PEÇa teatral melipônica organizada por Mario Tessari



Baixar 49,9 Kb.
Encontro06.11.2017
Tamanho49,9 Kb.


PEÇA TEATRAL MELIPÔNICA

Organizada por
Mario Tessari

© Coletivo e público.

José Halley Winckler

idealizou esse projeto de divulgação da meliponicultura.


Autores do texto:

Cleiton José Geuster

Iracema Marcon Venson

Isaac Geuster

Mario Tessari

Maria Elisa Ghisi

Maria Elisabeth Ghisi

Naim Freitas


Atores convidados: todos.

Mauro Tessari (CRB-14/002)

elaborou a

FICHA CATALOGRÁFICA



Tessari, Mario.

Peça teatral melipônica / Mario Tessari (org.) – Jaguaruna : Edição do Autor, 2017.

1. Abelha-sem-ferrão - Literatura infanto-juvenil. 2. Melípona – Literatura infanto-juvenil. I. Título.

CDD 028.5

595.799


638.1


São permitidas e incentivadas a reprodução e a encenação parcial ou total desta obra por qualquer meio, processo ou interpretação com a autorização voluntária e expressa dos autores sem desrespeito explícito ao artigo 184 do Código Penal e à Lei 9.610, de 19 de fevereiro 1998.

EVENTO MELIPÔNICO
PALESTRA
Palestra sobre Abelhas-sem-ferrão.
PEÇA TEATRAL
Cenário: uma flor com 4 metros de diâmetro, sobre o palco ou no centro do pátio escolar.

Imaginei uma estrutura de papel ou de isopor, com um metro de altura, na beirada do palco, representando a flor vista de lado (pétalas); ao fundo, a outra beirada da flor. No meio do palco, uma mesa com os estames, as anteras e os nectários, representados por vasilhas envoltas em ornamentos que representassem alegoricamente essas estruturas florais.

As crianças, personalizando as abelhas operárias de subespécies da região (plebeia, rufiventris, mandaçaia, ...), caminham ao redor da mesa, simulando colher néctar e pólen, enquanto conversam. Poderíamos colocar jarras com suco ou água para as crianças sugarem com canudo de plástico. O pólen poderia ser algum pó amarelo, algum tipo de serragem, que as crianças ‘coletariam’ e depositariam em pacotes; depois, colocariam os pacotes ‘de pólen’ dentro da mochila que carregam às costas.

Observações:

  1. Provavelmente, todos os alunos participarão da encenação, por isso, usarei números de 1 a 25 (?) para marcar as ‘falas’.

  2. Procurei estabelecer características individuais às personagens melipônicas. Obviamente, o ‘diretor’ pode e deve adaptar o texto e as falas ao contexto.

  3. Também as alegorias e os figurinos devem ser criados/inventados, representando cada tipo de abelha.

  4. Penso que, independente do horário das apresentações, poderíamos levar em conta um dia de trabalho das abelhas.

1 (já no palco) – Vejo que você também sai cedo para visitar as flores.

2 (já no palco) – Ah! Sim. É a melhor hora, a temperatura está agradável e ainda tem umidade de orvalho.

1 – Esta flor está mesmo uma beleza. Veja quanto néctar e quanto pólen...

2 – Vou coletar e levar lá pra casa o que posso carregar. Aproveito para avisar minhas companheiras da abundância de alimentos por aqui.

1 – Tinha uma planta dessas ali adiante, mas o homem que mora lá cortou pra limpar o pasto.

3 (chegando) – O que é mesmo que vocês estão conversando?

2 – Sobre essas flores carregadas de alimentos. Mas, os homens preferem os pastos limpos e, por isso, cortam nossas amigas que fornecem néctar e pólen.

3 – Não só nas pastagens. Tem gente que derruba árvore... e, até, florestas inteiras.

1 – Com menos árvores, teremos menos comida e menos ocos para fazer ninhos...

4 (chegando) – Vocês ainda moram em ocos de árvores?

2 – Não. Eu e minhas irmãs moramos em uma caixa de madeira. A casa é boa, não dá pra se queixar. Porém, tem uma goteira e uma das paredes está apodrecendo...

1 – Bem. Vou indo. Quem sabe mais tarde a gente se encontre, nesta ou em outra flor.

2, 3 e 4 – Tomara. Bom dia pra você!

4 – Lá onde eu moro, o cara é caprichoso. Usa tábuas grossas de madeira bem seca e cobre as caixas com telhados grandes para proteger do sol e da chuva. Ele olha pra gente todo dia. No entanto, parece que não gosta da gente; só que o enxame consegue se desenvolver, logo vende para o primeiro que aparecer...

3 – Xi! Nem falem. Já passei por isso: foram três dias trancadas, viajando de motocicleta, com um piloto apressado. Muitos dos nossos bebês não resistiram...

2 – Já ouvi falar de viagens assim. Mas, pra não perder dinheiro, a maioria dos compradores têm cuidados e o enxame viaja com mais conforto, sem solavancos. Quem me contou disse que a mudança dela tinha sido muito boa, pois, a família saiu de um lugar quase deserto e foi levada para uma mata com abundância de flores e um riacho de água limpas.

5 – (Chega e, enquanto colhe pólen, fica escutando a conversa).

4 – Taí uma das nossas dificuldades lá na colmeia: só encontramos água suja e muito distante de onde moramos.

(Chegam três operárias em sequência: 6, 7 e 8.)

3 – A conversa tá boa, mas preciso ir. Tô tão cheia de néctar que até dói... Tiau!

Todas – Télogo!

2 – (Sai sem se despedir.)

5 – Pois é, amigas. Isso quando tem algum rio, açude ou mesmo uma poça por perto. Nós, lá, temos de coletar orvalho, a única água de que dispomos.

7 – Ao menos, é água limpa...

6 – O orvalho, mesmo não sendo barrento, pode ser tóxico, com resíduos químicos de poeira que está no ar.

4 – Ah! Isso pode ser, sim. E tem flor traiçoeira também. Lá por perto, tem árvores com flores perigosas.

5 – Tiau pra vocês! Até breve!

8 – Pior mesmo é o veneno pra matar mato...

4 – Então, não digo. Muitas pessoas poluem e envenenam a natureza.

8 – Lá perto de casa, o homem insiste em jogar veneno ao redor da casa, pra manter ‘tudo limpo’.

7 – É isso mesmo. Moro ao lado dela. Sei. Tem dia que o cheiro é horrível e não dá nem pra sair de casa...

2 (voltando) – Ó. Encontraram umas resinas muito boas nessa direção... Tô indo pra lá. (e se vai)

6 – Por falar em resina, tá uma dificuldade fazer cera. Precisamos fazer mais potes de mel e, pra isso, precisamos de muita cera.

(Chegam mais duas abelhas; 9 e 10.)

4 – Veja nossa situação. A caixa tá abrindo e nós temos que trancar as frestas com batume. Vocês usam própolis. No nosso caso, usamos o batume, que é feito de barro misturado com resinas e cera. Tem que puxar muito barro! E tá difícil de encontrar barro limpo...

7 – Situação parecida com a minha. Colocaram a gente numa caixa enorme e tá difícil encher o espaço vazio.

9 – Lá em casa, a dificuldade também é trancar a entrada de luz. A tampa tá entortando com o sol e nós estamos construindo uma camada de batume pra fechar a caixa.

6 – Vou levar o néctar e já volto pra pegar um pouco desse pólen amarelo.

4 – Também eu vou com a carga... Espero encontrar as amigas em outras viagens...

10 – Será que chove hoje?

8 – Um pouco de chuva é bom; lava a poeira do ar. E dificulta as queimadas...

7 – Bah! As queimadas destroem as florestas, matam os bichos rasteiros e interferem nas nossas navegações.

10 – Como estou começando a voar, peço que vocês me contem como que é isso de fumaça atrapalhar a navegação.

8 – Atrapalha e muito. Se a fumaça atinge uma aerovia, a gente pode se perder; a fumaça apaga os cheiros que marcam a trilha.

7 – Muitas vezes, as operárias sofrem intoxicação e podem até cair no chão.

8 – Podem até morrer intoxicadas...

10 – Mas, então, as queimadas são grandes ameaças?

8 – Com certeza.

10 – Vou tomar cuidado... Será que não tem como negociar com esses incendiários?

7 e 8 (Se despedem e voltam pra casa.)

11 (Chegando) – O sol tá esquentando... Logo, o calor vai exigir muita bateção de asas para refrescar o ninho.

9 – Por isso, a gente formou bastante batume por dentro da caixa; pra isolar um pouco desses calorões...

12 (Chegando) – Olá! Boa safra pra vocês!

10 – De que lado você tá vindo?

12 – Do final daquele bosque.

10 – Mas... nunca vi colmeias por lá...

12 – É que moramos no alto de uma árvore; bem debaixo da forquilha, por isso, é difícil de encontrar a entrada.

10 – Dia desses, vou voar por lá... Quem sabe te enxergue na entrada do ninho?

12 – Problema é que não trabalho na portaria...

10 – Tô com muito calor... Vô é pra casa.

13 (Chegando) – Oi!

9 – Também tô indo...

14 (chegando e se dirigindo à 11) – Passei pela tua casa e, pelo que vi, o cara tá querendo tirar o mel de vocês... Andava com aquelas maquinetas na mão...

11 – Minhanossa! Preciso engrossar a nuvem ao redor da colmeia... Quem sabe ele se assuste?

12 (gritando para a 11 que saia apressada) – Cuidado! Tem um bem-te-vi caçando bem próximo da trilha de feromônio. Te cuida!

13 – A gente corre um risco danado. É passarinho, é lagartixa, é aranha, ...

12 – Pior mesmo é o bicho-homem.

15 (Chega revoltada) – Não há de ver que o cara tá sugando todo o mel da minha vizinha... A gente luta, enfrenta perigos, carrega peso e chegam esses predadores gananciosos e carregam todo nosso estoque de mel.

16 (Chegando) – Acordei tarde. Preciso recuperar o tempo perdido.

15 – Acabei de dizer que, às vezes, nem vale a pena trabalhar, cuidar das crias, fabricar potes, produzir mel, ... Às vezes, a gente desanima.

12 – Ainda bem que moro no alto de uma árvore... Lá o cara nem consegue chegar...

14 – O homem, não. Mas, os passarinhos, as formigas, as aranhas, ...

12 – Verdade. Até o pica-pau anda rondando o pito de entrada.

14 – Tem mais o perigo das tempestades. Árvore alta sofre com os vendavais e pode até atrair raios.

16 – Nunca ouvi falar disso. Sei lá?

14 – É que nós operárias vivemos pouco. A rainha, que é bem mais velha que a gente, conta muita história...

13 - Apesar de nunca ter voado... Conta o que ouviu dizer...

17 (Chegando) – Lá em casa tá uma confusão: a rainha tá ficando caduca e as princesas tão bem animadas com a possibilidade de conquistar a função.

12 (Acena uma despedida e volta pra casa)

15 – Então, vai ter revoada de zangão... Outro fuzuê!

14 – Concordo contigo. Mas, sem acasalamento, não teremos nova rainha. A mãe está velha e não dá conta nem da postura. Muito menos, de administrar a colmeia.

18 (Chegando) – Tá cheio de zangão pelo caminho...

15 – Não te disse? Vai começar a confusão. Além de atrapalhar o trânsito, esses machos vagabundos só querem saber de comer.

13 – É. A maioria. Mas, nem todos. Tem zangão que se interessa pelo serviço e, às vezes, até ajuda no trabalho doméstico.

18 – Pena que a gente não possa namorar com eles...

19 (Chegando) – Ué! Que cabeça pervertida! Até parece que não conhece a biologia das abelhas... Melhor é aceitar nosso destino genético e viver sem mágoas.

18 – Pervertida? Eu? Na outra encarnação, quero nascer zangão.

15 – Pra viver de esmola e morrer de frio?

16 – Morrer de frio? Por quê?

17 – Porque a gente se reúne e joga os zangões pra fora da caixa... sem dó nem piedade.

14 – Princesas e zangões nascem sem as corbículas, portanto, inúteis para o trabalho. A função deles é procriar e as possibilidades de serem os escolhidos são remotas. Melhor nascer operária, participar intensamente da vida familiar, fazer mel e gozar do aconchego do ninho sem ser enxotadas ou enjeitadas.

15 – Amiga, vida de zangão é de muita espera, muita correria e pouco proveito. Quando uma princesa precisa dos serviços masculinos, tem uma fila esperando e só um consegue casar. Ainda assim, perde o pênis durante a cerimônia de casamento.

20 (Chegando) – Ufa! Que trabalheira! Nossa rainha resolveu acelerar a postura e ordenou que as operárias concentrem esforços na coleta de pólen.

16 – É. Essa viu que, se não produzir operárias, fica sem mel.

13 – Me distraí e acabei atrasando a volta... Tiau pra vocês.

16 – Aproveito pra ir também...

14 (falando com a 20) – Será que tua rainha tá querendo provocar uma enxameação?

20 – Não. Acho que não. Ela está querendo aproveitar a primavera para fazer bastante operária pra ventilar a casa no verão.

14 – Aí é que tá o problema. O homem, quando vê o enxame bem forte, aproveita pra dividir. Aí, coitada da rainha, tem trabalho em dobro.

15 – A rainha? Que nada. Quem acaba pagando o pato são as operárias. (Fala e sai indignada com a sina de ter nascido operária.)

14 – Eu prefiro viver com alegria a vida que Deus me deu. Por isso, vou embora contente.

18 – Essa deve ter algum prazer escondido...

17 – Por isso que nós nunca conseguimos nada; se cada operária só se preocupa com seu prazer, a classe operária vai continuar trabalhando sem ter nenhum direito.

20 – Ora! Já somos tão iguais e você quer ainda mais igualdade. Permita que cada uma de nós viva do jeito que preferir.

21 (Chegando) – Estive pensando na possibilidade de organizar uma enxameação. O nosso cortiço tá um caos e sei de um buraco apropriado para montar uma colmeia.

20 (falando pra 17) – Viu essa daí tem um pensamento positivo: quer união de todas as abelhas, mas pra construir um mundo melhor...

18 – Ou pra assumir algum cargo de chefia no novo departamento...

19 – Deixe de maldades. Abelhas que querem mudanças podem ser muito úteis para a preservação da nossa espécie. A multiplicação natural de enxames é sempre mais saudável.

17 – Penso pelo contrário: com uma greve bem organizada, podemos conseguir melhores condições onde já estamos morando. E até substituir a rainha velha...

18 – Vou dar o fora antes que saia a convocação dessa greve geral.

21 – A greve geral acaba sempre em barulho. A livre iniciativa produz o progresso. Se seguirmos essas rainhas-obreiras, vamos acabar sem nenhuma vontade própria.

22 (Chegando) – O que vocês estão discutindo?

17 – Os nossos direitos trabalhistas.

20 – Estamos analisando nossa condição de operárias melipônicas.

19 – Nós, operárias, trabalhamos muito e pensamos pouco. A maioria das operárias desconhece as fases da vida de uma abelha. Vivemos a maior parte das nossas vidas reclusas na escuridão. Conhecemos o mundo depois de trabalhar muito, construindo potes e células, ajudando como assistentes da rainha-mãe nos processos de postura, faxinando o ninho, desidratando o néctar e ventilando os discos de cria. Ao assumir o posto de vigia da entrada, surge a oportunidade de olhar para o entorno. Finalmente, como campeiras, podemos voar, mas, aí, as tarefas são exaustivas e somos monitoradas o tempo todo.

17 – Depois desse discurso, só me resta abandonar a luta. (E sai enfezada.)

22 (Chegando) – Nossa! A louca saiu em disparada... Quase que me atropela...

20 – Ligue, não. Ela luta pelas operárias. Quer reduzir o poder das elites.

23 (Chegando, alarmada.) – Um bicho peludo derrubou a casa das minhas vizinhas...

20 – Então, vou pra casa, reparando bem se esse monstro está andando por aí.

19 – Talvez, o bicho não tenha feito com a intenção de nos prejudicar; pode que tenha agido apenas por instinto ou curiosidade.

23 – Você diz isso porque foi na casa das outras e não na tua. Imagine se, ao chegar em casa, a caixa esteja quebrada no chão, com ápis e formigas saqueando o mel conseguido com sacrifício; se só restam potes vazios. Se fosse contigo, será que você consideraria natural, sem maldade?

22 – Pena que o homem não tenha percebido imediatamente a desgraça. Faltou atenção da parte dele, para evitar que o bicho peludo derrubasse a caixa e que o estoque de mel fosse saqueado pelos predadores. Está aí a importância de vistorias nas colmeias todo dia.

23 - O bicho-homem explora nossos serviços, então, que dê mais atenção ao manejo.

24 (Chegando) – Só agora, dois dias depois, o cara percebeu que tinha uma caixa caída, com as abelhas desesperadas se defendendo.

19 – Esse homem deve desconhecer a frase “És responsável por quem cativas.” Ele coloca as abelhas no cativeiro, por isso deve assumir a responsabilidade pela nossa segurança.

25 (Chegando) – A noite se aproxima. Precisamos agir com rapidez. Esses bichos peludos saem das tocas ao anoitecer...

21 – Vou pra casa pra fechar porta.

19 – Também vou. Já trabalhei bastante hoje.

22, 23, 24 e 25 (Colhem em processo acelerado e saem em grupo.)



Encerramento.

Todos os alunos/atores se reúnem no palco e explicam o significado de termos técnicos, como colmeia, néctar, pólen, rainha-obreira, enxameação/divisão/multiplicação, ...

Em seguida, respondem perguntas da plateia.


©bemvin.org 2016
enviar mensagem

    Página principal