PortuguêS 2013 (pm-mg / soldado / pm-mg / 2013) a televisão e a volta às cavernas



Baixar 355,13 Kb.
Página1/3
Encontro14.09.2017
Tamanho355,13 Kb.
  1   2   3


PORTUGUÊS 2013

(PM-MG / SOLDADO / PM-MG / 2013)

A televisão e a volta às cavernas

Roberto Pompeu de Toledo



Tende-se a esquecer, nestes tempos, que o melhor meio de comunicação já inventado é a palavra. Qual é a minha porta? Está o leitor, ou a leitora, diante dos toaletes de um restaurante, um teatro ou hotel, e com frequência experimentará um momento de vacilação. Não que tenha dúvida quanto ao próprio sexo. A dúvida é com relação àqueles sinais inscritos sobre cada uma das portas – que querem dizer? Olha-se bem. Procura-se decifrar seu significado profundo. Enfim, vem a iluminação: ah, sim, este é um boneco de calças. Sim, parece ser isso. E aquela silhueta, ali ao lado, parece ser uma boneca de saia. Então, esta é a minha porta, concluirá o leitor. E aquela é a minha, concluirá a leitora.

A humanidade demorou milhões de anos para inventar a linguagem escrita e vêm agora as portas dos toaletes e a desinventam. Por que não escrever “homens” e “mulheres”, reunião de letras que proporciona a segurança da clareza e do entendimento imediato? Não. Algumas portas exibem silhuetas de calças e saias. Outras, desenhos de cartolas, luvas, bolsas, gravatas, cachimbos e outros adereços de uso supostamente exclusivo de um sexo ou outro. Milhões de anos de progresso da humanidade, até a invenção da comunicação escrita, são jogados fora, à porta dos toaletes.



E, no entanto a palavra, a palavra escrita especialmente, continua sendo estupendo meio de comunicação. Deixa-se um bilhete para um colega de trabalho dizendo “ Fui para casa”, e vazado nesses termos, com o uso dessas três singelas palavrinhas, será sem dúvida de entendimento mais fácil e unívoco do que se desenhar uma casinha de um lado, um hominho de outro, e uma flecha indicando o movimento de um para a outra. Vivemos um tempo de culto da imagem. Esquece-se o valor inestimável da palavra.

A comunicação escrita é muito eficiente, inclusive porque tem o dom de atravessar os séculos. Tomemos Camões. Claro que se algum cinegrafista amador tivesse registrado o naufrágio do poeta, perto da foz do rio Mekong, nos confins da Ásia, e as cenas em que ele, como diz a lenda, procurava a salvação simultânea da própria vida e da obra, nadando com um braço e com o outro segurando os originais dos Lusíadas, acima da linha d’água para mantê-los secos, seria um documento de grande valor. Teríamos uma edição de gala do Jornal Nacional. Mas o filme só despertaria esse interesse porque Camões é Camões. Ou seja, porque é autor de uma obra escrita que atravessou os séculos. Camões comunica-se conosco, quatro séculos depois de sua morte, porque se utilizou dessa ferramenta insubstituível que é a palavra gravada num papel, ou num papiro, ou numa prensa.

O pensador italiano Norberto Bobbio, em seu último livro publicado no Brasil (O tempo da memória), afirma que se irrita em falar ao telefone. Bobbio cita outro italiano, Guido Ceronetti, que escreveu: “Sempre que posso (...) faço apaixonada apologia de escrever cartas entre seres pensantes, ainda não embrutecidos, que se comunicam apenas pelo telefone, ou então por fax ou telefone celular. (...) O homem que pensa de verdade escreve cartas aos amigos”.

O homem do século XX acostumou-se a pensar que o século XX é maravilhoso. Em matéria de ciência e tecnologia, suas conquistas seriam inigualáveis. Vá lá, o telefone representou um avanço. Mas consideremos, por um momento, o que ele pôs a perder. O hábito de escrever cartas, como diz Ceronetti, e o exercício de inteligência que isso representa. A conversa direta, olho no olho. O hábito de fazer visitas, de procurar diretamente as pessoas. Com telefone, não teria havido este ponto alto da criação humana que é o romance do século XIX. Os enredos tem base em visitas, encontros inesperados, notícias que chegam tarde. Com telefone, não há história de Dostoievski, Balzac, Dickens ou Eça de Queirós que resista.

A desvalorização da comunicação escrita, em nosso tempo, começa numa banalidade como as portas dos toaletes e culmina neste símbolo do século que é o culto da conquistas tecnológicas – do rádio ao telefone celular, no caso das comunicações. Ora, conquista por conquista, continua insuperável, no mesmo ramo das comunicações, em primeiro lugar a invenção de uma língua comum, em cada determinada comunidade, e em segundo a reprodução dessa língua em signos escritos.

Lorde Thomson of Monifieth, um inglês que já presidiu a Independent Broadcasting Authority, órgão de supervisão do sistema de rádio e televisão na Grã-Bretanha, disse certa vez numa conferência que lamenta não ter surgido na história da humanidade primeiro a televisão, e depois os tipos móveis de Gutenberg. “Penso que imprimir e ler representam formas mais avançadas de comunicação civilizada do que a transmissão de TV”, afirmou. Esse lúcido inglês confessou que, em seus momentos sombrios, se sente incomodado com o pensamento de que a humanidade caminhou milhões de anos para voltar ao ponto de partida. Começou magnetizada pelos desenhos nas paredes das cavernas e terminou magnetizada diante das figuras de alta definição nas paredes onde se embutem os aparelhos de televisão.



TOLEDO, Roberto Pompeu de. Ensaio. Revista Veja, 25 jun. 1997. Abril S.A.


  1   2   3


©bemvin.org 2016
enviar mensagem

    Página principal