Tradição, modernidade e a identidade nacional brasileira Leandro do Nascimento Rodrigues (Brasil) – udf/iesb/UnB1 Clara Rachel Feitosa Petrola (Brasil) – fa72 Resumo



Baixar 48,07 Kb.
Encontro03.12.2017
Tamanho48,07 Kb.


Tradição, modernidade e a identidade nacional brasileira
Leandro do Nascimento Rodrigues (Brasil) – UDF/IESB/UnB1

Clara Rachel Feitosa Petrola (Brasil) – FA72
Resumo
O objetivo do artigo é analisar a sociedade brasileira moderna e um de seus aspectos tradicionais mais marcantes: o jeitinho. Apesar de a sociedade brasileira ser moderna, há elementos de sociedades pré-modernas. O jeitinho se origina de uma sociedade e Estado personalista e patrimonial e é parte da identidade nacional brasileira moderna, ainda que sua origem não seja moderna, tampouco racional.

Introdução
A questão da modernidade está presente nos debates atuais acerca da realidade brasileira. Existem interpretações distintas a respeito, que o Brasil é moderno ou faltam elementos para se alcançar a modernidade. Algumas formas distintas são adotadas para se tratar tal tema, sejam por condições econômicas, questões culturais, atraso, etc.

O nosso objetivo com esse trabalho é analisar a modernidade brasileira. Não refutamos a tese de modernidade no Brasil, mas consideramos que esta modernidade não é plena, existem elementos tradicionais, pré-modernos, presentes na nossa sociedade. Não se trata de atraso, são características culturais peculiares do Brasil. Buscaremos, então, analisar o que seria a modernidade em seu sentido puro, bem como aspectos tradicionais, e para isso adotamos o pensamento de Max Weber.

Munidos do ferramental teórico sobre a modernidade, passaremos a considerar a realidade brasileira à luz do pensamento de Weber. Para isso iremos nos ater nas obras de Sérgio Buarque de Holanda e Roberto DaMatta, que adotam a abordagem weberiana, em maior ou menor grau, e analisaremos os elementos concretos encontrados por estes autores. A partir disso analisaremos algumas de suas conclusões, como a cordialidade, personalismo, patrimonialismo, e sociedade relacional para perceber a presença de elementos pré-modernos, tradicionais no Brasil. Acreditamos que o jeitinho brasileiro constitui um dos principais elementos de identidade nacional de cunho cultural existente no Brasil. Para corroborar tal afirmação, adotamos uma rápida abordagem sobre estudos de identidade nacional, nações e nacionalismo, para demonstrar que é possível que um elemento pré-moderno seja um forte elemento de identidade nacional, ainda que num contexto de modernidade.

Desenvolvimento
Existem três tipos puros de dominação legítima. Sua legitimidade pode ser: 1) De caráter racional: baseia-se na fé na validade do estatuto legal e da competência funcional; 2) De caráter tradicional: baseia-se na crença cotidiana da santidade das tradições vigentes desde sempre e na legitimidade daqueles que representam a autoridade em virtude desta tradição; 3) De caráter carismático: baseia-se na veneração do poder heróico ou caráter exemplar de uma pessoa (carisma).

O domínio legal pode ser reconhecido pela presença contínua de funções públicas instituídas por leis e distribuídas em competências diferenciadas. Há a necessidade de uma equipe de funcionários especializados e qualificados para a aplicação, que não são donos de seus cargos, ou dos meios da administração. Como garantia, possuem um estatuto que garante o exercício de suas funções.

A dominação legal constitui a base para a existência do Estado moderno. Este, por sua vez, existirá onde a comunidade política reunir as seguintes características:

1) uma ordem administrativa e jurídica sujeita a alterações através da legislação; 2) um aparelho administrativo que conduza os assuntos oficiais de acordo com a regulamentação legislativa; 3) autoridade com poder sobre todas as pessoas – que normalmente obtêm a cidadania com o nascimento – e sobre a maioria das ações que aconteçam na área de sua jurisdição; 4) a legitimação para usar a força dentro de sua área, quando a coerção é permitida ou recomendada pelo governo legalmente constituído, isto é, se estiver de acordo com algum estatuto promulgado. A ordem legal, a burocracia, a jurisdição compulsória sobre um território e a monopolização do uso legítimo da força são as características essenciais do Estado moderno (Bendix, 1986, p. 323, grifo nosso).


Podemos perceber, então, que o tipo mais puro de dominação legal é aquele exercido pela burocracia.

A dominação tradicional, por sua vez, como já foi dito, tem sua legitimidade alicerçada na crença na santidade de ordens senhoriais tradicionais. A dignidade pessoal atribuída pela tradição e a piedade são os fatores que levam a esse tipo de dominação legítima. O quadro administrativo não é composto por funcionários, mas por servidores pessoais, assim como os dominados são companheiros tradicionais ou súditos. Não há estatutos para se seguir, a pessoa indicada pela tradição, o senhor tradicionalmente determinado é a quem se deve obedecer.

A legitimação das ordens pode ocorrer em razão da tradição que define o conteúdo dessas ordens, ou em virtude do livre arbítrio do senhor. Só é possível que este exista devido à ausência de limitações que caracteriza a obediência por piedade

Podemos notar então a possibilidade de existência de quadro administrativo na dominação tradicional. Entretanto, alguns componentes presentes no quadro administrativo da dominação legal estão ausentes. Falta a competência fixa segundo regras objetivas, a hierarquia racional fixa, nomeação regulada por contrato, formação profissional e o salário fixo. Fica claro então que os elementos de racionalidade estão ausentes do quadro administrativo tradicional. A ausência destes elementos é um dos pontos que distingue o Estado moderno de Estados em estágios anteriores.

O objetivo de Weber com a forma que estruturou os estudos de dominação legítima em sua obra Economia e Sociedade (1991) era permitir que análises posteriores pudessem adotar sua tipologia. O valor de sua análise está na orientação referente aos problemas e no esclarecimento conceitual de materiais históricos. Por essa razão, ao final de sua análise da dominação tradicional ele não revela como a mescla de elementos patrimoniais e feudais, que caracterizam o Ocidente, veio a ocorrer no Estado moderno. Isso não era objetivo de uma pesquisa sociológica comparativa, tal questão deveria ser tratada por historiadores, que utilizariam os conceitos proporcionados por sua pesquisa (Bendix, 1986). Fica claro que a abordagem weberiana dos tipos de dominação são constructos típicos-ideais, que não se aplicam plenamente à realidade prática. A partir disto analisaremos as tentativas de adoção dos tipos ideais de dominação na realidade brasileira e as variações surgidas para validar os casos concretos.

O pensamento social brasileiro sempre demonstrou em sua história um esforço em compreender e interpretar a modernidade do Brasil. A partir da recente produção nacional podemos definir duas correntes, a sociologia da dependência e a sociologia de herança patriarcal-patrimonial. A sociologia da dependência, calcada nos estudos de Caio Prado Jr. Florestan Fernandes, Fernando Henrique Cardoso e Octávio Ianni, apresenta uma abordagem de base econômica para explicar a modernidade brasileira. A sociologia de herança patriarcal-patrimonial, baseada nas obras de Gilberto Freyre, Sérgio Buarque de Holanda, Raymundo Faoro e Roberto DaMatta, apresentam explicações com foco na existência do patrimonialismo no Brasil, apresentando ainda uma abordagem cultural da modernidade. Ambas consideram que sociedade brasileira não se encontra no mesmo nível de igualdade das sociedades modernas centrais. O pensamento de Holanda, Faoro e DaMatta é denominado por Souza (2000) como Sociologia da Inautenticidade.

Os autores da chamada sociologia da inautenticidade dão especial atenção aos elementos constituintes da sociedade brasileira, em especial a herança luso-ibérica. Entretanto, não consideram o Brasil como um caso acabado de modernidade, ao dar ênfase e demasiada importância em elementos pré-modernos, patriarcalismo e patrimonialismo, como se ainda fossem os determinantes da peculiaridade brasileira (Tavolaro, 2005). O nome inautenticidade refere-se à concepção de mundo ibérica e ao núcleo comum que reside suas respectivas interpretações. A origem e características da sociedade brasileira são calcadas na herança portuguesa, num culturalismo atávico comum aos três pensadores. A expressão sociologia da inautenticidade “parece apreender a reticência e, por não dizer, extrema resistência dos principais nomes da produção sociológica nacional no sentido de atribuir o status de ‘modernidade plena’ à sociedade brasileira contemporânea” (Tavolaro, 2005, p. 6-7).

Sérgio Buarque de Holanda tem como principal foco em sua obra de maior relevo, Raízes do Brasil a concepção de mundo ibérica como um todo. A herança européia brasileira remete, quase em sua totalidade, a uma nação ibérica localizada no extremo oeste da Europa, numa zona fronteiriça, de transição, e consequentemente menos carregada do europeísmo que mantém como patrimônio comum (Holanda, 2008). A herança lusitana é marcada por uma aversão congênita a qualquer ordenação impessoal e o patriarcalismo presente no Brasil é o responsável por isso. Portugal sempre foi um país focado na ética da aventura, em total contraposição à ética protestante existente em alguns outros países europeus, baseados no trabalho. A segurança e a estabilidade, elementos típicos da racionalização, são deixados de lado em prol do espírito aventureiro português. Ao se estabelecer como autoridade máxima da ordem social, a família patriarcal teria se tornado o disseminador hegemônico dos principais códigos e princípios de sociabilidade, o que explicaria ainda a proeminência do privado sobre o público (Tavolaro, 2005).

O personalismo é o traço ibérico mais relevante trazido para o Brasil. Tal valor estava presente em todas as classes portuguesas, o que permitiu a assimilação de valores tradicionais do personalismo aristocrático. Foi essa mentalidade do reconhecimento social pelo mérito e responsabilidade individual que se tornou o maior impedimento para a criação de um espírito de organização horizontal, entre iguais, comum aos calvinistas (Souza, 2000). A explicação para a persistência do personalismo está exatamente na herança rural e sua forte influência, o que nos leva e perceber que a forma política específica do personalismo é o patriarcalismo e o patrimonialismo. O personalismo no Brasil é responsável politicamente pela confusão entre as esferas públicas e privadas, típico do patrimonialismo.

O ponto mais importante da obra de Sérgio Buarque é sem dúvida o conceito de homem social. Trata-se de um ser social e produto de nossa formação histórica, que de acordo com a definição de Buarque, seria um componente psicológico avesso à civilidade, a aspectos da formalidade, como regras e convenções, constituindo um traço marcante do caráter brasileiro. O conceito de homem cordial foi por diversas vezes confundido como bondade, características positivas. Sérgio Buarque coloca que questões cordiais podem envolver elementos negativos, que não se trata de um perfil psicológico específico, mas uma concepção de mundo abrangente: “a inimizade pode ser tão cordial quanto a amizade, nisto que uma e outra nascem do coração, procedem assim da esfera do íntimo, do familiar, do privado” (Holanda, 2008, p. 205).

Analisamos ainda neste contexto de sociologia da inautenticidade um pouco da obra de Roberto DaMatta. Este autor se ocupa de alguns objetos comuns a Sérgio Buarque de Holanda pequenas diferenças. Enquanto este autor estuda as práticas e ritos cotidianos do Brasil por uma vertente institucionalista, DaMatta terá como foco estas mesmas práticas e ritos cotidianos, com uma roupagem e abordagem distinta, o culturalismo, visando captar o núcleo da sociabilidade brasileira por trás de suas aparências (Souza, 2000).

DaMatta busca em sua abordagem confrontar alguns conceitos, elevando-os a uma dualidade: pessoal e impessoal, público e privado, casa e rua, pessoa e indivíduo. Entretanto, essa visão dualística pode ser incapaz de englobar plenamente o objeto que se quer estudar, pois no Brasil, mais importante do que elementos de posição, é a sua conexão, suas relação, os elos que conjugam seus elementos. Assim, DaMatta define o Brasil como uma sociedade relacional, “um sistema onde a conjugação tem razões que os termos que ela relaciona podem perfeitamente ignorar. [...] é básico estudar aquele & que relaciona a casa-grande com a senzala e aquele suposto espaço vazio [...] que relaciona dominantes e dominados” (DaMatta, 1997a, p. 25).

A análise dualística da casa e da rua demonstra que estes espaços simbolizam muito na sociedade brasileira: o pessoal e o impessoal, o espaço privado e o espaço público, o universo controlado e o mundo. Os grupos sociais que ocupam ambos os espaços são distintos, pois na casa há as relações de parentesco e as relações de sangue e uma hierarquia própria e conhecida, em que os mais velhos têm a preferência. A rua é o espaço das escolhas, local onde as hierarquias existentes não são tão nítidas e é preciso certo cuidado para não desrespeitá-las. A casa representa o espaço em que é possível ter maior controle sobre as relações sociais, enquanto a rua, numa acepção global, diz respeito ao mundo urbano, ao público.

Ao que tudo indica, no caso brasileiro o indivíduo representa a noção moderna, superimposta a um poderoso sistema de relações pessoais. Em formações sociais desse tipo, calcado nas relações pessoais, a oposição indivíduo/pessoa é sempre mantida (DaMatta, 1997b). Só é possível tudo isso se desenvolver num cenário patriarcal-patrimonial, baseado no personalismo colocado por Sérgio Buarque de Holanda, ficando evidente a existência de um estamento, capaz de garantir a máxima estudada por DaMatta do Você sabe com quem está falando? A sociedade brasileira, então, por maior que tenha sido o avança da modernidade em pleno século XXI, ainda traz em sua estrutura elementos tradicionais, pré-modernos. Veremos a seguir essa conceituação dentro do conceito de identidade nacional.

O jeito ou jeitinho já se tornaram palavras freqüentes no cotidiano brasileiro. Mais que isso, o seu significado está presente e permeia a realidade brasileira de uma forma geral, seja no dia a dia da população, nas relações interpessoais, sejam estudos acadêmicos acerca do tema.

O jeitinho pode ser utilizado desde uma simples requisição de um favor entre amigos até permear a esfera da corrupção e de uma conduta delituosa. Conferir limites ao jeitinho fatalmente será uma tarefa subjetiva, uma vez que o mesmo não é uma verdade racional sob a ótica de Hannah Arendt (2005), e está sujeito à opinião. Assim, o que pode ser considerado jeitinho para alguém pode ser apenas um favor, da mesma forma que uma ação pode ser entendida como jeito ou como um ato corrupto.

É plausível considerar que o jeitinho pode ser considerado como uma herança ibérica, ou ainda, fruto do processo de colonização e miscigenação ocorridos no Brasil. Não se trata, pois, de um elemento recente da cultura e comportamento brasileiro, ainda que os primeiros relatos acerca do mesmo datem da segunda metade do século XX.

O cenário brasileiro nos mostra que o jeito é presente no cotidiano da população e em diversas obras que analisam o Brasil. Esses exemplos mencionados, bem como outros mais, nos levaram a organizar o estudo do jeitinho em três linhas em seu processo de definição e delimitação: Correntes sociológica, ética e antropológica. Discorreremos a seguir sobre cada uma delas.

Um dos principais autores que aborda a questão do jeitinho é Roberto DaMatta. Algumas de suas obras são de fundamental importância para a o estudo e compreensão da cultura brasileira. Em O que faz o brasil, Brasil, escrito em 1984, trata a questão do jeito, sem desconsiderar a malandragem, considerando-os como uma navegação social.

DaMatta considera que o trampolim para se compreender o povo brasileiro são os estudos de festas e prazer.. Assim, ele coloca que o ritualismo na vida brasileira fica restrito às festas da ordem ou ritos de reforço, ou seja, as festas religiosas e oficiais, enquanto que às festas da desordem ou ritos de inversão abrangem festas populares como carnaval e futebol (DaMatta, 1997, p.77). O que vale a pena fazer para o brasileiro está ligado ao prazer e à realização pessoal, evidenciando-se isso na distinção feita entre comida e alimento feita pelo autor. Alimento é aquilo que pode ser ingerido, comida é aquilo que se come por prazer, visto e saboreado. Vem daí que não nos referimos no Brasil a hora de refeição, mas hora da comida (DaMatta, 1984).

Para a compreensão do Brasil do jeito, DaMatta nos ilustra o significado da casa na cultura brasileira. Casa não significa apenas ao local de repouso e abrigo, é onde existe a relação completa do indivíduo, é o espaço no qual este é absoluto e adquire sua segurança e identidade. Em oposição está a rua, local que o indivíduo está sujeito à insegurança e assume seu caráter anônimo.

No dia a dia o jeitinho representa a imposição do eu contra a norma impessoal que desvaloriza a individualidade. Assim, o jeitinho surge na realidade de suas implicações sociológicas como uma instituição de pleno direito, como instrumento que ajuda a navegar o oceano turbulento do oceano brasileiro (DaMatta, 1984). Uma regra universalizante pode deixar de ser considerada se o requerente for uma velhinha simpática, um deputado ou uma moça bonita.

A Obra de Lívia Barbosa, escrita em 1992, O Jeitinho Brasileiro: A arte de ser mais igual do que os outros, pode ser considerada a mais importante a tratar o jeitinho, e o faz de forma mais completa.

O jeitinho, para ela, tem um caráter universal, jeitinho é “sempre uma forma ‘especial’ de se resolver algum problema ou situação difícil ou proibida; ou uma solução criativa para alguma emergência, seja sob a forma de burla a alguma regra ou norma preestabelecida, seja sob a forma de conciliação, esperteza ou habilidade” (Barbosa, 2005, p. 41).

Para que uma situação possa ser considerada como jeito um imprevisto deve ocorrer, algo adverso ao objetivo do indivíduo. Para resolver tal situação se faz necessário uma solução eficiente e rápida para lidar com a questão. E tal estratégia para alcançar a almejada solução tem que funcionar a curtíssimo prazo. Não existem outros fatores, segundo Barbosa, para definir o que é jeitinho, não é necessário que a solução seja definitiva, seja legal ou ilegal. Assim, para a existência do jeito “é preciso haver uma escolha social, um peso social atribuído a esse tipo de mecanismo. Só há jeito, como categoria social, quando há valor, isto é, o reconhecimento, a classificação de uma determinada situação como tal” (Barbosa, 2005, p. 19).

Abordar o jeitinho enquanto elemento de identidade social implica recortá-lo de nossa realidade e investi-lo de significação paradigmática na definição do que é o Brasil como país e do que somos como povo. “Identidade social é o conceito utilizado, no âmbito da antropologia, para se pensar, teoricamente, esse processo, que pode ser definido como a auto-atribuição de uma determinada imagem, maneira de ser ou característica que serve de moldura para a compreensão do mundo e de outros grupos sociais” (Barbosa, 2005, p. 159). Um dos tipos possíveis de identidade social é a identidade nacional, que é a construção de um tipo mais generalizante das identidades das sociedades nacionais. A identidade nacional busca englobar todos os outros grupos de identidade social enquanto um único grupo. Um de seus pontos definidores da identidade nacional é que para seus membros, ela caracteriza o que o indivíduo é, ao invés do que ele faz.

Os sinais de identidade são desprovidos de distinções sociais elaboradas, o que permite que estas funcionem livremente no sistema social, mantendo ao mesmo tempo identidade simbólica distinta. Ao qualificar qualquer ação como jeitinho brasileiro, anulamos a diversidade interna da sociedade, seja ela étnica, classe, gênero, religiosa, e adotamos uma classificação homogênea e a partir desta definiremos os brasileiros. Isso não implica que ao definir o jeitinho brasileiro enquanto elemento de identidade social estaremos simbolizando a totalidade da sociedade brasileira. Significa apenas que em determinados contextos ele sintetiza um conjunto de relações e procedimentos que os brasileiros “percebem” como sendo deles (Barbosa, 2005, p. 165-166).

Outro ponto a ser abordado na obra de Barbosa é a divisão que ela faz em relação ao jeitinho. Para ela, o jeitinho lida constantemente com o favor e a corrupção. Assim, o jeitinho estaria localizado entre eles. É sabido que muito jeitinho leva a corrupção, e que favores não são pedidos a qualquer um, ou seja, é necessário que exista uma relação pessoal ao se solicitar um favor. Assim, quão mais próximo do favor, mais positiva será a conduta, e quão mais próxima da corrupção mais negativa será a conduta. O que caracteriza a passagem de uma para a outra é muito mais o contexto em que a situação ocorre e o tipo de relação existente entre as pessoas envolvidas do que, propriamente, uma natureza peculiar a cada uma.

A dificuldade do uso de regras impessoais e universalizantes no quadro social brasileiro é uma tônica presente no Brasil. Essa postura coloca em discussão a distinção trazida por DaMatta acerca do indivíduo e da pessoa. A ênfase das relações é estabelecida entre as pessoas. O falar positivo, neste sentido sintetiza o lado cordial, simpático, alegre e esperto. O discurso positivo “pensa o jeitinho como forma alternativa de filiação não à sociedade brasileira, mas à condição humana. Ele funcionaria como um tipo de cidadania invertida, calcada não em direitos e deveres, mas na necessidade de quem precisa e na compreensão de quem manipula a situação naquele momento” (Barbosa, 2006, p. 64).

O discurso positivo, assim, prega mudanças, por assim dizer, numa ordem moral, enquanto que o negativo numa ordem política, social e legal. Um centra suas barreiras no indivíduo, o outro na sociedade. O discurso negativo advoga, dentre outros pontos, a ideia de que no Brasil nada funciona, não há seriedade e o casuísmo é a tônica da sociedade. O que merece ser ressaltado nesta visão é a perspectiva que na sociedade brasileira as mudanças ocorrem por decreto, por imposições normativas, o que denota a fé na palavra escrita, a ideia que os grandes embates e debates políticos brasileiros são e serão sempre resolvidos com a promulgação de alguma norma, que regulamente o “desvio” de conduta que a sociedade apresente. Tal visão se encaixa numa lógica de dominação racional-legal apresentada por Weber, mas que na realidade é de pouco resultado prático no Estado e na sociedade brasileira, impregnados pelos traços burocráticos, estamentais e pluralistas. O resultado prático de tal paradoxo é o excesso de leis sem nenhuma eficácia, normas existentes que não são obedecidas, nem mesmo pelas autoridades e instituições responsáveis por sua aplicabilidade e fiscalização. É o que se denomina na esfera normativa brasileira como “letra morta”. Assim,

descendemos de uma sociedade altamente hierarquizada como era a portuguesa do século XVI, onde tudo estava previsto e codificado nas leis. [...] Nosso sistema legal, até o final do século XIX, baseava-se nos velhos códigos filipinos e manuelinos que, aqui, foram implantados antes mesmo que tivéssemos população para segui-los ou infringi-los. Essa transformação de todo um sistema legal, tão bem discutida por Raymundo Faoro em seu livro Os donos do poder, pode ser considerada uma das causas do que, hoje, se denomina formalismo da sociedade brasileira – o grande descompasso existente entre a norma e a prática social. Quando movimentos políticos e sociais do final do século XIX nos levaram de encontro aos novos valores da modernidade, não trocamos nossos valores antigos pelos novos, apenas superpusemos às nossas velhas calças um paletó novo e assim, criamos um sistema social no qual todos os códigos, modernos e tradicionais, se entrecortam, permitindo uma multiplicidade de opções igualmente válidas a todos que aqui vivem (Barbosa, 2006, p. 107-108).

Para podermos analisar a realidade brasileira sobre a ótica da identidade nacional é mister conhecermos alguns conceitos acerca do tema. Assim, trataremos brevemente sobre questões de identidade nacional, nação e nacionalismo, para a partir daí olharmos a realidade brasileira a luz desses conceitos.

Por nação entendemos o grupo humano consciente de formar uma comunidade e partilhar uma cultura comum, ligado a um território claramente demarcado, tendo um passado e um projeto comuns e a exigência do direito de se governar. Por nacionalismo compreendemos o sentimento de pertencimento a uma comunidade cujos membros se identificam com um conjunto de símbolos, crenças e estilos de vida, e têm a vontade de decidir sobre seu destino político comum (Guibernau, 1997).

A origem das nações é uma das questões mais controversas das teorias do nacionalismo. Basicamente existem duas distinções, se as nações podem existir em qualquer momento da história, natural, ou se representam um fenômeno eminentemente moderno. Apesar da corrente que considera a nação como um fenômeno moderno ser numericamente muito superior, é um tema longe de ser pacificado. Nos últimos anos novas formas de análise têm surgido e contestado cada vez mais a supremacia da corrente moderna. Como coloca a respeito Guibernau, “não considero que a nação seja um fenômeno puramente moderno” (Guibernau, 1997, p. 59).

A solução para tal dilema do surgimento da nação parece estar no sociólogo Anthony D. Smith, que busca uma alternativa, um meio termo para essa questão se a nação é moderna ou se é possível existir em períodos pré-modernos. Nascimento (2003) ao comentar o pensamento de Smith dispõe que “ele também concorda que as nações são um fenômeno moderno. Sua preocupação está em mostrar que não há ruptura total, como certos modernistas apregoam, na passagem de uma sociedade tradicional ou agrária para uma nação industrial moderna” (Nascimento, 2003, p. 40).

A abordagem de Smith acerca das nações considera a nação como um fenômeno moderno, mas é possível a existência de elementos pré-modernos em sua existência. Esta abordagem recebe o nome de etno-simbólica. Para tentar resolver o dilema da origem das nações, Smith adota o conceito de ethnie ou comunidades étnicas. Várias são as preocupações dessa abordagem, mas cabe aqui salientar, uma em especial, a contínua influência exercida por comunidades nacionais modernas em tantas pessoas, mesmo atualmente. Isso pode ser explicado pela influência de laços étnicos anteriores à modernidade, e por revelar a importância de elementos subjetivos dos símbolos comuns, valores, mitos e memórias (Smith, 2010, p.62). A preocupação do etno-simbolismo pode ser resumida como a busca pela compreensão do mundo interior da etnicidade e do nacionalismo através da análise de elementos simbólicos e dimensões subjetivas (Smith, 2009, p. 23). Em outras palavras, esta abordagem tem como foco elementos pré-modernos presentes na modernidade.

Vejamos agora como analisar os elementos da sociedade brasileira sob a ótica da identidade nacional. Os elementos que estudamos nos autores em questão, Holanda, e DaMatta, são de evidente importância histórica e cultural: a cordialidade e o personalismo, o culturalismo da sociedade relacional. Esses elementos combinados, aliados à herança ibérica da sociedade brasileira, dão os subsídios básicos para que se desenvolva o jeitinho na sociedade brasileira. Como foi colocado, este conceito significa muito mais do que apenas um favor ou um ato corrupto. É um elemento cultural típico e característico da sociedade brasileira, que só pode surgir num contexto em que há a existência do personalismo e da cordialidade, na presença de um estado patrimonial e diretamente vinculado a uma sociedade relacional.

Não há dúvidas que o Brasil pode ser considerado um Estado moderno. Entretanto, este Estado não é um tipo ideal weberiano, mesmo sendo moderno, não há a supremacia da dominação racional-legal. Existe racionalidade na sociedade brasileira como um todo, mas isso não refuta a existência de elementos tradicionais no Brasil. Ainda temos no Brasil traços pré-modernos, típicos de uma dominação patrimonial. A confusão entre público e privado continua atual. O patrimonialismo continua a existir, talvez não da mesma forma como quando foi analisado no século XX, pois se as sociedades, Estados e nações evoluem, os seus conceitos e princípios também, são reinventados e se adéquam à realidade.

Neste sentido, o jeitinho é a síntese da sociedade brasileira. Engloba todos os elementos que mencionamos e assume o papel de elemento pré-moderno principal na sociedade brasileira. O jeitinho já tinha sido analisado como um elemento de identidade. Agora podemos afetivamente denominá-lo como um elemento de identidade nacional. Não pairam dúvidas acerca de sua importância cultural no Brasil, presente em toda a sociedade, sem distinções, políticas, econômicas ou sociais. Isso garante que seja o principal elemento de cultura de massas pública comum, como é apresentado o terceiro elemento de identidade nacional. Resta ainda ressaltar que se a nação e a identidade nacional são criações modernas, isso não exclui os elementos pré-modernos, nenhuma nação ou Estado é capaz de sobreviver sem a presença de elementos pré-modernos.
Conclusão
Conforme foi constatado em páginas anteriores, o Estado moderno racional, em que a dominação racional-legal esteja presente, com uma burocracia efetiva e a impessoalidade e o império normativo prevaleça, conforme esboçado para Weber, é um tipo ideal. Da mesma forma, também o é a dominação tradicional e suas subdivisões quem possuem quadro administrativo próprio, patrimonialismo puro e patrimonialismo estamental ou feudalismo. Weber sempre demonstrou preocupação com o rigor científico. Ciente da dificuldade de aplicabilidade da ciência e do método científico nas ciências humanas, Weber desenvolve alguns conceitos para melhorar o estudo das ciências humanas, como os tipos ideais, que designam o conjunto de conceitos das ciências humanas que o especialista constrói unicamente para fins de pesquisa.

Esse conjunto de fatores, a herança ibérica, os valores trazidos pelos portugueses, africanos e o que foi encontrado no Brasil, ocupado pelos indígenas, garante uma realidade única e sui generis: a existência do homem cordial, ainda muito presente na sociedade, das relações hierárquicas e do jeitinho. A coexistência destes elementos só é possível pela conjunção do patrimonialismo-estamental-burocrático, do personalismo e da cordialidade, atrelados por uma sociedade relacional.

O jeitinho, neste contexto, não pode ser entendido apenas como pedir favores, agir de forma corrupta, abrandar normas. Representa mais, é a transformação do indivíduo em pessoa, a relação e convívio da pessoalidade e impessoalidade, é um traço marcante e único da realidade brasileira. O jeitinho é um importante elemento de identidade, é um dos poucos elementos culturais homogêneos em todo o território nacional brasileiro, o que lhe garante papel fundamental na identidade nacional brasileira.
Referências Bibliográficas
ARON, Raymond. As Etapas do Pensamento Sociológico. Martins Fontes/Editora Universidade de Brasília: Brasília, 1987. 2. ed.

BARBOSA, Lívia. O Jeitinho Brasileiro: A arte de ser mais igual do que os outros. Rio de Janeiro: Elsevier, 2005.

BENDIX, Reinhard. Max Weber, um perfil intelectual. Editora Universidade de Brasília: Brasília, 1986.

DAMATTA, Roberto. O que faz o brasil, Brasil? Salamandra: Rio de Janeiro, 1984.

_________________. A Casa & A Rua: Espaço, cidadania, mulher e morte no Brasil. Rio de Janeiro: Rocco, 1997a.

________________. Carnavais, Malandros e Heróis: Para uma sociologia do dilema brasileiro. Rio de Janeiro: Rocco, 1997b.

GUIBERNAU, Montserrat. Nacionalismos: O estado nacional e o nacionalismo no século XX. Jorge Zahar editores: Rio de Janeiro, 1997.

HOLANDA, Sérgio Buarque de. Raízes do Brasil. Companhia das Letras: São Paulo, 2008. 26. ed.

NASCIMENTO, Paulo César. Dilemas do Nacionalismo. In: BIB – Revista Brasileira de Informação Bibliográfia em Ciência Sociais. São Paulo, Nº 56, 2º semestre de 2003.

SMITH, Anthony D. Ethno-Symbolism and Nationalism. Routledge: New York, 2009.

______________. Nationalism. Polity Press: Cambridge, 2010. 2.ed.

SOUZA, Jessé. A Modernização Seletiva: uma reinterpretação do dilema brasileiro. Editora UnB: Brasília, 2000.

TAVOLARO, Sergio B. F. Existe uma modernidade Brasileira? Reflexões em torno de um dilema sociológico brasileiro. In: Revista Brasileira de Ciências Sociais, Vol. 20, N. 59. Outubro/2005.

WEBER, Max. Economia e Sociedade. Editora UnB: Brasília, 1991. Vol. 1.



1 Doutor em Ciência Política pela UnB, professor substituto na UnB e professor na UDF e IESB.

2 Coordenadora de curso de especialização na FA7


©bemvin.org 2016
enviar mensagem

    Página principal