Pouco Mais de um Mês Escrito por André Novais Oliveira quarto/ Interna/ Dia



Baixar 62,63 Kb.
Encontro13.01.2018
Tamanho62,63 Kb.
Pouco Mais de um Mês

Escrito por

André Novais Oliveira

#1. Quarto/ Interna/ Dia.

Quarto escuro, com alguns pequenos pontos de luz.

Élida

Cê vai aonde?



André

Não, vou ficar aqui mesmo.

Tô procurando meu celular.

Élida


Deve tá do lado aqui.

André


Achei. 11:20.

Élida


Dormi demais, nossa.

André


Que bom.

Élida


Cê conseguiu dormir só um pouco, né.

André


É, não lembro a hora não.

C~e dormiu rapidão, fiquei aqui tentando, mas eu virava e vc parecia que ia acordar.

Élida

Eu vi a hora que vc saiu, mas eu apaguei na mesma hora.



Ligou a tv? Devia ter ligado.

André


Liguei não, fiquei com vergonha.

Élida


Besteira, devia ter ligado.

André


Não.

Élida


Bobeira sua.

Não tem todos os canais da net, mas

André

Não, fiquei olhando pra rua. Tava amanhecendo.



Élida

Tadinho.


André

Hehe, que nada.

André tosse.

André


De boa, sô.

Eles se beijam.

André

Tava vendo aquele depósito aqui na frente.



Galera trabalha até de madrugada, né.

Élida


É, toda hora um entra e sai.

André se levanta, vai até a janela.

André

É o que ali?



Pode abrir?

Élida


Pode

André abre, está com calça jeans e sem camisa.

Élida

É uma transportadora.



#2. Janela/ externa/ Dia.

Vemos André na janela de um prédio simples de 3 andares.



#3. Quarto/ Interna/ Dia.

Élida está na cama, coberta com um edredom. Olha para André.

André sai da janela.

Élida


Te mostrar uma coisa.

André(indo em direção a Élida)

O que?

Élida


Não, fica aí mesmo.

André


Ah tá.

Élida


Abre bem a janela, Agora fecha a cortina.

André


Ok.

Élida


Parece que não vai dar não.

André


O que?

Élida


Fecha aquela gretinha da cortina.

Fecha a porta do banheiro.

André

Eu ein.


Élida

HEHE. Agora olha pra cima.

André

Ó.

Junto com André vemos no teto o fenômeno ótico da caixa escura. Por um buraquinho na cortina vemos refletir sobre o teto do quarto a rua com os carros e pessoas passando, é uma imagem bem clara da rua.



André

Que doido.

Élida

Hehehehe


André

Caramba, que massa.

Caixa escura, né.

Caixa escura mesmo, né.

Élida

É. Isso mesmo.



Legal né.

Rachei de ri quando descobri, tentei entender.

Ainda mais por que é invertido, né.

André


Ahh, o galpão tá pra cima, né.

Élida


É, e a entrada dele é assim(faz com a mão), e não assim.

André


Já tinha visto um vídeo no youtube mostrando

um lugar que rola isso, mas não tinha visto.

Élida

Fico viajando as vezes, olhando aqui...



Se vc tiver sem sono agora, dá pra ficar

contando os carros passando...hehe

André

Hehehe


#4. Sala/ Interna/ Dia.

André veste sua camisa de botões. Está sério, pensativo. Olha de longe Élida arrumando o cabelo no banheiro. Está meio sem lugar.

André(falando alto)

Vou pegar um copo dágua aqui.

Élida

Claro, fica a vontade.



#5. Cozinha/ Interna/ Dia.

André seca o chão da cozinha com um pano. Élida chega logo em seguida.

André

Cozinha tava formando uma poça



dágua aqui, acho que é filtro.

Élida


É o filtro, tá foda isso. Vazando muita água.

Aí vai descendo aqui.

André

Peguei um pano que tava ali.



Élida

Tá.


Eles se encontram no meio da cozinha. André dá um beijo nela e ela retribui.

#6. Sala/ Interna/ Dia.

Na bancada eles tomam café em silêncio.

Ela olha pra ele, ele olha pra ela.

André


É. Acho que vou nessa.

Élida


Uai.

André


Uai, o que?

Élida


Pensei que você ia ficar...

André


Uai, eu pensei que você tava meio assim.

Élida


Assim como?

André


Nada.

Élida


Eu acordo meio assim, mas tá de boa...

André


Entendi.

Acho melhor, sei lá.



#7. Escada/ Interna/ Dia.

Élida fecha a porta enquanto André olha alguma coisa no celular.

Ela tem dificuldade pra fechar a porta, parece impaciente.

André


Quer que ajudo?

Élida


Essa porta, essa chave tá meio torta...

André


Se você não quiser ir no ponto tá de boa.

Eu entendi como que chega.

Élida

Não. Eu vou. Eu quero ir...



André

Massa.


Eles descem a escada.

Élida


Eu tenho que ir ali no mercado também.

André


Entendi.

André olha pra ela de vez em quando, e ela olha pra ele, de vez em quando. Há uma leve tensão no ar.



#8. Rua(passeio)/ Externa/ Dia.

Os dois saem do prédio, um dá a mão pro outro.

Olham pra rua. Param.

Neste momento vemos os dois do alto(um grande plongée), num plano parecido com a projeção no quarto de Élida, só que invertido.

Eles sobem a rua.

#9. Ponto de ônibus/ Externa/ Dia.

Os dois estão de pé.

André

5401?


Élida

5401


Passa na gameleira. Lá vc pega o seu.

Passa lá na Amazonas, né?

André

Passa.


Élida

Então beleza.

André

Passa quase todos.



Silêncio por um tempo. Élida beija André, ele retribui.

André


Tá tudo bem?

Élida


Tá.

André


Tudo bem mesmo?

Élida


Tá. Eu sou assim mesmo.

Silêncio por um tempo. O ônibus 5401 surge na avenida no mesmo momento em que Élida começa a falar.

Élida

Na verdade...eu queria, sei lá.



Tá sendo...(Ônibus chega)

André


Tà sendo o que?

Élida


Deixa pra lá. O ônibus chegou...

André


Eu vou no próximo...

Élida


Tem certeza?

André


Tenho. Fala o que você ia falar...

Élida


É. Eu vou falar.

(suspira)

André

Então fala.(rindo meio nervoso)



Élida

Tô falando, calma(rindo)

Resumindo. Já conheci muitos caras babacas, e

O último foi muito, mas muito babaca.

André

Hum.


Élida

Eu sei que é vacilo ficar falando do ex assim no começo,

mas é por que tem a ver com isso.

André


Tá, eu entendo.

Élida


Mas eu não vou ficar falando dele,

é só pra vc saber que ele foi muito babaca.

E acho importante ter essa conversa pois

as coisas tão legais, a gente tá sendo sincero, tá massa.

André

Que bom.


Élida

Mas o que eu queria falar, e tô sendo sincera

. O medo de você também ser um babaca

me travando as vezes, mas

eu me solto aos poucos. Não liga.

Mas tá massa pra mim...

André

Tá massa?(rindo)



Élida

Massa, tá bem legal. Não força.

Entenda isso como algo muito bom, tente me entender.

André


Ok.

Élida


Eu sei que entende.

André


Bem. Pra dizera a verdade foi bom

conversar assim. Pois na verdade eu

me vejo um pouco travado, mas tô indo,

mas o que me faz recuar na

verdade as vezes é o seu jeito mesmo.

Que parece que não tá afim.

Élida

Sim, mas relaxa. Só posso dizer isso.



E encare isso como algo muito bom.(sorrindo)

André(achando engraçado)

Tá.

Os dois ficam em silêncio por um tempo.



André

Que bom.


Élida

É bom.


André

Hum.


Outro ônibus aparece na esquina. Os dois se levantam de mãos dadas.

Os dois caminham de mãos dadas naturalmente para a direção da porta do ônibus que já parou. André puxa levemente a mão de Élida e anda em direção contraria a porta do ônibus, na calçada. O ônibus fecha a porta e segue seu caminho. André e Élida continuam andando pela rua de mãos dadas.



#10. Quarto/ Interna/ Dia.

O quarto está com a janela aberta. André, sem camisa, fecha a cortina, olhando pro teto(Não vemos o teto), o quarto fica todo escuro.



Fade Out:

Créditos finais acompanhados de conversa de Élida e André sobre qualquer assunto.





©bemvin.org 2016
enviar mensagem

    Página principal