Exportação de Bens Primários e Apreciação do Câmbio Real: há uma ligação?


Tabela 1- Determinação do câmbio real de longo prazo, 1970-2004



Baixar 335.2 Kb.
Página3/4
Encontro02.11.2017
Tamanho335.2 Kb.
#37321
1   2   3   4

Tabela 1- Determinação do câmbio real de longo prazo, 1970-2004











LSDV

Pooled

DOLS

Ativos Externos Líquidos

0,0940***

0,121***

0,191***










(0,0144)

(0,0164)

(0,0196)

Produtividade Relativa

-0,0407

-0,0681*

-0,159***










(0,03)

(0,0365)

(0,0396)

Abertura Comercial




-0,0322

-0,0756***

-0,0699**










(0,0221)

(0,0272)

(0,0305)

Intercepto




4,734***

4,648***

4,745***










(0,0271)

(0,0255)

(0,0256)

Observações




2,706

2,706

2,489

N. de países




102

102

102

Onde * p < 0.1; ** p< 0.5; e ***p<0.01. Entre parênteses, os desvios padrões estimados dos coeficientes.


5.3. O Painel dos Determinantes da Sobreapreciação do Câmbio Real
Nessa seção, as especificações testam os determinantes da sobrevalorização do câmbio real, calculado na seção anterior. Para estimar a equação de câmbio real foi utilizado o estimador de métodos generalizados de momentos (Generalized Method of Moments, GMM) para painel dinâmico, de Arellano e Bond (1991) e Blundell e Bover (1998). Esses estimadores lidam com efeitos temporais não observáveis por meio da inclusão de interceptos específicos ao período. Tratar destes efeitos não é simples. Por isso, o modelo da taxa de câmbio é dinâmico e contém regressores endógenos, que são controlados pela instrumentação das suas diferenças e seus níveis defasados.

Os instrumentos correspondentes às condições de momentos são valores defasados tanto em nível como em diferença das variáveis explicativas e dependente. Uma vez que, tipicamente, as condições de momento sobre-identificam a regressão do modelo, o método do painel dinâmico permite teste de especificações através do teste de Sargan. Trabalhando sobre os estimadores de Arellano e Bover (1995), Blundell e Bond (1998) desenvolveram um estimador em sistema (System-GMM) que usa condições de momentos adicionais. Os estimadores de Arellano-Bond (1991)foram considerados adequados para a análise deste trabalho, por permitirem uma especificação dinâmica (permitindo a variável dependente defasada), e por instrumentalizarem adequadamente variáveis potencialmente endógenas. Os assim chamados System-GMM foram utilizados em especificações tentativas, mas para a amostra em questão não geraram bons instrumentos para a estimação e foram descartados.

A técnica desenvolvida por Arellano e Bond possibilita a correção de endogeneidade ou simultaneidade, correlações com realizações presentes do erro - utilizando variáveis predeterminadas - e instrumentos exógenos. As variáveis predeterminadas são correlacionadas com realizações passadas do erro, mas não contemporâneas. Para a estimação, é necessário distinguir as variáveis como pré-determinadas, endógenas e as exógenas. Nas estimações das taxas de câmbio real nos painéis dinâmicos, variáveis de Ativos Estrangeiros Líquidos e de Commodities/Exportações e Manufaturados/Exportações foram consideradas endógenas, porque simultaneamente determinadas pelo câmbio real como prevê a teoria, e assim instrumentadas pelas defasagens das diferenças de todos os regressores. As demais variáveis foram consideradas pré-determinadas. Para uma descrição detalhada destas metodologias econométricas, ver Baltagi (2005).

Nesse trabalho, além de usar como instrumento as defasagens das diferenças e nível das variáveis predeterminadas incluídas como predeterminadas, incluímos variáveis de instrumento adicionais como exógenas utilizando “Peso do Governo” e “Reservas em Ouro”. A idéia subjacente à utilização desses instrumentos é de que essas variáveis potencialmente explicam desalinhamento, sem serem substancialmente explicadas por desalinhamento, constituindo assim bons instrumentos. Com relação à utilização de “Peso do Governo”, a idéia é fundamentalmente relacionada com o desalinhamento causado por gerenciamento ou interferência inadequada das políticas macroeconômicas, na linha da argumentação teórica de Edwards (1988). Nesse caso, aqueles países com governos que tem grande participação dos gastos potencialmente tem maior probabilidade de ter o câmbio desalinhado por políticas macroeconômicas incompatíveis com o regime cambial em voga do que países com pequena participação do Estado na Economia. Por sua vez, a variável de “Reservas em Ouro” seria uma proxy da capacidade do país de ter interferir no câmbio e causar persistentes inconsistências entre a taxa de câmbio real e a nominal, por exemplo, na busca de âncoras nominais para perseguir metas de inflação ou de outros agregados monetários. A inclusão dos instrumentos melhorou a desempenho das estimações e dos testes Sargan.

Os testes Arellano-Bond de auto-correlação em segunda ordem foram adequadamente rejeitados para todas as especificações. Da mesma forma, os testes Hansen/Sargan rejeitam a hipótese nula de invalidação dos instrumentos utilizados.

As variáveis deste painel em segundo estágio podem ser divididas em dois grupos: as variáveis de controle, que servem para isolar a contribuição marginal de alguns fundamentos e de outras forças que expliquem desalinhamento cambial, e as variáveis de interesse, que são aquelas que buscam testar se há correlação entre a pauta exportadora de um país e o grau de apreciação cambial do mesmo.



As especificações vão de (I) a (VI) como forma de testar a robustez do sinal e significância dos regressores às diversas especificações. Os resultados para abertura da conta de capital quanto a sobre-apreciação são mistos, não robustos à diversidade de especificações. Isto pode acontecer porque a dinâmica de abertura da conta de capital esta vastamente associada ao comportamento de outras variáveis (Commodities/Exportação, por exemplo: países exportadores de bens primários podem ser aqueles que maiores fluxos financeiros recebem do que os outros países, de forma que os efeitos da variável mudem com a inclusão desta). A poupança doméstica aparece com correlação negativa para sobre-apreciação, mas não é significante em nenhuma das especificações – talvez segregações da amostra para sub-regiões de países mudem esse aspecto e é objeto de pesquisa futura. A inflação relativa, como era esperado, aparece com sinal positivo e significante em todas as especificações (com exceção da (VI)), assim como a melhoria dos termos de troca aparece como redutor da sobre-apreciação na maioria das especificações.

Tabela 1 – Determinantes da Sobre-Apreciação do Câmbio Real, 1970-2004







(I)

(II)

(III)

(IV)

(V)

(VI)

Defasagem da V. Dependente




0,940***

0,939***

0,890***

0,890***

0,892***

0,779***







(0,0432)

(0,0271)

(0,0534)

(0,0557)

(0,0468)

(0,0588)

Variáveis de CONTROLE






















Abertura de Capitais




0,0336*

0,0616***

0,0164

-0,0260

0,0754**

-0,0431







(0,0178)

(0,0185)

(0,0269)

(0,0424)

(0,0363)

(0,0374)

Poupança Doméstica






-0,00193*

-0,00297

-0,00280

-0,00334

-0,00202









(0,00116)

(0,00244)

(0,00501)

(0,00315)

(0,00579)

Gastos do Governo/PIB








0,0228**

-0,0210

-0,0610**

0,0230**











(0,00893)

(0,0157)

(0,0262)

(0,0116)

Inflação Relativa








0,700***

0,0219**

0,0178***

-0,152











(0,261)

(0,00935)

(0,00672)

(0,121)

Termos de Troca










-0,737***

-0,367**

-0,0957













(0,274)

(0,157)

(0,122)

Commodities/Exportações












0,910**

















(0,428)



Manufaturados/Exportações














0,006**

















(0,00273)

Intercepto




-0,00562

0,0278

0,591***

1,057**

0,869***

-0,543*







(0,00645)

(0,0214)

(0,225)

(0,420)

(0,292)

(0,309)

























Observações




1,543

1,497

1,139

1,139

952

859

Número de países




89

88

70

70

68

64

AR(1) Teste




0,000

0,000

0,000

0,000

0,000

0,000

AR(2) Teste




0,533

0,186

0,151

0,151

0,151

0,167

Teste Sargan




0,277

0,755

0,851

0,151

0,851

0,752

Erros padrões em parênteses. *** p<0.01, ** p<0.05, * p<0.1



As variáveis que interessam, depois de comentadas as variáveis de controle, são aquelas usadas para testar a hipótese deste trabalho, quais sejam, as que testam a correlação entre pauta exportadora e comportamento de desalinhamento cambial. A especificação (V) mostra grande magnitude e significância estatística para a variável “Commodities/Exportações”, indicando correlação inequívoca entre países que concentram suas exportações em produtos primários com episódios de sobrevalorização cambial. Por outro lado, usando a mesma metodologia de construção de variável, mas para o setor de manufaturados, encontramos uma relação positiva significante, mas de magnitude muito próxima de zero, comportamento bastante diverso do encontrado para a variável “Commodities/Exportações”. Esses resultados nos levam a concluir que, se a pauta exportadora de um país tem importância para explicar o desalinhamento sobre-apreciador do câmbio, enquanto o mesmo não ocorre com países em que a pauta de exportações se concentra em produtos manufaturados.


6. Comentários Conclusivos
Esse trabalho buscou estabelecer a discussão do seguinte problema: há relação entre concentração de exportações de commodities e apreciação da taxa de câmbio real? Para isso nesse trabalho foi construído, a partir de um painel cointegrado para 102 países, um índice de desalinhamento da TCR, com o intuito de relacioná-lo ao tipo de pauta de exportação dos países, num segundo exercício empírico. Os resultados mostraram que há grande magnitude e significância estatística para a variável “Commodities/Exportações”, indicando correlação inequívoca entre países que concentram suas exportações em produtos primários com episódios de sobrevalorização cambial. Por outro lado, usando a mesma metodologia de construção de variável, mas para o setor de manufaturados, encontramos uma relação positiva significante, mas de magnitude muito próxima de zero – comportamento bastante diverso do encontrado para a variável “Commodities/Exportações”. Esses resultados são condizentes com o que apregoam os modelos de doença holandesa e nos levam a concluir que, se a pauta exportadora de um país tem importância para explicar o desalinhamento sobre-apreciador do câmbio, são os países produtores e exportadores de bens primários que devem se preocupar com a dinâmica de apreciação do câmbio real que pode derivar de tal característica de suas economias.

Referências Bibliográficas
ARELLANO, M; BOND, B. (1991). Some Test Specification for Panel Data: Monte Carlo Evidence and an application to employment equations. Review of Economic Studies.
ARELLANO, M. BOVER, O. (1995), Another look at the instrumental-variableestimation of error-components models, Journal of Econometrics, 68.
BALTAGI, B. (2005) Econometric Analisys of Panel Data. John Wiley & Sons.
BLUNDEL, R; BOND (2000) A.Estimation in Dynamic Panel Data Models: Improving on the Performance of The Standard GMM Estimators. The Institute for Fiscal Studies.

BHADURI, A., and MARGLIN, S., A. (1990), ‘Unemployment and the real wages: the economic basis for contesting political ideologies’, Cambridge Journal of Economics, 14, December.

BRESSER-PEREIRA, L.,C. (2006) “Exchange rate, fix, float or manage it?” Preface to Mathias Vernengo, (ed.) Financial Integration or Dollarization: No Panacea. Cheltenham: Edward Elgar.

BRESSER-PEREIRA, L.,C. e NAKANO (2003) “Crescimento com poupança externa?” in Revista de Economia Política, vol. 23, n.2, Abril-Junho, São Paulo.

EICHENGREEN, B. (2008) “The Real Exchange Rate and Economic Growth”, UC Berkeley, mimeo.

edwards, s., (1995), Why are Saving Rates so Different Across Countries? An International Comparative Analysis. NBER Working Paper, No. W5097.

FRENKEL, R., and TAYLOR, L., (2006), ‘Real exchange rate, monetary policy and employment’, Desa Working paper n.19, United Nations, New York.



HESTON A, SUMMERS R e ATEN B. (2006) Penn World Table Version 6.2, Center for International Comparisons of Production, Income and Prices at the University of Pennsylvania.

LEVY-YEYATI, E., and STURZENEGGER, F., (2007), “Fear of floating in reverse: exchange rate policies in the 2000s”, Kennedy School of Government, Havard, mimeo

LANE, P. R; MILESI-FERRETTI, G. M. The Transfer Problem Revisited: Net Foreign Assets and Real Exchange Rates, IMF Working Paper, No. 00123, 2004.

MONTIEL, P.; SÉRVEN, L., (2008), “Real exchange rate, savings and growth: is there a link?”, Policy research working paper, The World Bank, Washington

REINHART, C; TALVI, E. (1998). Capital Flows and Savings in Latin America and Asia: A Reinterpretation. Journal of Development Economics, 57.

Rodrik, D., (2008) “Real Exchange Rate and Economic Growth: Theory and Evidence”, John F. Kennedy School of Government, Harvard University, Draft, July.

williamson, j, (2008) “Exchange rate economics”, Working Paper Series, Peterson Institute for international economics, Washington.

WINDMEIJER, F. (2004) “A finite sample correction for the variance of linear two-step GMM estimator”, Journal of Econometrics, 126-1.



Baixar 335.2 Kb.

Compartilhe com seus amigos:
1   2   3   4




©bemvin.org 2022
enviar mensagem

    Página principal
Prefeitura municipal
santa catarina
Universidade federal
prefeitura municipal
pregão presencial
universidade federal
outras providências
processo seletivo
catarina prefeitura
minas gerais
secretaria municipal
CÂmara municipal
ensino médio
ensino fundamental
concurso público
catarina município
Serviço público
Dispõe sobre
reunião ordinária
câmara municipal
público federal
processo licitatório
Processo seletivo
educaçÃo universidade
seletivo simplificado
Secretaria municipal
sessão ordinária
Universidade estadual
ensino superior
Relatório técnico
técnico científico
Conselho municipal
direitos humanos
Curriculum vitae
científico período
espírito santo
língua portuguesa
Sequência didática
pregão eletrônico
distrito federal
Quarta feira
conselho municipal
prefeito municipal
educaçÃo secretaria
nossa senhora
segunda feira
Pregão presencial
educaçÃO ciência
Terça feira
agricultura familiar
educaçÃo profissional