5 motivos para acreditar no futuro lidia Rosenberg Aratangy



Baixar 55.16 Kb.
Encontro20.07.2020
Tamanho55.16 Kb.
5 MOTIVOS PARA ACREDITAR NO FUTURO

Lidia Rosenberg Aratangy


Às vezes você desanima diante das notícias do Brasil e do mundo? No fundo, acha que esse filme vai acabar mal? Então, resgate sua fé na humanidade lendo este artigo da psicoterapeuta Lidia Rosenberg Aratangy. Seu otimismo pode nos contagiar porque ele não é cego, e sim fruto de um olhar justo e generoso.
Em todas as gerações há profetas que anunciam o fim dos tempos, como se coubesse à sua época a tarefa de gerenciar a falência de nossa civilização. Também desta vez os arautos do apocalipse soam trombetas denunciando que o mundo vive um momento inédito e irreversível de violência e perda de valores. Não é o que vejo. O fato de termos armas mais poderosas faz guerras mais mortíferas, mas não eram menos cruéis as cruzadas de antigamente. A lembrança de que a escravidão foi aceita com naturalidade durante séculos é suficiente para demonstrar que já fomos piores do que somos hoje. Ainda precisamos melhorar, mas não tenho dúvidas de que não nos perdemos do bom caminho. O paradoxo é que o mal parece mais interessante do que o bem, como se apenas na maldade houvesse mistérios a desvendar. Por isso, quem se orienta somente pelas manchetes não compartilha do meu otimismo em re lação ao futuro. Quem tiver olhos para ver, porém, terá bons motivos para acreditar no que há de vir.
1. A crescente solidariedade

Sempre existiram loucos e fanáticos. Não creio que sejam proporcionalmente mais numerosos em nossos dias do que em outros tempos. Mas hoje, com o amplo sistema de comunicação de que dispomos, as notícias chegam rapidamente ao conhecimento de muitos. E a mídia, confirmando e alimentando nossa perversão, considera os vilões mais atraentes do que os heróis e dirige nosso olhar para o lado maligno dos fatos que relata. Veja alguns exemplos.


Quem é o protagonista?

Muitos se lembram do episódio, acontecido há alguns anos num shopping de São Paulo, em que um infeliz rapaz metralhou a pla teia de um cinema. O moço foi capa das principais revistas do país, seu nome frequentou as manchetes de todos os jornais, seus pais foram entrevistados por jornalistas sequiosos de descobrir como eles tinham criado um monstro. Mas nenhuma matéria deu des taque ao outro protagonista da mesma história: o rapaz que se levantou da plateia e se jogou contra o atira dor, imobilizando-o e impedindo que a matança con tinuasse. Ele não foi capa de revista, ninguém pro curou seus pais para saber como se cria um he rói. Hoje ninguém lembra o nome dele (Renato Luce na de Mello), nem o que ele fazia (era estudante de publicidade), nem que idade tinha (24 anos, como Ma teus, o infeliz estudante de medicina, autor da chaci na). A mensagem para os adolescentes foi inequívoca: é mais fácil ser capa de revista como bandido do que como herói. Mas quem convive com nossos jovens sa be que há, entre eles, mais Renatos do que Mateus. In felizmente esses não são matéria de jornais e revistas.


O que vale mais?

Até hoje os noticiários passam e re passam a imagem dos aviões explodindo contra as Torres Gêmeas. Mas aquela corrente de solidarie dade que se formou quando a poeira da explosão ainda nem tinha baixado, aquela gente que chegava afoita, trazendo de casa o que encontrava para ajudar os bombeiros (toalhas molhadas que refres cavam suas faces crestadas, litros de leite para aplacar a sede, celulares que passavam de mão em mão, intermináveis filas de pessoas oferecendo sangue e remédios) – essa imagem parece esqueci da. Mas eu não esqueci e tenho certeza de que a massa que nos constitui, os humanos, é feita mais dessa solidariedade que daquele ódio.


Quem nos representa?

O sentimento de tristeza e hor ror que nos tomou no fatídico 11 de março de 2004 se traduzia numa frase: “Somos todos madrilenhos” (a frase apareceu pela primeira vez num cartaz em Barcelona, terra dos catalães, os maiores rivais dos madrilenhos). O mundo chorava, como se nossos filhos e amigos estivessem naquele trem. No dia se guinte, multidões saíram às ruas, nos mais distantes países, chorando e pedindo paz. Ninguém põe em dú vida que havia muito mais gente partilhando desses sentimentos do que a dúzia de fanáticos que pratica ram os atentados. Portanto, deve haver, no patrimônio genético da humanidade, mais genes de boa qua lidade a ser transferidos para as gerações futuras.


2. O aumento da tolerância

Apesar do eventual recrudescimento de preconceitos aqui e ali, es tamos mais tolerantes para com as di ferenças e as fraquezas humanas: o divórcio é reconhecido na maioria dos países, as mulheres solteiras ou divorciadas já não são marginalizadas, os homossexuais estão protegidos por lei, o racismo é considerado crime. As escolas preocupam-se em facilitar a inclusão de alunos deficientes – o que, sem dúvida, beneficia o desenvolvi mento das crianças normais. A tecnologia cria recur sos para compen sar nossas fraquezas e deficiências (elevadores com marcadores em relevo para quem não enxerga, telejornais com linguagem gestual para quem não ouve, ôni bus com degraus mais baixos para facilitar o acesso de idosos). Diversas composições familiares são hoje aceitas: as chefiadas por mulheres (separadas ou solteiras), as formadas por filhos de diferentes casamentos ou por pais que detêm a guarda dos filhos – todas equivalentes em seus direitos e angústias.

E, no âmbito da política mundial, o que dizer da criação da União Europeia? A ideia de que alemães e franceses criariam um único país para todos pareceria, há 50 anos, a mais desvairada ficção. O mesmo espanto vale para o Mercosul, que congrega brasileiros e argentinos em torno de interesses comuns. Mas ainda espero que cheguemos a uma etapa em que as di ferenças entre os indivíduos e as culturas, mais do que toleradas e respeitadas, passem a ser festejadas numa celebração à infinita criatividade da vida, que oferece tão diversas formas de adaptação à mesma humanidade.
3. A valorização da ética

Há um paradoxo na nossa relação com a ética. Pais, filósofos e educadores concor dam quanto aos valores a ser preservados e transmitidos. A questão é que a crença nos valores se dá no atacado e no abstrato, en quanto sua transmissão se faz no concreto das relações cotidianas. Aí se instala a contradição. Ficam desacreditadas as solenes exposições pedagógicas sobre dis ciplina e respeito aos direitos do outro quando a esco la é conivente com brincadeiras agressivas; os repetidos sermões sobre limites ficam sob suspeita se os pais passam pelo acostamento quando a estrada está congestionada ou param em fila dupla na frente da escola; nossas conversas sobre integridade ficam comprometidas quando compramos vídeos e discos pirateados ou fazemos ligações clan destinas de TV a cabo. Talvez a coerência não seja um atributo dos humanos: sentimentos contraditórios con vivem tranquilamente dentro de nós. Infelizmente tam bém somos muito distraídos: a maior parte do tempo, funcionamos sob o comando de um piloto automático, que nos empurra para o caminho mais fácil, esquecidos dos valores que deveriam nortear nossas escolhas. Mas nossas crianças prestam atenção nos nossos gestos – e gravam mais nossas atitudes do que nossas palavras.

Assim, estamos longe da perfeição, mas a hipocrisia está um passo à frente do cinismo, na medida em que o hipócrita sabe qual é o caminho do bem, reconhece que deveria percorrê-lo, mas não consegue pôr em prática sua crença teórica. Diferentemente do cínico, que nega a validade de qualquer escolha e adota o princípio do “não tenho nada com isso” com um alie nado encolher de ombros. Esta talvez seja a verdadei ra ameaça a nos desviar do caminho de um futuro melhor. Uma geração de jovens cínicos e alienados poderia, de fato, pôr tudo a perder. O mundo será melhor quando cuidarmos para que nosso comportamento reflita nossos princípios e transformarmos os discursos sobre fraternidade em gestos de solidariedade. Aí, então, a opção pelo caminho da ética se fará não por temor à punição ou à censura, mas como exercício de amor-próprio, como um componente da dignidade.
4. A força da família

A participação efetiva da mulher no universo do trabalho levou as empresas a valo rizar atributos antes considerados fragilida des femininas (como a inteligência emocional), e já não precisamos nos virilizar para sermos bem-sucedidas. Ainda há muito a melhorar (a mulher continua ganhando menos do que o homem quando ambos exercem a mesma função), mas o envol vimento com a carreira já provocou mudanças na dinâmica familiar. Desenvolve-se um jeito novo de ser pai, criou-se uma parceria mais simétrica e verdadeira entre homens e mulheres – um dos alicerces importantes na construção de um futuro melhor. Ao contrário do que se temia, essa simetria entre os membros do casal fortaleceu os laços familiares e provocou uma participa ção mais efetiva do homem na vida doméstica e um convívio mais íntimo entre pais e filhos. No meu trabalho de terapeuta, sou procurada por famílias que desejam encontrar caminhos para manter desobstruídos os ca nais de comunicação para que os seus encontros sejam momentos afetivos de trocas e interesses verdadeiros, e não meros pretextos para sermões e cobranças.


5. O cuidado com o meio ambiente

Mais um motivo para alimentar minha fé no futuro é a percepção de que temos hoje uma preocupação genuína com as consequências a longo prazo de nossas escolhas, em contraposi ção ao imediatismo irresponsável e egoísta: somos capazes de plantar jabuticabeiras, literal e sim bolicamente, mesmo sabendo que não seremos nós a sa borear os frutos. Estamos menos cegos e arrogantes, mais dispostos a assumir nossa responsabilidade na cadeia da vida, a preservar outras espécies e salvar as que estão ameaçadas de ex tinção. Há sinais claros de que estamos mais conscien tes da necessidade de cuidar do meio ambiente, de passar a nossos filhos e netos uma Terra menos poluída e mais cuidada (o uso de materiais recicláveis, a coleta seletiva do lixo, a preocupação com os mananciais são exem plos dessa tendência). Enquanto espécie, estamos mais dispostos a assumir nossa responsabilidade para com o outro, por mais distante e desconhecido que seja. Hoje, nos preocupamos mais do que no passado com a tarefa de garantir uma vida melhor no nosso planeta azul.


ARATANGY, Lidia Rosenberg. Claudia, São Paulo, Abril, jun. 2004, p. 148-151.
GLOSSÁRIO

arauto do apocalipse: o mesmo que “anunciador do fim do mundo ou da humanidade”.

sequioso: extremamente desejoso, ávido.

afoito: apressado, ansioso.

crestado: queimado, tostado.

catalão: natural ou relativo à Catalunha, região da Espanha.

madrilenho: natural ou relativo a Madri, capital da Espanha.

recrudescimento: intensificação, aumento.

no atacado: de uma vez só.

conivente: cúmplice.

virilizar: tornar forte, robustecer.
ATIVIDADES DE COMPREENSÃO E INTERPRETAÇÃO


  1. Quem é p autor do texto? (1 linha)

  2. Sobre o que o texto fala? (2 linhas)

  3. Qual ideia é defendida pela autora do texto? (2 linhas)

  4. Dos 5 motivos que a autora cita para se acreditar no futuro com qual você concorda mais? Você discorda de algum? Comente sobre isso (5 a 10 linhas)

  5. Observe a imagem a baixo:



Responda:

  1. As notícias que o persinamgem lê no jornal são boas ou ruins?

  2. Você sabe quem foi Charles Darwin? O que ele propôs sobre o futuro das espécies?

  3. O que significa dizer que Darwin foi um sonhador?

  4. Na perspectiva da autora do texto “5 motivos para acreditar no futuro” ela é positiva sobre o futuro da humanidade. O ponto de vista do persongaem do quadrinho acima é o mesmo? Eles concordam ou discordam? Comente sobre isso.

Baixar 55.16 Kb.

Compartilhe com seus amigos:




©bemvin.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Prefeitura municipal
santa catarina
Universidade federal
prefeitura municipal
pregão presencial
universidade federal
outras providências
processo seletivo
catarina prefeitura
minas gerais
secretaria municipal
CÂmara municipal
ensino fundamental
ensino médio
concurso público
catarina município
reunião ordinária
Dispõe sobre
Serviço público
câmara municipal
público federal
Processo seletivo
processo licitatório
educaçÃo universidade
seletivo simplificado
Secretaria municipal
sessão ordinária
ensino superior
Relatório técnico
Universidade estadual
Conselho municipal
técnico científico
direitos humanos
científico período
espírito santo
Curriculum vitae
pregão eletrônico
Sequência didática
Quarta feira
distrito federal
prefeito municipal
conselho municipal
língua portuguesa
nossa senhora
segunda feira
Pregão presencial
educaçÃo secretaria
recursos humanos
Terça feira
educaçÃO ciência
agricultura familiar