Popper e o estatuto epistemológico da racionalidade econômica



Baixar 181,05 Kb.
Página3/3
Encontro28.10.2017
Tamanho181,05 Kb.
1   2   3

Referências Bibliográficas
ABEL, T. The operation called Verstehen. American Journal of Sociology 54 (3): 211-218, 1948.
APEL, K. Comments on Farr’s paper (II): some critical remarks on Karl Popper’s contribution to Hermeneutics, Philosophy of the Social Sciences, 13 (2): 183-193, 1983.
BOWLES, S. Microeconomics; behavior, institutions, and evolution. Princeton: Princeton University, 2004.
CALDWELL, B. Clarifying Popper. Journal of Economic Literature, 29 (1): 1-33, 1991.

CAPONI, G. Aproximação popperiana à distinção explicação-compreensão. In: OLIVEIRA P. E. (org.) Ensaios sobre o Pensamento de Karl Popper. Curitiba: PUCPR, 2012, pp.187-197.

CHURCHLAND, P. The logical character of action-explanations. The Philosophical Review 79: 214-236, 1970.
DAVIDSON, D. On the very idea of a conceptual scheme. In: DAVIDSON, D. Essays on Truth and Interpretation. Oxford: Oxford University, 1984.
FARR, J. Popper’s Hermeneutics. Philosophy of social sciences 13: 157-176, 1983.
FRANK, R.; GILOVICH, T.; REGAN, D. Does studying economics inhibit cooperation? The Journal of economic perspective, 7 (2):159-171, 1993.
FRIEDMAN, M. The Methodology of Positive Economics. In FRIEDMAN, M. (ed.) Essays in Positive Economics. Chicago: University of Chicago, pp. 3-46, 1966 [1953].
HANDS, D. W. Karl Popper and Economic Methodology: A New Look, Economics and Philosophy, v. 1, pp. 83-99, 1985.
____________.Falsification, Situational Analysis and Scientific Research Programs: The Popperian Tradition in Economic Methodology. In De MARCHI, N. (ed.). Post-Popperian Methodology of Economics: Recovering Practice. Boston/ Dordrecht /London: Kluwer Academic Publishers, 1992.
HEMPEL, C. G. The function of general laws in history. The Journal of Philosophy, 39 (2): 35-48, 1942.

____________. Filosofia da ciência natural. Rio de Janeiro: Zahar, 1981 [1966].

KUHN, T. A estrutura das revoluções científicas. São Paulo: Perspectiva, 1997 [1970].

LAKATOS, I. Falsificação e metodologia dos programas de investigação científica. Lisboa: Edições 70, 1978 [1970].

___________. História da ciência e suas reconstruções racionais. Lisboa: Edições 70, 1978 [1973].

MISES, L. von. Ação humana: um tratado de economia. Rio de Janeiro: Instituto Liberal, 1990 [1949].

NOZICK, R. The Nature of Rationality. Princeton: Princeton University, 1993.
PIMENTEL, E. Dilema do prisioneiro: da teoria dos jogos à ética. Belo Horizonte: Argumentum, 2007.
POPPER, K. The Poverty of Historicism. London and New York: Routledge, 1997[1938].
_________. A Sociedade Aberta e seus Inimigos. São Paulo: Universidade de São Paulo, 1987 [1945].
________. Lógica das Ciências Sociais. Brasília: Ed. Universidade de Brasília, 1978 [1961].
________. La Rationalité et le Statut du Principe de Rationalité. In CLASSEN; EMIL M. (ed.) Les Fondements Philosophiques des Systemes Economiques. Paris: Payot, 1966.

_________. Models, Instruments and Truth – The status of the rationality principle in social sciences. In POPPER, K. The Myth of the Framework – In defence of science and rationality. London and New York: Routledge, 1994 [1967].

________. A Pluralistic Approach to the Philosophy of History. In POPPER, K. The Myth of the Framework – In defence of science and rationality. London and New York: Routledge, 1994 [1969].

________. Autobiografia Intelectual. São Paulo: Cultrix, 1977 [1974].



SEN, A. Rational Fools: a critique of the behavioural foundations of economic theory, Philosophy and Public Affairs, 6 (4): 317-344, 1974.
SIMON, H. The Sciences of the Artificial. Cambridge: MIT, 1969.
SUTHERLAND, S. Irrationality. New Jersey: Rutgers University, 1992.
TVERSKY, A.; KAHNEMAN, D. The Framing of decisions and the psychology of choice, Science, 211: 453-458, 1981.
WATKINS, J. Racionalidad Imperfecta . In BERGER, R.; CIEFFI, F. (ed.) La Explicación en las Ciencias de la Conducta. Madrid: Alianza, 1970.
WEISS, M. The Best Way to do Economics: Moves and Countermoves in the History of Economic Methodology. Durham: Texto de Discussão da Duke University, 2002. Disponível em: HTTP://econ.duke.edu/uploads/assets/dje/2002/weiss.pdf Acesso em 22/07/2012.
WEINTRAUB, R. General Equilibrium Analysis. Cambridge: Cambridge University, 1985.

1 Cabe lembrar que essa racionalidade egoísta atribuída ao agente tampouco deve ser confundida com um egoísmo consciente do ponto de vista daquele que age.

2 Outro problema correlato, também clássico na literatura, refere-se à crítica de que o suposto da racionalidade promoveria uma – indesejável – confusão dos aspectos positivos e normativos na teoria econômica padrão. A esse respeito ver, por exemplo, Frank, R.; Gilovich, T.; Regan, D (1993). Não obstante a relevância desta questão, por fugir do escopo dos temas do presente artigo, seu tratamento não é aqui enfrentado.

3 Por diferentes razões, tanto as críticas de Simon (1969) como as de Sen (1974) remetem ao problema aqui explicitado.

4 O segundo já é tratado na próxima seção, ao passo que o exame do primeiro deve aguardar a seção 3.

5 “Não considerei, entretanto, essa análise importante para a explicação histórica, e o que tive como importante exigiu mais alguns anos para amadurecer. Trata-se do problema da racionalidade (ou “princípio da racionalidade”, ou “método zero”, ou “lógica da situação”). Entretanto, durante anos, a tese banal – em versão mal interpretada – deu margem, sob o título de “modelo dedutivo”, ao aparecimento de larga bibliografia. O aspecto realmente importante do problema, o método da análise situacional, que apresentei em The Poverty em 1938 e depois esclareci mais amplamente no capítulo 14 de The Open Society desenvolveu-se a partir do que eu havia anteriormente chamado “método zero”. O importante, no caso, era a tentativa de generalizar o método da teoria econômica (teoria da utilidade marginal), de sorte a torná-lo aplicável às outras ciências sociais teóricas. Nas formulações que posteriormente lhe dei, esse método consiste em construir um modelo da situação social que inclua especialmente a situação institucional em que o agente está atuando, de modo a explicar a racionalidade (o caráter zero) de sua ação. Tais modelos são, nas Ciências Sociais, as hipóteses suscetíveis de comprovação e os modelos que sejam “singulares”, mais especificamente, correspondem às hipóteses singulares da História (hipóteses em princípio comprováveis).” (Popper, 1974:125-126. O grifo é nosso).

6 Isso implica que se abre mão de considerá-lo como fazendo parte do âmbito “positivo” das teorias (que procuram responder à questão “como é o mundo?”). Ao invés disso, faz-se agora uma tentativa de compreendê-lo como fazendo parte do âmbito “normativo”, que é típico das propostas metodológicas. Neste plano metateórico, a questão central passa a ser: “como devem ser elaboradas as teorias que objetivam entender o mundo, no caso, o mundo social?”. No caso específico das ciências humanas/sociais, a pergunta naturalmente seria: “como deve ser entendida a ação humana no contexto social?”.

7 A esse respeito ver, por exemplo, o clássico artigo de Friedman (1953). Embora proponha uma metodologia para a economia “positiva”, Friedman é popperiano e, como tal, não deve ser considerado propriamente como um positivista.

8 H1-H8 dizem respeito apenas às preferências dos agentes. Como visto, preferências referem-se aos desejos que os agentes buscarão realizar. Entretanto, para que a ação racional possa ocorrer, algumas restrições com relação às crenças dos agentes também precisam ser satisfeitas. Por exemplo, elas precisam ser logicamente coerentes. De fato, o agente não pode acreditar em A e não-A simultaneamente. Caso o fizesse, estaria ferindo o segundo princípio fundamental da lógica clássica (princípio da não contradição), o que indubitavelmente o conduziria à tomada de decisões “irracionais”. Supõe-se também que o agente conheça (ou creia conhecer) as prováveis consequências de cada possibilidade de ação.

9 Como uma lei geral apresenta a forma “Sempre que A, então B” (cf. Hempel, 1966), então a formulação desta lei geral do comportamento humano pode ser simplificadamente expressa, por exemplo, como “Sempre que um agente econômico precisar atingir algum fim, então adotará o curso de ação que maximize seus resultados esperados.”

10 O sentido atribuído à racionalidade por Mises, de a priori lógico, remete a Kant, à sua confiança na lógica aristotélica e na ideia de que os princípios lógicos representam “as formas do pensamento”, ou seja, que não se pode pensar senão de acordo com eles. A definição de a priori lógico de Mises equivale à definição do a priori analítico kantiano: enunciados cujos predicados já se encontram encapsulados nos sujeitos. Assim, da mesma forma como “triângulos são figuras geométricas com três lados” consiste, para Kant, num juízo analítico a priori, “seres humanos são racionais”, constitui esse a priori lógico para Mises.

11 Tal visão difere do que fará Popper, em sua busca de transformar esses “dados irredutíveis” em fatores objetivos, como se terá ocasião de constatar a seguir.

12 Trata-se aqui de uma clara alusão (crítica) de Popper à “compreensão subjetiva” proporcionada pela Verstehen. Acerca dos problemas acarretados pela falta de critérios intersubjetivos de validação no método Hermenêutico, ver, por exemplo, Abel (1948).

13 Ver Caponi (2012).

1   2   3


©bemvin.org 2016
enviar mensagem

    Página principal