Plano de desenvolvimento institucional pdi


Unidade de Auditoria Interna (Audin)



Baixar 6.69 Mb.
Página4/15
Encontro09.04.2017
Tamanho6.69 Mb.
1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   15

Unidade de Auditoria Interna (Audin);

  1. Chefia da Unidade de Auditoria Interna;

  • Colégio de Dirigentes (CODIR);

  • Comissão de Ética (CE);

  • Comissão Própria de Avaliação (CPA);

  • Editora;

  • Comissão Permanente de Pessoal Docente (CPPD);

  • Comissão Interna de Supervisão da Carreira dos Cargos Técnico-Administrativos (CISCAT);

  • REITORIA;

    1. Gabinete do Reitor (GAB);

      1. Chefia de Gabinete do Reitor (CGAB);

        1. Secretaria do Gabinete do Reitor (SGAB);

        2. Coordenação de Comunicação e Eventos (CCE);

        3. Coordenação de Arquivo e Protocolo (CAP).

    2. Ouvidoria

    3. Procuradoria

      1. Técnico de Assistência

    4. Pró-reitoria de Administração (Proad);

      1. Secretaria;

      2. Diretoria de Administração e Planejamento (DAP);

        1. Gerência de Administração (GAD);

          1. Coordenação de Supervisão de Contratos (CSC);

          2. Coordenação de Compras e Licitações (CCL);

          3. Coordenação de Administração e Manutenção (CAM);

          4. Coordenação de Almoxarifado e Patrimônio (CALP);

        2. Gerência de Execução Orçamentária (GEO);

          1. Coordenação de Execução Financeira (CEF).

    5. Pró-reitoria de Desenvolvimento Institucional (Prodi);

      1. Secretaria

      2. Diretoria de Tecnologia da Informação (DTI);

        1. Gerência de Infraestrutura e Manutenção de Redes (GIM);

        2. Gerência de Desenvolvimento de Sistemas (GDS);

      3. Diretoria de Políticas de Projetos Institucionais (DPI);

        1. Gerência de Planejamento Estratégico (GPE);

        2. Gerência de Infraestrutura, Higiene e Segurança do Trabalho (GIHSET);

          1. Coordenação de Infraestrutura (Cinfra);

          2. Coordenação de Higiene e Segurança do Trabalho (CSEG);

          3. Gerência Técnica (GTE).

    6. Pró-reitoria de Ensino (Proen)

      1. Secretaria

      2. Diretoria de Ensino Superior (DES);

      3. Diretoria de Ensino Básico e Técnico (DEBT);

      4. Diretoria de Educação a Distância (DEAD);

      5. Gerência de Avaliação, Planejamento e Desenvolvimento Educacional (GAPE);

        1. Pesquisador Institucional (PI);

      6. Coordenação de Ações Integradas de Inclusão e Diversidade (CAID);

        1. Setor de Educação Inclusiva.

        2. Setor de Políticas Públicas de Diversidade Sexual e Igualdade de Gênero;

        3. Setor de Políticas de Promoção da Igualdade Racial.

      7. Coordenação de Políticas de Educação Profissional e Tecnológica (CEPT);

      8. Coordenação de Desenvolvimento Curricular e Formação Continuada (CDC);

    7. Pró-reitoria de Extensão (Proex);

      1. Secretaria

      2. Diretoria de Relações Institucionais (Drei);

        1. Coordenação de Integração da Instituição com Empresas e Comunidade (Ciec);

        2. Coordenação de Relações e Assuntos Internacionais (Crai);

      3. Coordenação de Programas e Projetos de Extensão (Copex);

      4. Coordenação de Assistência ao Educando (CAE);

      5. Coordenação de Cursos de Formação Inicial e Continuada de Trabalhadores (CFIC);

    8. Pró-reitoria de Pesquisa e Inovação (Propi);

      1. Secretaria;

      2. Diretoria de Pesquisa (DPQ);

        1. Coordenação de Pesquisa (CPQ);

      3. Diretoria de Pós-graduação (DPG);

        1. Coordenação de Pós-graduação (CPG);

      4. Núcleo de Inovação Tecnológica (NIT);

        1. Diretoria do Núcleo de Inovação Tecnológica (DNIT);

      5. Comitê de Ética em Pesquisa (CEP);

    9. Diretoria de Gestão de Pessoas (DGP);

      1. Secretaria;

      2. Coordenação de Legislação e Normas (CLN);

      3. Coordenação de Cadastro e Pagamento (CCP);

      4. Coordenação de Seleção e Desenvolvimento de Pessoal (CSDP);

      5. Coordenação de Benefícios e Qualidade de Vida (CBQV);

  • Campi.

    Os campi do IFTO são administrados por Diretores-gerais e suas normas de funcionamento, instâncias deliberativas, consultivas, administrativas e acadêmicas são estabelecidas por seus respectivos regimentos internos, obedecendo às regulamentações do IFTO.

        1. Reitoria

    O IFTO será dirigido por um Reitor, escolhido em processo eletivo pelos servidores do quadro ativo permanente (docentes e técnicos administrativos) e pelos estudantes regularmente matriculados, nomeado na forma da legislação vigente, para um mandato de quatro anos, contados da data da posse, permitida uma recondução.

    Ao Reitor compete representar o IFTO, em juízo ou fora dele, bem como administrar, gerir, coordenar e superintender as atividades da instituição.

    A Reitoria é o órgão executivo do IFTO, cabendo-lhe a administração, coordenação e supervisão de todas as atividades da Autarquia.

    É importante lembrar que o IFTO tem sua administração realizada de forma descentralizada, por meio de gestão delegada, em consonância com os termos do art. 9°, da Lei nº 11.892/2008, conforme disposto no regimento geral; contudo, os Diretores-gerais dos campi respondem solidariamente com o Reitor por seus atos de gestão, no limite da delegação.

    Compondo ainda a Reitoria, temos o Gabinete, dirigido por um chefe nomeado pelo Reitor, sendo o órgão responsável por organizar, assistir, coordenar, fomentar e articular a ação política e administrativa da Reitoria.


        1. Pró-Reitorias

    As Pró-reitorias do IFTO, dirigidas por Pró-reitores nomeados pelo Reitor, são órgãos executivos que planejam, superintendem, coordenam, fomentam e acompanham as atividades referentes às seguintes dimensões:

    A Pró-reitoria de Administração, dirigida por um Pró-reitor nomeado pelo Reitor, é o órgão executivo que planeja, superintende, coordena, fomenta e acompanha as atividades e políticas de administração, planejamento, gestão orçamentária, financeira e patrimonial do IFTO.

    A Pró-reitoria de Desenvolvimento Institucional, dirigida por um Pró-reitor nomeado pelo Reitor, é o órgão executivo que planeja, coordena, fomenta e acompanha as atividades e as políticas de desenvolvimento, de tecnologias da informação, de infraestrutura, planejamento estratégico e a articulação entre as Pró-reitorias e os campi.

    A Pró-reitoria de Ensino, dirigida por um Pró-reitor nomeado pelo Reitor, é órgão executivo que planeja, desenvolve, controla e avalia a execução das políticas de ensino homologadas pelo Conselho Superior e, a partir de orientações do Reitor e em consonância com as diretrizes emanadas do Ministério da Educação, promove ações que garantam a articulação entre o ensino, a pesquisa e a extensão em todos os campi.

    A Pró-reitoria de Extensão, dirigida por um Pró-reitor nomeado pelo Reitor, é o órgão executivo que planeja, superintende, coordena, fomenta e acompanha as atividades e políticas de extensão e relações com a sociedade, articuladas ao ensino e à pesquisa, junto aos diversos segmentos sociais.

    A Pró-reitoria de Pesquisa e Inovação, dirigida por um Pró-reitor nomeado pelo Reitor, é o órgão executivo que planeja, superintende, coordena, fomenta e acompanha as atividades e políticas de pesquisa, inovação e pós-graduação, integrada ao ensino e à extensão, bem como promove ações de intercâmbio com instituições e empresas na área de fomento à pesquisa, ciência, tecnologia e inovação tecnológica.



        1. Campi

    Os campi do IFTO são administrados por Diretores-gerais e suas normas de funcionamento, instâncias deliberativas, consultivas, administrativas e acadêmicas são estabelecidas por seus respectivos regimentos internos, obedecendo às regulamentações do IFTO.

    Os Diretores-gerais são escolhidos e nomeados de acordo com o que determinar o art. 13 da Lei nº 11.892/2008, para mandato de quatro anos, contados da data da posse, permitida uma recondução.



      1. Instâncias de decisão

    As instâncias e competências de decisão do Instituto Federal do Tocantins estão normatizadas pela documentação abaixo listada:

    1. Estatuto do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Tocantins, de 19 de agosto de 2009.

      1. No seu artigo 8°, que define o Conselho Superior como órgão máximo do IFTO.

      2. No seu artigo 9°, que define as competências do Conselho Superior.

      3. No seu artigo 10, que define o Colégio de Dirigentes como órgão de caráter consultivo, de apoio ao processo decisório da Reitoria.

      4. No seu artigo 11, que define as competências do Colégio de Dirigentes.

      5. No seu artigo 13, que atribui ao Reitor a competência de representar o IFTO, em juízo ou fora dele, bem como administrar, gerir, coordenar e superintender as atividades da Instituição.

      6. No seu artigo 15, que atribui à Reitoria a administração, coordenação e supervisão de todas as atividades da Autarquia.

      7. No seu artigo 16, que preceitua a administração descentralizada do IFTO, por meio da gestão delegada, e que, ainda, os Diretores-gerais dos campi respondem solidariamente com o Reitor por seus atos de gestão, no limite da delegação.

      8. No seu artigo 19, que define as competências das Pró-reitorias.

    2. Regimento Geral do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Tocantins, de 16 de dezembro de 2011.

      1. No seu artigo 2°, que define a Reitoria como órgão executivo que administra, coordena e superintende todas as atividades do IFTO e dos campi.

      2. No seu artigo 3°, que define que a administração geral do IFTO seja exercida pelos seus órgãos colegiados superiores, pela Reitoria e pela Direção-geral de cada campus, apoiada por uma estrutura organizacional que define a integração e a articulação dos diversos órgãos situados em cada nível.

      3. No seu artigo 5°, que define o Conselho Superior, de caráter consultivo e deliberativo, como órgão máximo do IFTO, ao qual compete as decisões para execução da política geral.

      4. No seu artigo 9°, que define o Colégio de Dirigentes, de caráter consultivo, como órgão de apoio ao processo decisório da Reitoria.

      5. No seu artigo 15, que define a reitoria como o órgão executivo com finalidade de administrar, coordenar e supervisionar todas as atividades do IFTO, sendo dirigida pelo Reitor, e em suas ausências e impedimentos, pelo seu substituto legal.

      6. No seu artigo 17, que define as competências do Reitor.

      7. No seu artigo 31, que define que as Pró-reitorias, dirigidas por Pró-reitores nomeados pelo Reitor, são órgãos executivos que planejam, superintendem, coordenam, fomentam e acompanham as atividades referentes às suas dimensões.

      8. No seu artigo 32, que define a Pró-reitoria de Administração como o órgão executivo que planeja, superintende, coordena, fomenta e acompanha as atividades e políticas de administração, planejamento, gestão orçamentária, financeira e patrimonial do IFTO.

      9. No seu artigo 34, que define as competências da Pró-reitoria de Administração.

      10. No seu artigo 45, que define a Pró-reitoria de Desenvolvimento Institucional, como o órgão executivo que planeja, assessora, coordena, fomenta e acompanha as atividades e as políticas de desenvolvimento, de tecnologias da informação, de infraestrutura, planejamento estratégico e a articulação entre as Pró-reitorias e os campi.

      11. No seu artigo 47, que define as competências da Pró-reitoria de Desenvolvimento Institucional.

      12. No seu artigo 58, que define que à Pró-reitoria de Ensino compete planejar, desenvolver, controlar e avaliar a execução das políticas de ensino homologadas pelo Conselho Superior e, a partir de orientações do Reitor e em consonância com as diretrizes emanadas do Ministério da Educação, promover ações que garantam a articulação entre o ensino, a pesquisa e a extensão em todos os campi.

      13. No seu artigo 60, que define as competências da Pró-reitoria de Ensino.

      14. No seu artigo 81, que define a Pró-reitoria de Extensão como o órgão executivo que planeja, superintende, coordena, fomenta e acompanha as atividades e políticas de extensão e relações com a sociedade, articuladas ao ensino e à pesquisa, junto aos diversos segmentos sociais.

      15. No seu artigo 83, que define as competências da Pró-reitoria de Extensão.

      16. No seu artigo 91, que define a Pró-reitoria de Pesquisa e Inovação como o órgão executivo que planeja, superintende, coordena, fomenta e acompanha as atividades e políticas de pesquisa, inovação e pós-graduação, integrada ao ensino e à extensão, bem como promove ações de intercâmbio com instituições e empresas nas áreas de fomento à pesquisa, ciência, tecnologia e inovação tecnológica.

      17. No seu artigo 93, que define as competências da Pró-reitoria de Pesquisa e Inovação.

      18. No seu artigo 102, que define a Diretoria de Gestão de Pessoas como o órgão responsável por planejar, coordenar, executar e avaliar a política de desenvolvimento de gestão de pessoas do IFTO, competindo-lhe supervisionar, controlar e acompanhar as atividades na área de administração de pessoal e capacitação de recursos humanos, além de assessorar o Reitor e Diretores-gerais dos campi.

      19. No seu artigo 104, que define as competências da Diretoria de Gestão de Pessoas.

      20. No seu artigo 110, que define que os campi do IFTO são administrados por Diretores-gerais e suas normas de funcionamento, instâncias deliberativa, consultivas, administrativas e acadêmicas são estabelecidas por seus respectivos regimentos internos, obedecendo às regulamentações do IFTO.

      21. Nos seus artigos 111 e 112, que definem que os Diretores-gerais são nomeados de acordo com o que determina a legislação vigente e, ainda, quais as competências do cargo.

    3. Instrução Normativa n° 010/2011/REITORIA/IFTO, de 20 de setembro de 2011.

      1. No seu artigo 4°, que define os procedimentos de competência para apreciação, emissão de parecer e instrução com o que lhe for disponível, da Diretoria de Gestão de Pessoas, com deliberação.

      2. No seu artigo 5°, que define os procedimentos de competência para apreciação, emissão de parecer, instrução com o que lhe for disponível, das Coordenações de Gestão de Pessoas, com deliberação e concessão pela Direção-geral do campus interessado.

      3. No seu artigo 6°, que define os procedimentos de competência e manifestação conjunta (Diretória de Gestão de Pessoas), cuja deliberação final ficará a cargo da Reitoria do IFTO, mediante oitiva indispensável da Direção-geral do(s) campus/campi interessado(s).

    4. Portaria nº 441/2012/REITORIA/IFTO, de 6 de novembro de 2012.

      1. No seu artigo 1°, que subdelega competência aos Diretores dos campi do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Tocantins, para presidir as cerimônias de colação de grau ou solenidade de outorga de grau, em seus respectivos campi.



      1. Organograma Institucional

        1. REITORIA



    Quadro 21 - Organograma institucional da reitoria







        1. Baixar 6.69 Mb.

          Compartilhe com seus amigos:
  • 1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   15




    ©bemvin.org 2020
    enviar mensagem

        Página principal
    Prefeitura municipal
    santa catarina
    Universidade federal
    prefeitura municipal
    pregão presencial
    universidade federal
    outras providências
    processo seletivo
    catarina prefeitura
    minas gerais
    secretaria municipal
    CÂmara municipal
    ensino fundamental
    ensino médio
    concurso público
    catarina município
    reunião ordinária
    Dispõe sobre
    Serviço público
    câmara municipal
    público federal
    Processo seletivo
    processo licitatório
    educaçÃo universidade
    seletivo simplificado
    Secretaria municipal
    sessão ordinária
    ensino superior
    Universidade estadual
    Relatório técnico
    Conselho municipal
    técnico científico
    direitos humanos
    científico período
    pregão eletrônico
    Curriculum vitae
    espírito santo
    Sequência didática
    Quarta feira
    conselho municipal
    prefeito municipal
    distrito federal
    língua portuguesa
    nossa senhora
    educaçÃo secretaria
    Pregão presencial
    segunda feira
    recursos humanos
    educaçÃO ciência
    Terça feira
    agricultura familiar