Professora sim, prefeita tambéM: perfil da educadora anália maciel



Baixar 364,11 Kb.
Encontro06.02.2017
Tamanho364,11 Kb.
PROFESSORA SIM, PREFEITA TAMBÉM: PERFIL DA EDUCADORA ANÁLIA MACIEL.

Euclides Teixeira Neto1

Maria Arisnete Câmara de Morais2

Resumo


Este artigo tem como objeto de estudo as Práticas da Professora Anália Maciel e sua atuação no Município de Senador Elói de Souza, entre as décadas de 1930 a 1990. A investigação histórica tem uma perspectiva Histórico-Cultural, focalizando as mudanças no interior do Estado. Para os fundamentos teórico-metodológicos, elencamos autores como: Morais (2002; 2009), Chartier (1990) e Burke (1992). Utilizamos como fontes documentais as Mensagens Governamentais, Leis e Decretos, artigos de jornais, revistas além de entrevistas. Anália Maciel, Mulher, Professora, Educadora, Prefeita, Supervisora de Ensino, Tesoureira e Agente Administrativo. A investigação mostra a importância da Professora Anália Maciel para a História da Educação norte-rio-grandense, na estruturação do saber escolarizado, na formação e conquistas, seja no seu ambiente particular ou fora dele.

Palavras Chaves: História da Educação. Mulher. Política.

Este artigo tem como objeto de estudo as Práticas da Professora Anália Maciel e sua atuação no Município de Senador Elói de Souza3, entre as décadas de 1930 a 1990, no Estado do Rio Grande do Norte. Por meio do exame destas Práticas, buscamos compreender o sentido de sua atuação nos anos de 1936 a 1996, para o Município neste contexto.

Para investigar o percurso do nosso objeto em análise, recorremos aos fundamentos teórico-metodológicos da História Cultural, que nos apresenta uma nova forma de fazer história, pesquisando os fatos esquecidos, os relatos dos sujeitos anônimos, os pequenos objetos e os documentos informais que apresentem caminhos alternativos para a investigação histórica. Para Galvão (1996, p.101-102), “[...] estudos da Escola de Annales, ampliou as fontes históricas, onde podemos utilizar a literatura para reconstruirmos o passado”.

Recorremos, também, aos conceitos de metodologia em Morais (2002; 2009), na perspectiva “reconstruir esse passado [...] que [...] significa recriar tempos, espaços e ausências, preenchendo-os de sentidos, conforme nossas próprias percepções, que se materializam na urdidura do texto” (Morais, 2002. p. 24).

Assim, ao nos apropriarmos das ações e atuações da Professora, especificamente, reescrevemos a História da Educação no Rio Grande do Norte, de forma a reconstruir e recuperar o processo de institucionalização, juntamente com a organização da Escola primária no interior do Estado.

Ao buscarmos informações; pesquisamos na Biblioteca Central Zila Mamede, na Universidade Federal do Rio Grande do Norte, encontramos material para a revisão da literatura. Consultamos arquivos públicos, jornais (A Republica, Diário de Natal e Tribuna do Norte), onde identificamos Leis e Decretos Estaduais e Federais, Documentos e Regimentos Escolares; entrevistas, além de dados contidos na literatura, como novas possibilidades para remontar aspectos da História que muitas vezes passam a ser desconsiderados pela História Tradicional, que passam a ser percebidos, pensados e dados a ler, como afirma Chartier (1990).

Justificamos essa escolha em virtude a sua vasta atuação educacional e política, num contexto desfavorável para que as mulheres desenvolvessem essa prática.

A professora Anália Maciel de Souza nasceu no dia 24 de fevereiro de 1915, na cidade do Natal. Filha de Manoel Targino de Souza, natural de Pernambuco, e de Emília Maciel de Souza, natural de Natal, no Rio Grande do Norte. Sua residência localizava-se na Antiga Avenida Onze, atual Manoel Miranda- Alecrim, onde seu pai mantinha um comércio varejista.

Era a terceira mulher dos cinco filhos do casal Manoel Targino e Emília Maciel. Assim, chamavam-se seus irmãos: Manoel Targino de Souza Filho, que era chamado carinhosamente de Neco; Ulisses Maciel de Souza; Irací Maciel de Souza, conhecida como Sila, e Nair Maciel de Souza.




A professora Anália Maciel-1933

Arquivo Pessoal


A formação profissional da professora Anália Maciel de Souza inicia quando a mesma se formou na 24ª turma da Escola Norma de Natal, no ano de 1933. Neste ano, o Grupo Escolar Augusto Severo era a sede da Escola Normal, entre os anos de 1911 a 1937. De modo que, “em 02 de fevereiro de 1911, a Escola Normal de Natal foi instalada no prédio recém-construído para o Grupo Escolar Augusto Severo, onde funcionava também o jardim de Infância Modelo, no Bairro da Ribeira” conforme Aquino (2007, p.72).

Sobre as migrações da Escola Normal de Natal4, Morais (2006, p.76), afirma que “a mesma levava tempo para ser criada e consolidada no Rio Grande do Norte e muito tempo também para se firmar em local próprio”.

Aprovada e habilitada para assumir o magistério, a professora tem seu nome registrado na relação do Livro dos Formados da Escola Normal de Natal (fundada em 1908), atualmente Instituto Kennedy. Na página 7 do referido livro, consta a listagem dos alunos da 24ª turma diplomados no ano de 1933.

Nesta turma formaram-se um total de 18 alunos, sendo 15 do sexo feminino e 03 do sexo masculino. Foram os seguintes os diplomados: Antônio Juvenal Guerra (o orador da turma), Nair Amorim, Maria Eulalia da Silva, Nair Trindade de Morais, Maria Guiomar de Albuquerque, José Bezerra Cavalcante, Alaíde Alves Fernandes, Iracema Lopes Brandão, Alda Barbosa da Silva, Clotilde Cabral de Macedo, Rosilda Pinheiro Borges, Leonor de Medeiros Pinto, Nair de Azevedo Maia, Dezilda Maciel da Silva, Antônia Guerra Jales, Anália Maciel de Souza, Elisidlino Santana e Odete Rodrigues.

Neste ano o corpo docente da Escola era formado por: Etelvina Emerenciano, Professora do 1º ano; Dr. Francisco Ivo, professor do 2º ano; Belém Câmara, professora do 3º ano, e o Dr. Oscar Wanderley, professor do 4º ano. Na representação do Diretor, o Professor Antônio Fagundes, e, como Paraninfo da Turma, o Dr. Manoel Varela de Albuquerque.

Para homenagear a turma dos formandos, o paraninfo, professor Dr. Manoel Varela de Albuquerque, escreve a seguinte mensagem:

Pensamos que somente a educação terá o poder mágico de preparar melhores dias para a humanidade que vã em sua dolorosa trajetória uma figura esfingética que a ameaça de destruir, si a obra educacional não enveredar pelo verdadeiro caminho das realidades. (DIPLOMA,1933).

Esta maneira expressa a forma pela qual a Professora Anália Maciel fora educada, com um ideal de boa moça, boa educadora e pessoa fina, “visto que esta educação era permeada pelos novos valores sociais pretendidos e, por isso, nos Grupos Escolares se tinha educação moral e cívica, tendo em vista a formação social do educando, a de cidadão” Silva (2007, p.33-34).

Intelectual atuante, a mesma exercia várias funções no campo educacional. Em 1934 foi nomeada professora interina para substituir uma professora efetiva da Escola Isolada Gonçalves Lêdo, no Alecrim, que se encontrava licenciada e assumiu como membro o quadro social do Conselho Diretor da Associação dos Professores de Natal, que tinha como finalidade regular o funcionamento de seus estabelecimentos escolares (A REPUBLICA, 1934).

Atentando para a sua atuação profissional, a professora Anália Maciel regia uma escola particular subvencionada - sistema de financiamento compartilhado, onde o Estado entra com os programas de ensino e os pais com parte do subsídio. Para seguir o caminho no magistério foi nomeada para Escola Isolada de Caiada, em 23 de fevereiro de 1934, de acordo com o despacho no expediente do Diretor Geral, “onde a Escola seria reaberta com seu comparecimento” (A REPÚBLICA, 1934).

Destacamos que a professora Anália Maciel para atuar no magistério no interior do Estado solicita ao Secretário Geral, em 21 de maio de 1935, permissão para passar sua regência da Escola Subvencionada para irmã Nair Maciel de Souza, conforme ofício expedido:

Ao Sr. Secretário Geral do estado.

[...] Solicito autorizar a entrega aos diretores dos estabelecimentos de ensino officiaes, nesta capital, de verbos para pequenas despesas: [...]

[...] Evidando requerimento dos professores Olga Maciel Rodrigues , solicitando licença e Anália Maciel, solicitando permissão para passar a regência de sua escola particular subvencionada à complementarista Nair de Souza. [...] (A REPÚBLICA, 1935).

Morais & Silva (2009, p. 272), afirmam que “Após a diplomação, esses professores (as) estavam habilitados a lecionar nos cursos primários público e privado. Nessas condições muitas Normalistas ao abraçar o magistério teriam de ir para longe de Natal, para exercerem suas atividades no ensino primário em cidades, vilas e povoados.

Em Decreto Lei nº 471 de 03 de dezembro de 1919, o Governador do Estado Antônio José de Melo e Souza (1907-1908/1920-1924), no seu expediente, criava as escolas rudimentares mistas, que, até então, não tinham chegado ao povoado.

O decreto da Lei 471/1919 tinha a seguinte redação:



Art. 1° - É criada uma escola rudimentar mista, em cada uma das seguintes povoações: ”Tibau”, no município de Goianinha; “Caiada”, município de Macaíba, “Utinga”, no de São Gonçalo; “brejinho”, no de Santo Antônio; “Vera Cruz” no de São José de Mipibu; “Vitória”, no de Pau dos Ferros; “Extremoz”, no de Ceará Mirime “Ponta Negra” no de Natal.

Art. 2° - Essas escolas serão providas, de acordo com o art. 70, § 2° da Lei do Ensino, desde que as intendências dos respectivos municípios

forneçam, nos termos da mesma lei, a casa e mobiliários indispensáveis para que poss am funcionar (RIO GRANDE DO NORTE, 1919, p.66).

As Escolas Rudimentares, dispostas no artigo 1º, poderiam ser fixas ou ambulantes e serem criadas em várias localidades como determina o artigo 2º do seu Regimento Interno que “as escolas rudimentares fixas ou ambulantes, serão creadas nos bairros, povoados ou fazendas que contarem mais de cincoenta analphabetos” (LIMA, 1925, p. 5).

De acordo com o artigo segundo desta Lei, as comunidades, para ter uma Escola Pública, teriam que doar as casas para que pudesse funcionar, como esclarece o Governador do Estado em mensagem lida no dia 1º de novembro de 1923, no Congresso Legislativo,

[...] Como sabeis Como sabeis, a lei de ensino exige que as municipalidades ou os particulares forneçam o prédio e os móveis indispensáveis para ser criada a escola, até porque seria difícil ao Estado mandar a cada localidade um emissário, que, provesse a essa necessidade. [...] Em várias comunidades era a população quem solicitava a escola e até fornecia a casa precisa” (A REPÚBLICA,1923).

Sobre o regimento interno das escolas rudimentares, Lima (1925, p. 7), nos afirma no artigo 6º, que “os governos municipais, associações ou particulares, que forem interessados pela escola, darão a casa, com o respectivo material escolar pedagógico, fornecerão o material de expedientes e se encarregarão do assei e conservação do prédio”.

Com o apelo da população e as solicitações atendidas o prédio foi arranjado e iniciou-se o desenvolvimento educacional no povoado. A Escola instalada no povoado passou pelas seguintes nomenclaturas, conforme tabela abaixo:


Anos

nomes

1919 a 1922

Escola Rudimentar Mista

1923 a 1926

Escola Rudimentar de Caiada

1927 a 1929

Escola Particular subvencionada

1930 a 1940

Escola Isolada de Caiada

1941 a 1950

Escola Isolada Desembargador Vicente Lemos

Fonte: Secretaria Municipal de Educação (2010)

Foi a partir dos anos de 1930 que o estabelecimento de ensino passou a ser considerado Escola Isolada, data que iniciou a atuação da professora Anália Maciel. Em 1936. Formada na Escola Normal de Natal, à luz do Programa de Reconstrução Nacional do Governo Interventor Mário Câmara (1933 a 1935) e do Governador Rafael Fernandes (1935 a 1937)5, a professora começou a trabalhar no povoado da antiga Caiada, pois como afirma HOLLANDA (2001; p.65): “muitas professoras formadas pela Escola Normal foram lecionar no interior, porque era onde o ensino apresentava uma maior necessidade de profissionais da educação devido ao aumento no número de Grupos Escolares e Escolas Isoladas fundadas entre 1908 e 1920”.

A professora hospedou-se na casa do Sr. Luiz Gomes da Silva, conhecido com Luiz Padre. Lecionou no prédio localizado, hoje, na Rua Aprígio Rodrigues, s/n, Centro, Senador Elói de Souza/RN. No ano de 1937, casou-se com o Sr. Francisco Maurício de Souza, em 22 de dezembro do corrente ano. Desse enlace matrimonial, constituíram quatro filhos. Os filhos do casal foram: Dalmira Mauricio de Souza; Dário Maurício de Souza; Dalmério Maurício de Souza e Dalvino Maurício de Souza. Destes, apenas Dário Mauricio de Souza se encontra vivo.

Para tanto, nessa trajetória, ser professora nesses anos também era conquistar uma posição de destaque, (Müller 1999, p. 177), e conduzindo sua prática educativa junto à comunidade e adquirindo o respeito de todos, Anália Maciel logrou mais um passo, para um novo projeto educacional, além de professora, atuar no mundo público, obter acesso às estruturas do poder político.

Oportunidade possível, porque “Juvenal Lamartine, político norte-rio-grandense simpático à causa feminina, que concedeu o direito de sufrágio às mulheres, antes de assumir o governo do Rio Grande do Norte” Soihet (2000, p. 103).

Com o ideal de querer o melhor para as pessoas, candidatou-se ao cargo do executivo municipal. Mesmo não tendo nenhuma experiência política anterior, se torna a primeira mulher Prefeita no município, eleita pelo partido do Movimento Democrático Brasileiro - MDB, para o primeiro mandato (1970-1973) e, eleita pelo partido da Aliança Renovadora Nacional- ARENA, para o segundo mandato (1977-1983).

Sobre esse aspecto, Rocha Neto (2002, p. 28-29) apresenta este pioneirismo da mulher no poder Executivo Municipal com Alzira Soriano que fora eleita para o comando da prefeitura de Lajes, no Rio Grande do Norte, em 1928.

Um estudo sobre o referido pioneirismo, Marília Juste apresenta no portal G1.com em 2010, um estudo sobre o histórico das primeiras mulheres no comando da política nacional, conforme mapa abaixo,




MULHERES NO EXECUTIVO (2010)

Fonte: [online] G1.com


Desta forma, a professora Anália Maciel, assim como Alzira Soriano, faz parte das primeiras pessoas do sexo feminino a se constituírem na atividade política do Rio Grande do Norte, uma vez que os seus mandatos se instituem nas décadas de 1970 e 1980, pois, como afirma Juste (2010) “a participação das mulheres cresceu depois dos anos 70”.

Podemos perceber que a professora Anália Maciel pode romper com um ideal baseado nas relações patriarcais, típicas da vida privada, redefinindo o papel feminino, educador e político da realidade existente, uma vez que o presidente do Rio Grande do Norte, Juvenal Lamartine, havia incluído na Legislação norte-rio-grandense “um dispositivo estabelecendo igualdade de direitos políticos para os dois sexos” afirma Soihet (2000, p. 103).

Em exercício do seu poder, a professora Anália Maciel eleita Prefeita, para o seu primeiro mandato, teve como companheiro de chapa o Vice-Prefeito Hortêncio Ribeiro da Costa. O pleito ocorreu em 30 de novembro de 1969, sendo a mesma empossada no dia 31 de janeiro de 1970. Esta eleição fora para eleger o terceiro prefeito constitucional do município.

O governo da prefeita Anália Maciel tinha por objetivo sistematizar e coordenar os serviços e obras para a melhoria da comunidade local e as localidades distantes. Construiu em todos os setores, para que a população se sentisse protegida e atendida, como dispõe a listagem das obras nos seus dois mandatos por Azevedo (1988, p. 37-38);

Realizações administrativas no primeiro mandato

- Construção de poço tubular, no Sítio Gravatá; Inicio do calcamento da Rua Miguel Costa (principal rua na época); - Instalação da energia, advinda da Hidrelétrica Paulo Afonso, na cidade; - Construção do prédio da Escola Municipal Professora Anália Maciel, na Fazenda Pelestina; - Aquisição de uma propriedade, localizada nas imediações da cidade para a expansão da mesma; - Jardim de Infância Branca de Neve; - Colaborou na construção da Escola Estadual Desembargador Vicente Lemos; - Centro Comunitário Bernadina Campos; - Prédio da biblioteca Pública Municipal; - Agencia do Correios.



Realizações administrativas no segundo mandato

- Construção do prédio da Escola Prof. José Fabrício, no sítio Lagoa da Carnaúba; - Construção do prédio da Escola Prof. Severtino Bezerra, no Sítio Lagoa da Ema; - Construção do Prédio da Escola Prof. José Saturnino, no Sítio Riacho do Macacos; - Construção do Matadouro Público; - Calçamentos de ruas (Rua Dalmério Maurício - rua que levava o nome de seu saudoso filho); - Criação da Escola de 1º e 2º Graus, administrada pela Companhia Nacional de Escola da Comunidade – CNEC, onde eram repassados 10% do fundo de Participação do Município -FPM; - Instalação de Postos de saúde, nas localidades de Riacho do Meio e Lagoa dos Cavalos; -Construção do prédio para a instalação do posto de serviço da Telecomunicações do Rio Grande do Norte- TELERN, ativada no município em 18 de outubro de 1978.

Como podemos observar, a prefeita Anália Maciel desenvolveu um aspecto de modernização no município, numa época em que os recursos financeiros repassados pelo Governo Federal eram baseados apenas no Fundo de Participação dos Municípios – FPM, e que eram destinados basicamente para o pagamento dos funcionários públicos municipais e para os serviços essenciais.

Para o ex-aluno e contemporâneo da administração da prefeita, o professor Josué Campos (2010) “a administração da Professora Anália Maurício Maciel de Souza (nas 02 gestões) conseguiu alguns avanços, considerando as péssimas condições encontradas para administrar o município”.

Outro aspecto que não devemos deixar de evidenciar da administração da professora enquanto Prefeita, é que, sempre estava preocupada com o bem-estar dos seus conterrâneos, como nos lembra emocionada uma grande amiga, Francisca Tertulino (2010)

Lembro muitas e muitas vezes, quando viajava a ...[ Capital]... Natal/RN nas obrigações da administração, sempre trazia a caminhoneta da prefeitura cheia de mulheres para lavar roupa no açude da BR ...[BR 226, na época]... próximo a Macaíba, deixava pela manhã e pegava de volta à tarde.

Nesse estudo, podemos evidenciar a boa vontade da Prefeita/Professora para com as pessoas do seu município. Mesmo não exercendo as atividades de sala de aula, estava sempre preocupada em que todos andassem limpos e arrumados, como nos hábitos de revistas em sala de aula, como relatam seus ex-alunos e amigos. Como pessoa pública nos mandatos que exerceu, dava muito sem exigir recompensas e, muitas vezes, quando falava da possibilidade de ir para perto de Deus, apenas pedia – “quando não estiver mais aqui, que estiver com Deus, só peço uma coisa:- reze pra mim somente uma AVE MARIA” relembra Francisca Tertulino (2010).

Bosi (1994, p. 48) nos afirma que “o passado conserva-se e, além de conservar-se, atua no presente”. Esse passado que representamos sobre a personalidade da professora Anália Maciel fica evidenciado quando buscamos suas ações, tanto em sala de aula como na pessoa pública.

Considerando a personalidade da nobre professora, de uma forma ou de outra, muitos manifestam o respeito e gratidão para com a velha mestra. Essas manifestações aparecem de várias formas. Uns preferem falar e exaltar o tempo de professora, afirmando que, na época, alunos não desobedeciam, “que só precisava levantar o dedo, e todos ficavam sentados e calados” como afirma a ex-aluna Francisca Costa Xavier (2010).

Assim como em sala de aula, no exercício de suas funções políticas adquiriu respeito e dignidade, pois sempre teve um pensamento voltado para os benefícios daqueles que ela formou anteriormente. Diante disso, em julho de 2007, 11 anos após sua morte e 24 anos depois de seu último mandato, o informativo denominado Jornal da Comunidade prestou uma homenagem a sua atuação enquanto prefeita.

O informativo trazia, uma pesquisa feita via internet, as vésperas de uma campanha eleitoral no município, onde perguntava: Quem você considera que foi o melhor prefeito de Elói de Souza? As pessoas responderam, na sua maioria: “foi Dona Anália, porque foi muito boa para o povo, teve humildade, deu terrenos para quem quisessem fazer casas, e nunca abandonou o município” (J.COMUNIDADE., 2007, p. 2).

A Professora e Ex-Prefeita Anália Maciel de Souza trabalhou até o fim dos anos 1960, após 33 anos de dedicação ao ensino, quando se aposentou por tempo de serviço no magistério, conforme Diário Oficial de 19 de junho de 1969.

Após sua aposentadoria do magistério, continuou exercendo outras funções no município. Exerceu o cargo de Supervisora de Ensino na década de 1970. Assumiu a tesouraria da prefeitura municipal e trabalhou como agente administrativo entre os anos 1989 e 1992. Sua dedicação ao trabalho teve uma pausa quando novamente aposenta-se por idade, aos 78 anos, no ano de 1993. Uma “aposentadoria por velhice” conforme dispõe a Carteira de Trabalho, página 72, registro de prestações em 30 de 07 de 1993.

A eterna professora e ex-prefeita Anália Maciel faleceu em 04 de maio de 1996, às 10:00 horas, em Senador Elói de Souza/RN, aos 81 anos, tendo como causa da morte, Ignorada, conforme Certidão de Óbito.

Neste estudo, identificamos muitos que estudaram ou trabalharam com a professora. Também identificamos modos peculiares com que alguns se referem à figura da pessoa de Anália Maciel. “Madrinha Anália”, “velha Anália”, “grande Mestra” e “a professora Anália”, aparecem de forma mais acentuada. Isto, também, evidencia-se nas referências que faço durante o percurso de escrita, pois “quando sentimos necessidade de guardar os traços de um amigo desaparecido, recolhemos seus vestígios a partir do que guardamos dele e dos depoimentos dos que o conheceram” Bosi (1994, p. 411).

Portanto, Anália Maciel sempre manifestou-se em ser “lembrada e chamada de Professora e não Prefeita de Senador Elói de Souza” pois entre os aspectos, ‘ser professora’, e ‘ser prefeita’, Ela prezava ser professora, pois considerava que “a prefeitura era uma passagem na vida, e professora era uma dádiva de Deus”, Francisca Tertulino (2010).

Finalmente, nas lembranças e memórias, que tentamos configurar, emergiram posturas da Mulher Professora, Educadora e Prefeita, de figura forte, de voz alta, que exigia respeito, que preocupava-se que todos tivessem um bom comportamento, exigia silêncio, educação e, repreendia a quem estivessem em desacordo com o que achava correto, atos que muitos a aludem como “passar carão”.

REFERÊNCIAS

AQUINO, Luciene Chaves de. De Escola Normal de Natal a Instituto de Educação Presidente Kennedy (1950-1965): configurações, limites e possibilidades da formação docente. 2007. 262 f. Tese (Doutorado em Educação), Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2007.

AZEVEDO, Aluízio. História de Senador Eloy de Souza-RN. Natal, Nossa Editora, 1988.

BOSI, Ecléa. Memória e sociedade: lembranças dos velhos. 3. Ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1994.

BURKE, Peter. A escola dos Annales. 1929-1989: a revolução francesa da historiografia. Tradução por Nilo Odália. São Paulo: UNESP, 1997.

CASCUDO, Luís da Câmara. Nomes da terra. Natal: Fundação José Augusto, 1968.

CHARTIER, Roger. A História Cultural: entre práticas e representações. Tradução Maria Manuela Galhardo. Lisboa: Difel, 1990.

DIPLOMA DA ESCOLA NORMAL NATAL. Professores (1933). Natal, 1933.

ESCOLHA DO MELHOR PREFEITO. Jornal da Comunidade. Senador Elói de Souza. Ano II. 4. ed. 2007. p. 2.

FRANCISCA COSTA. Entrevista. Bom Jesus (RN), 26 mar. 2011.

FRANCISCA TERTULINO. Entrevista. Natal (RN), 23 ago. 2010.

GALVÃO, Ana Maria de Oliveira. Problematizando fontes em historia da educação. In: Educação e Realidade, Porto Alegre, v. 21, n. 2, p. 99-118, jul/dez, 1996.

HOLLANDA, Valkley Xavier Teixeira de. A expansão do ensino no Rio Grande do Norte. 2001. 116 f. Dissertação (Mestrado em Educação) Programa de Pós-graduação em Educação – Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Natal, 2001.

LIVRO DE PROFESSORES DIPLOMADOS. Escola Normal de Natal. (Documento escolar). Natal, 1910-1962. (manuscrito).

JOSUÉ CAMPOS. Entrevista. Senador Elói de Souza (RN), 07 mar. 2010.



JUSTE, Marília. 82 anos antes de Dilma, Alzira Soriano abriu espaço feminino no Executivo. 2010. Disponível em:< http://g1.globo.com/politica/noticia/2010/11/80-anos-antes-de-dilma-alzira-soriano-abriu-espaco-feminino-no-executivo.html>. Acesso em: 8 nov. 2010.

MORAIS, Maria Arisnete de. Leituras de mulheres no século XIX. Belo Horizonte: Autêntica, 2002.

______. Chicuta Nolasco Fernandes, intelectual de mérito. Natal: Editorial a República, 2006. (Série Educação e educadoras do Rio Grande do Norte. v. II).

MORAIS, Maria Arisnete Câmara de; SILVA, Francinaide de Lima. História da Profissão docente em Natal/RN (1908 - 1920). In: Revista Diálogo Educacional. Curitiba: Pontifícia Universidade Católica do Paraná. v. 9, n. 27, p. 267 – 268, maio/ago. 2009.

MÜLLER, Lúcia. As construtoras da nação: professoras primárias na Primeira República. Niterói: Intertexto, 1999.

NOMEAÇÃO DA PROFESSORA ANÁLIA MACIEL. Professora da Escola Isolada de Caiada. A República, Natal, 23 fev. 1934a. p. 3.

RIO GRANDE DO NORTE.. Lei nº 471 de 3 de dezembro de 1919. Autoriza o Governo criar nos povoados, fazendas ou propriedades, uma escola rudimentar. Actos e decretos do Governo do Estado do Rio Grande do Norte. Natal. Tipografia da A República, 1919. p. 20.

______. Mensagem dos governadores. Natal: Tipografia da República, Natal, 1 nov. 1923.

OFÍCIOS EXPEDIDOS. A República, Natal, 21 maio 1935.

ROCHA NETO, Manoel Pereira da. A educação da mulher norte-rio-grandense segundo Júlia Medeiros (1920-1930), 120f. Dissertação (Mestrado em Educação), Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, RN, 2005.



1 Aluno Especial PPGEd. Mestre. Universidade Federal do Rio Grande do Norte-UFRN, etneto@uol.com.br.

2 Dra Professsora. Universidade Federal do Rio Grande do Norte-UFRN, arisnete@terra.com.br.

3Antigo povoado conhecido pelo nome de Caiada de Baixo, como afirma Cascudo no seu livro Nomes da Terra, 1968.

4 A Professora Maria Arisnete Câmara de Morais, em seu livro “Chicuta Nolasco Fernandes: Intelectual de Mérito (2006)” traça a trajetória da primeira tentativa de criação da Escola Normal em Natal-1874, até a criação do Instituto Presidente Kennedy, entre os anos de 1961 a1966, no Governo de Aluízio Alves.

5 Governo Provisório de Getúlio Vargas, investiu na ampliação das oportunidades educacionais através da construção, higienização, ampliação e manutenção de escolas em todas as cidades, vilas e fazendas, como estratégia de dar visibilidade às populações locais da sua política educacional.


©bemvin.org 2016
enviar mensagem

    Página principal