Escola “sem” partido



Baixar 1.01 Mb.
Pdf preview
Página23/28
Encontro05.08.2020
Tamanho1.01 Mb.
1   ...   20   21   22   23   24   25   26   27   28

Acesso em: 18/7/2016. 

85
GAUDÊNCIO FRIGOTTO
O nome “sem partido” também não é inocente: sob a roupagem de se 
defender que a escola não “tome partido” de alguma ideologia, aproveita-se 
da reação que a sociedade brasileira tem mostrado em relação aos partidos 
políticos – face a marcas fisiológicas que atravessam a histórica de vários 
deles – como artifício de sedução e adesão dos cidadãos a suas ideias. Com 
isto, esvazia-se profundamente o sentido da política para que a sociedade – na 
forma de um consentimento ativo ou passivo – delegue o poder àqueles que 
historicamente oprimem os que não se enquadram nos padrões hegemônicos 
de uma classe dominante autoritária e escravocrata. 
Assim, o Escola sem Partido é uma estratégia dessa classe dominante que 
não se inibe de se apoiar no medo e na coerção para defender seus interesses. 
Diferentemente do conceito clássico de hegemonia em Gramsci (1991) – 
“coerção revestida de consenso” – em que a coerção, ainda que não deixe de 
existir, é implícita, aqui ela se manifesta na criminalização do trabalho docente
enquanto se obtém o consenso da sociedade com a bandeira da neutralidade 
da instrução (supostamente a vertente exclusivamente técnica da formação), 
e esta não se confundiria com educação (supostamente a vertente moral da 
formação), reservada exclusivamente à família. O Escola sem Partido é, as-
sim, a antítese do sentido da escola a qual, por sua vez, se transformaria num 
tribunal ideológico que legitimaria e naturalizaria a violência. 
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
AGAMBEN, Giorgio. Estado de exceção. São Paulo: Boitempo, 2004.
RAMOS, Marise. A pedagogia das competências: autonomia ou adaptação
São Paulo: Cortez, 2001.
_____. Trabalho, educação e correntes pedagógicas no Brasil: um estudo a par-
tir da formação dos trabalhadores técnicos da saúde. Rio de Janeiro: EdUFRJ; 
EPSJV/Fiocruz, 2010.
SAVIANI, Dermeval. Escola e democracia. São Paulo: Cortez, 1988.

Educação e liberdade: apontamentos para um bom 
combate ao Projeto de Lei Escola sem Partido
1
Amana Mattos
*
Ana Maria Bandeira de Mello Magaldi
**
Carina Martins Costa
***
Conceição Firmina Seixas Silva
**** 
Luciana Velloso
*****
Paula Leonardi
******
Verena Alberti
*******
Fernando de Araujo Penna
********
INTRODUÇÃO
Em 2014, Flávio Bolsonaro, Deputado Estadual pelo Rio de Janeiro, en-
trou em contato com o advogado Miguel Nagib, criador do movimento Escola 
sem Partido, com um pedido: desenvolver um projeto de lei que colocasse 
em prática as propostas de seu movimento. Nagib atendeu prontamente ao 
pedido e Flávio Bolsonaro apresentou à Assembleia Legislativa do Estado do 
1  Este texto é resultado de uma série de debates e atividades que vêm sendo realizados, pelas autoras e 
autor, a respeito dos projetos de lei propostos pelo movimento Escola sem Partido. Uma versão preli-
minar foi publicada em 15/6/2016 com o título: “Escola sem Partido” ou educação sem liberdade. Dis-
ponível no blog do Núcleo de Pesquisa e Desconstrução de Gêneros (Degenera): wordpress.com/2016/06/15/escola-sem-partido-ou-educacao-sem-liberdade/>. Acesso em: 9/9/2016.
*  Doutora em Psicologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Professora Adjunta do 
Instituto de Psicologia e Programa de Pós-graduação em Psicologia Social na Universidade do Estado 
do Rio de Janeiro (UERJ).
**  Doutora em História pela Universidade Federal Fluminense (UFF). Professora Associada da Facul-
dade de Educação da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ).
***  Doutora em História, Política e Bens Culturais pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Professora Ad-
junta do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ).
****  Doutora em Psicologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Professora Adjunta da 
Faculdade de Educação da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ).
*****  Doutora em Educação pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Professora Adjunta 
da Faculdade de Educação da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ).
******  Pós-doutora em História da Educação e Historiografia pela Faculdade de Educação da Univer-
sidade de São Paulo (USP). Professora Adjunta da Faculdade de Educação da Universidade do Estado 
do Rio de Janeiro (UERJ).
*******  Pós-doutora em Ensino de História pelo Institute of Education da University of London (UCL). 
Professora Adjunta da Faculdade de Educação da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ).
********  Doutor em Educação pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Professor Adjunto 
da Faculdade de Educação da Universidade Federal Fluminense (UFF).

88
ESCOLA “SEM” PARTIDO
Rio de Janeiro (Alerj) o Projeto de Lei n° 2.974/2014, que propõe a criação 
do Programa Escola sem Partido, no âmbito do sistema de ensino do Estado. 
No mesmo ano, o Vereador Carlos Bolsonaro, irmão de Flávio, apresentou à 
Câmara dos Vereadores do Rio de Janeiro um projeto quase idêntico, o PL n° 
867/2015. Miguel Nagib disponibilizou, no site do programa, dois anteprojetos 
de lei, um estadual e outro municipal, bastando a deputados e vereadores de 
qualquer lugar do Brasil acessar o site, copiar a proposta e apresentá-la como 
sua nas câmaras municipais e estaduais. 
Atualmente, projetos de lei que tentam estabelecer o Escola sem Partido 
tramitam nacionalmente em sete estados, no Distrito Federal e em inúmeros 
municípios, já tendo sido aprovados em alguns deles, com este ou outros no-
mes. Mas qual é, afinal, a proposta deste movimento? Quais são as concepções 
que o norteiam?
Miguel Nagib esclareceu, em recente debate no Senado Federal,
2
 que o 
projeto foi inspirado no Código de Defesa do Consumidor (CDC), no intuito 
de proteger a “parte mais vulnerável” da relação de ensino-aprendizagem, o 
estudante. A alusão ao CDC não é fortuita e revela a compreensão da educação 
como prestação de serviços e o exercício da cidadania como ajuste e proteção 
da parte vulnerável nos contratos. Néstor Canclini (2006), ao analisar as mu-
danças na forma de consumir e as possibilidades de exercer a cidadania no 
contemporâneo, aponta para a degradação da política e o fortalecimento de 
outros modos de participação, centrado no consumo de bens e dos meios de 
comunicação. Para ele, assistimos a uma perigosa associação entre consumidor 
e cidadão, que reduziria a vitalidade democrática. 
Em direção semelhante, Rancière ressalta que:
A democracia não é nem a forma de governo que permite à 
oligarquia reinar em nome do povo nem a forma da sociedade 
regulada pelo poder de mercadoria. Ela é a ação que arranca conti-
nuamente dos governos oligárquicos o monopólio da vida pública 
e da riqueza a onipotência sobre a vida. (Rancière, 2014, p.121)
2  Fala do advogado Miguel Nagib, em debate na Comissão de Educação no Senado Federal, presidi-
do pelo Senador Cristovam Buarque, em 1/11/2016: “Nosso projeto foi inspirado no Código de Defe-
sa do Consumidor. O Código de Defesa do Consumidor, ele intervém na relação entre fornecedores 
e consumidores para proteger a parte mais fraca, que é o consumidor, o tomador de serviços que são 
prestados pelos fornecedores. Da mesma maneira, a nossa proposta intervém na relação de ensino-
-aprendizagem para proteger a parte mais fraca dessa relação, que é o estudante, aquele indivíduo 
vulnerável que está se desenvolvendo”. [transcrição da fala, intervalo 2:58:50-2:59:30] Disponível em: 

Baixar 1.01 Mb.

Compartilhe com seus amigos:
1   ...   20   21   22   23   24   25   26   27   28




©bemvin.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Prefeitura municipal
santa catarina
Universidade federal
prefeitura municipal
pregão presencial
universidade federal
outras providências
processo seletivo
catarina prefeitura
minas gerais
secretaria municipal
CÂmara municipal
ensino fundamental
ensino médio
concurso público
catarina município
reunião ordinária
Dispõe sobre
Serviço público
câmara municipal
público federal
Processo seletivo
processo licitatório
educaçÃo universidade
seletivo simplificado
Secretaria municipal
sessão ordinária
ensino superior
Universidade estadual
Relatório técnico
Conselho municipal
técnico científico
direitos humanos
científico período
pregão eletrônico
Curriculum vitae
espírito santo
Sequência didática
Quarta feira
conselho municipal
prefeito municipal
distrito federal
língua portuguesa
nossa senhora
educaçÃo secretaria
Pregão presencial
segunda feira
recursos humanos
educaçÃO ciência
Terça feira
agricultura familiar