Clipping festival da cerveja


Festival Brasileiro da Cerveja 2016: Fotos e Impressões gerais do evento



Baixar 323.71 Kb.
Página3/4
Encontro29.10.2017
Tamanho323.71 Kb.
1   2   3   4

Festival Brasileiro da Cerveja 2016: Fotos e Impressões gerais do evento


Postado por: Henrique Carnevalli

Nos dias 9 a 12 de março aconteceu o Festival Brasileiro da Cerveja em Blumenau, foi a nossa primeira participação no evento e gostamos muito do que vimos em dois dias de curtição a cultura cervejeira artesanal!

Diferente da Oktoberfest que a celebração sobre a cultura alemã na cidade catarinense, o Festival Brasileiro, a grande atração obrigatoriamente é o pão liquido! Na edição de 2016 foram mais de 50 cervejarias que trouxeram novidades para o público e mais de 600 rótulos para degustação, neste link, você tem uma base quantos lançamentos, experimentos e primeiras participações das cervejarias no evento e praticamente é bem complicado degustar todos disponíveis, e nós tivemos que escolher a dedo algumas de várias que estavam disponíveis no Festival.

Algumas cervejarias para atrair o público trouxeram mascotes, ousaram no visual que acabaram rendendo muitas fotos no evento, exemplo do Irmãos Ferraro, Capivara, Weird Barrel, Bodebrown e Colorado.

Ponto positivo para a organização que foram bem corretos e atenciosos com todos que estavam curtindo a festa, e principalmente em voltar atrás na decisão e apoiar as microcervejarias em relação a Brasil Kirin querer abrir o Biergarten para ampliar a acomodação do público e manteve a estrutura como esteve desde o começo.

Claro que não podemos esquecer de citar a lista das premiadas do Concurso Brasileiro da Cerveja, eram muitas cervejas boas mas é preciso escolher algumas delas, o link delas estão aqui.

Abaixo você confere algumas fotos que fizemos neste dois dias de participação e agradecemos a todos os amigos cervejeiros que nos receberam muito bem, aos amigos da Beertone (especialmente ao Alexander Michelbach) que foi o nosso ponto de encontro no Festival e a Secretaria de Cultura de Blumenau pelo acesso ao evento.

Nos vemos em 2017!



Area H -

http://www.areah.com.br/vip/cerveja/materia/164991/1/pagina_1/festival-brasileiro-de-cervejas-2016-agita-blumenau.aspx

Festival Brasileiro de Cervejas 2016 agita Blumenau

Atenção cervejeiros de plantão: o evento ocorre em Blumenau do dia 9 a 12 de março

Evento reúne 600 rótulos de cervejas para milhares de visitantes degustarem

Começa na quarta-feira (9 de março) o Festival Brasileiro de Cervejas. Realizado no Parque Vila Germânica, em Blumenau – SC, o evento que reune milhares de cervejeiros e mais de 600 rótulos de cervejas para degustação dos visitantes, que poderão comparecer à festa até o próximo sábado (12). 

No Festival Brasileiro da Cerveja o que importa não é a quantidade, e sim a qualidade, e disso eles entendem. Para este ano, mais de 100 expositores estão confirmados para o Festival. Entre eles, muitas das mais conhecidas cervejarias artesanais do Brasil, como DaDo Bier, Júpiter, Backer, Colorado e até a tradicionalíssima americana Brooklyn Brewery. 

Além de contar com muita cerveja, o Festival também tem forte presença gastronômica para matar a fome dos cervejeiros. Ao melhor estilo da região, a linguiça Blumenau figurará entre muitos dos pratos principais que podem ser deliciados em 10 pontos de alimentação ao som de bandas típicas do Vale do Itajaí.

Para os fabricantes de cervejas e para os apaixonados de plantão, durante o Festival haverá palestras que abordarão temas que vão desde os ingredientes usados na produção da cerveja até debates sobre sua mercadologia. 

Como um aquecimento para a festança, o 4º Concurso Brasileiro de Cervejaabre o Festival da Cerveja. Desde sábado (5), o maior e mais importante competição de cervejas da América Latina conta com 54 jurados brasileiros e estrangeiros para avaliar os 1.469 rótulos de 135 estilos. Por mais prazeroso que parece ser esse ofício de jurado, a tarefa não é mole. E até por isso, demoram três dias para que todos os rótulos sejam avaliados. A comemoração dos vencedores, de certo, dispensa o tradicional champanhe e abusa da cerveja. Confira as cervejas e cervejarias premiadas em 2016:

Cervejarias Campeãs de 2016

1º lugar - Cervejaria Tupiniquim

2º lugar - Cervejaria Heilige

3º lugar - Cervejaria Bodebrown

The Best of Show Experimental

1º lugar -  Backer Reserva - Cervejaria Backer

2º lugar -  Seven'r Inn - Cervejaria Opera

3º lugar -  Backer Julieta - Cervejaria Backer

The Best of Show Comercial

1º lugar - Red "Meth" - Cervejaria Maniba

2º lugar - RedCor Ryequeoparta - Cervejaria Araucária

3º lugar - Urwald Dortmunder Export - Cervejaria Urwald

Para conhecer as cervejas premiadas por cada categoria, acesse este link dos nossos amigos da Revista Beer Art

Confira aqui a programação completa do evento.

Serviço

Local: Parque Vila Germânica, R. Alberto Stein, 199 - Velha - Blumenau - SC



Horário: quarta a sexta (9 a 11) das 19h à 1h. Sábado (12) das 15h à 1h

Ingresso: quarta e quinta (9 e 10) R$ 12. Sexta e sábado (11 e 12) R$ 25. Os ingressos poderão ser adquiridos através do site oficial do evento.



Beer Cast – 17.03

http://www.beercast.com.br/leia-o-rotulo/festival-brasileiro-da-cerveja-2016/


Festival Brasileiro da Cerveja 2016


Fala pessoal!

Estou de volta mais uma vez para contar para vocês um pouco de como foi o Festival Brasileiro da Cerveja 2016. Dessa vez fui todos os dias e além de ter curtido o festival como público, também trabalhei nele, ajudando no serviço no estande da Cervejaria Mea Culpa, então vou dar um breve relato de como é o festival “por dentro”.

O festival aconteceu nos dias 09 à 12 de março (4ª a sábado), sendo que alguns dias antes ocorreu o 4º Concurso Brasileiro de Cervejas. Na 3ª feira à noite, dia 08, foi a festa de premiação das campeãs e já estava todo mundo doido para provar as ganhadoras na 4ª feira.



Sendo assim, partimos para Blumenau e assim que os portões abriram às 19h já estávamos lá dentro. Como eu não havia comido nada desde o almoço, comecei por um “cachorro quente” alemão com salsicha Krakauer, que matou a fome e deu base pro restante da noite. Deve ter custado em torno de 20 Ninkas (o dinheiro do evento – R$ 1,00 = 1 Ninka).



Maniba Red Meth – a vencedora geral do concurso.

Estava com mais 3 amigos e juntos nós íamos nos estandes que mais nos despertavam a curiosidade e cada um comprava uma dose de 100 mL de uma cerveja diferente. Desta forma, pude provar 44 cervejas diferentes só no primeiro dia (86 até o fim do festival), além de ter conseguido facilmente provar as campeãs do concurso. Dos 4 dias de degustações, faço destaque para a 7 Palmos e a 7 Mares da Liffey(maturadas enterradas no solo e dentro do mar, respectivamente), a Reserva do Proprietário 2015 daBäcker (servida para nós pelo mestre cervejeiro da Bäcker, que nos foi apresentado por uma amiga), aReserva da DamaManiba Red “Meth” (campeã geral do concurso), RedCor (Araucária) Ryequeoparta(2ª colocada geral e pelo 2ª ano consecutivo entre as vencedoras), Seasons Vaca das Galáxias (ou qualquer outra deles, todas excelentes), Tupiniquim Monjolo WhiskeySwamp Hopbite IPA (melhor IPA de 2016), Barco San Diego (APA excelente), Schornstein Katrina (receita do Gean Carlo Vila Lobus vencedora do concurso da ACervA Catarinense do ano passado), Kasteel RougeKasteel Barista Quad ChocolateHorals Oude Gueuze Mega Blend 2013Bier Hoff DruidaHunsrück Bergamota, entre muitas outras. O preço da dose de 100 mL girava em torno de 5 e 8 Ninkas geralmente.

Quarta-feira é o melhor dia para curtir o festival. Quem esteve nesse dia ano passado, comentou comigo que 2016 estava bem mais cheio e segundo a organização o público aumentou quase 25%. De qualquer forma, era bem tranquilo pegar cerveja, até nos estandes mais concorridos, como da Seasons e Tupiniquim.

Encerramos a noite no estande da Barco, onde meu amigo Álvaro estava trabalhando.



Por trás do balcão



Cara-crachá

No dia seguinte, 5ª feira, me apresentei para trabalhar na Mea Culpapouco antes das 19h. Estávamos em dois (o “Jesus/Dave Grohl” Bruno e eu) pilotando as 4 torneiras da cervejaria, que estava servindo a Gula(American Blond Ale), a Vaidade (APA), a Ira (Imperial IPA) e o lançamento, a Preguiça (Witbier com camomila e dry-hop de Sorachi Ace). Tínhamos também um confessionário, onde o nosso “padre” ouvia as confissões do pessoal e, após o pagamento do dízimo, receitava a “penitência” da pessoa dependendo do pecado dela, que era uma dose de 200 mL de alguma das cervejas da casa (no último dia era 300 mL). Era muito divertido e conforme as horas iam passando e as pessoas iam ficando mais desinibidas, mais aumentava a fila do confessionário.

Neste primeiro dia o movimento foi tranquilo e serviu para eu pegar o jeito das torneiras. Cada uma tinha um jeitinho diferente de tirar o chope, pois hora espumavam demais, hora faziam muito pouca espuma.

O estande da cervejaria era bem localizado, vizinho da Tupiniquim e de frente para as mesas onde o pessoal sentava para comer e descansar, o que fazia com que sempre tivesse bastante gente em volta. Certos momentos enchia de gente, quase que uma horda zumbi morta de sede, outras horas ficava mais tranquilo e dava tempo de repor as bolachas (ou biscoito?) de cerveja que o pessoal levava aos montes, tomar uma água, etc. O intervalo para descansar era de mais ou menos meia hora e eu tinha que correr para dar tempo de dar um alô pra galera, tomar umas cervejas, ir no banheiro e ligar para a Taíse, que ficou em casa e só veio na 6ª. No fim deu tudo certo. Contei também com a ajuda dos amigos, que de vez em quando passavam pelo estande e me traziam algo inusitado para beber.



Encerramos por volta da 1h, voltei pro hotel e capotei.



Qual é o seu pecado?

Sexta-feira à tarde aproveitei para conhecer a Feira Brasileira da Cerveja, que acontecia anexa ao festival. Pude ver diversos equipamentos industriais, babar em panelas e fermentadores de inox, cheirar muito lúpulo em exposição no estande da Agrária, namorar umas chopeiras, etc. Muito boa a ideia do evento e tenho certeza que ano que vem a feira será ainda maior e melhor.

Comi algo no Bier Vila (um restaurante fora dos pavilhões, porém dentro do Parque Vila Germânica) e tocamos para mais um dia de trabalho. Dessa vez o movimento já foi bem maior que os dias anteriores. Bastante correria, barril que chegava ao fim, equipes de TV fazendo reportagens, mas ainda dava para administrar tudo. Já começou a chegar também mais gente que não conhecia tanto de cerveja, principalmente os que queriam saber o que era o “sorachi” na witbier. Gostei muito de ajudar o pessoal nas escolhas e explicações, a galera se interessa bastante.



Encerramos perto das 2h dessa vez e em parte graças a ajuda do pessoal da organização que começou a apagar as luzes pra galera ir embora.

Sábado foi o grande dia e já começou com polêmica. Todo mundo já deve estar sabendo o que aconteceu mas vou explicar rapidamente aquilo que sei (se alguém puder completar as informações, por favor comente). De última hora (dizem que alguns dias antes do festival) a organização decidiu abrir o pavilhão novo da Kirin e só serviria Eisenbahn e produtos da Schin. As cervejarias ficaram revoltadas, todo mundo começou a reclamar e antes de abrir os pavilhões rolou protesto dos cervejeiros. Durante o dia a Kirin já havia recuado e dito que só iriam vender água e refrigerantes nesse novo pavilhão. Após as reclamações e o protesto, decidiram voltar atrás de vez e não abriram mais. A banda cover de Beatles que deveria tocar lá foi transferida para o setor em que eu estava.



Um dos dois pavilhões

As portas dos pavilhões abriram por volta das 15h e logo começou a encher de gente. As primeiras horas passaram voando e logo olhei no relógio e eram 21h, fiquei surpreso em como havia passado rápido. Trabalhei mais um tanto, olhei novamente e eram 20h30!!! Maldito tempo que anda pra trás!

Era gente demais! Li no Facebook do festival que durante os 4 dias passaram mais de 41 mil pessoas pelos pavilhões, mas só no sábado foram 19.059!!! Era chope atrás de chope e pouco tempo para respirar. Acabou um barril de Gula, que estava aberto desde 4ª e logo tivemos que trocar uma 2ª vez! Além disso, o perfil do público de sábado também mudou. Tinha mais gente querendo zoação e mais pessoas que não conheciam cervejas diferentes e chegavam lá só pedindo um chope. Quando eu perguntava de qual tipo, eles respondiam “ah, sei la, o pilsen” e eu tinha que mostrar os que estávamos servindo, que não tínhamos pilsen e aí por diante.

As pernas e costas me judiavam e mais e mais gente chegava. Durante minha pausa, aproveitei pra arranjar um cantinho num banco e fiquei sentado o máximo de tempo que pude. A Taíse salvou minha vida vindo me trazer uma bolinhas de linguiça blumenau mais tarde. Isso recarregou minhas forças e consegui seguir até 2h20, quando já estava tudo parado e pude encerrar o festival de vez, finalmente!





Os espólios da festa.

Um pouco antes de encerrar, virei pra Taíse e perguntei quantos “Ninkas” ela ainda tinha. Os caixas já haviam fechado e não daria para trocar por reais. Pedi para ela ir nos estandes das importadoras e ver o que conseguiria comprar com eles. Sucesso! Fica a dica pro pessoal, final de festival rolam umas promoções absurdas!

Voltando um pouco sobre a experiência em geral do festival, no do ano passado tive a chance de encontrar muita gente legal que a gente só conhece pela internet. Esse ano, foi muito legal reencontrar essas pessoas, como o Sérgio do Lupulento, que inclusive ficou hospedado lá em casa em Floripa, o Edson Viajante Cervejeiro, o Alexander do Beertone/Mad Gulliver (um dos caras mais gente boas que já conheci) e o Guilherme doButeco do Ferreira. Sempre bom fortalecer as amizades e beber uma junto com o pessoal.

Também tive a oportunidade de conhecer outras pessoas desse mundão da cerveja e finalmente pude bater um papo pessoalmente com o nosso querido Lucas Zurwellen, oLuquita da Cerveja aqui do Beercast! Muito legal te encontrar lá! Além disso, não posso deixar de citar oMário da Bier Hoff, a Júlia e o Rodrigo da Sinnatrah/Mea Culpa, o Vitor e o Alexandre da Mea Culpa, o Felipe do Lupulento, o Gean Carlo (que já citei ali sobre a Katrina), o Bruno, que estava na lida comigo, e muitas outras pessoas legais que ajudaram a deixar o festival ainda melhor.

Rapidamente, antes de encerrar, vai um resumo das minhas percepções do festival deste ano:

O Bom: mais cervejarias participando, cervejas cada ano melhores e mais ousadas, muitos lançamentos e exclusivas, pessoal gente boa, grandes amizades, facilidade de acesso aos cervejeiros.

O Mau: menos locais para lavar os copos em relação ao ano passado (pelo menos pela minha impressão), muita gente no sábado (não irei mais nesse dia), não havia água potável grátis e a Schin cobrava R$ 5,00 a garrafinha de 500 mL.

O Feio: o mal estar causado pela organização e a Kirin com a história do pavilhão. Espero que ano que vem eles realmente abram esse pavilhão extra, mas durante os 4 dias e que ele seja não seja exclusivo do grupo Kirin, para que novas cervejarias consigam entrar e para que tenhamos ainda mais opções de cerveja de qualidade. Outro ponto que deixou bastante a desejar foi a questão da segurança. Amigo meu teve celular furtado lá dentro no sábado. Bem complicado…

Então é isso, depois de 4 dias de festas e trabalhos intensos, finalmente terminou o festival. Já não aguentava mais!

Não vejo a hora de chegar o próximo!!!

LokoBeer -

http://www.lokobeer.com/events/festival-brasileiro-da-cerveja-2016




Baixar 323.71 Kb.

Compartilhe com seus amigos:
1   2   3   4




©bemvin.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Prefeitura municipal
santa catarina
Universidade federal
prefeitura municipal
pregão presencial
universidade federal
outras providências
processo seletivo
catarina prefeitura
minas gerais
secretaria municipal
CÂmara municipal
ensino fundamental
ensino médio
concurso público
catarina município
Dispõe sobre
reunião ordinária
Serviço público
câmara municipal
público federal
Processo seletivo
processo licitatório
educaçÃo universidade
seletivo simplificado
Secretaria municipal
sessão ordinária
ensino superior
Relatório técnico
Universidade estadual
Conselho municipal
técnico científico
direitos humanos
científico período
espírito santo
pregão eletrônico
Curriculum vitae
Sequência didática
Quarta feira
prefeito municipal
distrito federal
conselho municipal
língua portuguesa
nossa senhora
educaçÃo secretaria
segunda feira
Pregão presencial
recursos humanos
Terça feira
educaçÃO ciência
agricultura familiar