Ministro é a vida do seu ministério



Baixar 180.37 Kb.
Página4/4
Encontro29.10.2017
Tamanho180.37 Kb.
1   2   3   4

Jesus dependeu do Espírito Santo desde a sua concepção e nascimento (Lc 1.35) até a sua morte na cruz (Hb 9.14) e durante todo o seu ministério (At 10.38). Ele admoestou os seus discípulos a não começarem o ministério até que fossem primeiramente revestidos com o poder do alto (Lc 24.49). A igreja de Atos capítulo um é a igreja de portas fechadas. A descrição daquela igreja é bem parecida com a maioria das igrejas é bem parecida com a maioria das igrejas hoje: gostam da comunhão, das orações, do estudo da palavra, da eleição e de oficiais. Mas quando o Espírito Santo desceu sobre os crentes no dia do Pentecoste, as portas foram abertas e a igreja de Deus começou a impactar a cidade e o mundo.

As escrituras repetidamente revelam a estreita conexão entre a vinda do Espírito Santo e a subseqüente proclamação da Palavra de Deus (Nm 11.29; 2 Sm 23.2; 2 Cr 24.20; Ne 9.30; Ez 11.5). No livro da Atos, Lucas menciona o poder do Espírito Santo em conexão com o testemunho do evangelho pelos discípulos (1.8; 2.1-14; 4.8; 4.31; 6.3,8,10; 8.4-8; 9.17-22; 11.24-26; 13.1-5,9-12).

Muitos pregadores e igrejas têm perdido a unção do Espírito Santo. Muitas igrejas têm influencia política, riqueza, erudição, boa organização, belos templos, sofisticada tecnologia, eruditos pastores, mas não têm poder. A obra de Deus não é realizada através da força e da inteligência humana, mas através do poder do Espírito Santo (Zc 4.6).

Os pregadores geralmente recusam-se a admitir que estão vazios do poder de Deus. Contudo, como eles querem impressionar as pessoas, buscam substitutos para esse poder, comprando um novo sistema de som para a igreja, modificando a liturgia do culto para provocar impressões mais fortes no auditório, introduzindo novos programas para substituir a ineficácia da pregação, pregando sermões mais curtos, dando maior ênfase à performance dos grupos musicais. Alex Montoya comenta que essas coisas não substituem a falta da presença e operação do Espírito Santo em nossas vidas. Elementos artificiais não podem dar vida a um sermão morto pregado por um pregador. “Cuidadosa preparação e a unção do Espírito Santo jamais devem ser consideradas como alternativas, mas como duas coisas absolutamente necessárias que se completam uma à outra”.

O grande evangelista Dwight Moody recebeu uma unção especial para pregar a Palavra de Deus depois de duas humildes mulheres metodistas oraram por ele em Chicago. Elas lhe disseram: “Você precisa do poder do Espírito Santo”. Então ele pediu às mulheres para orarem com ele e não simplesmente por ele. Pouco tempo depois as orações daquelas mulheres foram respondidas, quando Moody estava em Nova York. O próprio Moody relata a sua experiência:

Eu estava clamando o tempo todo para que Deus me ungisse com o seu Espírito. Bem, um dia, na cidade de Nova York – oh, que dia! Eu não posso descrevê-lo... Eu posso somente dizer que Deus revelou-se a mim e tive tal experiência do seu amor que precisei pedir-lhe para suspender a sua mão sobre mim. Depois desse dia continuei pregando. Os sermões não eram diferentes; eu não preguei nenhuma nova verdade, mas centenas de pessoas eram convertidas. Se alguém me oferecesse o mundo inteiro para eu voltar a viver do mesmo jeito que vivia antes dessa abençoada experiência, desprezaria essa proposta e a consideraria apenas como pó em uma balança”.

O que Deus fez na vida de muitos pregadores no passado como Lutero, Calvino, Hugh latimer, John Bradford, George Whitefield, John Wesley, Howel Harris, Daniel Howland, Jonathan Edwardas, Dwight Moddy e outros, ele pode fazer novamente. Martyn Lloyd Jones escreve sobre a urgente necessidade de procurarmos o Espírito Santo e o seu poder. Ele diz:

O que faremos diante dessas coisas? Só existe uma conclusão óbvia. Procuremos o Espírito Santo! Procuremo-lo! O que poderíamos fazer sem ele? Procuremo-lo! Procuremo-lo sempre. Mas devemos ir além de procurá-lo; devemos esperá-lo... A unção do Espírito é a nossa suprema necessidade. Procuremo-la até a encontrarmos. Não se contente com nada menos do que a unção do Espírito. Prossiga até você poder dizer, ‘a minha palavra e a minha pregação não consistiram em linguagem persuasiva de sabedoria, mas em demonstração do Espírito e poder’. Deus é e sempre será poderoso para fazer infinitamente mais do que pedimos ou pensamos conforme o seu poder que opera em nós”.

5

Paixão


Lógica em fogo
Pregação é lógica em fogo! Pregação é razão eloqüente! Pregação é teologia em fogo, é teologia vinda através de um homem que está em fogo. John Stott comenta que Martyn Lloyd Jones colocou o dedo sobre um ponto crucial. Para que a pregação tenha fogo, o pregador precisa ter fogo e este fogo só pode vir do Espírito Santo. Os nossos sermões jamais pegarão fogo a menos que o fogo do Espírito Santo queime em nossos próprios corações. “Quando estivermos apaixonados por Deus, nossa pregação será cheia de paixão”. A luz e o fogo, a verdade e a paixão devem andar juntos. Quando Jesus expôs a verdade aos discípulos no caminho de Emaús seus corações foram inflamados e começaram a arder (Lc 24.32).

Nenhum homem pode ser um grande pregador sem grandes sentimentos. O biógrafo John Pollock escrevendo sobre a vida de George Whitefield diz que ele raramente pregava um sermão sem lágrimas nos olhos. Igualmente, Moody raramente falava a uma alma perdida sem lágrimas em seus olhos. O pregador deve ser um homem de coração quebrantado pregando para homens de corações quebrantados. Richard Baxter entendeu a pregação como uma apaixonante e urgente tarefa. Dizia ele: “Eu prego como se jamais fosse pregar novamente; eu prego como se estivesse morrendo, para homens que estão morrendo”. É impossível pregar efetivamente e eficazmente a Palavra de Deus sem paixão. “Pregação sem paixão não é pregação”.

Um pregador, certa feita, perguntou a Macready Garrick, um grande ator inglês, como ele poderia atrair grandes multidões para assistir a uma ficção, enquanto ele estava pregando a verdade e não ajuntava grandes multidões para ouvi-lo. O ator respondeu: “Isto é simples. E posso explicar-lhe a diferença que existe entre nós. É que eu apresento a minha ficção como se fosse verdade; e você apresenta a sua verdade como se fosse ficção”. John Etter comenta:

Entendemos a realidade da nossa pregação – pecado e salvação, céu e inferno, imortalidade e responsabilidade humana? O jurista, o legislador e o homem de estado não têm tais temas; no entanto eles são geralmente mais eloqüentes do que nós. O púlpito é envergonhado com a eloqüência superior das barras dos tribunais”.

Como pregadores precisamos pregar com profunda convicção e paixão. Nós devemos crer profundamente na mensagem que pregamos. Nós devemos colocar o nosso coração em nossa pregação. As pessoas podem até rejeitar a nossa pregação, mas jamais duvidar da nossa sinceridade. John Stott comenta o seguinte fato:

David Hume era um filosofo deísta, britânico do século XVIII, que rejeitou o cristianismo histórico. Certa feita um amigo o encontrou apressado caminhando pelas ruas de Londres e perguntou-lhe aonde estava indo. Hume respondeu que estava indo ouvir George Whitefield pregar. ‘Mas certamente’, seu amigo perguntou atônito, ‘você crê no que George Whitefield prega, crê?’ ‘Não, eu não creio’, respondeu Hume, ‘mas ele crê’”.

A pregação apaixonada deve ser feita com o coração em chamas, pois não é um ensaio lido para um auditório desatento. A pregação é uma confrontação em nome do próprio Deus Todo-Poderoso. Ela precisa ser anunciada com uma alma em chamas, na autoridade do Espírito Santo. A.W. Criswell cita John Weslwy, “Ponha fogo no seu sermão, ou ponha o seu sermão no fogo”.

Somente um pregador revestido com paixão pode ser um poderoso instrumento nas mãos de Deus para produzir impacto nos corações. John Stott cita Chad Wash: “A verdadeira função do pregador é incomodar as pessoas que estão acomodadas e acomodar as que estão incomodadas”. John Nilton disse que “o propósito da pregação é quebrar os corações duros e curar os corações quebrados”. O pregador deve ser um filho do trovão e um filho da consolação e, geralmente ambos no mesmo sermão.

Geoffry Thomas diz que um dos grandes perigos que os pregadores enfrentam na fé reformada é o problema do hiper-intelectualismo. Mas é preciso enfatizar que uma pregação intelectual não é uma pregação sem paixão. Na verdade, uma pregação intelectual e bem elaborada faz a verdade simples. Montoya observa com muita clareza que:

Nós necessitamos de paixão em nossa pregação. O pregador bíblico e conservador precisa estar absolutamente consciente da necessidade de equilíbrio entre a sólida exposição e a apaixonada apresentação da exposição. Como nós pregamos o sermão é tão importante quanto o que nós pregamos”.

Um pregador sem paixão cria uma audiência sem paixão. A falta de paixão e de vida nos sermões põe o povo para dormir em vez de desperta-lo. Montoya ilustra:

Um pregador olhando para o seu auditório durante a sua prédica, observou que um senhor idoso estava dormindo enquanto ele pregava. Então, disse para o jovem garoto que estava sentado perto do ancião sonolento: ‘Menino, você poderia fazer a gentileza de acordar o seu avô que está dormindo ao seu lado?’ O menino prontamente respondeu: ‘Por que o senhor mesmo não o acorda, já que foi o senhor quem o colocou para dormir?’”.

É chegado o tempo de restaurarmos a pregação ao seu lugar de absoluta primazia. Deus requer uma pregação ungida, apaixonada, inflamada pelo fogo do Espírito. O mundo carece desesperadamente de pregações cheias de vigor e paixão. Não há espaço no púlpito para pregadores frios, sem vida e sem paixão. O púlpito sem poder endurece o coração dos ouvintes. Um pregador se paixão é uma contradição de termos. O pregador sem o calor do Espírito deveria recolher-se ao silêncio até que as chamas voltassem a arder em seu coração. Quando perguntaram a Moody, como começar um reavivamento na igreja, ele respondeu: “acenda uma fogueira no púlpito”. O pregador pode ser uma benção na igreja ou será uma maldição. Neutro ele não pode ser. Nós devemos glorificar a Deus através de uma pregação bíblica, fiel, ungida, cheia de paixão, com maior senso de urgência para a salvação dos perdidos e para a edificação dos santos. Finalizando, veja a ilustração de Charles Spurgeon:

Um homem foi soterrado acidentalmente por uma barreira que desabou e muitos estavam cavando energicamente para libertá-lo. No local estava alguém indiferente, apenas contemplando o drama, quando foi informado: ‘É seu irmão que está lá embaixo’. Estas palavras operaram nele uma imediata mudança; no mesmo instante pôs-se a trabalhar febrilmente para resgatá-lo. Se realmente desejamos salvar os nossos ouvintes da ira vindoura, é preciso que sintamos simpatia, compaixão e ansiedade; numa frase: paixão e amor ardente. Que Deus nos conceda tais sentimentos”.


Conclusão


Depois de percorrer todo o Brasil, de pregar em centenas de igrejas de várias denominações no Brasil e no exterior, depois de ouvir pastores e membros das igrejas, depois de analisar cuidadosamente a situação da igreja evangélica brasileira, estou convencido de que a nossa maior necessidade é uma profunda restauração espiritual na vida dos pastores e pregadores. Como pastores não podemos nos acostumar com o sagrado ao ponto de perdermos a sensibilidade comas coisas de Deus. Como pastores não podemos ler a Bíblia apenas como profissionais de pregação. Como pastores não podemos apenas apascentar o rebanho sem nutrir a nossa própria alma. É mister que os pastores voltem ao seu primeiro amor, que restaurem o altar da vida devocional, que deixem de lado as coisas urgentes e comecem a gastar tempo com o que é importante. É necessário que os pastores se consagrem à oração e ao ministério da Palavra. É importante que os pastores se tornem urgentemente reparadores de brechas, homens de lágrimas, que chorem por si mesmos e pelo povo de Deus. É preciso que os pastores sejam santos, piedosos de almas, prontos a viver e a morrer pela causa do Evangelho.

Bancos sem oração fazem púlpito em poder. É de vital importância que os crentes não apenas recebam instrução de seus pastores, mas também que intercedam incansavelmente por eles. Os crentes precisam amar os seus pastores, assisti-los, encoraja-los e obedecer-lhes para que não façam a obra de Deus gemendo. Que Deus nos dê a alegria de ver um tempo de restauração em nossas igrejas, começando por seus pastores!



Veja mais e-books Gospel em: www.ebooksgospel.com.br



Catálogo: 2010
2010 -> Preparação Geral Começando com o seu ambiente de desenvolvimento
2010 -> Informativo eletrônico 2010 maio 1ª ediçÃo com mais novidades
2010 -> Informativo eletrônico 2010 marçO 1ª ediçÃo com mais novidades
2010 -> Campus curitiba
2010 -> Universidade fumec faculdade de engenharia e arquitetura fea
2010 -> Cd e dvd sorriso maroto – sorriso 15 anos – ao vivo
2010 -> Sbpjor – Associação Brasileira de Pesquisadores em Jornalismo VIII encontro Nacional de Pesquisadores em Jornalismo
2010 -> Pibic/cnpq/ufcg-2010 características da variabilidade do vento no aeroporto internacional de joão pessoa: período 2003-2009
2010 -> Decreto 1171 fcc 2010 al-sp agente Legislativo de Serviços Técnicos e Administrativos Ética é o conjunto de regras e preceitos de ordem valorativa e moral de um indivíduo, de um grupo social ou de uma sociedade
2010 -> Gabinete Coordenador de Educação Artística/ dea pratica coral

Baixar 180.37 Kb.

Compartilhe com seus amigos:
1   2   3   4




©bemvin.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Prefeitura municipal
santa catarina
Universidade federal
prefeitura municipal
pregão presencial
universidade federal
outras providências
processo seletivo
catarina prefeitura
minas gerais
secretaria municipal
CÂmara municipal
ensino fundamental
ensino médio
concurso público
catarina município
Dispõe sobre
reunião ordinária
Serviço público
câmara municipal
público federal
Processo seletivo
processo licitatório
educaçÃo universidade
seletivo simplificado
Secretaria municipal
sessão ordinária
ensino superior
Relatório técnico
Universidade estadual
Conselho municipal
técnico científico
direitos humanos
científico período
espírito santo
pregão eletrônico
Curriculum vitae
Sequência didática
Quarta feira
prefeito municipal
distrito federal
conselho municipal
língua portuguesa
nossa senhora
educaçÃo secretaria
segunda feira
Pregão presencial
recursos humanos
Terça feira
educaçÃO ciência
agricultura familiar