O atual e o virtual



Baixar 18.73 Kb.
Encontro13.11.2018
Tamanho18.73 Kb.
#126659
O ATUAL E O VIRTUAL

A diferença entre o real e o virtual define-se como: o real é “o que existe”, e o virtual é “o que ainda há de existir”.

A explicação de Virtual é a seguinte:

A palavra virtual vem do latim medieval virtualis, derivado por sua vez de virtus, força, potência. O virtual tende a atualizar-se, sem ter passado, no entanto, à concretização efetiva ou formal. A árvore está virtualmente presente na semente. Em termos rigorosamente filosóficos, o virtual não se opõe ao real, mas ao atual: virtualidade e atualidade são apenas duas maneiras de ser diferentes.

É importante fazer seguinte observação: o virtual não se opõe ao real, mas sim ao atual. Por que o atual consiste em algo que está em ato, que está acontecendo em um determindo momento.

No exemplo da árvore, podemos declara-se que a ela é o real, mas está presente de forma virtual na semente e atualmente está produzindo frutos (por exemplo, pois este fator pode variar muito de acordo com o estágio de crescimento da árvore, o clima e o local).

A atualização

A atualização de acordo o ponto de vista filosófico, é o ato ou o fato de tornar atual, em que se pode ter a liberdade de criar e inventar uma forma a partir de uma configuração dinâmica de forças e finalidades. É uma invenção de uma solução que exige um complexo problemático. A atualização de um programa, por exemplo, quando esta sendo utilizado, ocorre através de várias mudanças de forma mais ou menos inventiva, ele contém uma dinâmica e uma virtualidade de mudanças.

O real assemelha-se ao possível: em troca, o atual em nada se assemelha ao virtual: responde-lhe.

A virtualização

A virtualização pode ser definida como o movimento inverso da atualização. Consiste em uma passagem do atual ao virtual, em uma “elevação à potência” da entidade considerada. É uma mutação de identidade, um deslocamento do centro de gravidade ontológico do objeto considerado, a entidade passa a encontrar sua consistência essencial num campo problemático.

Podemos falar como exemplo da virtualização das empresas de tradução nos dias atuais. Ao invés de ter tradutores trabalhando dentro do espaço físico da empresa (que normalmente consiste em um escritório localizado em um prédio comercial), esta empresa de tradução trabalha de forma virtual, ou seja, substitui a presença física dos tradutores nos mesmos locais pela participação numa rede de comunicação eletrônica e pelo uso de recursos e programas que favoreçam a cooperação.

Se a virtualização fosse apenas a passagem de uma realidade a um conjunto de possíveis, seria desrealizante. Ela é um dos princípios vetores da criação da realidade.

É importante lembrar que:

Atualização → problema → solução.

Virtualização → solução dada → (outro) problema.

Não estar presente: a virtualização como êxodo

Em primeiro lugar pode-se definir o hipertexto como uma forma de apresentação ou organização de informações escritas, em que blocos de texto estão articulados por remissões, de modo que, em lugar de seguir um encadeamento linear e único, o leitor pode formar diversas sequências associativas, conforme seu interesse. Também o hipertexto é um conjunto de textos estruturados ou organizados dessa forma, e geralmente implementado em meio eletrônico computadorizado, no qual as remissões correspondem a comandos que permitem ao leitor passar diretamente aos elementos associados.

Com o mundo informatizado, ocorre que um texto passa a apresentar-se como a atualização de um hipertexto de suporte informático. Neste caso, é possível atribuir um endereço a um arquivo digital. O hipertexto contribui para produzir acontecimentos de atualização textual, de navegação e leitura. Apenas estes acontecimentos são verdadeiramente situados. Embora necessite de suportes físicos pesados para subsistir e atualizar-se, o imponderável hipertexto não possui um lugar.

A virtualização reinventa uma cultura nômade fazendo surgir um meio de interações sociais onde as relações se reconfiguram com um mínimo de inércia.

A virtualização submete a narrativa clássica a uma prova rude: unidade de tempo sem unidade de lugar (ex: graças às interações em tempo real por redes eletrônicas, às transmissões ao vivo, aos sistemas de telepresença), continuidade de ação apesar de uma duração descontínua (ex: como na comunicação por secretária eletrônica ou por correio eletrônico). A sincronização substitui a unidade de lugar, e a interconexão, a unidade de tempo.

Novos espaços, novas velocidades.

Atualmente, há uma pluralidade de tempo e espaços. Tanto que cada forma de vida inventa seu mundo (do micróbio à árvore, da abelha ao elefante, da ostra à ave migratória) e, com esse mundo, um espaço e um tempo específicos. Exemplo: o universo cultural humano.

Em vez de seguirmos linhas de errância e de migração dentro de uma extensão dada, saltamos de uma rede a outra, de um sistema de proximidade ao seguinte. Os espaços se metamorfoseiam e se bifurcam a nossos pés, forçando-nos à heterogênese.

A virtualização por desconexão em relação a um meio particular não começou com o humano. Ela está inscrita na própria história de vida. Desde os seres vivos mais primitivos até os seres vivos mais evoluídos, os melhoramentos da locomoção se abriram espaços sempre mais vastos e possibilidades de existência sempre mais numerosas aos seres vivos. A invenção de novas velocidades é o primeiro grau de virtualização.

Com o passar do tempo e com a evolução do ser humano, houve uma grande aumento no turismo. Com isso, o aumento da comunicação e generalização do transporte rápido participam do mesmo movimento de virtualização da sociedade, da mesma tensão em sair de uma “presença”.

O efeito Moebius

Além da desterritorialização, um outro caráter é frequentemente associado à virtualização: a passagem do interior ao exterior e do exterior ao interior. Esse “efeito Moebius” declina-se em vários registros: o das relações entre o público e o privado, próprio e comum, subjetivo e objetivo, mapa e território, autor e leitor etc. (…)

O típico tradutor tinha a sua mesa de trabalho na empresa de tradução. Quando passa a trabalhar on-line (em casa), passa a compartilhar certo número de recursos imobiliários, mobiliários e programas com outros empregados. O membro do escritório de tradução habitual passava do espaço privado de seu domicílio ao espaço público do lugar de trabalho. Por contraste, o tradutor que trabalha em casa transforma os seu espaço privado em público e vice-versa.



Embora o inverso seja geralmente mais verdadeiro, ele consegue às vezes gerir segundo critérios puramente pessoais uma temporalidade pública. Os limites não são mais dados. Os lugares e tempos se misturam. As fronteiras nítidas dão lugar a uma divisão das repartições. São as próprias noções de privado e de público que são questionadas.

A virtualização, passagem à problemática, deslocamento do ser para a questão, é algo que necessariamente põe em causa a identidade clássica, pensamento apoiado em definições, determinações, exclusões, inclusões e terceiros excluídos. Por isso a virtualização é sempre heterogênese, devir outro, processo de acolhimento da alteridade.
Baixar 18.73 Kb.

Compartilhe com seus amigos:




©bemvin.org 2022
enviar mensagem

    Página principal
Prefeitura municipal
santa catarina
Universidade federal
prefeitura municipal
pregão presencial
universidade federal
outras providências
processo seletivo
catarina prefeitura
minas gerais
secretaria municipal
CÂmara municipal
ensino fundamental
ensino médio
concurso público
catarina município
reunião ordinária
Serviço público
Dispõe sobre
câmara municipal
público federal
processo licitatório
Processo seletivo
educaçÃo universidade
seletivo simplificado
Secretaria municipal
sessão ordinária
Universidade estadual
Relatório técnico
ensino superior
técnico científico
Conselho municipal
científico período
direitos humanos
Curriculum vitae
espírito santo
pregão eletrônico
Sequência didática
distrito federal
Quarta feira
prefeito municipal
conselho municipal
língua portuguesa
nossa senhora
educaçÃo secretaria
Pregão presencial
segunda feira
educaçÃO ciência
Terça feira
agricultura familiar
recursos humanos