O sonho dos ratos



Baixar 25.15 Kb.
Encontro29.10.2017
Tamanho25.15 Kb.

O SONHO DOS RATOS

Era uma vez um grupo de ratos que viviam em um buraco no assoalho de uma casa velha.

Havia ratos de todos os tipos: grandes e pequenos, brancos e pretos, velhos e jovens, vindos do campo e da cidade. No entanto, ninguém percebia as diferenças, porque eles eram unidos em torno de um sonho comum: um enorme pedaço de queijo, amarelo e cheiroso, que ficava muito perto de seus narizes. Comer aquele queijo deveria ser a suprema felicidade.

“Muito perto” é uma forma de dizer. De fato, o queijo ficava longe demais, porque entre eles e o queijo havia um gato. Um gato vil, com dentes muito afiados e que nunca dormia. Algumas vezes, ele fingia estar dormindo, mas bastava que um camundongo mais corajoso saísse do buraco... Zás! O gato pulava sobre ele e era uma vez um ratinho...

Os ratos odiavam o gato.

Quanto mais o odiavam, mais próximos se sentiam uns dos outros. Odiar um inimigo em comum fazia com que partilhassem os mesmos sentimentos: ou desejavam com a morte do gato ou sonhavam com um cachorro.

Como não podiam fazer nada, eles se reuniam para falar. Faziam discursos denunciando o comportamento dos gatos (embora não soubessem ao certo a quem dirigir tais discursos) e escreviam até livros a respeito da Crítica Filosófica dos Gatos. Frequentemente, diziam que estava próximo o dia em que os gatos seriam banidos para sempre e todos seriam iguais.

— Quando as leis dos ratos forem estabelecidas — diziam os camundongos — então seremos todos felizes”.

— O queijo é grande o suficiente para todos! — disse um rato.

— Vamos socializar o queijo! — disse o outro.

Todos aplaudiram e cantavam as mesmas canções. Era tocante ver tanta fraternidade. Que maravilha seria quando o gato se fosse!

Um dia, eles sonharam. E no sonho, comeram o queijo. E quanto mais comiam, maior ele ficava. Porque esta é uma da características do queijo de sonho: ele nunca diminui, mas cresce cada vez mais..

E eles saíram juntos em passeata, rabo unido com rabo, gritando :

— Queijo agora!

No entanto, sem qualquer explicação, numa bela manhã, quando acordaram, ficaram sabendo que o gato tinha ido embora.

O queijo ainda estava lá, mais atraente que nunca. Eles podiam pegá-lo a exatos cinco passos da toca. Olharam cuidadosamente em torno, porque podia ser mais um dos truques do gato. Mas não era. O gato realmente tinha ido embora. O grande dia havia chegado e veio dos ratos um grito estrondoso de vitória. Em um movimento único, correram todos para o queijo, unidos pela fome comum.

Foi quando a transformação aconteceu. A primeira mordida foi suficiente. Eles imediatamente compreenderam que o queijo de verdade era diferente do queijo do sonho. Quando era comido, ao invés de crescer, ele ficava menor. Assim, quanto maior o número de ratos comendo o queijo, menores os pedaços para cada um. Os ratos começaram a vigiar-se uns aos outros, como se fossem inimigos.

O SONHO DOS RATOS

Era uma vez um grupo de ratos que viviam em um buraco no assoalho de uma casa velha.

Havia ratos de todos os tipos: grandes e pequenos, brancos e pretos, velhos e jovens, vindos do campo e da cidade. No entanto, ninguém percebia as diferenças, porque eles eram unidos em torno de um sonho comum: um enorme pedaço de queijo, amarelo e cheiroso, que ficava muito perto de seus narizes. Comer aquele queijo deveria ser a suprema felicidade.

“Muito perto” é uma forma de dizer. De fato, o queijo ficava longe demais, porque entre eles e o queijo havia um gato. Um gato vil, com dentes muito afiados e que nunca dormia. Algumas vezes, ele fingia estar dormindo, mas bastava que um camundongo mais corajoso saísse do buraco... Zás! O gato pulava sobre ele e era uma vez um ratinho...

Os ratos odiavam o gato.

Quanto mais o odiavam, mais próximos se sentiam uns dos outros. Odiar um inimigo em comum fazia com que partilhassem os mesmos sentimentos: ou desejavam com a morte do gato ou sonhavam com um cachorro.

Como não podiam fazer nada, eles se reuniam para falar. Faziam discursos denunciando o comportamento dos gatos (embora não soubessem ao certo a quem dirigir tais discursos) e escreviam até livros a respeito da Crítica Filosófica dos Gatos. Frequentemente, diziam que estava próximo o dia em que os gatos seriam banidos para sempre e todos seriam iguais.

— Quando as leis dos ratos forem estabelecidas — diziam os camundongos — então seremos todos felizes”.

— O queijo é grande o suficiente para todos! — disse um rato.

— Vamos socializar o queijo! — disse o outro.

Todos aplaudiram e cantavam as mesmas canções. Era tocante ver tanta fraternidade. Que maravilha seria quando o gato se fosse!

Um dia, eles sonharam. E no sonho, comeram o queijo. E quanto mais comiam, maior ele ficava. Porque esta é uma da características do queijo de sonho: ele nunca diminui, mas cresce cada vez mais..

E eles saíram juntos em passeata, rabo unido com rabo, gritando :

— Queijo agora!

No entanto, sem qualquer explicação, numa bela manhã, quando acordaram, ficaram sabendo que o gato tinha ido embora.

O queijo ainda estava lá, mais atraente que nunca. Eles podiam pegá-lo a exatos cinco passos da toca. Olharam cuidadosamente em torno, porque podia ser mais um dos truques do gato. Mas não era. O gato realmente tinha ido embora. O grande dia havia chegado e veio dos ratos um grito estrondoso de vitória. Em um movimento único, correram todos para o queijo, unidos pela fome comum.

Foi quando a transformação aconteceu. A primeira mordida foi suficiente. Eles imediatamente compreenderam que o queijo de verdade era diferente do queijo do sonho. Quando era comido, ao invés de crescer, ele ficava menor. Assim, quanto maior o número de ratos comendo o queijo, menores os pedaços para cada um. Os ratos começaram a vigiar-se uns aos outros, como se fossem inimigos.

Olhavam para as bocas dos outros, para ver o quanto estavam comendo. Seus olhares agora mostravam ódio. E eles arreganharam os dentes. Esqueceram o gato, porque agora eles, ratos, eram os seus próprios inimigos.

A luta começou.

O rato mais forte expulsava o mais fraco a mordidas. E, de maneira crescente, começaram a lutar entre si. Alguns ameaçavam chamar o gato de novo, dizendo ser a única forma de restaurar a ordem. O Projeto de Socialização do Queijo foi finalmente aprovado nos seguintes termos:

“Qualquer pedaço de queijo pode ser tirado de seus proprietários e dado aos ratos mais magros, desde que estes pedaços tenham sido abandonados”.

Mas como nenhum rato jamais abandonou um pedaço de queijo, os ratos mais magros estavam condenados a esperar...

Os ratos menores, mais magros, na parte mais funda do buraco, não conseguiam entender o que estava acontecendo. E o que não conseguiam explicar era a transformação que se passava nos rostos dos ratos mais fortes — agora proprietários do queijo: eles se pareciam com gatos, com os mesmos olhares asquerosos e com os mesmos dentes ameaçadores.

Os ratos mais magros não podiam mais perceber a diferença entre o antigo gato e os ratos atuais. Mas eventualmente eles entenderam que não havia qualquer diferença. Porque cada rato que se torna o proprietário do queijo torna-se um gato...

(Do original inglês “The rats’ dream” para uso acadêmico

Traduzido para o Português por Sandra Diniz Costa)

1. O que os ratos simbolizam, no texto?

2. O que o queijo simboliza no texto? Dê um exemplo, em nossa sociedade, de um queijo muito, muito desejado

3. O que representa o gato, no texto? Por que o gato “nunca dormia”?

4. O que é que mantinha os ratos unidos, esquecidos das diferenças de raça, tamanho e cor que havia entre eles?

5. Por que o queijo do sonho, quanto mais pessoas houvesse para comê-lo, mais aumentava?

6. Que diferença básica os ratos perceberam haver entre o queijo do sonho e o queijo real?

7. Por que o desaparecimento do gato foi assim tão sem razão, tão comum? Este desaparecimento tem um sentido simbólico no texto. Que sentido é este?

8. Por que os ratos começaram a brigar entre si?

9. Como você interpretou o final do texto? Dê um exemplo, em nossa sociedade, de algo parecido.

Olhavam para as bocas dos outros, para ver o quanto estavam comendo. Seus olhares agora mostravam ódio. E eles arreganharam os dentes. Esqueceram o gato, porque agora eles, ratos, eram os seus próprios inimigos.

A luta começou.

O rato mais forte expulsava o mais fraco a mordidas. E, de maneira crescente, começaram a lutar entre si. Alguns ameaçavam chamar o gato de novo, dizendo ser a única forma de restaurar a ordem. O Projeto de Socialização do Queijo foi finalmente aprovado nos seguintes termos:

“Qualquer pedaço de queijo pode ser tirado de seus proprietários e dado aos ratos mais magros, desde que estes pedaços tenham sido abandonados”.

Mas como nenhum rato jamais abandonou um pedaço de queijo, os ratos mais magros estavam condenados a esperar...

Os ratos menores, mais magros, na parte mais funda do buraco, não conseguiam entender o que estava acontecendo. E o que não conseguiam explicar era a transformação que se passava nos rostos dos ratos mais fortes — agora proprietários do queijo: eles se pareciam com gatos, com os mesmos olhares asquerosos e com os mesmos dentes ameaçadores.

Os ratos mais magros não podiam mais perceber a diferença entre o antigo gato e os ratos atuais. Mas eventualmente eles entenderam que não havia qualquer diferença. Porque cada rato que se torna o proprietário do queijo torna-se um gato...

(Do original inglês “The rats’ dream” para uso acadêmico

Traduzido para o Português por Sandra Diniz Costa)

1. O que os ratos simbolizam, no texto?

2. O que o queijo simboliza no texto? Dê um exemplo, em nossa sociedade, de um queijo muito, muito desejado

3. O que representa o gato, no texto?Por que o gato “nunca dormia”?

4. O que é que mantinha os ratos unidos, esquecidos das diferenças de raça, tamanho e cor que havia entre eles?

5. Por que o queijo do sonho quanto mais pessoas houvesse para comê-lo, mais aumentava?

6. Que diferença básica os ratos perceberam haver entre o queijo do sonho e o queijo real?

7. Por que o desaparecimento do gato foi assim tão sem razão, tão comum? Este desaparecimento tem um sentido simbólico no texto. Que sentido é este?

8. Por que os ratos começaram a brigar entre si?

9. Como você interpretou o final do texto? Dê um exemplo, em nossa sociedade, de algo parecido.





Baixar 25.15 Kb.

Compartilhe com seus amigos:




©bemvin.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Prefeitura municipal
santa catarina
Universidade federal
prefeitura municipal
pregão presencial
universidade federal
outras providências
processo seletivo
catarina prefeitura
minas gerais
secretaria municipal
CÂmara municipal
ensino fundamental
ensino médio
concurso público
catarina município
reunião ordinária
Dispõe sobre
Serviço público
câmara municipal
público federal
Processo seletivo
processo licitatório
educaçÃo universidade
seletivo simplificado
Secretaria municipal
sessão ordinária
ensino superior
Universidade estadual
Relatório técnico
Conselho municipal
técnico científico
direitos humanos
científico período
pregão eletrônico
Curriculum vitae
espírito santo
Sequência didática
Quarta feira
conselho municipal
prefeito municipal
distrito federal
língua portuguesa
nossa senhora
educaçÃo secretaria
Pregão presencial
segunda feira
recursos humanos
educaçÃO ciência
Terça feira
agricultura familiar