Plano de ensino pgl510103 – Teoria literária Nome da disciplina: Estudos da monstruosidade: estética e política Horas-aula: 60 horas Horas semanais: 3 horas Professores: Dr. Daniel Serravalle de Sá e Dr. Marcio Markendorf Ementa



Baixar 29,77 Kb.
Encontro18.08.2018
Tamanho29,77 Kb.


Página |



UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA


CENTRO DE COMUNICAÇÃO E EXPRESSÃO
PÓS-GRADUAÇÃO EM LITERATURA
PLANO DE ENSINO

PGL510103 – Teoria literária


Nome da disciplina: Estudos da monstruosidade: estética e política
Horas-aula: 60 horas
Horas semanais: 3 horas
Professores: Dr. Daniel Serravalle de Sá e Dr. Marcio Markendorf
____________________________________________________________

Ementa

Estudo de aspectos estéticos do monstro na história cultural do Ocidente. O monstro na narrativa de horror e em gêneros variados. Reflexões sobre o estatuto do monstro como metáfora política. Análise do fato monstruoso como reflexo de estruturas de poder em torno da diferença e da normalização.



____________________________________________________________

Proposta geral

O monstro, segundo a perspectiva do filósofo Nöel Carrol, é o elemento articulador de uma narrativa de horror artístico (art-horror), a condição sine qua non para existência do gênero. A despeito da reconhecida qualidade argumentativa apresentada, tal posicionamento teórico nega a possibilidade de que os afetos do horror possam ser produzidos sem o exercício da monstruosidade como também prescinde de discutir a função do monstro em narrativas que não sejam de horror artístico. O programa deste curso, partindo de um estudo integrado entre monstruosidade e expressão estética, pretende discutir como obras artísticas variadas acabam por tomar o monstro como uma metáfora de uma paisagem sociopolítica, campo no qual há a confluência do ético, do estético e do político. Assim, ao debater a ontologia da monstruosidade em diferentes discursos epistemológicos – antropologia, biologia, sociologia, estética, psicanálise, filosofia e teoria literária –, esta disciplina propõe-se a analisar a expressividade simbólica do monstro/formas monstruosas na cultura ocidental e seu emprego em obras artísticas em três frentes principais; 1) como alegoria das hierarquias sociais (classe, gênero, raça/etnia); 2) como tema dos dispositivos discursivos do poder disciplinador e normalizador; 3) e como reiteração fóbica da diferença.

____________________________________________________________

Conteúdo programático

[1] Mitologia e teratologia


[2]Monstros e transgressão
[3]Monstros e normalização disciplinar
[4]O monstro e o grotesco no domínio estético
[5] Monstros e o horror artístico
[6] Morfologias monstruosas
[7] O monstro como diferença: gênero, raça, etnia
[8] Monstros como falta: as deficiências
[9] Os monstros e as classes sociais
[10] Monstros do colonialismo e pós-c0lonialismo
[11] Monstros femininos
[12] Monstruosidades queer
[13] Monstruosidade e abjeção
[14] Doença e monstruosidade
[15] O pós-humano e a monstruosidade

_______________________________________________________



BIBLIOGRAFIA

BAUDRILLARD, Jean. A ilusão vital. Tradução de Luciano Trigo. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001.

BELLEI, Sérgio Luiz Prado. Monstros, índios e canibais: ensaios de crítica literária e cultural. Florianópolis: Insular, 2000.

BRETON, Philippe. À imagem do homem – do golem às criaturas virtuais. Tradução de Joana Chaves. Lisboa: Instituto Piaget, 1995.

BURUMA, Ian; MARGALIT, Avishai. Ocidentalismo: o Ocidente aos olhos de seus inimigos. Tradução de Sergio Lopes. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2006.

CARROL, Nöel. A filosofia do horror ou os paradoxos do coração. Tradução de Roberto Leal Ferreira. Campinas: Papirus, 1999.

CONNELL, Raewyn; PEARSE, Rebecca. Gênero: uma perspectiva global. Tradução da 3.ed e revisão técnica de Marília Moschkovich. São Paulo: nVersos, 2015.

CORSO, Mário; CORSO, Diana L. A psicanálise na terra do nunca: ensaios sobre fantasia. Porto Alegre: Penso, 2011.

CREED, Barbara. The monstrous-feminine: film, feminism, psychoanalysis. New York: Routledge, 1993.

DEL PRIORE, Mary (Org.). Monstros e monstrengos do Brasil: ensaio sobre a zoologia fantástica brasileira nos séculos XVII e XVIII. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

______. Esquecidos por Deus: monstros no mundo europeu e ibero-americano: uma história dos monstros do Velho e do Novo Mundo. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

DOUGLAS, Mary. Perigo e pureza – ensaio sobre a noção de poluição e tabu. Tradução de Sônia Pereira da Silva. Lisboa: Edições 70, 1991.

ECO, Umberto. História da feiura. Tradução de Eliana Aguiar. São Paulo: Record, 2007.

ECO, Umberto. História da beleza. Tradução de Eliana Aguiar. São Paulo: Record: 2013.

FREUD, Sigmund. Totem e tabu. Obras completas. Volume XIII. Rio de Janeiro: Imago, 1987.

FREUD, Sigmund. O estranho. IN: Freud. Obras completas. Edição Standard Brasileira V. XVII. Rio de Janeiro: Imago, 1986, pp 237-269.

FOUCAULT, Michel. Os anormais. Tradução de Eduardo Brandão. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

GIL, José. Monstros. Tradução de José Luis Luna. Lisboa: Relógio D’água, 2006.

HITCHCOCK, Susan Tyler. Frankenstein – as muitas faces de um monstro. Tradução de Henrique Amat Rêgo Monteiro São Paulo: Larousse, 2010.

JEHA, Julio. Monstros e monstruosidades na literatura. Belo Horizonte: UFMG, 2007.

JEHA, Julio; NASCIMENTO, Lyslei (Orgs.). Da fabricação de monstros. Belo Horizonte: Editora da UFGM, 2009.

KAISER, Wolfgang. O grotesco: configuração na pintura e na literatura. Tradução de J. Guinsburg. São Paulo: Perspectiva, 2009.

KRISTEVA, Julia. Estrangeiros para nós mesmos. Tradução de Maria Carlota Carvalho Gomes. Rio de Janeiro: Rocco, 1994.

KRISTEVA, Julia. Pouvoirs de l´horreur. Essais sur l’abjection. Paris: Seuil, 1980.

LAURETIS, Teresa de. “A tecnologia do gênero”. Tradução de Susana Bornéo Funck. In.: HOLLANDA, Heloísa Buarque de (Org.). Tendências e impasses: o feminismo como crítica da cultura. Rio de Janeiro: Rocco, 1994, p. 206-242.

LECERCLE, Jean-Jacques. Frankenstein: mito e filosofia. Tradução de Rosa Amanda Strausz. Rio de Janeiro: José Olympio, 1991.

LECOUTEUX, Claude. História dos vampiros: autópsia de um mito. Tradução de Álvaro Lorencini. São Paulo: Unesp, 2005.

LOVECRAFT, H.P. O horror sobrenatural em literatura. Tradução de Celso M. Paciornik. São Paulo: Iluminuras, 2007.

MACIEL, Maria Esther (Org.). Pensar/escrever o animal: ensaios de zoopoética e biopolítica. Florianópolis: Edufsc, 2011.

MAGALHÃES, Célia. Os monstros e a questão racial na narrativa modernista brasileira. Belo Horizonte: UFMG, 2003.

MARKENDORF, Marcio; RIPOLL, Leonardo. Expressões do horror – escritos sobre cinema de horror contemporâneo. Florianópolis: Biblioteca Universitária Publicações, 2017.

MATTOS, A.C. Gomes de. A outra face de Hollywood: filme B. Rio de Janeiro: Rocco, 2003.

NAZARIO, Luiz. Da natureza dos monstros. São Paulo: Arte & Ciência, 2003.

NOGUEIRA, Luís. Violência e cinemamonstros, soberanos, ícones e medos. Covilhã: Serviços Gráficos da Universidade da Beira Interior, 2002.

RANK, Otto. O duplo – um estudo psicanalítico. Tradução de Erica Sofia Luisa Foerthmann et alii. Porto Alegre: Dublinense, 2013.

RUSSELL, Jamie. Zumbis: o livro dos mortos-vivos. Tradução de Érico de Assis e Marcelo Andreani de Almeida. São Paulo: Leya Brasil, 2011.

RUSSO, Mary. O grotesco feminino – risco, excesso e modernidade. Tradução de Talita M. Rodrigues. Rio de Janeiro: Rocco, 2000.

SAID, Edward. Orientalismo – O Oriente como invenção do Ocidente. Tradução de Rosaura Eichenberg. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

SANTAELLA, Lucia. Culturas e artes do pós-humano – da cultura das mídias à cibercultura. São Paulo: Paulus, 2003.

SILVA JUNIOR, Gonçalo. A enciclopédia dos monstros. Rio de Janeiro: Ediouro, 2008.

SILVA, Tomaz Tadeu da (Org.). Antropologia do ciborgue: as vertigens do pós-humano. Belo Horizonte, Autêntica, 2009.

_______. Pedagogia dos monstros: os prazeres e os perigos da confusão de fronteiras. Belo Horizonte: Autêntica, 2000.

SONTAG, Susan. Doença como metáfora e AIDS e suas metáforas. Tradução de Rubens Figueiredo e Paulo Henriques Britto. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

TODOROV, Tzvetan. A conquista da América – a questão do outro. Tradução de Beatriz Perrone-Moisés. São Paulo: Martins Fontes, 2014.



TUAN, Yi-Fu. Paisagens do medo. Tradução de Lívia Oliveira. São Paulo: Editora Unesp, 2005.





©bemvin.org 2016
enviar mensagem

    Página principal