Era uma vez um Duque chamado Próspero, que vivia em Milão, uma cidade de Itália



Baixar 17.04 Kb.
Encontro02.11.2017
Tamanho17.04 Kb.
A tempestade”

Era uma vez um Duque chamado Próspero, que vivia em Milão, uma cidade de Itália. Ele era apaixonado por qualquer tipo de conhecimento, e pontuação enquanto ele lia, e estudava aprofundadamente, o seu irmão António governava o povo de Milão por ele.



O Próspero confiava em António, e pensava que ele era tão bom e honesto como ele; mas o António era um homem mau que não merecia a confiança de Próspero. O António gostava tanto de governar Milão que se uniu ao Rei de Nápoles, e prometeu-lhe tudo o que ele quisesse se ele o ajudasse a livrar-se do seu irmão Próspero. Assim pontuação o António seria o Duque de Milão.

Numa noite escura, este homem mau abriu os portões da cidade, e o Rei de Nápoles e o seu exército entraram em Milão.



Eles não mataram Próspero, mas levaram-no para o mar com a sua pequena filha Miranda, que tinha apenas três anos, e puseram-no num pequeno barco que não tinha mastro, nem velas, nem sequer remos. A carcaça do barco era tão velha que até os ratos tinham medo de se afogar se ficassem a bordo, e fugiram dali. O António não pôs nem roupa nem comida no barco, ele esperava que Próspero e a sua pequena filha se afogassem, ou morrem-se de frio ou fome.”

(…)


Mas o barco conseguiu passar pela tempestade e chegou até uma ilha, onde Próspero desembarcou e levou a pequena Miranda para a costa.

Havia muitas árvores na ilha, e Próspero e Miranda ouviram choros e gemidos vindos de um grande e velho pinheiro. Os choros eram tão altos e tristes que faziam os lobos uivar e assustavam os ursos.



Agora Próspero era não só um homem esperto, mas também um mágico. Com a sua magia dividiu a árvore, e de lá saiu um pequeno e bonito elfo chamado Ariel.

O Ariel disse a Próspero que durante doze anos ele e muitas outras criaturas encantadas tinham sido aprisionados em árvores por uma velha e perversa bruxa, que já morrera. Então Próspero libertou as outras criaturas também, e elas juntamente com Ariel tornaram-se seus amigos e serviam-no. atenção à coerência de tempos verbais na mesma frase Além destas criaturas não havia mais ninguém na ilha a não ser o filho da bruxa. Chamava-se Caliban, e era muito feio e burro, e era mais um monstro selvagem do que um homem.

Próspero tentou tornar Caliban mais amável. Ensinou-lhe os nomes da lua e do sol e muitas outras coisas, e alimentou-o com bagas e água, e tratou-o como seu amigo. Mas Caliban portava-se tão mal, e era tão ingrato, tempestivo ver forma correcta da palavra! e selvagem que Próspero não podia continuar a ser seu amigo. Então fez dele seu escravo, e Caliban tinha de cortar lenha e acender fogueiras, e ficar sozinho na sua caverna, em vez de viver na Caverna de Próspero e Miranda.

Nesta ilha deserta, Miranda cresceu e passou de uma querida e bonita criança para uma linda rapariga. O seu pai deu-lhe aulas, mas ela não tinha com quem falar a não ser com ele e com o pequeno elfo Ariel. Caliban era tão feio e tão bruto e rude que Miranda tinha medo de se aproximar dele.

Um dia, quando Miranda já não era uma criança pequena, uma terrível tempestade fustigou o mar perto da ilha. O trovão ecoou e o relâmpago (“The thunder and the lightning” são singular em inglês; mas em português não) brilhou; os ventos assobiavam, e o céu estava escuro como breu.

Foi a magia de Próspero que criou a tempestade. Ele sabia que havia um navio a navegar no mar, e neste navio estava o seu terrível irmão António. No navio estavam também Rei de Nápoles e o seu filho, o Príncipe Ferdinand; e também um grande numero de fidalgos e marinheiros, e o velho e amável homem que tinha sido tão simpático para Próspero e Miranda quando eles estavam à deriva.

(…)


Os marinheiros que saltaram para o mar foram recolhidos por outro navio e foram levados de volta para Nápoles. E quanto ao Rei de Nápoles, o Príncipe Ferdinand , o António e o velho amável homem e alguns dos outros, Ariel trouxe-os cuidadosamente pelas ondas, para que nem as suas roupas ficassem danificadas.

O Príncipe Ferdinand foi parar a uma parte da ilha diferente da dos outros, para que o seu pai e os outros pensassem que se tinha afogado, e para que o príncipe Ferdinand pensasse que era o único que sobrevivente.

Enquanto os náufragos andavam pela ilha, sentindo-se muito tristes e arrependidos, Próspero fez com que Ariel se transformasse numa bela fada-marinha. Só o seu mestre Próspero a conseguia ver, mas os outros conseguiam ouvir a sua suave voz a cantar, e a tilintar como um cristalino, e doce sino.

Enquanto Ferdinand chorava a morte do seu pai sozinho, a voz de Ariel, cantando uma doce canção, fê-lo levantar-se e procurar de onde vinha essa voz.

A canção de Ariel começava assim:

Vem que forma de imperativo é esta? até estas areias douradas, e depois dêem as mãos.”

A música parecia atravessar a água, e o príncipe seguiu-a, questionando se viria da terra ou do céu.

Então Ariel cantou-a mais uma vez:

‘Na profundidade o teu pai jaz ;

Dos seus ossos são feitos os corais;

Aquelas são pérolas que foram os seus olhos;

Nada dele que fez desvanecer

Mas fez sofreu uma mudança profunda

Para algo rico e estranho.

De hora a hora ninfas-maritimas tocavam o seu sino;

Escutai, consigo ouvi-las, -- ding-dong, o sino.’

Então as outras fadas ecoaram, como relógios,

‘Ding-dong, ding-dong, ding-dong, ding dong’;



E o pobre coração do príncipe Ferdinand ficou bastante pesado, com medo que as vozes que estava a ouvir lhe estivessem a dizer que realmente o seu pai se tinha afogado, e que nunca mais o iria ver.

João Nunes 25483 Patrícia Pacheco 23530

Baixar 17.04 Kb.

Compartilhe com seus amigos:




©bemvin.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Prefeitura municipal
santa catarina
Universidade federal
prefeitura municipal
pregão presencial
universidade federal
outras providências
processo seletivo
catarina prefeitura
minas gerais
secretaria municipal
CÂmara municipal
ensino fundamental
ensino médio
concurso público
catarina município
Dispõe sobre
reunião ordinária
Serviço público
câmara municipal
público federal
Processo seletivo
processo licitatório
educaçÃo universidade
seletivo simplificado
Secretaria municipal
sessão ordinária
ensino superior
Relatório técnico
Universidade estadual
Conselho municipal
técnico científico
direitos humanos
científico período
espírito santo
pregão eletrônico
Curriculum vitae
Sequência didática
Quarta feira
prefeito municipal
distrito federal
conselho municipal
língua portuguesa
nossa senhora
educaçÃo secretaria
segunda feira
Pregão presencial
recursos humanos
Terça feira
educaçÃO ciência
agricultura familiar