Licenciamento ambiental para piscicultura



Baixar 3.27 Mb.
Página14/14
Encontro31.10.2016
Tamanho3.27 Mb.
1   ...   6   7   8   9   10   11   12   13   14

COLETA DOS GAMETAS

A coleta dos gametas é realizada após a segunda indução hormonal, é controlada com base no conhecimento de horas-grau (somatória da temperatura da água em função do tempo). O valor de horas-grau varia entre as espécies (Tabela 1). A coleta é realizada através de extrusão, que consiste na pressão abdominal no sentido céfalo-caudal dos peixes. Os gametas são coletados em recipientes limpos e secos, para evitar contaminação e ativação.




Tabela 1. Horas-grau de extrusão de diferentes espécies de peixes nativos na Estação de hidrobiologia da Estação de Três Marias (Fonte: Sato et al., 2003)
REPRODUÇÃO DE TILAPIAS

A tilápia, peixe este nativo da África, apresenta uma grande demanda no cultivo no país, desta forma práticas reprodutivas diferenciadas podem ser aplicadas no sentido de aproveitar o grande número de desovas que esta espécie apresenta. A exemplo disso, existem sistemas comercias de coleta de ovos e incubação artificial e sistemas de coleta de nuvens de larvas no viveiro de cultivo (Bombardelli et al., 2009).

O sistema de coleta de ovos consiste na retirada de ovos das fêmeas logo após sua desova, isso é realizado pelo fato das tilápias apresentarem cuidado parental, incubando seus ovos e embriões em sua boca até o momento em que as larvas conseguem nadar e se alimentar.

Após a coleta dos ovos, estes são levados às incubadoras artificiais, onde permaneceram até começarem a ingerir alimentação exógena. Este procedimento necessita um manejo periódico dos reprodutores, sendo estes estocados em hapas com sexos separados (período de descanso das fêmeas) e juntos (período em que ocorre as desovas). O tempo em que os reprodutores podem permanecerem separados e juntos varia conforme a região, entretanto, observa-se descanso em torno de 15-25 dias e acasalamento entre 3-10 dias. Com o manejo adequado, pode-se obter desovas da mesma fêmea a cada 15 dias, entretanto, os animais necessitam estar bem nutridos e acostumados ao manejo periódico. Após o período de acasalamento, os peixes são retirados dos hapas para a coleta dos ovos, pode ser individualmente, ou todas ao mesmo tempo, colocando em uma caixa da água contento uma tela protetora e induzir as fêmeas cuspirem seu ovos. Este sistema, necessita de grandes estruturas para acasalamento e incubação, encarecendo muitas vezes a produção, entretanto, tem-se o controle da idade das larvas (fundamental no processo de reversão sexual) (Bombardelli et al., 2009).



A coleta das nuvens consiste em deixar um grande número de machos e fêmeas acasalando no mesmo viveiro, e diariamente deve-se realizar com uma peneira fina, a coleta dos pequenos cardumes de larvas que se encontram nas bordas dos viveiros procurando abrigo, alimento e temperatura mais elevada. A vantagem é de não precisar grandes estruturas, entretanto não se tem o controle da idade das larvas que serão na maioria das vezes revertidas sexualmente.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ABNT. Planejamento de Amostragem de Efluentes Líquidos e Corpos Recepetores. NBR 9897. Jun. 1987.

APHA.AWWA.WEF. Standard Methods for the Examination of water and Wastewater. 19th. Ed. Washington, 1995.

BALDISSEROTTO, B. Fisiologia de Peixes Aplicada a Piscicultura. Santa Maria: UFSM, 2002. 212 p.

BOMBARDELLI, R.A.; SYPERREK, M.A. SANCHES, E.A. Hormônio liberador de gonadotrofinas em peixes: aspectos básicos e suas aplicações. Arquivos de ciências Veterinárias e Zoologia da UNIPAR, v.9, n.1, p.59-65, 2006a.

BOMBARDELLI, R.A.; HAYASHI, C.; NATALI, M.R.M.; SANCHES, E.A.; PIANA, P.A. Desempenho reprodutivo e zootécnico e deposição de lipídios nos hepatócitos de fêmeas de tilápia-do-nilo alimentadas com rações de diversos níveis energéticos. Revista Brasileira de Zootecnia, v.38, n.8, p.1391-1399, 2009

BOSCARDIN, N. R. A Produção Aqüícola Brasileira. In.: OSTRENSKY, A.; BORGHETTI, J. R.; SOTO, D. (Ed.) Aqüicultura no Brasil: o desafio é crescer. Brasília: FAO, 2008, p.27-72.

CECCARELLI, P.S.; SENHORINI, J.A.; VOLPATO, G.L. Dicas em Piscicultura – Perguntas e Respostas. Botucatu: Santa Gráfica Editora, 2000.

CRESCÊNCIO, R. Ictiofauna brasileira e seu potencial para criação. In: BALDISSEROTTO, B.; GOMES, L.C. (Ed.) Espécies Nativas Para a Piscicultura no Brasil. Santa Maria:UFSM, 2005, p.23-36.

COWARD, K., BROMAGE, N. R., HIBBITT, O.; PARRINGNTON, J. Gamete physiology, fertilization and egg activation in teleost fish. Reviews in Fish Biology and Fisheries, v.12, p.33–58, 2002.

CUBAS, Z.S.; SILVA, J.C.R.; CATÃO-DIAS, J.L. Tratado de Animais Selvagens: Medicina Veterinária. São Paulo: Roca, 2007.

EIRAS, J.C.; TAKEMOTO, R. M. PAVANELLI, G.C. Métodos de estudo e técnicas laboratoriais em parasitologia de peixes. Maringá, PR: EDUEM, 171p. 2000.

EIRAS, J.C. Elementos de Ictioparasitologia. Ed. Fundação Eng. Antônio de Almeida, Porto, Portugal. 1994.

FAO, 2009. Aquaculture Newsletter, n° 43. Global Conference on Aquaculture 2010. p. 2. December, 2009.

FAO, 2009. Aquaculture Newsletter n° 36. Aquaculture Management and Conservation Service . Fisheries and Aquaculture Department – 2006

GODINHO, H. P. Estratégias reprodutivas de peixes aplicadas à aqüicultura: bases para o desenvolvimento de tecnologias de produção. Revista Brasileira de Reprodução Animal, v.31, n.3, p.351-360, 2007.

PAVANELLI, G.C. et al. Doenças de Peixes: Profilaxia, Diagnóstico e Tratamento. Maringá-PR; Eduem: Nupélia, 1998.

IMBIRIBA, E.P. Potencial da criação de pirarucu, Arapaima gigas, em cativeiro. Acta Amazonica, Manaus, v.31, n. 2, p.299-316, 2001.

ITUASSU, D. R.; FILHO, M. P.; ROUBACH, R.; CAVERO, B. A. S.; ONO, E. A.; BORDINHON, A. M.; FONSECA, F. A. - Efeito da adubação de viveiros sobre o desempenho de Pirarucu (Arapaima gigas) durante a fase de recria - Comunicación Científica - CIVA 2006 http://www.civa2006.org), p. 843-849, 2006.

KNUDSEN, R.; CURTIS, M.A.; KRISTOFFERSEN, R. Aggregation of helminths: The role of feeding behavior of fish hosts. journal of Parasitology, v. 90, n. 1, p. 1-7, 2004.

MARTINS, M.L.; Doenças infecciosas e parasitarias de peixes. 2ed..Jaboticabal: Funep Boletim Técnico, n. 3, 1998.

MORAVEC, F.; SCHOLZ, T.; KUCHTA, R.; DYKOVA, I.;POSEL, P. New data on the morphology of Nilonema senticosum Nematoda, Philometridae), a parasite of Arapaima gigas (Pisces), with notes on another philometrid, Alinema amazonicum, in Peru. Acta Parasitologica, v. 51, n. 4, p. 279-285, 2006.

LEONARDO, J.M.L.O. et.al. Ocorrência de ectoparasitas e estacionalidade em alevinos de Tilápia do Nilo (Oreochromis niloticus) após a reversão sexual na região noroeste do Paraná. I Cc esumar Vol. 8, N°. 2 - 2006.

KNUDSEN, R.; CURTIS, M.A.; KRISTOFFERSEN, R. Aggregation of helminths: The role of feeding behavior of fish hosts. ournal of Parasitology, v. 90, n. 1, p. 1-7, 2004.

MARTINS, M.L.; Doenças infecciosas e parasitarias de peixes. 2ed.Jaboticabal: Funep (Boletim Técnico, nº.3), 1998.

MORAVEC, F.; SCHOLZ, T.; KUCHTA, R.; DYKOVA, I.;POSEL, P. New data on the morphology of Nilonema senticosum Nematoda, Philometridae), a parasite of Arapaima gigas (Pisces), with notes on another philometrid, Alinema amazonicum, in Peru. Acta Parasitologica, v. 51, n. 4, p. 279-285, 2006.

ONO, E. A., R. ROUBACH, M. F. PEREIRA. Pirarucu production - advances in central Amazon, Brazil. Global Aquaculture Advocate. v. 6, p. 44-46, 2003.

ONO, E. A., M. R. HALVERSON, F. KUBITZA. Pirarucu - O gigante esquecido. Panorama da Aqüicultura, v. 14, p. 14-25, 2004.

ONO, E. A.; KUBITZA, F. Cultivo de peixes em tanques-rede. 2. Ed. Rev. Ampliada. Jundiaí: F. Kubitza,. 68 p. 1999.

PÁDUA, D. M. C. Apontamentos de Piscicultura. Goiânia: UCG, 2000. 277p.

QUEIROZ, J.F.; LOURENÇO J.N.P.; KITAMURA, P.C. A Embrapa e a aqüicultura: demandas e prioridades de pesquisa. Brasília: Embrapa Informação Tecnológica, 2002. 35p.

SANTOS, C.P.; GIBSON, D.I. Nilonema gymnarchi Khalil, 1960 and N. senticosum (Baylis, 1922) (Nematoda: Dracunculoidea): Gondwana relicts? Systematic Parasitology, v. 67, n. 3, p. 225-234, 2007.

SATO, Y. FENERICH-VERANI, N.; GODINHO, H. P.; Reprodução Induzida de Peixes da Bacia do São Francisco. In: GODINHO, H. P.; GODINHO, A. L.; Águas, Peixes e Pescadores do São Francisco das Minas Gerais. Belo Horizonte:PUC Minas, 2003b, p. 275-290.

SCHIMITTOU, H. R. Produção de peixes em alta densidade em tanquesrede de pequeno volume. Campinas: Mogiana Alimentos e Associação Americana de Soja, 1995. 78 p.

STOECKEL JN, A method for viewing the germinal vesicle in oocytes of commercial catfishes. North American Journal of Aquaculture, v.62, p.240-247, 2000.
STREIT JR., D.P.; MORAES, G.V.; RIBEIRO, R.P.; et al. Estudo comparativo da indução hormonal da espermiação em piavuçu (Leporinus macrocephalus) com extrato de hipófise de frango, coelho e carpa. Acta Scientiarum. Animal Sciences, v.25, n.2, p.261-266, 2003.

VAZZOLER, A.E.A.M. Biologia de reprodução de peixes teleósteos: teoria e pratica: EDUEM, 1996. 169p.

WOYNAROVICH, E.; HORVATH, L. A propagação artificial de peixes de águas tropicais: manual de extensão. Trad. Vera Lucia Mixtra Chama. Brasilia: Escopo. 1983. 220p. Tradução de “The Artificial Propagation of Warm -Water Finfishes - A Manual for Extension”.

ZANIBONI-FILHO, E.; NUÑER, A. P. O. Reprodução de peixes migradores de água doce. In: CYRINO, J. E. P.; URBINATI, E. C.; FRACALOSSI, D. M.; CASTAGNOLLI, N. Tópicos especiais em piscicultura de água doce tropical intensiva. São Paulo: TecArt, 2004. p. 45 – 74.

OLIC, Nelson Bacic. Conflitos do Mundo – Questões e Visões Geopolíticas. Ed. Moderna, 2000.

FRUET, Helena (10/01/2005) Quando a Torneira Secará? Revista Época, Ed. 347, 2005. Disponível em: http://epoca.globo.com Acesso em: 27/05/2011

Fontes: www.redasaguas.org.br . Acesso em: 27/05/2011

REBOUÇAS, A C. . Sócio Ambiental Ano I - Nº7 - Outubro de 2000. Falta d'água em meio à abundância . C:\Palestra agua potável\Revista Partes.mht.

www.scielo.br/pdf/ea/v15n43/v15n43a24.pdf Acesso em: 27/05/2011

Olhar Geográfico, FONSECA, Fernanda P. et al.. São Paulo: IBEP, 2006, p. 88 (v.2)
WWAP/Unesco.“Relatório sobre o Desenvolvimento da Água no Mundo", da Unesco (Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura).


Fontes: Palestra de Gerson Kelman - presidente da ANA - Agência Nacional de Água - disponibilizada à Rede das Águas, revista Aguaonline, Manual do Rio Tietê, Instituto Vidagua. 2010.

http://www.ana.gov.br/gestaoRecHidricos/Outorga/default2.asp

http://www.perfuradores.com.br/index.php?CAT=pocosagua&SPG=info_cientificas&SBPG=info_cie_planeta.

CONAMA 237

Circula técnica 45, Produção de tilápia: Mercado, espécie, biologia e recria Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Elenise G.O.;Francisco José S.S; Alitiene M.L.P; Carolyny B.L.; Teresina PI,2007
Manual de criação de peixes em tanques-rede / coordenação de Paulo Sandoval Jr.; elaboração de texto de Thiago Dias Trombeta e Bruno Olivetti de Mattos; revisão técnica de Willibaldo Brás Sallum Brasília: Codevasf, 2010. 69 p. : Manual SEBRAE

www.amordepeixe.com.br



http://filtragemdeaquario.blogspot.com


Catálogo: intra -> wp-content -> uploads -> downloads -> 2013

Baixar 3.27 Mb.

Compartilhe com seus amigos:
1   ...   6   7   8   9   10   11   12   13   14




©bemvin.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Prefeitura municipal
santa catarina
Universidade federal
prefeitura municipal
pregão presencial
universidade federal
outras providências
processo seletivo
catarina prefeitura
minas gerais
secretaria municipal
CÂmara municipal
ensino fundamental
ensino médio
concurso público
catarina município
Dispõe sobre
reunião ordinária
Serviço público
câmara municipal
público federal
Processo seletivo
processo licitatório
educaçÃo universidade
seletivo simplificado
Secretaria municipal
sessão ordinária
ensino superior
Relatório técnico
Universidade estadual
Conselho municipal
técnico científico
direitos humanos
científico período
espírito santo
pregão eletrônico
Curriculum vitae
Sequência didática
Quarta feira
prefeito municipal
distrito federal
conselho municipal
língua portuguesa
nossa senhora
educaçÃo secretaria
segunda feira
Pregão presencial
recursos humanos
Terça feira
educaçÃO ciência
agricultura familiar