Russel e as pirâmides do egito



Baixar 2,01 Mb.
Página1/4
Encontro28.10.2017
Tamanho2,01 Mb.
  1   2   3   4
RUSSEL E AS PIRÂMIDES DO EGITO

Luiz Alberto Araújo Bezerra

Em 23 de janeiro de 1993, a Carmem G. Santos escreveu uma carta para a filial da Torre de Vigia no Brasil indagando sobre Russel e qualquer envolvimento seu com as pirâmides do Egito. Recebeu a seguinte resposta da Torre de Vigia:

“O irmão Russel acompanhou uma pesquisa daquela época e uma teoria que pretendia relacionar as medidas da Grande Pirâmide de Gizé com as Escrituras, que era apenas uma hipótese apresentada pelos pesquisadores. Mas, abandonou a idéia, uma vez que mais tarde soube-se que tais edificações eram apenas lápides tumulares construídas pela dinastia egípcia. Naturalmente que, a base fundamental das pesquisas do irmão Russell era a Bíblia Sagrada. Ele estava apenas examinando uma linha extra-bíblica para argumentação probatória, pois muitos achados arqueológicos foram muito valiosos para confirmar o registro bíblico. Quanto a haver qualquer pirâmide junto ao seu túmulo, é algo que desconhecemos. Porém, o mero fato acima, de que ele nem mesmo continuou a usá-las em suas pesquisas, parece fornecer evidência contrária a ele desejar que elas o acompanhassem no túmulo.”



Interessante é que na carta que a Torre de Vigia mandou respondendo a pergunta da Carmem, é dito que desconhecem a existência de uma Pirâmide no túmulo de Russell. Será que desconheciam mesmo ou estavam mentindo? Será que Russel abandonou sua idéia que a Pirâmide de Gizé estava relacionada com as profecias da Bíblia? Veremos mais adiante.

O Adilson dos Santos escreveu para a Torre de Vigia em 1995, e também fez perguntas relacionadas com Russel e as Pirâmides. A Torre de Vigia respondeu o seguinte:

“No decorrer dos anos, Jeová tem dado esclarecimentos adicionais ao Seu povo. (Prov. 4:18) O livro Testemunhas de Jeová Proclamadores do Reino de Deus, nas páginas 200 e 201, mostra algumas das práticas que foram abandonadas e ali encontramos referência à Pirâmide de Gizé. Como sabe, os Estudantes da Bíblia usavam uma cruz e coroa como insígnia para os identificar e esse símbolo era usado na revista Watch Tower. Em 1936, apresentou-se evidência de que Cristo morreu numa estaca, e tal insígnia foi abandonada. O mesmo se deu com a questão da Pirâmide. De fato, existe uma Pirâmide junto ao túmulo do irmão Russel. Ela pode ser vista por qualquer pessoa que for visitá-lo. Tal construção foi solicitada por ele, de modo que a Sociedade não tem direitos legais de removê-la. Assim, ela permanece lá até hoje.”

Interessante é que na carta de 1993 foi dito que desconheciam a existência da Pirâmide no túmulo de Russell, mas em 1995 admitiram que existe sim, não podiam mais negar sua existência. (Cópia das cartas citadas está no livreto AS TESTEMUNHAS DE JEOVÁ E O SEGREDO DA PIRÂMIDE, escrito pelo ex-TJ Hélio Eduardo)

O Odracir diz o seguinte: O livro Proclamadores, na p. 201, faz uma confissão do envolvimento de Russell com a piramidologia, muito embora procure atenuar a importância do fato por classificá-lo como um simples 'pensamento' dele por 'apenas' 35 anos. Mas, era realmente assim - um 'pensamento'? Ou era uma doutrina fundamental? Afinal, quanto destaque se deu à piramidologia no movimento das Testemunhas de Jeová - em um período, durante o qual se diz que Jesus Cristo estava a examiná-lo e aprová-lo? Este é o nosso próximo enfoque.



  1   2   3   4


©bemvin.org 2016
enviar mensagem

    Página principal