Pesquisa Nacional de Vitimização Sumário Executivo senasp


Percepção de risco de vitimização



Baixar 4.32 Mb.
Página10/16
Encontro29.10.2017
Tamanho4.32 Mb.
1   ...   6   7   8   9   10   11   12   13   ...   16

4. Percepção de risco de vitimização


Duas baterias de questões focadas no medo de ser vítima de algum crime e na chance de que isso viesse a ocorrer nos 12 meses posteriores possibilitou medir a tensão latente dos entrevistados. De forma geral, os crimes que geram medo no maior número de pessoas são ter a residência invadida ou roubada (71,9% têm medo) e ter objetos pessoais de valor tomados à força por outras pessoas em um roubo ou assalto (70,7%). Estes dois crimes são também aqueles com maior potencial para fazer o entrevistado de vítima: 35,4% acreditam que podem ter a casa invadida nos 12 meses posteriores à entrevista, e 37,8% acreditam que podem ter objetos tomados à força no mesmo período.

A partir do cruzamento entre as informações para crimes de mesma natureza foi gerado um indicador de tensão latente, que aponta que morrer assassinado, ter a residência invadida ou roubada, ter objetos pessoais de valor tomados à força por outras pessoas em um roubo ou assalto e ser vítima de uma fraude e perder quantia significativa de dinheiro são os crimes que geram maior medo e ao mesmo tempo possuem os índices mais elevados de potencial de vitimização, segundo os próprios entrevistados – ou seja, têm taxa mais alta de tensão latente do que os demais.



Gráfico 7 – Situações de tensão latente, em %

Outros crimes se enquadram no espectro oposto, de menor grau de tensão latente, com potencial mais baixo de vitimar o entrevistado e que provocam muito medo em uma fatia menor de pessoas. Neste grupo se incluem sofrer sequestro relâmpago, ser vítima de violência por parte da Polícia Civil, ser vítima de violência da Polícia Militar, ter o carro ou moto tomado em assalto ou furto, ser vítima de agressão sexual e se envolver em brigas ou agressões físicas com outras pessoas.

Em um terceiro grupo estão crimes com grau intermediário de latência, que abrange tanto aqueles com potencial de fazer vítimas em grau menor do que o medo que causa (receber ligação de bandidos exigindo dinheiro) quanto aqueles em que o potencial de ocorrência é menor do que o medo que causa (ser sequestrado).

Os dados desagregados destas questões mostram ainda que nas cidades de Teresina, Belém e João Pessoa são observados os maiores índices dos que temem morrer assassinados (86,8%, 80,7% e 80,6%, respectivamente, ante a média de 64,9% na média do país).

Em Teresina, Belém e Fortaleza são observados os maiores índices dos que temem ser assaltados (74,2%, 68,3% e 63%, respectivamente). O medo de ter a casa invadida atinge os maiores índices em Teresina (75,8%), João Pessoa (67,5%), Belém (63,1%), São Luis (61,9%) e Aracaju (60,6%).

O medo de ser vítima de agressão sexual é maior entre as mulheres (52,4%) do que entre os homens (21,8%). Os mais jovens (43%) também temem mais esse tipo de violência em grau acima da média.




Baixar 4.32 Mb.

Compartilhe com seus amigos:
1   ...   6   7   8   9   10   11   12   13   ...   16




©bemvin.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Prefeitura municipal
santa catarina
Universidade federal
prefeitura municipal
pregão presencial
universidade federal
outras providências
processo seletivo
catarina prefeitura
minas gerais
secretaria municipal
CÂmara municipal
ensino fundamental
ensino médio
concurso público
catarina município
reunião ordinária
Dispõe sobre
Serviço público
câmara municipal
público federal
Processo seletivo
processo licitatório
educaçÃo universidade
seletivo simplificado
Secretaria municipal
sessão ordinária
ensino superior
Universidade estadual
Relatório técnico
Conselho municipal
técnico científico
direitos humanos
científico período
pregão eletrônico
Curriculum vitae
espírito santo
Sequência didática
Quarta feira
conselho municipal
prefeito municipal
distrito federal
língua portuguesa
nossa senhora
educaçÃo secretaria
Pregão presencial
segunda feira
recursos humanos
educaçÃO ciência
Terça feira
agricultura familiar