Universidade federal do rio grande do norte



Baixar 1,23 Mb.
Página1/3
Encontro17.11.2016
Tamanho1,23 Mb.
  1   2   3

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE

Diversidade ecológica e composição de borboletas frugívoras na Reserva Biológica Guaribas, Paraíba, Brasil.

Vandir Villar

Natal/RN

2015


Vandir Villar

Diversidade ecológica e composição de borboletas frugívoras na Reserva Biológica Guaribas, Paraíba, Brasil.

Trabalho de Conclusão de Curso Apresentado como exigência para obtenção do título de Bacharel em Ecologia da Universidade Federal do Rio Grande do Norte


Orientador: Márcio Zikán Cardoso

Co-orientador: Jorge Luís do Nascimento

Aluno: Vandir Villar

Natal/RN
2015

Título: “Diversidade ecológica e composição de borboletas frugívoras na Reserva Biológica Guaribas, Mamanguape, Paraíba, Brasil”.

Trabalho de Conclusão de Curso Apresentado como exigência para obtenção do título de Bacharel em Ecologia da Universidade Federal do Rio Grande do Norte


Orientador: Márcio Zikán Cardoso

Co-orientador: Jorge Luís do Nascimento


Banca examinadora:
______________________________________________

1º Examinador – ISABELA FREITAS OLIVEIRA

______________________________________________

2º Examinador – LARISSA NASCIMENTO DOS SANTOS

______________________________________________

Orientador - MÁRCIO ZIKÁN CARDOSO


Aprovado em __/__/____.
Natal/RN
2015

Agradecimentos

Neste espaço, gostaria de deixar um breve agradecimento às pessoas que de alguma maneira colaboraram para a realização deste trabalho e que de alguma forma também participaram e fizeram diferença em minha vida durante os anos residentes em Natal/RN. Minha família a qual durante todo tempo apoiou minhas decisões pessoais e proveram o suporte necessário para que pudesse me graduar na Universidade, aos colegas de laboratório Ananda, Léo, Kionara, Giesta Krishna, Larissa, Victor, Elieudo que me acompanhou em campo e me ensinou a identificar os táxons coletados, aos colegas da Reserva Biológica Guaribas com quem tive contato mais próximo: Julião, muito grato pelas longas e boas conversas e às oportunidades que me deu acesso!! Getúlio, Heloísa Alencar (valeu pelos mapas!!), Marina Klüppel, aos guardas da segurança, mateiros, ao grupo de brigadistas de combate a incêndios, equipe da cozinha e demais funcionários que por lá também trabalham. A todo pessoal do curso de Ecologia na UFRN, Anne Carvalho, Angélica Albano, Fernandoido, Adler, Felipe Texano, Alessandra Riberoua, Guedão, ao capirotesco do Anízio, Natália Roos, Vanessa Rodrigues, ao professor e orientador Márcio Zikán, aos vários parceiros de casa Gustavo Brant, Nico, Gabriel, Márcio Rato e Júnia, Giovani, Zeca, dog surf pela companhia, lombras e amor incondicional =), às colegas de laboratório e banca avaliadora Larissa Nascimento e Isabela Oliveira, CNPq, Onildo, Odara Raquel pela parceria, torcida, companheirismo e cumplicidade e à família Kunkler pelos trancos e barrancos, paciência e boas referências, Dona Lourdes pelas boas charlas, e histórias engraçadas, à finada gatinha Ramona e finalizando, um agradecimento genérico a todas as pessoas da Ecologia que não foram referenciadas aqui (são muitas) mas que também me acompanharam e apoiaram minha peleja acadêmica. Observe! Se seu nome não está aqui, por favor, não se desespere!! Não é porque não foi lembrado! É porque escrevi aos 48min. do segundo tempo! Amo você também!! :D



SUMÁRIO

Capa .................................................................................................................. 1 Folha de aprovação ........................................................................................... 3 Agradecimentos ................................................................................................. 4 Resumo .............................................................................................................. 6 Abstract .............................................................................................................. 6 Introdução .......................................................................................................... 7 Objetivo ............................................................................................................. 9 Materiais e métodos ......................................................................................... 9 Área de estudo ...................................................................................... 9 Coleta de dados .................................................................................... 11 Análise de dados ................................................................................... 17 Resultados ....................................................................................................... 17 Discussão ........................................................................................................ 24 Conclusão ........................................................................................................ 28 Referências ...................................................................................................... 29




Diversidade ecológica e amostragem preparatória para o biomonitoramento de borboletas frugívoras na Reserva Biológica Guaribas, Paraíba, Brasil.
Discente: Vandir Villar

Orientador: Márcio Zikán Cardoso



Coorientador: Jorge Luiz do Nascimento

Resumo
A Mata Atlântica Nordestina é uma das sub-regiões da Mata Atlântica localizada na porção ao norte do rio São Francisco e inclui toda a área de floresta costeira entre os estados de Alagoas e Rio Grande do Norte (Santos et al., 2007). Na maior parte de sua área original, a vegetação nativa remanescente ocorre em pequenos fragmentos isolados entre si. Suas áreas de proteção são pequenas, biologicamente isoladas, mal protegidas e administradas (Silva e Tabarelli, 2000, 2001). Diante desse fato, torna-se estrategicamente importante a implementação de estudos para o inventário e monitoramento das populações biológicas ocorrentes em Unidades de Conservação. Isto possibilita uma avaliação geral de seu estado de conservação. O objetivo deste trabalho foi inventariar as espécies de borboletas frugívoras ocorrentes na Reserva Biológica Guaribas e analisar índices ecológicos como riqueza, abundância, diversidade ecológica e composição dessas populações. No total foram registrados 884 indivíduos de 25 espécies, representados por 4 subfamílias da família Nymphalidae: Satyrinae (9), Biblidinae (8), Charaxinae (5) e Nymphalinae (3). Conforme esperado, os dados gerados pela matriz testada corroboraram uma das hipóteses iniciais agrupando os dados entre tabuleiro e floresta, porém, contrariaram outra premissa de análises do trabalho, onde os graus de similaridade entre as áreas de tabuleiro foram menores do que as similaridades encontradas para as áreas de floresta.

Palavras-chave: Mata-Atlântica, Lepidoptera, Nympalidae, diversidade ecológica, monitoramento biológico, borboletas frugívoras.
Abstract
The Northeastern Atlantic Forest is a subregion of Atlantic Forest localized at the north side of São Francisco river, including the entire region of coast Forest between Alagoas and Rio Grande do Norte states (Santos et al., 2007). In most part of its original area, the remaining native vegetation occurs in small isolated fragments to each other. Its protected areas are small, biologically isolated , poorly protected and managed (Silva e Tabarelli, 2000, 2001). In fact, it is strategically important to implement studies for inventory and monitoring of biological populations occurring in protected areas. This allows an overall assessment of their conservation status . The objective of this study was to inventory the species of fruit-feeding butterflies occurring in the Biological Reserve Guaribas and analyze ecological indexes as richness, abundance, biological diversity and composition of these populations.
In total 884 specimens were recorded from 25 species , represented by 4 subfamilies of Nymphalidae family: Satyrinae (9), Biblidinae (8), Charaxinae (5) and Nymphalinae (3).
As expected, the data generated by the matrix tested corroborated of the initial hypothesis clustering data between the non-forest and forest areas, however, contradicted another premise of the work analysis, where the degree of similarity between the open areas were lower than the similarity found to forest areas.

Word-keys: Atlantic Forest, Lepidoptera, Nympalidae, ecological indexes, biological monitoring, fruit-feeding butterflies.

Introdução

A Mata Atlântica Nordestina é uma das sub-regiões da Mata Atlântica localizada na porção ao norte do rio São Francisco, também conhecida como Centro de Endemismo de Pernambuco e inclui toda a área de floresta costeira entre os estados de Alagoas e Rio Grande do Norte (Santos et al., 2007). Na maior parte de sua área original, a vegetação nativa remanescente ocorre em pequenos fragmentos isolados entre si, predominando atualmente as matrizes de agricultura ou sistemas não florestais (Kronka et al., 1993). Dentre os fragmentos remanescentes e oficialmente preservados, suas áreas de proteção são geralmente pequenas, biológica e ecologicamente isoladas, mal protegidas e administradas, sofrendo com a alta pressão da caça e corte de madeira (Silva e Tabarelli, 2000, 2001) entre outras pressões para diferentes usos da terra.

Dentre os diferentes tipos de Unidades de Conservação (UC), a Reserva Biológica (ReBio) é uma categoria de Unidade de Conservação de uso indireto, sendo a mais restritiva no Sistema Nacional de Unidades de Conservação (SNUC) (Brasil, 2000), onde são permitidas apenas a proteção, pesquisa científica e educação ambiental. Neste sentido, esse tipo de UC permite a menor alteração possível sendo muito interessante para estudos que visam elucidar padrões de distribuição e abundância naturais de populações de espécies nativas e exóticas. Diante dessa realidade, torna-se estrategicamente importante a implementação de estudos para o inventário e monitoramento das populações de lepidópteros ocorrentes em Unidades de Conservação. Isto possibilita uma avaliação geral do estado de conservação dessas Unidades, trazendo questões prioritárias para execução de políticas públicas, ações de manejo e a elaboração de novos projetos para a manutenção da biodiversidade.

A ordem Lepidoptera, representada por borboletas e mariposas constituem uma ordem de insetos muito diversificada e ecologicamente bem sucedida, sendo bem adaptada para viver em ambientes diversos (Heppner, 1991; Brown & Freitas, 2000). Esta compõe a segunda maior ordem entre as maiores da classe Insecta, agregando cerca de 160.000 espécies descritas (Kristensen et al. 2007). Sua área de ocorrência abrange todos os continentes, exceto os polares (Heppner, 1991; Brown & Freitas, 2000).

Baseado nos hábitos alimentares das espécies quando em fase adulta, as borboletas neotropicais podem ser divididas basicamente em duas guildas principais: 1) Guilda das nectarívoras, composta pelas famílias Papilionidae, Pieridae, Lycaenidae, Hesperiidae, Riodinidae e algumas subfamíliasde Nymphalidae (que inclui algumas espécies de Ithomiinae, Cyrestini, Apaturinae e Limenitidinae que são eventualmente capturadas com iscas fermentadas) e 2) guilda das frugívoras, representada principalmente por espécies da família Nymphalidae, subfamílias: Satyrinae, Charaxinae, Biblidinae e Nymphalinae (DeVries et al., 1997; Gomes-Filho, 2003; Uehara-Prado, 2003; Uehara-Prado et al., 2004).

Em virtude da acentuada dependência de plantas hospedeiras durante a fase larval, a conhecida sensibilidade de resposta aos distúrbios ambientais, possuírem alta diversidade ecológica, fácil metodologia de coletas e fidelidade de micro-habitat, (Uehara-Prado et al., 2009), as borboletas da Família Nymphalidae têm se tornado cada vez mais, um grupo focal para estudos de avaliação de qualidade ambiental e para a caracterização de áreas de interesse ecológico, onde o biomonitoramento do grupo pode indicar não só o estado de conservação das populações focais, mas também o estado de conservação de uma área protegida (Freitas & Marini-Filho, 2011), conferindo ao grupo, o caráter funcional de bom e rápido indicador de parâmetros ambientais e de continuidade de ecossistemas e paisagens (Brown & Freitas, 2000), sendo portanto, uma importante ferramenta em biologia da conservação (BROWN, 1991).


Objetivos

O presente trabalho teve como objetivo realizar um inventário das borboletas componentes da guilda das frugívoras ocorrentes em dois fragmentos da Reserva Biológica Guaribas-PB (SEMA I e SEMA II), assim como analisar os índices de diversidade ecológica, as estimativas de riqueza, abundância e a composição de espécies entre os ambientes de campos abertos e interiores de mata de duas glebas da Reserva Biológica Guaribas. Acompanhando a heterogeneidade ambiental entre as áreas de coleta, a hipótese inicial é que haja menor similaridade e maior diversidade e abundância de borboletas frugívoras dentro das áreas de floresta com relação às áreas de tabuleiro.


Materiais e métodos
Área de estudo
A Reserva Biológica Guaribas localiza-se na porção nordeste do estado da Paraíba, na região geoadministrativa do Litoral Norte paraibano e está inserida em uma matriz de paisagem muito alterada e aparentemente não favorável para a biodiversidade. As principais atividades humanas no entorno da Reserva são o cultivo sucroalcooleiro em larga escala, a presença de estradas de grande, médio e pequeno porte, tais como a BR-101 e a PB-071, comunidades rurais e pequenos agro-cultivos como mamão, côco, abacaxi, entre outros.

A Reserva Biológica Guaribas possui 4.052 ha, distribuídos em 3 sub-áreas, SEMA1 (660 ha), SEMA2 (3.054 ha), e SEMA3 (338 ha), sendo geograficamente localizadas nos municípios de Mamanguape (6°44’02” S, 35°10’32” W) (SEMAS 1 e 2) e de Rio Tinto (6°40’53” S, 35°09’59” W) (SEMA 3) (Figura 1).

Segundo a classificação de Köppen, a região da Reserva Biológica está inserida no tipo climático As’, caracterizado por ser quente e úmido, de estação seca no verão e chuvosa no inverno. Esse tipo climático possui temperaturas superiores a 18º C no mês menos quente. As temperaturas médias anuais variam entre 24ºC e 26ºC com médias mensais entre 28ºC e 30ºC durante os meses mais quentes, alcançando a máxima absoluta de 36ºC. A forte evaporação, dentre outros fatores climáticos, resulta em uma maior Umidade Relativa que ocorre principalmente no inverno, quando os índices se elevam entre 85% a 90%. A média anual de precipitação está entre 1.750mm e 2.000mm anuais, com as chuvas iniciando em fevereiro, atingindo níveis máximos em abril, maio e junho e se prolongando até o mês de julho. Os períodos de estiagem entre outubro, novembro (o mês mais seco) e dezembro. (IBAMA, 2003)

A composição fitofisionômica dos fragmentos é caracterizada principalmente por remanescentes de diversos tipos vegetacionais ocorrentes na Mata Atlântica, incluindo floresta estacional semidecidual e de tabuleiro. A composição florística é conservativa dentro de cada fitofisionomia (MMA, 2003)


Coleta de dados



A escolha das áreas para a implementação das armadilhas foi intencionalmente de ambientes distintos abrangendo diferentes tipos de habitats (áreas abertas e fechadas, bordas e interiores de mata), possibilitando uma coleta mais heterogênea, melhorando também os aspectos quali-quantitativos do inventário. Por questões logísticas, as áreas de coleta se restringiram apenas às SEMAs I e II (Mamanguape-PB), não contemplando a SEMA III (Rio Tinto-PB) devido à maior distância em relação às duas primeiras glebas da Reserva Biológica Guaribas.



  1   2   3


©bemvin.org 2016
enviar mensagem

    Página principal