Relembrar é inovar – Tendência retrô e o Madeirite



Baixar 1,16 Mb.
Página9/10
Encontro10.07.2017
Tamanho1,16 Mb.
1   2   3   4   5   6   7   8   9   10

Exemplo brasileiro


Por Thais Reali, Diretora de Conexões da Reali Estratégia & Marketing

Visitamos a loja inteligente da Billabong em setembro. Mas vamos postar novamente sobre ela hoje pois ela tem tudo a ver com o que vimos esse ano no Retail’s Big Show.

Sempre que uma novidade surge no mercado Brasileiro, nós, como curiosos natos e estudiosos do varejo, vamos atrás. Dessa vez não foi diferente, assim que soubemos da inauguração da 1ª Loja Inteligente da Billabong, em São Paulo, fomos dar uma conferida. Assim trazemos em primeira mão a nossa experiência para vocês.

Tive a sorte e a vantagem de chegar na loja e um dos donos da Vip Systems, empresa que projetou toda a tecnologia, estar lá. Recebi uma aula de uma hora e meia e todos os detalhes que conto a seguir.



A loja é toda baseada na tecnologia de RFID (aquela que comentamos no blog após o meu retorno da 100ª NRF em Nova York), ou seja, Radio Frequency Identification. Essa tecnologia é, na realidade, um chip que é colocado na etiqueta da peça e é capaz de trazer muitos benefícios, tanto para o lojista quanto para o consumidor.

A ideia inicial da loja é trazer uma tecnologia transparente, ou seja, a tecnologia entrar na experiência de compra de uma forma suave e natural. Vejo que a tecnologia traz dois principais benefícios para quem faz uso dela:



1. Interação com o Consumidor

- Tela com o portfólio de produtos na entrada da loja que muda a página conforme um sensor de presença



- Sensor de presença que muda a imagem projetada da parede



- Computador para interação com mix de produtos (teste de produto com a foto do consumidor – neste caso temos a variedade de óculos que havia na loja), joguinhos interativos que auxiliam a fixar a arquitetura de marcas ou mesmo as marcas vendidas na loja, envio da foto com o produto para Facebook, realidade aumentada e uso do código do produto comprado (localizado na etiqueta) para oferecer brindes aos clientes que recém compraram na loja.



- Sensores de RFID espalhados na loja onde o cliente pode colocar o produto sobre o sensor e, com a ajuda de um tablete disponível, recebe automaticamente informações detalhadas sobre esse produto, combinações possíveis com outros produtos da loja, cores disponíveis, tamanhos e outras informações que o lojista considerar importante



- Outra grande vantagem é que foram colocados sensores de RFID dentro dos provadores. Mas como isso melhora a experiência de compra do consumidor? Quando o cliente entra com os produtos no provador, existe uma tela dentro do mesmo que lê os produtos e já dá informações, bem como possíveis combinações. Caso a marca tenha campanhas de mídia ou outras informações, ela também pode acrescentar neste material. Quando o cliente tiver alguma dúvida ou necessitar de assistência, basta clicar na tela e o vendedor é contatado via Bluetooth no celular (imagens abaixo).



1   2   3   4   5   6   7   8   9   10


©bemvin.org 2016
enviar mensagem

    Página principal