Veja 03 de março de 2010



Baixar 2,33 Mb.
Página14/24
Encontro28.11.2016
Tamanho2,33 Mb.
1   ...   10   11   12   13   14   15   16   17   ...   24

Busca antiga


Orlando/Thee Lions/Getty Images


PIONEIRA
Helena Rubinstein foi a primeira a produzir cosméticos específicos para cada tipo de pele

Antes de qualquer preocupação estética, a humanidade pintou o rosto por razões de saúde. Na pré-história, a doença era percebida como efeito da magia e a maquiagem era uma tentativa de afugentar espíritos perversos. O conhecimento sobre os detalhes da pele só avançou depois da descoberta do microscópio, no século XVI. O grego Hipócrates, que nasceu em 460 a.C. e é chamado de o pai da medicina, sustentava que as doenças de pele poderiam ser, na verdade, benéficas ao homem. As "crises felizes", como ele as denominou, teriam o poder de purificar o organismo e não deveriam ser tratadas. Muitos tratamentos de eficiência comprovada foram adotados graças à observação da relação causa-efeito. Os antigos egípcios pintavam o contorno dos olhos com uma pasta de carvão e chumbo. Era excelente para evitar a infecção ocular causada por uma bactéria. Em compensação, os metais pesados usados na mistura iam lentamente intoxicando a população. Cleópatra, a última rainha do Egito, tomava banhos com leite de cabra e passava óleos vegetais. São ingredientes usados hoje, com aprovação científica, em cremes hidratantes. Só no início do século XX, quando Helena Rubinstein identificou quatro tipos de pele e criou cosméticos específicos para cada um deles, a cosmetologia entrou na era da ciência




.

The Bridgeman/Other Image


RAINHA DO EGITO
Cleópatra acertou ao usar como hidratantes
o banho de leite e os óleos vegetais




Museu Kerameikos


POTES DA GRÉCIA ANTIGA
Cosméticos feitos de óleos e barro



1   ...   10   11   12   13   14   15   16   17   ...   24


©bemvin.org 2016
enviar mensagem

    Página principal