EducaçÃO É a base



Baixar 2.92 Mb.
Pdf preview
Página2/60
Encontro10.04.2020
Tamanho2.92 Mb.
1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   60
. Acesso em: 23 mar. 2017.

2  BRASIL. Ministério da Educação; Secretaria de Educação Básica; Secretaria de Educação 

Continuada,  Alfabetização,  Diversidade  e  Inclusão;  Secretaria  de  Educação  Profissional 

e  Tecnológica.  Conselho  Nacional  de  Educação;  Câmara  de  Educação  Básica. 

Diretrizes 

Curriculares  Nacionais  da  Educação  Básica.  Brasília:  MEC;  SEB;  DICEI,  2013.  Disponível  em: 



diretrizes-curiculares-nacionais-2013-pdf&Itemid=30192>. Acesso em: 16 out. 2017.

1. INTRODUÇÃO


8

BASE NACIONAL  

COMUM CURRICULAR

Referência  nacional  para  a  formulação  dos  currículos  dos  sistemas 

e das redes escolares dos Estados, do Distrito Federal e dos Municí-

pios e das propostas pedagógicas das instituições escolares, a BNCC 

integra a política nacional da Educação Básica e vai contribuir para o 

alinhamento de outras políticas e ações, em âmbito federal, estadual 

e municipal, referentes à formação de professores, à avaliação, à ela-

boração de conteúdos educacionais e aos critérios para a oferta de 

infraestrutura adequada para o pleno desenvolvimento da educação.

Nesse sentido, espera-se que a BNCC ajude a superar a fragmenta-

ção  das  políticas  educacionais,  enseje  o  fortalecimento  do  regime 

de colaboração entre as três esferas de governo e seja balizadora 

da qualidade da educação. Assim, para além da garantia de acesso 

e permanência na escola, é necessário que sistemas, redes e escolas 

garantam  um  patamar  comum  de  aprendizagens  a  todos  os  estu-

dantes, tarefa para a qual a BNCC é instrumento fundamental. 

Ao longo da Educação Básica, as aprendizagens essenciais definidas 

na BNCC devem concorrer para assegurar aos estudantes o desen-

volvimento  de  dez 

competências  gerais,  que  consubstanciam,  no 

âmbito pedagógico, os direitos de aprendizagem e desenvolvimento. 

Na  BNCC, 

competência  é  definida  como  a  mobilização  de  conhe-

cimentos  (conceitos  e  procedimentos),  habilidades  (práticas, 

cognitivas  e  socioemocionais),  atitudes  e  valores  para  resolver 

demandas complexas da vida cotidiana, do pleno exercício da cida-

dania e do mundo do trabalho.

Ao  definir  essas  competências,  a  BNCC  reconhece  que  a  “educa-

ção deve afirmar valores e estimular ações que contribuam para a 

transformação da sociedade, tornando-a mais humana, socialmente 

justa e, também, voltada para a preservação da natureza” (BRASIL, 

2013)


3

, mostrando-se também alinhada à Agenda 2030 da Organi-

zação das Nações Unidas (ONU)

4

.



É imprescindível destacar que as 

competências gerais da Educação 

Básica,  apresentadas  a  seguir,  inter-relacionam-se  e  desdobram-se 

no  tratamento  didático  proposto  para  as  três  etapas  da  Educação 

3  BRASIL.  Secretaria  de  Direitos  Humanos  da  Presidência  da  República. 

Caderno  de 

Educação em Direitos Humanos. Educação em Direitos Humanos: Diretrizes Nacionais. Brasília: 

Coordenação  Geral  de  Educação  em  SDH/PR,  Direitos  Humanos,  Secretaria  Nacional  de 

Promoção e Defesa dos Direitos Humanos, 2013. Disponível em: 

php?option=com_docman&view=download&alias=32131-educacao-dh-diretrizesnacionais- 

pdf&Itemid=30192>. Acesso em: 23 mar. 2017.

4  ONU.  Organização  das  Nações  Unidas. 

Transformando  Nosso  Mundo:  a  Agenda  2030 

para  o  Desenvolvimento  Sustentável.  Disponível  em:  

agenda2030/>. Acesso em: 7 nov. 2017.


9

INTRODUÇÃO

Básica (Educação Infantil, Ensino Fundamental e Ensino Médio), arti-

culando-se na construção de conhecimentos, no desenvolvimento de 

habilidades e na formação de atitudes e valores, nos termos da LDB.

COMPETÊNCIAS GERAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA

1. 

Valorizar e utilizar os conhecimentos historicamente construídos sobre 



o  mundo  físico,  social,  cultural  e  digital  para  entender  e  explicar  a 

realidade, continuar aprendendo e colaborar para a construção de uma 

sociedade justa, democrática e inclusiva.

2. 


Exercitar  a  curiosidade  intelectual  e  recorrer  à  abordagem  própria 

das  ciências,  incluindo  a  investigação,  a  reflexão,  a  análise  crítica,  a 

imaginação  e  a  criatividade,  para  investigar  causas,  elaborar  e  testar 

hipóteses,  formular  e  resolver  problemas  e  criar  soluções  (inclusive 

tecnológicas) com base nos conhecimentos das diferentes áreas.

3. 


Valorizar  e  fruir  as  diversas  manifestações  artísticas  e  culturais,  das 

locais às mundiais, e também participar de práticas diversificadas da 

produção artístico-cultural.

4. 


Utilizar diferentes linguagens – verbal (oral ou visual-motora, como Libras, 

e escrita), corporal, visual, sonora e digital –, bem como conhecimentos 

das  linguagens  artística,  matemática  e  científica,  para  se  expressar  e 

partilhar informações, experiências, ideias e sentimentos em diferentes 

contextos e produzir sentidos que levem ao entendimento mútuo.

5. 


Compreender,  utilizar  e  criar  tecnologias  digitais  de  informação  e 

comunicação de forma crítica, significativa, reflexiva e ética nas diversas 

práticas sociais (incluindo as escolares) para se comunicar, acessar e 

disseminar  informações,  produzir  conhecimentos,  resolver  problemas 

e exercer protagonismo e autoria na vida pessoal e coletiva.

6. 


Valorizar a diversidade de saberes e vivências culturais e apropriar-se 

de  conhecimentos  e  experiências  que  lhe  possibilitem  entender  as 

relações  próprias  do  mundo  do  trabalho  e  fazer  escolhas  alinhadas 

ao  exercício  da  cidadania  e  ao  seu  projeto  de  vida,  com  liberdade, 

autonomia, consciência crítica e responsabilidade.

7. 


Argumentar  com  base  em  fatos,  dados  e  informações  confiáveis, 

para formular, negociar e defender ideias, pontos de vista e decisões 

comuns que respeitem e promovam os direitos humanos, a consciência 

socioambiental e o consumo responsável em âmbito local, regional e 

global, com posicionamento ético em relação ao cuidado de si mesmo, 

dos outros e do planeta.



10

BASE NACIONAL  

COMUM CURRICULAR

Os marcos legais que embasam a BNCC

A  Constituição  Federal  de  1988

5

,  em  seu  Artigo  205,  reconhece  a 



educação  como  direito  fundamental  compartilhado  entre  Estado, 

família e sociedade ao determinar que

a educação, direito de todos e dever do Estado e da família, 

será promovida e incentivada com a colaboração da 

sociedade, visando ao pleno desenvolvimento da pessoa, seu 

preparo para o exercício da cidadania e sua qualificação para 

o trabalho (BRASIL, 1988).

Para  atender  a  tais  finalidades  no  âmbito  da  educação  escolar,  a 

Carta Constitucional, no Artigo 210, já reconhece a necessidade de 

que sejam “fixados conteúdos mínimos para o ensino fundamental, 

de  maneira  a  assegurar  formação  básica  comum  e  respeito  aos 

valores culturais e artísticos, nacionais e regionais” (BRASIL, 1988).

Com base nesses marcos constitucionais, a LDB, no Inciso IV de seu 

Artigo 9º, afirma que cabe à União 

estabelecer, em colaboração com os Estados, o Distrito Federal 

e os Municípios, 

competências e diretrizes para a Educação 

Infantil, o Ensino Fundamental e o Ensino Médio, que nortearão 

os currículos e seus conteúdos mínimos, de modo a assegurar 

formação básica comum (BRASIL, 1996; ênfase adicionada).

5  BRASIL. 

Constituição da República Federativa do Brasil (1988). Brasília, DF: Senado Federal, 

1988.  Disponível  em:  


Baixar 2.92 Mb.

Compartilhe com seus amigos:
1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   60




©bemvin.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Prefeitura municipal
santa catarina
Universidade federal
prefeitura municipal
pregão presencial
universidade federal
outras providências
processo seletivo
catarina prefeitura
minas gerais
secretaria municipal
CÂmara municipal
ensino fundamental
ensino médio
concurso público
catarina município
reunião ordinária
Dispõe sobre
Serviço público
câmara municipal
público federal
Processo seletivo
processo licitatório
educaçÃo universidade
seletivo simplificado
Secretaria municipal
sessão ordinária
ensino superior
Universidade estadual
Relatório técnico
Conselho municipal
técnico científico
direitos humanos
científico período
pregão eletrônico
Curriculum vitae
espírito santo
Sequência didática
Quarta feira
conselho municipal
prefeito municipal
distrito federal
língua portuguesa
nossa senhora
educaçÃo secretaria
Pregão presencial
segunda feira
recursos humanos
educaçÃO ciência
Terça feira
agricultura familiar