O serviço nacional de aprendizagem rural senar, criado pela Lei nº 8


Perfil profissional do egresso do Curso de Produtor de Embutidos e Defumados



Baixar 248.4 Kb.
Página2/4
Encontro29.10.2017
Tamanho248.4 Kb.
1   2   3   4

Perfil profissional do egresso do Curso de Produtor de Embutidos e Defumados

Os conhecimentos que o aluno deve adquirir ao longo do curso dizem respeito a competências básicas, específicas e de gestão da atividade.
Como concluinte do Curso de Formação Inicial e continuada Produtor de Embutidos e Defumados, oferecido pelo SENAR, através do Pronatec, deve apresentar um perfil que o habilite a ingressar e permanecer no mundo de trabalho no eixo tecnológico de Produção Alimentícia, de modo a desempenhar as seguintes atividades, de forma autônoma e proativa, e em conformidade com as normas e procedimentos técnicos de qualidade, segurança, higiene, saúde e preservação ambiental:


  • Preparar instalações, utensílios, vasilhames e equipamentos para a fabricação de embutidos e transforma a matéria prima.

  • Atuar na moagem da carne, no congelamento, no armazenamento, no descongelamento, na formulação, no embutimento e na maturação, obtendo vários tipos de produtos embutidos e defumados.

Além das habilidades específicas ou competências técnicas da qualificação profissional, estes egressos devem demonstrar as seguintes competências, trabalhadas ao longo do curso (ordem de prioridade):



  • Competências de educação permanente

  • Competências sociais e interpessoais e valores humanísticos, a saber;

      • adotar atitude ética no trabalho e no convívio social, compreendendo os processos de socialização humana em âmbito coletivo e percebendo-se como agente social que intervém na realidade;

      • saber trabalhar em equipe; e

      • ter iniciativa, criatividade e responsabilidade.

Em complemento às competências e conhecimentos técnicos, existem múltiplas habilidades a serem desenvolvidas e estimuladas. Podem-se destacar entre elas: capacidade de comunicação oral e escrita, capacidade para lidar com situações novas e desconhecidas, capacidade de liderança e de trabalhar em equipe, capacidade de lidar com situações complexas e o enfrentamento de situações problemas.
A proposta para desenvolvimento dos cursos do PRONATEC deverá abranger quatro grandes classes competências, habilidades e qualidades de âmbito geral e profissional. As quatro grandes classes de competências estão descritas a seguir:


        • Competências de educação permanente: preparar pessoas para assumir a responsabilidade pela contínua formação, desenvolvimento pessoal e profissional para o convívio numa sociedade de aprendizagem ao longo de toda a vida.

Para tanto é necessário que curso do instrutor do SENAR:



  • Estimule a busca permanentemente de atualização e o desenvolvimento profissional e novas formas do saber e do fazer científico ou tecnológico;

  • Estimule a compreensão que formação profissional é um processo contínuo, autônomo e permanente;

  • Proporcione o desenvolvimento de práticas de estudos independentes visando uma progressiva autonomia profissional e intelectual;

  • Promova a identificação de oportunidades e situações que favoreçam a formação profissional e/ou elaborar projetos empreendedores de formação profissional;

  • Proporcione o desenvolvimento de autonomia de aprendizagem.




        • Competências sociais e interpessoais: preparar pessoas para o convívio social e interpessoal na vida em geral, orientada para os valores humanos, o trabalho em equipe, a comunicação, a solidariedade, o respeito mútuo, a criatividade;

Para tanto é necessário que o instrutor do SENAR:



  • Proporcione atividades de comunicação e expressão oral, escrita e interpessoal;

  • Promova dinâmicas que discutam a resistências a mudanças, a necessidade de se ter capacidade de adaptação às novas situações e saber enfrentar/lidar com situações em constantes mudanças;

  • Desenvolva atividades que estimulem o participante a demonstrarem compromisso, responsabilidade e empatia nas suas interações sociais;

  • Analise o contexto social no qual está inserido e contribuir profissionalmente para a manutenção e transformação deste.

  • Proporcione atividades que discutam princípios da ética democrática: responsabilidade social e ambiental, dignidade humana, direito à vida, justiça, respeito mútuo, participação, responsabilidade, diálogo e solidariedade;

  • Estimule a cooperação grupal;

  • Proporcione atividades capazes estimular nos participantes posturas empreendedoras, de cidadania e de solidariedade;




        • Competências técnicas: preparar pessoas com capacidade para transformar o conhecimento em condutas profissionais e pessoais na sociedade, relativas aos problemas e necessidades dessa sociedade;

Para tanto é necessário que o instrutor do SENAR:



  • Promova atividades que evocam o raciocínio lógico, observação, interpretação e análise crítica, ao analisar dados, informações e solução de problemas;

  • Estimule o participante a avaliar, sistematizar e decidir as condutas mais adequadas, baseadas em evidências teóricas;

  • Tome decisões fundamentadas visando o uso apropriado, eficácia e custo-efetividade;

  • Acompanhe e incorpore inovações tecnológicas (informática, comunicação, novos materiais,) no exercício da profissão;

  • Aplique conhecimentos teóricos que garantam a apropriação crítica do conhecimento disponível, assegurando uma visão abrangente dos diferentes métodos e técnicas;

  • Reconheça e identifique problemas, equacionando soluções, intermediando e coordenando os diferentes níveis da tomada de decisão;

  • Articule teoria, pesquisa e prática social;

  • Assimile criticamente conceitos que permitam a apreensão de teorias e usar tais conceitos e teorias em análises críticas da realidade e na solução de problemas;

  • Desenvolva e crie mecanismos para o desenvolvimento sustentável nas dimensões humana, econômica e ambiental.




        • Valores humanísticos: Preparar pessoas para a postura reflexiva e analítica dimensão social e ética que envolve os aspectos de diversidade étnico-racial e cultural, gêneros, classes sociais, escolhas sexuais, entre outros.

Para tanto é necessário que o instrutor do SENAR:



  • Demonstre consciência da diversidade, respeitando as diferenças de natureza ambiental ecológica, étnico-racial e cultural, de gêneros, faixas geracionais, classes sociais, religiões, necessidades especiais, escolhas sexuais, entre outras;

  • Interprete as relações entre homem, cultura e natureza e, as artes, no contexto temporal e espacial;

  • Oriente escolhas e decisões em valores e pressupostos metodológicos alinhados com a democracia, com respeito às culturas e à biodiversidade;

  • Reconheça e valorize as diversas manifestações artísticas, estéticas e culturais;

  • Tenha postura reflexiva, analítica, e visão crítica da conjuntura econômica, social, histórica, política, ambiental e cultural;

  • Tenha uma sólida formação ética e cultural;

  • Respeite os princípios éticos, legais, culturais e humanísticos das diversas áreas de atuação profissional;

  • Paute-se em princípios éticos, legais e na compreensão da realidade social, cultural e econômica do seu meio;

  • Compreenda as incidências culturais, éticas, educacionais e identifique e analise as rápidas mudanças econômicas e sociais em escala global e nacional que influem no agronegócio.

  1. Requisitos para o Ingresso

Escolaridade Mínima: Fundamental II Incompleto

Forma de Ingresso no curso: De acordo com as matrículas pactuadas via SISTEC entre as Administrações Regionais em cada estado e as entidades demandantes, na ordem priorizada para os cadastros com base na legislação vigente.

  1. Periodicidade da Oferta

De acordo com os calendários de realização de cada curso previstos pelas Administrações Regionais com base na carga horária diária realizada e expressa em planejamento próprio.

  1. Organização Curricular

- A ser definido pela regional

10.1 Conteúdo programático - a ser definido pela regional e registrado no plano instrucional do curso construído pelos instrutores e equipe técnica

10.2 Bibliografia básica - a ser definido pela regional com base no plano instrucional do curso construído pelos instrutores e equipe técnica

  1. Metodologia de Ensino e Avaliação da Aprendizagem

METODOLOGIA EDUCACIONAL DO SENAR

O método de ensino denominado participativo ou ativo participativo tem sido apontado como o mais adequado aos treinamentos e cursos oferecidos pelo SENAR, já que é centrado na participação de quem aprende, valorizando-se suas experiências e expectativas para o mundo do trabalho. Trata-se de uma forma democrática de ensinar que deve ser multiplicada para que possa ser conduzida adequadamente. Dessa forma, todos os agentes do SENAR, instrutores, mobilizadores, supervisores e equipe técnica são treinados pela Administração Central e pelas Regionais, de forma que atuem em consonância com os procedimentos preconizados na metodologia educacional do SENAR, o que garante a qualidade da oferta.

Um dos elementos da metodologia é a elaboração de planos educacionais, chamados, na Instituição de Plano Instrucional.

A importância primordial do Plano Instrucional é fazer com que processo ensino aprendizagem aconteça de forma eficiente, eficaz e efetiva. Ao planejar, o instrutor deve estabelecer os objetivos educacionais a serem alcançados, definir os conteúdos que serão trabalhados, as técnicas instrucionais e recursos que serão utilizados, estipular os procedimentos de avaliação pedagógica e calcular a carga-horária necessária para a consecução do planejamento.

O plano instrucional deve ser entendido como um roteiro de uso diário, um guia de trabalho, um norteador de uma linha de pensamento e de ação. Seria uma incoerência didática elaborar o planejamento e depois não trabalhar com ele durante o desenvolvimento do evento.

O planejamento deve ser funcional, possível de ser aplicado e produzir bons resultados. Um bom planejamento:



  • Auxilia a definição dos objetivos que atendam os reais interesses dos participantes;

  • Propicia a seleção e organização dos conteúdos mais significativos para os participantes;

  • Facilita a organização dos conteúdos de forma lógica;

  • Facilita a seleção dos melhores procedimentos e recursos para tornar o ensino mais eficiente (como? com que? para quem?);

  • Confere maior segurança ao instrutor durante o evento;

  • Evita a improvisação;

  • Facilita a tomada de decisões;

  • Propicia o roteiro para avaliação contínua e gradativa;

  • Permite monitorar o perfil de entrada e o perfil de saída do participante.

Enfatiza-se que o plano deve ser o resultado de um levantamento de necessidades e interesses (expectativas) dos participantes; verificar se o conteúdo mantém coerência com os objetivos, se as técnicas instrucionais elaboradas estão compatíveis com o conteúdo e objetivos propostos, se os recursos instrucionais descritos serão realmente importantes para a aprendizagem dos participantes (e não a sua maior comodidade) e se os procedimentos de avaliação descritos serão os mais eficazes para cada objetivo.

O ato de elaborar o Plano Instrucional com seriedade, paciência e reflexão revela o compromisso do instrutor com relação ao processo ensino-aprendizagem.



Modelo de Plano Instrucional:

Objetivo Geral:

Objetivos Específicos

Conteúdo

Técnicas Instrucionais

Avaliação

Recursos Instrucionais

Carga-Horária























































Observação: Os objetivos específicos e as atividades apresentadas nesse projeto pedagógico deverão ser usados como base para os Planos Instrucionais dos cursos do PRONATEC a serem consecutivamente elaborados e realizados pelas Administrações Regionais.

Técnicas Instrucionais e Avaliação

Técnicas instrucionais: forma ou procedimento estruturado de maneira lógica e utilizado pelo instrutor para conduzir o conteúdo de uma ação de FPR. Para o Plano Instrucional do Curso, destacamos da Metodologia do SENAR as técnicas instrucionais que mais propiciam a participação:

Técnica Instrucional: Exposição Dinamizada

Apresentação oral de um tema organizado em sequência lógica, contínua e desenvolvido de forma dinâmica, favorecendo a participação do educando no processo ensino-aprendizagem.

Tem por finalidade:

- Introduzir um assunto novo;



  • Despertar o interesse dos participantes;

  • Desenvolver temas específicos relacionados às situações reais de trabalho.

Técnica Instrucional: Demonstração

Consiste em ensinar na prática como se executa uma operação, passo por passo.

Tem por finalidade o desenvolvimento de destrezas e habilidades motoras básicas exigidas pelo trabalho

* Outras técnicas instrucionais e dinâmicas de grupo podem ser acrescentadas no plano instrucional, necessitando para isso conhecimento por parte do instrutor.

Para cada Técnica Instrucional é utilizada uma estratégia de avaliação das situações de ensino-aprendizagem:


Avaliação da Técnica Instrucional: Exposição Dinamizada

Para avaliação do processo ensino-aprendizagem desta técnica serão utilizados:



  1. Questionamento Oral

O sucesso do questionamento é afetado pelo uso intencionado das questões, pelas próprias questões e pelo processo usado para perguntar.

O instrutor precisa usar intencionalmente as questões, dependendo de suas intenções, para, por exemplo, introduzir, desenvolver ou concluir um assunto. A formulação das questões também é um aspecto essencial que requer critérios por parte do instrutor. Para serem bem formuladas as questões precisam atender aos critérios de clareza (diretas, curtas e corretas), de nível apropriado de dificuldade (devem requerer reflexão por parte dos participantes, mas também não devem ser difíceis demais), além da relevância (perguntar somente o que for relevante para o processo ensino-aprendizagem).



  1. Observação da Participação

A observação da participação é uma das formas de se avaliar os participantes do PRONATEC. Ela deve ser criteriosa e registrada sendo a lista de verificação – checklist, um valioso instrumento para tal.

Em seguida apresenta-se um rol de itens que podem ser utilizados pelo instrutor na lista de verificação com a finalidade de avaliação:

PONTUALIDADE:


  • Cumpre dos horários de entrada e saída no evento.

ASSIDUIDADE:

  • Comparece frequente ao evento.

INICIATIVA:

  • Propõe alternativas para solução de problemas;

  • Resolve adequadamente as dificuldades sem ajuda do educador.

SOCIABILIDADE:

  • Sabe trabalhar em grupo promovendo o crescimento do mesmo;

  • Aceita críticas e sabe fazer criticas;

  • Sabe ouvir e sabe falar;

  • Valoriza e respeita o outro.

RESPEITO AOS PRAZOS ESTABELECIDOS NO CUMPRIMENTO DAS ATIVIDADES:



  • Executa as tarefas de oficina dentro dos limites de tempo estabelecidos.



CAPACIDADE DE AUTO-AVALIAÇÃO:

  • Avaliar-se posicionando-se corretamente em relação aos fatores objeto de avaliação.

ELABORAÇÃO DO ROTEIRO DA TAREFA:

  • Planeja a tarefa;

  • Elabora o roteiro de forma completa e ordenada;

  • Relaciona corretamente normas, materiais, instrumentos, ferramentas, máquinas ou equipamentos a serem utilizados.

RESPEITO ÀS NORMAS DE HIGIENE E SEGURANÇA NO TRABALHO:



  • Manter limpo, máquinas, equipamentos, ferramentas e local de trabalho;

  • Utilizar corretamente os EPI;

  • Observar às regras de segurança;

  • Observar a higiene pessoal.

ASSIMILAÇÃO DO CONTEÚDO:



  • Sabe compartilhar conhecimento.

  • Sabe transpor a teoria para a prática.

  • Faz uso dos conhecimentos na solução de problemas, observando as implicações ambientais, sociais e econômicas.

  • Analisar a importância da tarefa e o reflexo no todo da atividade.

  • Analisa as situações de risco e prevê as consequências.

  • Respeitar o meio ambiente.

O questionamento é um meio efetivo de despertar o interesse do participante, conduzindo o seu pensamento e sua reflexão, aumentando o seu interesse e encorajando sua participação. O questionamento faz com que o treinamento seja dinamizado, pois promove mudança no ritmo do aprendizado, estimulando o participante. Também, por meio de perguntas, o instrutor oferece a chance para que os participantes com mais experiência possam compartilhar com o grupo suas vivências e opiniões.

Em segundo lugar, o questionamento confirma o aprendizado. Por meio do questionamento, os instrutores podem determinar o nível de conhecimento dos participantes, tanto em termos do nível de entrada, como o sucesso da experiência do aprendizado. O questionamento serve como forma de checar a efetividade do treinamento e pode também ajudar os instrutores a identificar áreas que precisam ser reforçadas.







FECHADA

ABERTA

DIRETA

Direcionada a um participante e tendo apenas uma resposta.



Direcionada a um participante, mas tendo mais de uma resposta possível.



INDIRETA

Não é direcionada a nenhum participante especificamente e tem somente uma resposta.


Não é direcionada a nenhum participante especificamente e tem mais de uma resposta.






Avaliação da Técnica Instrucional: Demonstração

Para avaliação do processo ensino-aprendizagem desta técnica utiliza-se o:



- Observação do Desempenho

É possível o instrutor avaliar o participante através da Observação do Desempenho quando o mesmo apresentar as seguintes características:



COMPREENSÃO DA DEMONSTRAÇÃO:

  • Demonstra ter aprendido as habilidades manipulativas básicas e exigidas pela operação;

  • Demonstra saber usar e manejar instrumentos, equipamentos e ferramentas empregados na operação;

  • Recapitula e/ou comprovar em condições reais, os conhecimentos adquiridos no estudo da tarefa;

  • Inicia a abordagem da operação vivenciando-a corretamente.

HABILIDADE MANIPULATIVA:

  • Executa operações demonstrando habilidade no manejo de máquinas, equipamentos e instrumentos, ferramentas e na utilização dos materiais;

  • Desenvolve suas atividades sozinho dentro dos padrões tecnicamente recomendados.

  • Maneja animais com conforto e segurança.

APLICAÇÃO DOS CONHECIMENTOS TECNOLÓGICOS:



  • Transfere os conhecimentos tecnológicos para a prática sempre executando as operações dentro dos padrões tecnicamente recomendados.

RITMO DE TRABALHO:

  • Mantém um ritmo constante no desenvolvimento de suas atividades.

  1. Material didático/pedagógico

Relação de cartilhas da coleção Nacional do SENAR que poderão ser utilizadas na oferta do curso Produtor de Embutidos e Defumados no âmbito do Pronatec:


  • Nº96- Fabricação de linguiças com carne de ovino e caprino Trabalhador na transformação de produtos de origem animal em embutidos e defumados

  • Nº97- Fabricação de produtos defumados de ovino e caprino Trabalhador na transformação de produtos de origem animal em embutidos e defumados

  • Cartilha Trabalho Decente – Educação Postural

  • Cartilha: Empreender no Campo – Manual no aluno

Recursos como projetor multimídia, flip-chart, álbum-seriado, livros e manuais técnicos, etc, serão previstos e disponibilizados pela AR de acordo com o planejado e registrado no plano instrucional.



  1. Instalações e Equipamentos

Salas de aula, laboratórios e outros itens. A serem definidos e registrados em planejamento próprio pela regional, de acordo com as parcerias estabelecidas e possibilidades locais.


Baixar 248.4 Kb.

Compartilhe com seus amigos:
1   2   3   4




©bemvin.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Prefeitura municipal
santa catarina
Universidade federal
prefeitura municipal
pregão presencial
universidade federal
outras providências
processo seletivo
catarina prefeitura
minas gerais
secretaria municipal
CÂmara municipal
ensino fundamental
ensino médio
concurso público
catarina município
reunião ordinária
Dispõe sobre
Serviço público
câmara municipal
público federal
Processo seletivo
processo licitatório
educaçÃo universidade
seletivo simplificado
Secretaria municipal
sessão ordinária
ensino superior
Universidade estadual
Relatório técnico
Conselho municipal
técnico científico
direitos humanos
científico período
pregão eletrônico
Curriculum vitae
espírito santo
Sequência didática
Quarta feira
conselho municipal
prefeito municipal
distrito federal
língua portuguesa
nossa senhora
educaçÃo secretaria
Pregão presencial
segunda feira
recursos humanos
educaçÃO ciência
Terça feira
agricultura familiar