienta-se que é obrigatório o cumprimento das seguintes atividades: observação no campo de estágio; entrega dos registros de observação, etnografia escolar e do vídeo; elaboração e aplicação das oficinas no campo de estágio conforme as orientações dos professores e elaboração do projeto de pesquisa e docência. O não cumprimento de alguma destas atividades resultará em reprovação na disciplina.

8 BIBLIOGRAFIA


ABREU, Martha e SOIHET, Raquel (orgs.). Ensino de história: conceitos, temáticas e metodologia. Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2003.

ABREU, Martha; SOIHET, Raquel; GONTIJO, Rebeca. (orgs.) Cultura política e leituras do passado: historiografia e ensino de História. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007.

BARROSO, Vera Lucia Maciel et. al (orgs.). Ensino de História: Desafios Contemporâneos. Porto Alegre: Exclamação/ANPUH/RS, 2010.

BITTENCOURT, Circe et. al. (org.). O saber histórico na sala de aula. 9º ed. São Paulo: Contexto, 2004.

BITTENCOURT, Circe. Ensino de História: fundamentos e métodos. São Paulo: Cortez, 2004.

BITTENCOURT, Circe. Livro Didático e saber escolar 1810-1910. Belo Horizonte: Autêntica, 2008

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais – Ensino Médio. Parte IV: Ciências Humanas e suas Tecnologias. Brasília: SEB/MEC, 2000.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais – História e Geografia. Secretaria do Ensino Fundamental – Brasília: MEC/SEF, 1997.

CAIMI, Flávia Eloisa. História escolar e memória coletiva: como se ensina? Como se aprende? In: ROCHA, Helenice et al. (orgs.) A escrita da história escolar: memória e historiografia. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2009, p.65-79.

CERRI, Luis Fernando. Cartografias temporais: metodologias de pesquisa da consciência histórica. Revista Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 36, n.1, p. 59-81, jan./abr., 2011.

CERRI, Luis Fernando. Os conceitos de consciência histórica e os desafios da didática da história. Revista de História Regional. 6(2): 93-112, 2001.

ENTRE os Muros da Escola (Entre les Murs). Direção de Laurent França: Haut et Court , 2008. 1 DVD (128 min.), colorido.

FAZENDA, Ivani C. Arantes. Interdisciplinaridade: História, Teoria e Pesquisa. Campinas/SP: Papirus, 1994. Coleção Magistério: Formação e trabalho pedagógico.

FONSECA, Selva Guimarães. Didática e Prática de Ensino de História. Campinas/SP: Papirus, 2003.

FONSECA, Thais Nívia de Lima e. História & Ensino de História. 2ª edição. Belo Horizonte: Autêntica, 2006.

GATTI Jr. Décio. A escrita escolar da História: livro didático e ensino no Brasil (1970-1990). Bauro/SP : Edusc, 2004.

GONÇALVES, Márcia de Almeida et al. Qual o valor da História hoje? Rio de Janeiro: FGV, 2013.

HADJI, Charles. Avaliação desmistificada. Porto Alegre: Artmed, 2001

KARNAL, Leandro (org.). História na sala de aula: conceitos, práticas e propostas. São Paulo: Contexto, 2003.

MONIOT, Henri. Didática da História. In: BURGUIÈRE, André (Org.). Dicionário das Ciências Históricas. Rio de Janeiro: Imago, 1993, p.225-228.

MONTEIRO, Ana Maria, GASPARELLO, Arlette Medeiros, MAGALHÃES, Marcelo de Souza (org.). Ensino de História: sujeitos, saberes e práticas. Rio de Janeiro: Mauad X, FAPERJ, 2007.

MONTEIRO, Ana Maria. Professores de História: entre saberes e práticas. Rio de Janeiro: Mauad X, 2007.

MUNAKATA, Kazumi. Histórias que os livros didáticos contam, depois que acabou a ditadura no Brasil. In: FREITAS, Marcos Cezar de (org.). Historiografia brasileira em perspectiva. 6ª edição. São Paulo: Contexto, 2005, p.271-296.

MUNAKATA, Kazumi. Livro didático: produção e leituras. In: ABREU, Márcia (Org.). Leitura, história e história da leitura. Campinas, SP: mercado de Letras: Associação de Leitura do Brasil; São paulo: Fapesp, 1999, p.577-594.

NAPOLITANO, Marcos. Como usar o cinema na sala de aula. São Paulo: Contexto, 2009.

NIKITIUK, Sônia (org.). Repensando o ensino de história. São Paulo: Cortez, 1996.

PEREIRA, Amilcar Araujo; MONTEIRO, Ana Maria. Ensino de História e Culturas Afro-Brasileiras e Indígenas. Rio de Janeiro: Pallas, 2013.

PERRENOUD, Philippe et all (orgs.). Formando professores profissionais. Porto Alegre: Artmed Editora, 2001.

PERRENOUD, Philippe. 10 Novas competências para ensinar. Porto Alegre: Artmed Editora, 2000.

PIMENTA, Selma Garrido. O estágio na formação de professores – Unidade teoria e prática? São Paulo: Cortez, 1995.

PINSKY, Jaime (org.) O Ensino de História e a criação do fato. 12ª ed. São Paulo: Contexto, 2006.

ROCHA, Helenice et al. (orgs.) A escrita da história escolar: memória e historiografia. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2009.

RÜSEN, Jorn. Como dar sentido ao passado: questões relevantes de meta-história. Revista História da Historiografia, n.2, p.163-209, mar. 2009.

RÜSEN, Jorn. Didática da História: passado, presente e perspectivas a partir do caso alemão. Práxis Educativa, Ponta Grossa, vol. 1, n° 2, p. 07-16, jul.-dez. 2006.

RUSEN, Jorn. História Viva. Teoria da História III: formas e funções do conhecimento histórico. Brasília: UnB, 2007.

RUSEN, Jorn. Razão Histórica. Teoria da História: os fundamentos da ciência histórica. Brasília: UnB, 2001.

RUSEN, Jorn. Reconstrução do Passado. Teoria da História II: os princípios da pesquisa histórica. Brasília: UnB, 2007.

SANTA CATARINA. Proposta Curricular de Santa Catarina. Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio: disciplinas curriculares. Florianópolis, COGEN, 1998.

SCHMIDT, Maria Auxiliadora; BARCA, Isabel (org). Aprender História: perspectivas da educação histórica. Ijuí: Editora UNIJUI, 2009.

SILVA, Cristiani Bereta da. Jogos digitais e outras metanarrativas históricas na elaboração do conhecimento histórico por adolescentes.Revista Antíteses, Londrina, UEL, v.3, p.925 - 946, 2010



SILVA, Cristiani Bereta da; ZAMBONI, Ernesta (orgs.). Ensino de História, memória e culturas. Curitiba/PR: CRV, 2013.

SILVA, Marcos (org.). História. Que ensino é esse? São Paulo: Papirus, 2013.

SILVA, Marcos; RAMOS, Alcides Freire. Ver História: o ensino vai aos filmes. São Paulo: Hucitec, 2011.

TARDIF, Maurice. Saberes docentes e formação profissional. Petrópolis, RJ: Vozes, 2002.

ZABALA, Antoni. A Prática Educativa: como ensinar. Porto Alegre: ArtMed, 1998.

ZAMBONI, Ernesta; DE ROSSI, Vera Lúcia (orgs.) Quanto tempo o tempo tem! Campinas, SP: Editora Alínea, 2003.

ZAMBONI, Ernesta (org.) Digressões sobre o Ensino de História: memória, história oral e razão histórica. Itajaí: Editora Maria do Cais, 2007.




Avenida Madre Benvenuta, 2007 | Itacorubi | Florianópolis | SC | CEP 88035-001



Telefone (48) 3321-8500 | www.faed.udesc.br


Baixar 174.74 Kb.

Compartilhe com seus amigos:
1   2




©bemvin.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Prefeitura municipal
santa catarina
Universidade federal
prefeitura municipal
pregão presencial
universidade federal
outras providências
processo seletivo
catarina prefeitura
minas gerais
secretaria municipal
CÂmara municipal
ensino fundamental
ensino médio
concurso público
catarina município
Dispõe sobre
reunião ordinária
Serviço público
câmara municipal
público federal
Processo seletivo
processo licitatório
educaçÃo universidade
seletivo simplificado
Secretaria municipal
sessão ordinária
ensino superior
Relatório técnico
Universidade estadual
Conselho municipal
técnico científico
direitos humanos
científico período
espírito santo
pregão eletrônico
Curriculum vitae
Sequência didática
Quarta feira
prefeito municipal
distrito federal
conselho municipal
língua portuguesa
nossa senhora
educaçÃo secretaria
segunda feira
Pregão presencial
recursos humanos
Terça feira
educaçÃO ciência
agricultura familiar