Universidade federal de santa catarina centro de ciências agrarias programa de pós-graduaçÃo em recursos genéticos vegetais plano de ensino



Baixar 70,61 Kb.
Encontro06.02.2017
Tamanho70,61 Kb.



UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA

CENTRO DE CIÊNCIAS AGRARIAS

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM

RECURSOS GENÉTICOS VEGETAIS

PLANO DE ENSINO






I. IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA:

CÓDIGO

NOME DA DISCIPLINA

NO DE HORAS-AULA SEMANAIS

TEÓRICAS PRÁTICAS

TOTAL DE HORAS-AULA SEMESTRAIS

RGV 3007

Manejo de populações naturais

3 h




45

I.1. HORÁRIO

TURMAS TEÓRICAS

TURMAS PRÁTICAS







II. PROFESSOR (ES) MINISTRANTE (S)

Alfredo C. Fantini

II. PRÉ-REQUISITO (S):

CÓDIGO

NOME DA DISCIPLINA







IV CURSO (S) PARA O QUAL(IS) A DISCIPLINA É OFERECIDA




V. EMENTA

Fitossociologia. Demografia de populações naturais. Dendrometria e inventário de recursos florestais. Ecologia de espécies florestais tropicais. Dinâmica de florestas tropicais. Sistemas de manejo em florestas tropicais. Conservação da biodiversidade. Uso múltiplo de recursos florestais.

VI. OBJETIVOS

Capacitar o estudante a compreender o complexo sistema de relações que

constituem o uso e a conservação de populações naturais de plantas. O conteúdo programático da disciplina tem ênfase em ecossistemas florestais naturais



VII. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

Trabalhos Fundadores da Genética Quantitativa. Bases Genéticas dos Caracteres Quantitativos. Fatores que Dificultam a Seleção de Genótipos Superiores. Estimativa de Número de Genes e Recombinação Gênica.

Bases Estatístico-Genéticas dos Caracteres Quantitativos:

Reprodução exata dos genótipos dos genitores na descendência: constituição genética das populações, componentes de médias, componentes de variância.

Populações Segregantes

Espécies de Cruzamento ou Panmíticas: constituição genética das populações; componentes genéticos de médias e de variâncias dos caracteres de planta em diferentes esquemas de seleção..

Populações com diferentes graus de Endogamia:

Método Mather

Capacidade de Combinação:

Sistemas de cruzamentos com um testador

Esquemas fatoriais ou Dialélicos Parciais

Cruzamentos Dialélicos Completos (Método Griffing, 1956).

2.4 Heterose: Componentes Genéticos de Médias e Predição de Médias.

Covariância entre parentes e Progresso Genético Esperado com a Seleção

Correlação entre Caracteres e Resposta Correlacionada



Interação Genótipo x Ambiente: análise conjunta de experimentos em Modelo aleatório, misto e Fixo; componentes de variância


VIII. METODOLOGIA DE ENSINO / DESENVOLVIMENTO DO PROGRAMA

Aulas expositivas, discussão orientada, viagens de campo, elaboração e apresentação de trabalhos.


IX. METODOLOGIA DE AVALIAÇÃO

Prova escrita; Monografia; projeto de manejo florestal.


X. NOVA AVALIAÇÃO














XII. CRONOGRAMA PRÁTICO








XIII. BIBLIOGRAFIA BÁSICA

Mantovani, A. et al. 2005. Inventário e Manejo Florestal. UFSC, Núcleo de Pesquisa em Florestas Tropicais. Apostila.

Stockdale, M. 2005. Steps to Sustainable and Community-Based NTPF Management: a manual written with special reference to South and Southeast Asia. Quenzon: NTFP Exchange Programme. 190 p.

Franklin, J.F. e MacMahon, J.A. 2000. Messages from a mountain. Science 288(19):1183-1185.

Gunderson, L.H. e Holling, C.S. (Eds.) 2002. Panarchy: understanding transformations in human and natural systems. Washington: Island. 507 p.

Pessoa, A. 2007. Serra Vermelha: floresta em brasa. Consciência Ambiental, fev 2007, p. 66-77.

Peters, C. 1996. The Ecology and Management of Non-Timber Forest Resources. World Bank Technical Paper 322. Washington: World Bank. p. 5-36. Capítulos 1 e 2.

Whitmore, T.C. 1998. Tropical Rain Forests. Oxford: Oxford. 282 p. (páginas 25-30 e 74-88)

Bawa, K.S. et al. 1989. Reproductive Ecology of Tropical Forest Plants: research insights and management implications. Wahshington: IUBS-Unesco MAB. 56 p.

Hubbell, S.P.; Foster, R.B.; O’Brien, S.T.; Harms, K.E.; Condit, B. W.; Wright, S.J. e Loo de Lao, S. 1999. Light-gap disturbances, recruitment limitation, and tree diversity in a neotropical forest. Science 283:554-557.

Griscom, B.W. e Ashton, P.M.S. 2006. A self-perpetuating bamboo disturbance cycle in a neotropical forest. Journal of Tropical Ecology 22:587–597.
Johns, A.G. 1997. Timber Production and Biodiversity Conservation in Tropical Rain Forests. Cambridge, 225 p. (capítulo 4)

Lima, R.A.F. e Moura, L.C. 2008. Gap disturbance regime and composition in the Atlantic montane rain forest: the influence of topography. Plant Ecology 197:239-253.

Martini, A.M.Z. e Santos, F.A.M. 2007. Effects of distinct types of disturbance on seed rain in the Atlantic forest of NE Brazil. Plant Ecology 190:81-95.

Paludo, G. F. ; Mantovani, A. ; Reis, M. S. 2011. Regeneração de uma população natural de Araucaria angustifolia (Araucariaceae). Revista Árvore 35:1107-1119.

Tabarelli, M. e Mantovani, W. 2000. Gap-phase regeneration in a tropical montane Forest: the effect of gap structure and bamboo species. Plant Ecology 148:149-155.

Geldenhuys, C.J. 2010. Managing forest complexity through application of disturbance-recovery knowledge in development of silvicultural systems and ecological rehabilitation in natural forest systems in Africa. Journal of Forestry Research 15:3-13.

Bawa, K.S. e Seidler, R. 1998. Natural forest management and conservation of

biodiversity in tropical forests. Conservation Biology 12(1):46-55.



Cannon, C.H., David, R.P. e Leighton, M. 1998. Tree species diversity in commercially logged Bornean rainforest. Science 281: 1366-1368.

Shulze, M. et al. 2005. Madeiras nobres em perigo. Ciência Hoje 36: 214-216.

Putz, F.E. et al. 2001. Tropical forest management and conservation of biodiversity: an overview. Conservation Biology 15(1): 7-20.

Menton, M.C. 2003. Effect of logging on non-timber forest products extraction in the Brazilian Amazon: community perceptions of change. The International Forestry Review 5(2) 95-105.

Souza, A.F. 2009. Araucária: a regeneração das populações da árvore-símbolo do Sul do Brasil. Ciência Hoje 45(260):38-43.

Clement, C. e Val, A.L. 2003. O desafio do desenvolvimento sustentável na Amazônia. T&C Amazônia 1(3):21-32.

Asner, G.P. et al. 2005. Selective logging in the Brazilian Amazon. Science 310: 480-482.

Buongiorno, J. e Gilles, J.K. 2003. Decision Methods for Forest Resource Management. Academic Press. 439 p. (capítulo 8)

Buongiorno, J. et al. 1995. Tree size diversity and economic returns in uneven-aged forest stands. Forest Science 40(1):83-103.

Chazdon, R.L. 1998. Tropical forests – log’em or leave’em? Science 281:1295-1296.

Ingram, C.D. e Buongiorno, J. 1996. Income and diversity tradeoffs from management of mixed lowland dipterocarps in Malaysia. Journal of Tropical Forest Science 9(2):242-270.

Poore, D. e Sayer, J. 1991. The Management of the Tropical Moist Forest Lands: ecological guidelines. Gland: IUCN. 69 p.

Wallace, S. e Webb, A. 2007. Amazônia Ilegal. National Geographic 7(82): 20-51.

Klein, R.M. 1980. Ecologia da flora e da vegetação do Vale do Itajaí. Sellowia 32: 165-389.

Liebsch. D.; Marques, M.C.M. e Goldenberg, R. 2008. How long does the Atlantic Rain Forest take to recover after a disturbance? Changes in species composition and ecological features during secondary succession. Biological Conservation 141:1717–1725.

Oliveira, R.R.; Lima, D.F.; Sampaio, P.D.; Silva, R.F. e Toffoli, D.D.G. 1994. Roça caiçara: um sistema “primitivo” auto-sustentável. Ciência Hoje 18(104):44-51.00

Siminski, A. 2009. A Floresta do Futuro: conhecimento, valorização e perspectivas de uso das formações florestais secundárias no estado de Santa Catarina. Tese de Doutorado. Universidade Federal de Santa Catarina. 140p.

Schuch, C. ; Siminski, A. e Fantini, A.C. 2008. Usos e potencial madeireiro do jacatirão-açu (Miconia cinnamomifolia (De Candolle) Naudin) no litoral de Santa Catarina. Floresta 38:735-741.

Siminski, A. e Fantini, A.C. 2007. Roça-de-toco: uso de recursos florestais e dinâmica da paisagem rural no litoral de Santa Catarina. Ciência Rural 37:01-10.

Steenbock, W.; Reis, M.S.; Siminski, A. e Fantini, A.C. Ocorrência da Bracatinga (Mimosa Scabrella Benth.) em Bracatingais Manejados e em Florestas Secundárias na Região do Planalto Catarinense. Submetido à Revista Árvore em 2009.

Alexiades, M.N. & Shanley, P. 2004. Productos Forestales, Medios de Subsistencia y Conservación: estudios de caso sobre sistemas de manejo de productos forestales no maderables. In: Alexiades, M.N. & Shanley, P. Productos Forestales, Medios de Subsistencia y Conservación. Bogor: CIFOR. p. 1-22.

Gentry, A. 1994. Como usar a biodiversidade sem deteriorar a floresta? Ciência Hoje 17(98): 54-57.

Homma, A.K.O. 2000. Amazônia: os limites da opção extrativista. Ciência Hoje 27(159):70-73.

Peters, C. 1996. The Ecology and Management of Non-Timber Forest Resources. World Bank Technical Paper 322. Washington: World Bank. p. 5-36. Capítulo 3.

Ruiz-Pérez, M. e Arnold, J.E.M. 1996. Current Issues in Non-Timber Forest Products Research. Bogor: CIFOR-ODA. 264 p.

Stockdale, M. 2005. Steps to Sustainable and Community-Based NTPF Management: a manual written with special reference to South and Southeast Asia. Quenzon: NTFP Exchange Programme. 190 p.

Belcher, B. e Schrekenberg, K. 2007. Commercialization of non-timber forest products: a reality check. Development Policy Review 25(3).

Godoy e Bawa. 1993. The economic value and sustainable harvest of plants and animals from the tropical forest: assumptions, hypotheses, and methods. Economic Botany 47(3):215-219.

Hall e Bawa. 1993. Methods to assess the impact of extraction of non-timber tropical forest products on plant populations. Economic Botany 47(3):234-247.

Rocha, A.E.; Fantini, A.C. e Muniz, F.H. 2005. A conservação da mata ciliar como estratégia de segurança alimentar na comunidade ribeirinha de Morros-MA. Eisforia 3(1): 48-66.

Stockdale, M. 2005. Steps to Sustainable and Community-Based NTFP Management. NTFP Exchange Programme for Southeast Asia. 190p.

Sparovek, G.; Berndes, G.; Barreto, A.G.O.P. e Klug, I.L.F. 2012. The revision of the Brazilian Forest Act: increased deforestation or a historic step toward balancing agricultural development and nature conservation? Environmental Science & Policy 16(65-72).


XIII. BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR










©bemvin.org 2016
enviar mensagem

    Página principal