Roteiro exercício coorte retrospectiva



Baixar 12,83 Kb.
Encontro19.08.2018
Tamanho12,83 Kb.
Roteiro exercício coorte retrospectiva.

Factors associated with death from dengue in the state of

Minas Gerais, Brazil: historical cohort study
Campos et al., 2015. Factors associated with death from dengue in the state of Minas Gerais, Brazil: historical cohort study.

Leiam a introdução, observem as tabelas 1,2 e 3, leiam os 5 primeiros parágrafos da discussão e a conclusão. Os métodos e a análise de dados estão resumidos abaixo.
Métodos

Nesta coorte histórica, a população de estudo consistiu de todos os casos de Febre hemorrágica do dengue (DHF)/Síndrome do Choque do dengue (DSS) e casos de Dengue complicada de residentes de Minas Gerais notificados no Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SINAN) entre 1 Jan 2008 e 31 Dez 2010. Todos os casos confirmados por laboratório ou critérios clínico-epidemiológicos foram incluídos.



A classificação em DHF/DSS seguiu as recomendações da OMS de 1997. Dengue complicada foi atribuída aos casos que não preencheram os critérios de DHF/DSS, mas tinham pelo menos 1 das seguintes manifestações: cardiac dysfunction, liver failure, neurological manifestation, gastrointestinal bleeding, plasma leakage manifested as pleural effusion, pericardial effusion and/or ascites, thrombocytopaenia <50 000/mm3 and leucopaenia <1000/mm3 (Brazil 2009b).

Os dados secundários foram obtidos das fichas de notificação/ investigação epidemiológica e prontuários médicos dos casos (disponíveis das fontes – SINAN e SIM - Sistema de Informação de Mortalidade, e da Secretaria Estadual de Saúde). Os dados populacionais de 835 municipalidades foram obtidos do IBGE.


Análise dos dados

Os bancos de dados foram processados com o Microsoft Office Starter 2010 EXCEL e analisados com o STATA version 11.0 (Stata Corp., College Station, TX, USA).

A análise descritiva incluiu a frequência de variáveis categóricas, e taxas de incidência, mortalidade e fatalidade (letalidade). Posteriormente, calculamos os intervalos entre o início dos sintomas, a hospitalização e o óbito.

Após avaliar a qualidade dos dados, as seguintes variáveis foram analisadas: idade, sexo, município de residência, hospitalização, desfechos do paciente e classificação final do dengue (DHF, DSS or complicated dengue case), manifestações hemorrágicas, sinais de extravasamento plasmático e critérios de confirmação (laboratoriais, clínicos e epidemiológicos).

Análise univariada e multivariada por regressão logística foram usadas pra avaliar a associação entre as variáveis (clínicas e demográficas) e a ocorrência de óbito por dengue.

Variáveis com muitos dados ausentes foram excluídas do modelo final.



A força da associação foi estimada por meio do odds ratio (OR) e seu IC 95% .

Questões para discussão


  1. No primeiro parágrafo da discussão os autores comentam que a case-fatality rate (letalidade) foi maior para MG do que o estimado pela OMS (WHO 2010) para os casos de FHD/SCD (DHF/DSS). Olhando a tabela 1, diga como a letalidade foi calculada.

  2. O segundo parágrafo da discussão comenta sobre a diferença da letalidade segundo o número de habitantes dos municípios, atribuindo a diferença à qualidade da assistência médica. Observando a tabela 3, diga se é um efeito independente e se é uma associação relevante (força e importância clínica) e com significância estatística.

  3. No terceiro parágrafo da discussão os autores comentam que a letalidade foi maior quando o diagnóstico de dengue foi confirmado laboratorialmente, mesmo após ajuste (tabela 3). Numa epidemia é necessário adotar-se critérios clínico-epidemiológicos para o diagnóstico diante do excessivo número de suspeitos. Comente sobre a acurácia das duas formas de diagnóstico sabendo que refazendo as contas da tabela 2 relativas a “case confirmation criteria” a letalidade entre os pacientes com diagnóstico clínico-epidemiológico foi de 3,4% e daqueles com diagnóstico laboratorial foi de 8,4%. Comente os possíveis efeitos sobre a letalidade descrita na última linha da tabela 1, se todos tivessem diagnóstico laboratorial.

  4. Leia o parágrafo quatro da discussão. Comente sobre o possível efeito que a inclusão das variáveis não mensuradas poderia ter no OR ajustado para a variável idade.

  5. Leia o quinto parágrafo da discussão. Na tabela 2, qual foi o percentual de mortes de dengue com complicações, que não atenderam aos critérios de FHD/SCD? Olhando a tabela 3, comente sobre a participação do extravasamento de plasma independente da FHD/SCD para a letalidade por dengue e explique com suas próprias palavras o que os autores ressaltam neste parágrafo no aspecto clínico.

  6. Leia as conclusões e comente sobre a utilidade das conclusões deste artigo para outras regiões do país e do mundo.


©bemvin.org 2016
enviar mensagem

    Página principal