Faculdade teológica do brasil "Entidade Educacional Com Jurisdição Nacional"



Baixar 1.26 Mb.
Página3/24
Encontro29.10.2017
Tamanho1.26 Mb.
1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   24

A IGREJA, CORPO DE CRISTO
ESTUDO SOBRE A IGREJA
TEOLOGIA GRÁTIS PARA TODOS


WWW.CGADOB.COM.BR

www.fatebra.com.br

TEXTO: EFÉSIOS 1:22-23

PROPOSTA: A nossa proposta é a de conhecer o que a Bíblia fala sobre a igreja. Qual o verdadeiro significado deste termo!
Quais as responsabilidades daqueles que dela participam.

01. A ORIGEM DA IGREJA

1.1 - A primeira referência bíblia sobre a igreja aparece em Mateus 16:18
1.2 - O nascimento da Igreja ocorreu n dia de Pentecoste. Atos 2:1-4

02. A NATUREZA E AS FUNÇÕES DA IGREJA COMO CORPO

2.1 - No Novo Testamento - "povo de Deus"
"Ekklesia" - "chamados para fora"

- Outros títulos:

- Corpo de Cristo - Ef. 1:22-23
- Templo do Espírito Santo - Ef. 2:21-22
- Plenitude de Cristo - Ef. 1:23
- Noiva do Cordeiro - 2 Cor. 11:2; Ap. 19:7

- A Igreja como corpo deve:

- ministrar
- manter a unidade da fé
- reconhecer ministérios
- participar do louvor, da comunhão, dos desafios
- instruir seus filhos na Palavra

03. A FORMAÇÃO A IGREJA

- Ela é formada pela união de seus membros - 1 Cor. 12:17
- Ela tem responsabilidades - Ef. 1:4; Rom. 8:29; 1 Ped. 2:9;
Observe as expressões: "escolheu"; "conheceu"; "eleita", "para sermos"; "para serem"; "a fim de".

04. AS FUNÇÕES DOS MEMBROS

- criar unidade no corpo - Ef. 4:16
- nutrir os demais membros - 1 Cor. 12:25
- sustentar os membros - Col. 2:19
- transmitir ordens - Fil. 4:9

05. CARACTERÍSTICAS DO CORPO

- Colaboração - 1 Cor. 12:12
- Exclusividade - 1 Cor. 12:14
- Individualidade - 1 Cor. 12:21
- Harmonia - 1 Cor. 12:25
- Diversificação de ministérios - 1 Cor. 12:28-29

06. SÍMBOLOS BÍBLICOS QUE DESCREVEM A IGREJA

- Rebanho - João 10:16
- Lavoura de Deus - 1 Cor. 3:9
- Edifício de Deus - 1 Cor. 3:9
- Santuário de Deus - 1 Cor. 3:16
- Coluna e Baluarte da verdade - 1 Tim. 3:15

A IGREJA, CORPO DE CRISTO II
ESTUDO SOBRE A IGREJA
TEOLOGIA GRÁTIS PARA TODOS


WWW.CGADOB.COM.BR

www.fatebra.com.br

TEXTO: MATEUS 28:18

PROPOSTA: Este estudo visa mostrar que a mesma autoridade que Jesus recebeu do Pai, foi também delegada a igreja.
Ela se tornou a agência mediante a qual o Senhor manifesta o seu poder, a sua graça e autoridade.

01. AUTORIDADE E PODER

A autoridade representa a própria essência de Deus, enquanto o poder expressa os seus atos! Isaías 40:25-26
Deus pode perdoar aqueles que duvidam de seus feitos, mas retêm o perdão àqueles que menosprezam a sua autoridade.
A queda de Satanás ocorreu, porque ele desejou ser igual a Deus, e não simplesmente realizar os mesmos feitos de Deus. Isaías 14:13-14
Obs. Satanás não tem medo de uma pessoa que prega a Palavra.
Ele tem medo das pessoas que se submetem a autoridade de Cristo.

02. AUTORIDADE E PODER DELEGADOS À IGREJA

- A igreja como corpo, recebeu do Senhor Jesus, toda a autoridade e poder para se tornar uma igreja viva e vitoriosa.

2.1 - Autoridade sobre a natureza - Mat. 17:20; Mat. 20-21-22


- esse poder é manifestado através da oração. Ela se torna em realidade devido a autoridade que Cristo concedeu à igreja.

2.2 - Autoridade sobre os espíritos - Luc. 10:19; Mat. 10:8


- A luta profetizada pôr Jesus:
- Igreja x Portas do inferno
- "Portas do Hades" - Hades representa o deus que tinha autoridade sobre os mortos!
- Porta - representava a corte, o poder do reino do mundo inferior!
- Resumo: a igreja não pode morrer. Ela é eterna.

2.3 - A autoridade da igreja é maior do que o poder do Diabo


- Mar. 5:9; Luc. 8:30
- Jesus comandou o espírito que atormentava o jovem e o expulsou. A autoridade a nós foi delegada, força o diabo a nos obedecer.

2.4 - Autoridade sobre os pecados - Mat. 6:14; Jó 20:23; Tg. 5:14-15

Diferença entre: "pecado" e "pecados"
- A igreja pode perdoar os pecados (ofensas) cometidos contra ela. Mas, o pecado, provocado pela queda do homem, só através do sangue de Cristo.

2.5 - Autoridade para ligar e desligar - Mat. 18:18; Mat. 16:19; 1Cor. 5:3-5

- Para exercer esta autoridade a igreja precisa estar em perfeita sintonia com o Espírito Santo. Esta autoridade não é um exercício individual, e, sim, coletivo.

3.0 - CONTESTANDO A AUTORIDADE DELEGADA


- A nossa obediência deve ser praticada não em função da pessoa mas da autoridade nela investida. Não se obedece a homens, e, sim, à autoridade de Deus que está nesse homem.

- Obs. Watchamann Nee: "A maior das exigências que Deus faz ao homem não é a de carregar a cruz, servir, dar ofertas, ou negar-se a si mesmo. A maior das exigências é que ele obedeça" - 1 Sam. 15:22-23

- Obs. Os maiores castigos mencionados na Bíblia ocorreram em razão da desobediência à autoridade delegada pôr Deus.

3.1 - Queda do querubim da guarda - Ezequiel 28:13-17


3.2 - Queda de Adão e Eva - Gênesis 2 e 3
3.3 - Rebelião de Cão - Gênesis 9:20-27
3.4 - Rebelião de Nadabe e Abiú - Levítico 10:1-2
3.5 - Castigo de Arão e Miriã - Números 12
3.6 - Rebelião de Coré - Números 16
3.7 - A desobediência de Saul - 1 Samuel 15
3.8 - A insubmissão de Absalão - 2 Samuel 15
3.9 - A idolatria de Salomão - 1 Reis 11
3.10 - A transgressão de Uzias - 2 Crônicas 26:16

4.0 - AUTORIDADE E A LIDERENÇA DA IGREJA


- A igreja só crescerá quando todos os membros estiverem debaixo do autoridade de Deus delegada aos seus ministros.
1 Tes. 5:12-13; 1 Cor. 16:15-16; Heb. 13:17; Zac. 13:7

A IGREJA, CORPO DE CRISTO III
ESTUDO SOBRE A IGREJA
TEOLOGIA GRÁTIS PARA TODOS


WWW.CGADOB.COM.BR

www.fatebra.com.br

TEXTO: ROMANOS 12:1-2

PROPÓSITO: A maior necessidade do mundo, das pessoas, como também da igreja, é a necessidade de adaptação ao curso da História. Esta adaptação só se viabiliza mediante a disposição do mundo, das pessoas, e da igreja em se transformarem. Transformação é o segredo de um organismo vivo.

Ilust. Leon Tolstói: "Todos pensam em mudar a humanidade e ninguém pensa em mudar-se a si mesmo".

1.1 - A comunicação se processa através de três elementos básicos:
a . Kerygma - mensagem
b. Koinonia - comunhão
c. Diakonia - serviço

1.2 - Encurtando as distâncias - João 13:12-17


A mensagem - Kerygna - não funciona isoladamente. Para que ela produza resultados positivos, é necessário que o membro exercite a Koinonia e a Diakonia.

0.2 - TRANSFORMANDO A NOSSA RELAÇÃO COM OS OUTROS MEMBROS

Este processo de transformação ocorre através da prática de quatro princípios bíblicos.
2.1 - Princípio da integração - 1 Cor. 12:15-16
- cada membro tem sua função. Um membro não deve aspirar o lugar do outro,
quando isso ocorre todo o corpo é prejudicado.
- A quebra desse princípio provoca:
- desvalorização do membro
- contestação da vontade de Deus
- Afastamento dos outros membros
- desperdício de forças

2.2 - Princípio da oportunidade - 1 Cor. 12:17-18


- este princípio visa das a todos os membros a mesma chance de trabalho. Um membro não pode inibir a ação do outro.
- A falta de oportunidade produz:
- desequilíbrio em todo o sistema
- um espírito de concorrência
- um anemiamento espiritual

2.3 - Princípio de Dependência - 1Cor. 12:21-22


- quando este princípio é quebrado, ocorre:
- um enfraquecimento de todos os membros
- o egoísmo passa a predominar nas relações
- a arrogância quebra a linha de comunicação

2.4 - Princípio da Unidade - 1Cor. 12:25-26; Ez. 34:17


- a unidade é a fonte geradora de toda a energia, de troca a mobilidade e harmonia do corpo. Sem unidade, a igreja perde a sua função. João 17:23

3.0 - TODA TRANSFORMAÇÃO EXIGE UMA FONTE DE DISCIPLINA PESSOAL - 1Cor. 9: 24

- A igreja precisa ser a autora e não a espectadora no processo de mudanças. Ela foi criada para ser o instrumento de Deus na transformação da sociedade.

- Disciplina na prática de ouvir/falar - João 8:47


- Disciplina na prática do perdão - Marcos 11:25
- Disciplina na prática da fé - 2 Cor. 13:5
- Disciplina na prática da liberdade - Gal. 5:13
- Disciplina na prática dos hábitos - Col. 3:17
- Disciplina na prática do tempo - Ef. 5:15-16
- Disciplina na prática da santidade - 1 Tim. 5:22

A IGREJA, CORPO DE CRISTO IV
ESTUDO SOBRE A IGREJA
TEOLOGIA GRÁTIS PARA TODOS


WWW.CGADOB.COM.BR

www.fatebra.com.br

TEXTO: EZEQUIEL 37:1-14

PROPÓSITO: Cerca de 2960 anos nos separam da experiência de Ezequiel junto ao vale de ossos secos. Mas a realidade daquele vale ainda é a mesma em nossos dias. O alvo deste estudo é recriar uma nova esperança no coração daqueles que como membros, fazem parte da Igreja do Senhor Jesus.

01. UMA CONVIVÊNCIA DESAGRADÁVEL - V. 1

Ezequiel não só foi levado ao vale de ossos secos. Ele andou pôr entre aqueles ossos. Conviveu com a morte. Sentiu os odores daquele ambiente fétido.
- A experiência de Neemias - Ne. 2:11-15
- Esta convivência foi necessária:
1.1 - para identificar a situação do povo
1.2 - para comprometer o profeta com o desafio de restauração
1.3 - para mostrar qual o propósito de Deus

02. HARMONIZANDO O CORPO

O texto de Ezequiel 37:6 nos ensina quatro verdades básicas sobre a harmonia do corpo de Cristo.

2.1 - "Porei tendões (nervos) sobre vós..."


- "tendões" - cria a união; dá sustentação; mantém a flexibilidade e resistência do corpo.
- "nervos" - estimulam; mantém a sensibilidade.
- hipersensibilidade - enferma o corpo!
- Rom. 12:15,17; Rom. 15:2; Gál. 5:26; Ef. 4:22

2.2 - "Farei crescer carne sobre vós..."


- Há três aspectos importantes sobre este elemento:
a . a carne representa unidade, participação, integração - Gên. 2:23
b. a carne é o elemento do corpo. A distrofia - perturbação da nutrição -prejudica o metabolismo do corpo. Fil. 2:3; 2 Cor. 8:13-15
c. a carne fala do conhecimento da Palavra. É o alimento sólido. 1 Cor. 3:1-2;
Heb. 5:11-14

2.3 - "E sobre vós estenderei pele..."


- a pele é o elemento de proteção. Ela funciona também como um filtro. Uma pele ressecada prejudica a respiração do corpo. Col. 3:12

2.4 - "E porei em vós o fôlego da vida e vivereis..."


O resultado final de um corpo equilibrado e harmônico é a presença do Espírito Santo agindo em todos os membros.

3.0 - COMO SE PROCESSA ESTA RESTAURAÇÃO?


Ezequiel foi o instrumento usado pôr Deus para restaurar os ossos secos. Cabe a cada membro do corpo a mesma responsabilidade. O processo de restauração ocorre através da ação profética.

3.1 - O que profetizar?


a . que Deus pode vivificar o que está morto em nossas vidas - v.5
b. que Deus harmonizará o corpo beneficiando assim cada membro em particular - v.7
c. que Deus fará de membros soltos e sem vida, um grande exército - v.10
d. que Deus abrirá as sepulturas e libertará todos os que vivem presos - v.12-13
e. que Deus derramará o seu Espírito Santo - v.14

A IGREJA, CORPO DE CRISTO V
ESTUDO SOBRE A IGREJA
TEOLOGIA GRÁTIS PARA TODOS


WWW.CGADOB.COM.BR

www.fatebra.com.br

TEXTO: PROVÉRBIOS 4:7

Pôr falta de sabedoria, a igreja tem lutado mais contra si mesma do que contra os verdadeiros adversários; tem usado ignorantemente a armadura de Saul; tem fomentado divisões; tem perdido enfim o poder de atuação.
"Realmente estará em perigo a sorte do mundo, se não surgirem homens mais sábios. O homem sábio é aquele que é capaz de reconhecer um necessitado, um pobre, um que precisa de oração".(Concílio Vaticano II)

01. DEFININDO A SABEDORIA


- Sabedoria é saber fazer a coisa certa, no momento certo, e à pessoa certa. Moisés nos dá um bom exemplo de falta de sabedoria. Êxodo 18:13-18
a . sabedoria como doutrina - Prov. 19:18; 22:6
b. sabedoria como virtude de homem - Gên. 41:38; Dan. 1:17
c. sabedoria como atributo e qualidade de Deus - Is. 28:29; Jer. 10:12

02. A IMPORTÂNCIA DA SABEDORIA

Pôr vivermos em grupos sociais, a sabedoria torna-se em elemento indispensável em nossos relacionamentos inter - pessoais.

2.1 - sabedoria no diálogo - Prov. 26:4; Ecl. 7:16


2.2 - sabedoria nas decisões - Prov. 8:12; 1 Reis 3:25-28
2.3 - sabedoria nas amizades - Jer. 9:4-5
2.4 - sabedoria no comportamento - Ef. 5:15; 1 Pd. 3:1-2
2.5 - sabedoria nos negócios - Gên. 41:39
2.6 - sabedoria em tudo...

03. SABEDORIA, AGENTE ESPIRITUALIZANTE

A sabedoria não é uma virtude isolada, e muito menos eletrizante. Não é contrária a verdadeira espiritualidade. Ela é antes de tudo o fiel da balança espiritual.

3.1 - Exigência dos apóstolos - Atos 6:3


3.2 - A força de Estevão - Atos 6:8-10
3.3 - A oferta do Espírito Santo - 1 Cor. 12:8
3.4 - A verdadeira busca - Tiago 3:13-18
Resumo: Igreja sábia produz santos verdadeiros!

A IGREJA QUE FAZ A DIFERENÇA
ESTUDO SOBRE A IGREJA
TEOLOGIA GRÁTIS PARA TODOS


WWW.CGADOB.COM.BR

www.fatebra.com.br

Mateus 26.17-30



Introdução
A igreja será apenas uma instituição humana se não tiver a visão de Jesus Cristo para o contexto e a realidade histórica na qual está inserida.

Falar dos objetivos da igreja em contraposição as megatendências da pós-modernidade e o modismo quanto a quebra de paradigmas que resultam na perda da identidade doutrinária, do mundanismo que gera a mundanalidade incrustada na igreja pela relativização da ética cristã, arrefecendo a autoridade da igreja em sua ação reformadora no mundo, Efésios 3.10.

A igreja deve interagir na história, não andar a reboque da historieta escrita nos alfarrábios desta geração corrompida e perversa. Somos o povo do Deus que é Senhor da história e que se manifesta através da história. A igreja é manifestação de Deus na história. Não podemos nos contentar em causar impacto na história com os nossos escândalos ou com a nossa inércia contemplativa enquanto o céu não vem. É imperativo fazermos diferença no mundo, escrevendo a história da salvação na vida das pessoas e para isto, é imperioso resgatarmos a relevância da igreja no contexto sociocultural em que trilhamos a jornada da santificação.

Mas amados, a igreja só será relevante para o mundo e para o Reino, fazendo verdadeira diferença neste mundo com Agência reformadora de Deus, quando...



1. Estivermos preocupados com a vontade do Mestre e não com a nossa própria vontade – (Vs. 17).

Devemos evitar a visão antropocêntrica e buscarmos uma visão horizonal, cristocêntrica, cristológica e cristossímel.

"Onde queres" – Théleis, vontade ativa, soberana. A vontade decisiva e decisória de Deus onde não cabe relativizações ou negociatas, apenas a submissão.

Os anseios e vontades humanas desembocam sempre no hedonismo ou nas guerras cruentas e desumanas. Só a vontade de Deus para a igreja é "boa, agradável e perfeita", Romanos 12.1.

Como Jesus, devemos admitir nossa humanidade em sua plenitude mas sempre orando: "não se faça a minha vontade, mas a tua", Lucas 22.42.

2. Estivermos conscientes da brevidade do tempo da salvação – (Vs. 18).

O tempo da Deus é kairós, eterno, infinito, e não kronos, limitado, mensurado e controlado pelo homem, como se fossemos senhores do tempo.

Na dispensação da igreja, da graça salvadora, o tempo é sempre presente, é hoje, e a pregação deve ser levada a efeito "a tempo e fora de tempo", 2 Timóteo 4.2.

Vale ressaltar a expressão "o Mestre diz". Mestre, didáskalos, alguém que ensina revestido de capacidade, honra e dignidade. Jesus, sendo Deus, é Senhor do tempo e fala com autoridade quanto a brevidade do tempo para a pregação do evangelho. "Meu tempo está próximo", diz o Mestre.

A Igreja não pode postergar a pregação. Não sabemos quando o Mestre voltará, Mateus 25.13. Estar preparados para adentrarmos com ele em sua glória implica em testemunho e pregação incessantes.

3. Nossos cultos se tornarem verdadeira celebração ao Cristo vivo, não à liturgia, à Denominação ou à Eclesiologia – (Vs. 18b e 19).

É imperioso buscarmos a consciência de libertação, Páscoa, e de celebração, de festa, de alegria e satisfação prezeirosa em nossos cultos, devido a presença do próprio Deus entre nós.

O texto não prevê sectarismo ou uniformidade. Não induz ao radicalismo ou ao êxtase emocional espiritualista esotericamente espiritualizado. Se quer, o texto aponta para um denominacionalismo desvairado e promotor de uma nefasta negligência ao que é bíblico em defesa de um hediondo tradicionalismo histórico-denominacional.

A festa, a Páscoa, era um memorial da libertação do Egito, da morte às mão do opressor, no sangue da remissão, Êxodo 12.14-17. Da mesma forma, nossos cultos devem ser verdadeira celebração pela e para salvação em Cristo. Uma festa alegre e vívida em gratidão pela libertação do pecado que nos é outorgada por Cristo.

Devemos buscar a consciência de que o Senhor está em seu trono de glória para receber de nós um culto "vivo, santo e agradável", Romanos 12.1, resultado de mentes renovadas em Cristo no entendimento dos mistérios da salvação, 1 Coríntios 2.14-16.

Se perseguimos palco, apresentações e números especiais, ou se queremos vislumbrar os nossos olhos com feitos pitorescos ou com manifestações pneumotécnicas, aqui não é nosso lugar.



4. Somos contristados pela possibilidade de sermos o traidor – (Vs. 21 e 22).

Qual a nossa reação diante da expressão "um de vós me trairá". Somos assolapados pela consciência de pecado que desemboca no arrependimento ou permanecemos insensíveis e nada nos impulsiona à santidade?

A expressão do verso 21, "me entregará", no original, denota que Jesus bem sabia das intenções daqueles que o perseguiam. É assombroso que muitos crentes não sintam o sabor amargo de pecado como sentiram Moisés, Jacó, Isaías, Jeremias, Pedro, Paulo e muitos outros indicados no Texto Sagrado, insistindo nos passos de Caim e na decisão diabólica tomada por Judas Iscariotes, persistindo na traição.

Muitos, mesmo estando diante de Jesus e sendo desafiados ao arrependimento, não conseguem olhar para Jesus e identificá-lo com Senhor absoluto de todas as coisa, Kírios, admitindo-o apenas como rabi, mestre da lei, o que não é uma característica da personalidade de Jesus.

No culto verdadeiro Deus sempre manifesta sua glória, Isaías 6.1-8, e se nos dispomos à perfeita adoração, sempre somos levados à contrição e ao arrependimento, a fim de que dediquemos nossas vidas em perfeito louvor, evidenciado na proclamação do evangelho de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo.

Retirar-se do culto sem experimentar restauração santificadora, permanecendo na inércia petrificada do comodismo, é constituir-se em traidor.

Em quinto e último lugar, afirmo que a igreja fará diferença no mundo e resgatará sua relevância e autoridade na pregação quando...

5. O sangue do pacto promover aliança de compromisso em nós – (Vs. 28).

Como igreja, se buscamos relevância para a sociedade, se pretendemos fazer a diferença já em nosso tempo, profetizando um futuro melhor, não podemos permanecer aguilhoados ao pelourinho do pecado e dissociados pelo preconceito que ressalta as idiossincrasias. Se somos igreja, devemos vivenciar íntima comunhão, irmanados em Jesus Cristo, Efésios 2.14-18 e 1 João 4.20.

O sangue do pacto foi derramado "para a remissão de pecados", para cobrir e apagar o escrito de culpa que recaia sobre nós, Colossenses 2.14, para nos reconciliar com Deus, 2 Coríntios 5.18 e 19, fazendo-nos um só povo, Efésios 4.4 e conjugando-nos em só coração, Atos 4.32. Não divisionismo ou sectarismo autofágico e se quer, para um preconceito satanicamente beatificado pelo denominacionalismo coercitivo.

O sangue que "nos purifica de todo o pecado", a partir do arrependimento e da confissão sincera diante de nosso Advogado e único mediador, Jesus Cristo, l João 1.8, 2.2 e 1 Timóteo 2.5, nos impõe a comunhão que afaga o coração e acarinha o aflito e o existencialmente desesperançado. Pelo que, a igreja deve retirar-se do templo, após o culto prestado, restaurada, perdoada, transbordando em amor e alegria e amalgamada no sangue de Jesus Cristo.

Todo o nosso pecado e preconceito devem ser abandonados aos pés da cruz de Cristo, o Cristo que "é tudo em todos", Colossenses 3.11.

Conclusão

Amados, é urgente e premente uma reflexão quanto relevância e a atuação da igreja no mundo da globalização e, em especial, aqui em São Paulo.

Se não identificamos estas cinco assertivas em nossa expressão cúltica e identidade doutrinária e denominacional, corremos o risco de sermos vitimados por descomunal aridez teológica, eclesiológica e doutrinária. Nos tornaremos insipientes, insignificantes e dispensáveis ao homem que carece de salvação e não de liturgias, eventos sociais ou verdadeiros shows pseudo-espirituais aromatizados com essência de enxofre, não com o hálito do Espírito Santo.

Sejamos igreja. Corpo vivo de Cristo. Submissos a ordem do Mestre e conscientes da brevidade do tempo para a salvação. Sejamos igreja que festeja a vitória de Cristo na Cruz e que é contristada pela consciência de pecado. Sejamos igreja santa e poderosa na evangelização para que desfrutemos as benesses do perdão, do amor e da comunhão íntima, expressão inconteste da nossa reconciliação com Deus em Cristo Jesus.



A LIDERANÇA CRISTÃ E O DISCIPULADO
ESTUDO SOBRE A IGREJA
TEOLOGIA GRÁTIS PARA TODOS


WWW.CGADOB.COM.BR

www.fatebra.com.br

Creio na liderança cristã e creio no discipulado. Compreendo que a liderança cristã tem o trabalho de despertar e conduzir o ser humano para Deus e para tudo o que de Deus recebeu. Creio numa liderança comprometida com o reino de Deus (cf. Mt 6.33), o que, aliás, é uma qualidade-chave do líder cristão. Uma liderança comprometida é fiel (1Co 4.2), disponível (Lc 9.57-62), receptiva à capacitação, ou seja, ao treinamento (um teste é convidar 12 a 20 pessoas para reuniões de treinamento, e observar quem retorna a partir da segunda reunião. O treinamento, por sinal, já é uma seleção). Descobrir pessoas que possuam potencial é tarefa do líder, e isso com o objetivo de treiná-las de modo a que em dado momento a organização possa funcionar sem ele, líder. É um facilitador no ensino dos novos discípulos e na participação deles no global do processo; é exemplo e ajuda em vez de apenas verbalizar, valoriza a participação dos outros, é paciente e confia no Espírito Santo como conselheiro e auxílio nas dificuldades.

Creio na liderança capacitada pelo Espírito de Deus, "carismatizada" para o benefício da Igreja de Cristo, para que todo o edifício bem ajustado cresça para templo santo cuja glória seja unicamente a de Deus, ou como colocou a Bíblia em Português Corrente (edição da Sociedade Bíblica de Portugal, 1993): "É em Cristo que todo o edifício está seguro e cresce até se transformar num templo que honre ao Senhor" (Ef 2.21).

Creio também no discipulado cristão, pois é somente observar a ênfase dada por Jesus ao cuidado, carinho, busca e instrução dos que O seguiam. "Discípulo", por sinal, parece ser a palavra favorita de Jesus para aqueles cuja vida estava ligada a dEle. Aparece 269 vezes nos Evangelhos e no livro dos Atos dos Apóstolos.

O líder cristão do século 21 não pode esquecer que as condições do discípulo são um daqueles princípios imutáveis, apesar das transformações litúrgicas, administrativas, pelas quais a Igreja de Cristo vem passando através dos séculos. Quem as declara são os Evangelhos:
· Transportar a cruz (Lc 14.27). A cruz não é brinquedo, mas instrumento de morte, na qual o eu deve morrer. Ir-para-o-Calvário é um caminho escolhido deliberadamente, visto que a cruz é o símbolo da perseguição, vergonha e abuso que o mundo jogou sobre o Filho de Deus e jogará sobre os que escolhem navegar contra a corrente, o discípulo.
· Renúncia (Lc 14.33), que é entrega irrevogável a Jesus Cristo, autonegação, nos termos de Lucas 14.26 e Mateus 16.24. Nosso amor a Jesus e à Sua causa há de ser tão evidente que, em comparação, todos os demais serão diminuídos. Billy Graham afirmou que "a salvação é de graça, mas o discipulado custa tudo o que temos".
· Constância (Jo 8.31). É passar a viver em companhia de Jesus, comunhão de destinos com Ele, segui-Lo, permanecer nEle. O verdadeiro discípulo se caracteriza pela estabilidade.
· Produção de frutos (Jo 15.8). União frutífera como Senhor (Jo 15.4,5).

O líder cristão há de observar os dois aspectos básicos do discipulado em sua própria experiência de vida: a união com Cristo e a dedicação sem reservas, que Jesus Cristo descreveu em termos de videira e ramos (cf. Jo 15.5ss). Em relação ao primeiro aspecto, Paulo usa inúmeras vezes a expressão "em Cristo" para com isso significar que nós estamos nEle e Ele está em nós (Cl 1.27). Por sua vez, Romanos 6.1-12 indica o significado do regime de dedicação exclusiva a Jesus.

O alvo do discipulado deve permanecer bem definido na mente do líder cristão: é a semelhança de Cristo em caráter e em serviço. O Espírito Santo dá-nos o caráter de filhos de Deus, e nessa linha de raciocínio, o fruto do Espírito é o retrato desse caráter: amor, alegria, paz, paciência, benignidade, bondade, fidelidade, mansidão e autodomínio.



Baixar 1.26 Mb.

Compartilhe com seus amigos:
1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   24




©bemvin.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Prefeitura municipal
santa catarina
Universidade federal
prefeitura municipal
pregão presencial
universidade federal
outras providências
processo seletivo
catarina prefeitura
minas gerais
secretaria municipal
CÂmara municipal
ensino fundamental
ensino médio
concurso público
catarina município
Dispõe sobre
reunião ordinária
Serviço público
câmara municipal
público federal
Processo seletivo
processo licitatório
educaçÃo universidade
seletivo simplificado
Secretaria municipal
sessão ordinária
ensino superior
Relatório técnico
Universidade estadual
Conselho municipal
técnico científico
direitos humanos
científico período
espírito santo
pregão eletrônico
Curriculum vitae
Sequência didática
Quarta feira
prefeito municipal
distrito federal
conselho municipal
língua portuguesa
nossa senhora
educaçÃo secretaria
segunda feira
Pregão presencial
recursos humanos
Terça feira
educaçÃO ciência
agricultura familiar