Cesu custódio furtado de souza filosofia



Baixar 0.92 Mb.
Pdf preview
Página1/15
Encontro02.05.2022
Tamanho0.92 Mb.
#144675
  1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   15
Filosofia


CESU 
CUSTÓDIO FURTADO DE SOUZA
 
 
 
FILOSOFIA 
 
 
 
 
ENSINO MÉDIO 
UNIDADE I, II E III
 
FONTE: MEC / INEP / ENCCEJA 




CESU 
CUSTÓDIO FURTADO DE SOUZA
 
 
FILOSOFIA 
 
UNIDADE I 
CULTURA, MEMÓRIA E IDENTIDADE 
 
 
 
 
 
 
 
ENSINO MÉDIO 




01
Ciências Humanas e suas Tecnologias
Ensino Médio
VOCÊ TEM HISTÓRIA?
VOCÊ TEM CULTURA?
Todos nós temos uma história e uma memória
individual. Podemos até mesmo construir uma
linha do tempo de nossa trajetória escolhendo
marcos que consideramos mais importantes, ou
seja, que tenham um significado especial ou
representem momentos de transformação em
nossas vidas.
Mas de que maneira essa nossa memória
individual se relaciona com a história coletiva
da sociedade? Como a minha identidade pessoal se
relaciona com as idéias e valores da época em que
vivo? Grande parte dos brasileiros dos séculos XX
e XXI gosta de futebol, assim como os norte-
americanos apreciam o basquete. Quer dizer, esse
gosto individual do brasileiro se relaciona com
um elemento da nossa cultura: o futebol. Podemos
afirmar, portanto, que nosso gosto individual está
diretamente ligado a uma história coletiva.
Muitos outros elementos da nossa história
individual poderiam ser considerados: as
atividades profissionais que exercemos, as festas,
músicas e formas de lazer de que gostamos. Enfim,
essas preferências constituem a nossa identidade
pessoal, mas estão diretamente relacionadas com a
história da sociedade em que vivemos. Imagine
que você tivesse nascido no século XVIII em
Pernambuco. Certamente você não seria um
trabalhador da indústria, nem consertaria carros,
nem gravaria discos. Poderia ser um cantor lírico,
Capítulo I
Cultura, memória
e identidade
um carregador do porto ou um especialista na
produção de açúcar.
Vamos refletir agora sobre o lazer em diferentes
épocas: no século XIX, quem gostava de ouvir
música ou dançar precisava freqüentar uma casa
noturna ou reunir a família no próprio domicílio.
As famílias mais ricas tinham sempre um piano em
sua residência, enquanto as mais pobres, em geral,
utilizavam o violão, o cavaquinho e a flauta.
Pode-se então afirmar que a relação que as
pessoas mantinham com a música era bastante
diferente da que ocorre nos dias atuais. Não era
possível comprar um cd-áudio e ouvir as canções
de um compositor; era necessário saber tocar um
instrumento. O que mudou no século XX? Como
as pessoas apreciam música hoje? Que tecnologias
foram sendo desenvolvidas ao longo desse século
que mudaram essa maneira de se relacionar com a
música? Podemos dizer que essas mudanças estão
ligadas ao desenvolvimento da sociedade
capitalista? De fato, muita coisa mudou no século
XX: foram inventados aparelhos para reproduzir
música (gramofone, toca-discos, toca-fitas e toca-
cd), o rádio e a televisão, dentre outros. Com
todos esses recursos, ouvir música deixou de ser
necessariamente um evento coletivo, não sendo
mais necessário ter formação musical. Essas
mudanças estão diretamente relacionadas com o
desenvolvimento da sociedade capitalista, já que,
ao longo do século XX, muitas invenções
permitiram que novos produtos e hábitos fossem
criados. Surgiu a indústria de aparelhos


02
Capítulo I - Cultura, memória e identidade
eletrônicos e também fonográficos, que produz
discos e contrata os artistas. Desse modo, nossos
hábitos atuais com relação à música não dizem
respeito apenas ao nosso gosto pessoal, mas
precisam ser entendidos a partir do contexto
social em que vivemos.
NOSSA IDENTIDADE SOCIAL
Além da identidade pessoal, existe também a
identidade social. O que nos faz brasileiros, tão
diferentes de japoneses, franceses ou norte-
americanos? A cultura. O estudioso da cultura
brasileira Roberto DaMatta nos fornece uma
chave explicativa:
profissões diferentes). Verifique o que elas
consideram que seja característico do brasileiro e o
que as diferenciam de pessoas de outros países e
culturas. Podemos perguntar: o que faz de você um
brasileiro que é diferente de um habitante de outro
país? Que hábitos pessoais você tem que podem ser
considerados como próprios da cultura brasileira?
É importante lembrar que “ter cultura” não
significa apenas ler um grande número de livros,
conhecer óperas e compositores eruditos,
freqüentar os teatros e os cinemas. O que
denominamos de cultura nas ciências humanas
está diretamente ligado ao modo de vida de cada
sociedade. O fato de os hindus não comerem carne
é um elemento da cultura, que está relacionado
com uma crença religiosa, um símbolo, pois os
animais bovinos têm um caráter sagrado. O mesmo
rato que pode servir de alimento na China causa
aversão aos brasileiros.
O rato simboliza, para nós, a sujeira, não podendo
jamais estar presente em nossas refeições. Esses
exemplos fazem parte da cultura, ou seja,
relacionam-se com o modo como vivemos e os
símbolos que produzimos, indicando
comportamentos e regras sociais.
Considerando as afirmações acima, podemos
dizer que existe uma única cultura para os muitos
povos? A valorização e o significado que um
povo atribui a um objeto ou animal é uma criação
cultural? Os exemplos acima já nos mostram que
não há uma única cultura, mas sim uma grande
diversidade cultural. Cada povo cria e transforma
a sua cultura ao longo da sua história.
Homens russos costumam cumprimentar outros
homens com um beijo na boca; já em outras
culturas, as pessoas reprovam essa atitude, sendo
o cumprimento de mão o mais adequado.
Muitos hábitos são diferentes para homens e
mulheres. Durante grande parte do século XX, não
era bem visto por setores da sociedade o fato de
mulheres fumarem em público. Tratava-se de uma
atitude masculina que não condizia com o que se
esperava de uma mulher.
Isso não significa dizer que todo o brasileiro seja
da mesma forma, mas que reconhecemos que a
identidade social do brasileiro se afirma através
dos vários hábitos e costumes semelhantes. Mesmo
que eu não goste de futebol, o Brasil continuará a
ser reconhecido como o país do futebol.
Procure conversar com as pessoas que você
conhece (de preferência com idade, sexo e
Sei, então, que sou brasileiro e não
norte-americano, porque gosto
de comer feijoada e não hambúrguer;
porque sou menos receptivo a coisas
de outros países, sobretudo costumes e
idéias; porque tenho um agudo
sentido de ridículo para roupas, gestos
e relações sociais; porque vivo no Rio
de Janeiro e não em Nova York;
porque falo português e não inglês;
porque, ouvindo música popular, sei
distinguir imediatamente um frevo de
um samba; porque futebol para mim
é um jogo que se pratica com os pés e
não com as mãos (...) porque sei que
no carnaval trago à tona minhas
fantasias sociais e sexuais...
DA MATTA, Roberto. O que faz o Brasil, Brasil? 8. ed. Rio de Janeiro: Rocco,
1997. p. 16-17.


03
Ciências Humanas e suas Tecnologias
Ensino Médio
Agora observe as imagens abaixo e explique de
que modo as maneiras de ser e de se vestir das
pessoas se relacionam com uma cultura.
Desde 1996, quando o Taleban (grupo islâmico
radical) tomou o poder no Afeganistão, as
mulheres passaram a ter de usar a burca, que
remonta a uma antiga 
tradição de alguns povos
muçulmanos, ou seja, refere-se a valores culturais
do passado que permanecem no presente. Sob o
governo do Taleban, as mulheres não podiam
mostrar o rosto, nem seu corpo. Além disso, eram
Figura 1 – Afegã usando burca
Figura 2 – Brasileira que se preparava para o vestibular
impedidas de trabalhar e de estudar após certa
idade. Seus direitos eram bastante restritos,
devendo elas se submeterem às ordens masculinas.
Na outra imagem, observamos uma mulher
brasileira em fins do século XX, que se preparava
para o exame vestibular e se vestia de maneira
bastante diferente das mulheres afegãs.


04
Capítulo I - Cultura, memória e identidade
Observando o mapa, podemos afirmar que o
Afeganistão está em qual continente? Ele está
muito distante do Brasil? Que países fazem
fronteira com o Afeganistão? Que oceano está
mais próximo do Afeganistão? Podemos afirmar
que o Afeganistão está no Ocidente ou no Oriente?
O Afeganistão está no continente asiático,
fazendo fronteiras com o Paquistão, Tadiquistão,
Turquemenistão, Uzbequistão e Irã. O oceano mais
próximo do país é o Índico, não havendo saída
para o mar do Afeganistão. Esse país está muito
distante do Brasil, pois, saindo do Afeganistão
em direção ao Brasil pelo Oeste, você precisa
atravessar o Oriente Médio, o continente africano
e o oceano Atlântico.
Podemos afirmar que as mulheres das duas
imagens retratam diferentes culturas? Por quê? O
modo como se vestem tem relação com a cultura
do lugar onde vivem? Enquanto em uma
sociedade a mulher devia andar coberta e não
podia trabalhar, na outra a mulher exibe seu
corpo com naturalidade e se prepara para exercer
uma atividade profissional tal como os homens.
Existem também diferentes tradições, como
explica o jornalista Pepe Escobar, em uma
reportagem da Revista Época:
A burca era amplamente adotada em
áreas rurais muito antes do surgimento
do Taleban. Cobrir-se é um dos
costumes mais arraigados da tradição
muçulmana, como recomenda o Corão
(livro sagrado dos islâmicos): “Dize às
fiéis que recatem seus olhares,
conservem seus pudores e não mostrem
seus atrativos, além dos que
(normalmente) aparecem; que cubram o
colo com seus véus”. A ditadura da
burca nasceu de uma visão distorcida
do texto sagrado. Fora dos grupos
fundamentalistas, a regra é o xador, o
manto que cobre a cabeça, mas deixa à
mostra o rosto e as mãos.
ESCOBAR, Pepe; SEGATTO, Cristiane. A vitória é feminina. Época, Rio de
Janeiro, 17 dez. 2001.
Mapa 1
Fonte: SIMIELLI, Maria Elena. Geoatlas básico. 19. ed. São Paulo: Ática, 2000. Mapa 15.
Enquanto o Taleban procurava restaurar, à sua
maneira, uma tradição religiosa, no caso
brasileiro, as mulheres romperam com uma
tradição ao conquistarem maior igualdade em
relação aos homens a partir dos anos 1930
(direito ao voto) e, com mais amplitude, a partir
dos anos 1960, quando o movimento feminista
lutou pela igualdade de direitos em vários lugares
da América e da Europa.


05
Ciências Humanas e suas Tecnologias
Ensino Médio
1
Por fim, é importante lembrar que toda sociedade
tem uma cultura. Os seres humanos da pré-
história produziam seus instrumentos de
trabalho, faziam pinturas em paredes de
cavernas, tinham um modo de se vestir e criavam
regras para a divisão do trabalho e organização
da vida social. O mesmo ocorria com os seres
humanos que viveram em outros períodos
históricos e também conosco, que vivemos no
Brasil do século XXI. Estando sempre ligados à
história passada e presente, constituímos nossa
identidade individual e social que se reafirma a
todo tempo através da cultura. Não se esqueça:
Figura 3
Fonte: Adaptado de Época, Rio de Janeiro, n. 55, jun. 1999.
nosso gosto pelo futebol nasceu da prática
cotidiana desse esporte popular ao longo do
século XX, ou seja, nossa identidade está
diretamente relacionada com a história
construída por todos nós. Muitos brasileiros,
desde crianças, aprendem a gostar desse esporte.
Sendo um esporte economicamente acessível e
incentivado pela família e amigos, torna-se parte
da própria cultura brasileira e de gosto popular.
Isso também ocorre com o papel que a mulher
ocupa na sociedade. Sua maneira de ser, vestir-se
e agir relaciona-se com a cultura e as regras
sociais estabelecidas.
Desenvolvendo competências
Os quatro calendários apresentados acima mostram a variedade na contagem do tempo em
diversas sociedades.
Com base nas informações apresentadas, pode-se afirmar que:
a) o final do milênio, 1999/2000, é um fator comum às diferentes culturas e tradições.
b) embora o calendário cristão seja hoje adotado em âmbito internacional, cada cultura
registra seus eventos marcantes em calendário próprio.
c) o calendário cristão foi adotado universalmente porque, sendo solar, é mais preciso que
os demais.
d) a religião não foi determinante na definição dos calendários.
e) o calendário cristão tornou-se dominante por sua antiguidade.


06
Capítulo I - Cultura, memória e identidade
A MEMÓRIA INDIVIDUAL E A
CONSTRUÇÃO DA HISTÓRIA
COLETIVA
O que aconteceria se você não conseguisse se
lembrar do que fez hoje, de onde nasceu, das
pessoas de que gosta, de suas preferências
pessoais, do endereço de sua casa, de seus
familiares? Obviamente não conseguiria constituir
sua identidade pessoal, tendo dificuldade até
mesmo de organizar sua vida cotidiana.
Ao longo de nossa vida, nos lembramos de
algumas coisas e nos esquecemos de muitas
outras. Fazemos uma seleção nem sempre
consciente do que devemos guardar. Lembramo-
nos de pessoas de que gostamos, de eventos que
consideramos importantes, enfim, daquilo que tem
um significado para nós. Essa memória pode ser
obtida de diversas formas: através da leitura, de
imagens, da televisão, da música, ou ainda de
diálogos que estabelecemos com diferentes
pessoas, ou seja, das várias formas de interação
que estabelecemos com o mundo.
Em algumas sociedades indígenas, por exemplo,
são muito importantes as histórias que os mais
velhos contam para as crianças, pois é dessa
maneira que elas começam a entrar em contato
com valores e regras básicas da cultura. Ao ouvir
histórias, a criança pode aprender sobre o
significado de certos deuses, sobre a origem de
seu povo, sobre suas funções na comunidade, quer
dizer, ela começa a descobrir a si mesma, bem
como seu papel naquela comunidade.
Quando resolvo registrar minhas memórias através
da linguagem escrita, ou mesmo fazer uma
gravação em vídeo ou fita-cassete, provavelmente
selecionarei aqueles eventos que me trouxeram
alegria, tristeza, marcaram mudanças, que foram
importantes ao longo da minha vida e que estão
presentes em minha memória.
Um ex-funcionário da Companhia de Tecidos
Paulista, importante indústria do setor entre os
anos 1930 e 1950, fez um relato oral explicando a
maneira pela qual o proprietário da fábrica,
localizada próximo a Recife (PE), contratava
novos trabalhadores. Nas suas lembranças,
destacou que:
Quem escolhia (o lugar onde a pessoa
ia trabalhar, ao sair do depósito) era
o Coronel Frederico. Quando
chegavam as famílias do interior, no
dia de sair do depósito, ele botava um
sofá assim em frente da casa grande e
sentava. Aí, aqueles agentes, aqueles
empregados mandavam a gente ficar
assim, de fora numa fila, e ele ia
chamando família por família... O
exame que ele fazia era “cada um
apresente a mão!” Ele passava a mão
assim, olhava: “esse aqui ta bom pra
tal serviço...
Através desse depoimento, podemos constatar
que a história pessoal dos trabalhadores da
Companhia de Tecidos Paulista relacionava-se
também com a história de sua família. Os modos
de vida, as tradições e as lembranças estão de
alguma forma relacionados com o contexto social
vivido. No caso acima, pode-se perceber isso. O
trabalhador viveu um período da história
brasileira, no qual estava se iniciando o processo
de industrialização e as relações de trabalho não
eram ainda reguladas e orientadas por um
conjunto de leis que delimitassem os direitos dos
patrões e dos trabalhadores.
Podemos afirmar, então, que a nossa memória é a
própria história? A experiência pessoal relatada
acima pelo operário nos mostra como ele recorda
o processo de seleção de trabalhadores na
tecelagem. Isso significa que em todos os lugares
ocorria o mesmo? Não, essa era uma característica
própria de uma época e lugar.
Certamente nossa memória se relaciona
diretamente com a história das sociedades. No
entanto, não podemos dizer que a história seja
somente um conjunto de memórias individuais. Na
verdade, a história é uma seleção de eventos, fatos
e memórias organizadas que são reconhecidas
pela sociedade como a história daquela
coletividade. Sabemos que o processo de
industrialização do Brasil teve início a partir da
segunda metade do século XIX e, a partir de 1930,
LOPES, José Sérgio Leite. A tecelagem dos conflitos de classe na “cidade
das chaminés”. São Paulo: Marco Zero; Brasília, DF: Ed. UNB, 1988. p. 51.
(Coleção Pensamento Antropológico).


07
Ciências Humanas e suas Tecnologias
Ensino Médio
2
ocorreu um forte desenvolvimento industrial,
principalmente em São Paulo e no Rio de Janeiro.
Isso faz parte da nossa história porque ela se
constitui de tudo aquilo que se torna público na
sociedade, sendo o historiador aquele que vai
criar um significado para essas informações.
Através da memória, podemos construir o
conhecimento histórico. Além disso, a memória se
relaciona também com a identidade social de uma
comunidade. Como assim? Um grupo social que
lutou contra a discriminação racial, por exemplo,
pode preservar a memória dessa luta como forma
de resistir ao preconceito e criar uma identidade

Baixar 0.92 Mb.

Compartilhe com seus amigos:
  1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   15




©bemvin.org 2022
enviar mensagem

    Página principal
Prefeitura municipal
santa catarina
Universidade federal
prefeitura municipal
pregão presencial
universidade federal
outras providências
processo seletivo
catarina prefeitura
minas gerais
secretaria municipal
CÂmara municipal
ensino fundamental
ensino médio
concurso público
catarina município
Serviço público
Dispõe sobre
reunião ordinária
câmara municipal
público federal
processo licitatório
Processo seletivo
educaçÃo universidade
seletivo simplificado
Secretaria municipal
sessão ordinária
Universidade estadual
ensino superior
Relatório técnico
técnico científico
Conselho municipal
direitos humanos
científico período
Curriculum vitae
espírito santo
pregão eletrônico
língua portuguesa
Sequência didática
distrito federal
Quarta feira
prefeito municipal
conselho municipal
educaçÃo secretaria
nossa senhora
segunda feira
Pregão presencial
educaçÃO ciência
Terça feira
agricultura familiar
educaçÃo profissional