Orientanda: Gisele Centenaro



Baixar 436,08 Kb.
Encontro26.01.2017
Tamanho436,08 Kb.
Universidade Presbiteriana Mackenzie
Orientanda: Gisele Centenaro

Orientadora: Dra. Elaine Cristina Prado dos Santos

As visões míticas de Cassandra na estética clássica de

Sophia de Mello Breyner Andresen

A transposição de um mito grego para a estrutura de um soneto petrarquiano

São Paulo

Junho de 2016

A transposição de narrativas míticas para contexto da poesia moderna portuguesa é temática recorrente na obra poética de Sophia de Mello Breyner Andresen. Os discursos mitopoéticos da poetisa compõem um universo literário que reatualiza a grandeza heróica e sagrada de figuras femininas e masculinas da antiguidade clássica grega com poder de representar o transcendente. Deuses, seres humanos divinizados, entes sobrenaturais são personagens de poemas que podem ser identificadas como metáforas da transcendência de um sujeito lírico que empreende trajetórias discursivas do presente para o passado, de lá retornando ao tempo da produção de seus enunciados pela presentificação de episódios míticos buscados no panteão do classicismo grego e pela idealização de formas estéticas inspiradas em autores canônicos, como Homero, Camões e Petrarca.

Ao ressacralizar, pela poesia mítica, memórias importantes do consciente coletivo das civilizações, Andresen cria, pela linguagem poética, jogos de percepções objetivas e subjetivas que promovem o tecer de imagens e melodias expressadas, com intenso lirismo, sob ótica feminina, e singulariza a transposição de mitos para a poesia moderna portuguesa pelo espelhar da cultura de sacrifício feminino.

Primeira mulher portuguesa a receber o Prêmio Camões, homenagem recebida em 1999, Andresen nasceu em 1919 e faleceu em 2004, tendo vivido, portanto, sob a ditadura militar, sob a ditadura Salazarista (Estado Novo) e sob o processo de abertura democrática iniciado com a Revolução dos Cravos em 1974, em Portugal. Estudou, sem concluir o curso, Filologia Clássica na Universidade de Lisboa. É reconhecida como uma das mais importantes poetisas do século XX, autora de quatorze livros de poesia, os quais somam 662 poemas, publicados entre 1944 e 1997. Em prosa, além de sete livros de literatura infantil, publicou contos reunidos nas coletâneas Contos Exemplares; Histórias da Terra e do Mar; O Anjo do Timor; Quatro Contos Dispersos; duas peças de teatro (O Bojador e O Colar).

Da natureza (mar, terra, água, flores, grutas, pedra, sol, lua...), a autora seleciona elementos para transitar entre o real e o mundo subjetivo da poesia, onde os significados dos signos que representam os objetos de seu foco lírico são moldados ou tonificados em graus diversos para servir de estrutura às suas composições que, em muitos momentos, além de reviver a mitologia grega, aludem reflexivamente à filosofia cristã, aos valores e aos amores portugueses (triunfos pela busca, as navegações, as amizades exemplares), havendo ainda espaço literário em suas obras para críticas sociais – na poesia e na prosa.

O lirimo de Andresen também evoca o amor no sentido etérico, isto é, o amor como centro unificador que permite a reingração dos seres humanos com universos simbólicos da Unidade, do equilíbrio primordial, por meio dos discursos poéticos. O amor cultivado por diferentes formas de sublimação – como o amor glorioso dos clássicos, o ágape grego, o amor como princípio cosmogônico, o amor divino, o amor confissional, o amor sem ambição, o amor da renúncia ao império dos sentidos – é contraposto, em muitos poemas, às vontades e paixões humanas que iludem a razão.



O poema Kassandra, da coletânea Dia do Mar, livro publicado pela primeira vez em 1947, é uma das composições da poetisa que se destaca pela transposição para a era moderna da literatura de uma narrativa protagonizada por uma figura mítica do gênero feminino e o deus grego Apolo, "maestro" das musas inspiradoras do canto e da poesia, ele mesmo considerado, em associação com o sol e a beleza da harmonia, o deus protetor e incentivador da música e da poesia.

O título do poema revela em si o tema mítico, mas há na obra de Andresen outras composições que remetem o leitor à antiguidade clássica grega sem anunciar denotativamente a identidade das personagens míticas revisitadas – em alguns casos, mesmo sem dar nomes de seres, entes e lugares, as "pistas" da autora são evidentes; em outros, os leitores precisam se aprofundar na interpretação dos poemas para estabelecer as relações intertextuais com os episódios míticos reatualizados.

Kassandra, em grego, é um nome formado pela união dos elementos kekasmai e kad, cuja tradução é “brilhar”, e aner, que significa “homem”, resultando no significado “a que brilha sobre os homens” ou “a que protege os homens”. Na mitologia grega, Cassandra é filha de Príamo e Hécuba. Na imagem que ilustra esta página, ela está representada, em quadro pintado em 1898, pelo artista inglês Evelyn De Morgan. A obra compõe a De Morgan Collection, exposta na Watts Gallery, em Compton, Guildford, no condado de Surrey, do Reino Unido.

Príamo foi aprisionado na infância, ainda com o nome de Podarces, juntamente com sua irmã Hesíone, durante a tomada de Tróia pelo herói Héracles. A menina Hesíone foi dada como esposa a Télamon, pelo amigo Hesíone. Nas núpcias, Hesíone pediu como presente o próprio irmão aprisionado, rebendo direitos sobre ele por compra, motivo pelo qual o menino, ao deixar de ser prisioneiro, passou a ser chamado Príamo, cujo significado é "o que foi vendido". Ao se transformar num jovem guerreiro, Príamo conquistou o trono de Tróia e teve muitos filhos com sua segunda esposa, Hécuba (famosa por seu poder de fecunidade), dentre eles Cassandra, Heitor, Páris, Heleno, Troilo (embora este último também seja considerado filho de Apolo). Na lista de Apolodoro (intitulada Biblioteca), que reúne, em grego, todas as narrativas da mitlogia grega e cuja autoria é outorgada a Pseudo-Apolodoro, Príamo teve 47 filhos homens. Na Guerra de Tróia, Príamo já era homem velho, por isso não mais combatia, e sim presidia os conselhos de guerreiros.

Filha, portanto, de um grande rei, Cassandra costumava visitar templos com irmãos ainda pequena. Numa das vezes, ela foi esquecida pelos pais, jutamente com seu irmão gêmeo Heleno, no templo de Apolo Timbriano. As crianças passaram ali a noite, tendo sido encontradas, ao amanhecer, entre duas serpentes. A partir desse episódio, ambas as crianças desenvolveram o dom de ouvir as vozes dos deuses do Olimpo.

Cassandra cresceu e transformou-se numa jovem bela, servidora de Apolo, atraindo os olhares do deus que por ela se enamorou. O dom de profetizar de Cassandra foi enriquecido por Apolo, que lhe ensinou os segredos da profecia e fez dela uma de suas pitonisas (sacerdotisas de Apolo, recolhidas ao templo, onde permaneciam isoladas e proferiam oráculos). Todavia, assim como Dafne, conta o mito que Cassandra se recusou a ter relações sexuais com Apolo, motivo pelo qual ele a castigou, retirando-lhe o dom da persuasão, isto é, ninguém mais no mundo, após a ira concretizada do deus (ele cuspiu na boca dela), acreditaria nas suas profecias, ainda que elas dissessem a verdade.

Desacreditada em tudo que dizia por ter se recusado ao amor de Apolo, Cassandra profetizou inutilmente, por exemplo, que o rapto de Helena traria destruição e morte a Tróia; que os gregos invadiriam a cidade dentro do cavalo de madeira (ela implorou ao pai, Príamo, que destruísse o cavalo que Tróia ganhou de presente, porém, ele não lhe deu ouvidos); que Heitor, um de seus irmãos, morreria em combate. Ninguém confiou nos seus presságios, sendo Cassandra tratada como louca.

Perseguida por Ájax de Lócris, que lutou contra Heitor e o venceu na Guerra de Tróia, a virgem Cassandra foi capturada e violada por ele num templo enquanto se escondia atrás de uma estátua de Atena, a qual foi partida em pedaços. Na partilha do butim fruto da batalha da guerra vencida, Cassandra foi dada de presente, por Ájax, a Agamenon, que a leva para Micenas. O destino, contudo, fez com que Agamenon fosse assassinado em Micena por Egisto, amante de sua esposa, Clitemnestra. Assim, Cassandra acabou sendo levada por outro guerreiro, Zakíntio, para Cólquida, onde ele fundou uma nova cidade na companhia da sacerdotisa, missão que ele alegava ter recebido dos deuses (ambos teriam constituído a descendência de 30 novas gerações). Segundo algumas narrativas, Cassandra teria sido morta em Tróia ou Micenas.

Presente na Biblioteca de Pseudo-Apolodoro, a tragédia de Cassandra decorrente do embate que travou com Apolo em defesa de sua castidade e pureza de sacerdotisa, cuja consequência foi o mergulho da sua mente em delírios proféticas que ao serem por ela proferidas como profecias causavam repugnância nas pessoas, inclusive nas vítimas identificadas em suas vidências, como seu próprio pai, Príamo, e seu irmão Heitor, exerceu e exerce grande fascínio sobre homens e mulheres das mais diversas culturas, sendo reatualizada literariamente por muitos autores.

Cassandra está no Canto XXIII da Ilíada, de Homero (anexo 3); na peça de teatro Trólio e Cressida, escrita por Shakespeare (anexo 4); no Auto da Sibila Cassandra, do poeta português Gil Vicente; nos Triunfos, de Francesco Petrarca; na novela Kassandra, da alemã Christa Wolf, de 1983; no filme para cinema Cassandra's Dream, escrito e dirigido por Woody Allen, com exibição em circuito nacional em 2007; em peça de teatro do Núcleo Bartolomeu de Depoimentos, com Claudia Schapira, em maio deste ano.

Em cada uma das obras citadas, determinados aspectos do mito são focados com mais ou menos relevância, de acordo com a proposta de intertextualidade do autor. Gil Vicente, por exemplo, estabelece uma relação de paródia com o mito pela função de ironia em harmonia com os traços da comédia de comportamento exemplar que compôs.

Em Trólio e Cressida, Cassandra previne aos troianos, sem ser ouvida, sobre os ataques vitoriosos dos gregos; em Petrarca, também fala a voz da vidente desacreditada; na novela alemã, o mito é tema para um discurso crítico sobre relações de patriarcado e submissão feminina; em Woody Allen a transposição do mito fundamenta uma crítica social alusiva aos comportamentos humanos que se excedem moralmente em razão da ambição desmedida, aos sacrifícios impingidos pelos mais poderosos aos mais frágeis, ao abandono dos valores éticos que deveriam reger o convívio social.

Na transposição do mito de Cassandra feita por Andresen, o passado literário ressurge como a Idade de Ouro que pode ser recuperada pela poesia, a qualquer tempo. No instante poético recriado pela poetisa, a forma clássica petrarquiana é também recuperada, tendo a função de expressar harmonia entre forma e conteúdo do soneto – coerência formal e temática. Segue a reprodução do poema.
Kassandra1
Homens, barcos, batalhas e poentes.

Não sei quem, não sei onde, delirava.

E o futuro vermelho transbordava

Através das pupilas transparentes.


Ó dia de oiro sobre as coisas quentes,

Os rostos tinham almas que mudavam,

E as aves estrangeiras trespassavam

As minhas mãos abertas e presentes.


Houve instantes de força e de verdade –

Era o cantar de um deus que me embalava

Enchendo o céu de sol e de saudade.
Mas não deteve a lei que me levava,

Perdida sem saber se caminhava

Entre os deuses ou entre a humanidade.

O soneto “Kassandra” é composto por duas estrofes de quatro versos cada e duas estrofes de três versos cada. Os versos escandidos (metrificados) apresentam 10 sílabas poéticas cada, isto é, são decassílabos (anexo 1). “Kassandra” tem a forma de composição clássica do soneto chamado petrarquiano ou soneto italiano, cuja criação primeira é creditada ao poeta italiano Francesco Petrarca (1304-1374), autor de Il Canzioniere (O Cancioneiro), também considerado pai do Humanismo, portanto, um dos inspiradores da Renascença.

Quando analisamos o ritmo e as rimas do poema (anexo 2), verificamos que ele é composto de rimas perfeitas (sonoridade entre entes e entes, ava e ava, avam e avam, dade e dade). Os 14 versos do soneto são decassílabos heróicos (com sílabas poéticas tônicas nas posições 6 e 10).

Em termos de valor, as rimas em “Kassandra” são ricas por se efetivarem em palavras de classes gramaticais diferentes, como poentes/transparente; e são pobres quando rimam palavras da mesma classe gramatical, como em delirava/tansbordava. Em posição, são externas e, por aliteração, também internas (não/não, sei/sei, almas/estrangeiras/abertas).

Os enunciados refletem a individualidade dos sujeitos líricos enunciadores e os elos com enunciados de outros sujeitos por meio da apropriação do mito de Cassandra. O destinatário dos enunciados do soneto não é um interlocutor direto do diálogo, selecionado com exclusividade, mas sim toda uma coletividade apreciadora de poesia. Todavia, as funções da comunicação discursiva neste soneto podem ser avaliadas em seus elementos estilísticos, temáticos e composicionais, o que significa que há um raciocínio intelectual estratégico em sua composição que compreende uma série de saberes, dentre eles um profundo conhecimento da língua portuguesa; os conceitos de composição da poesia clássica; a origem, a história e as reatualizações do mito grego de Cassandra; conhecimentos sobre a cultura de sacrifício feminino.

Embora os enunciadores do soneto não tenham eleito um determinado perfil de leitor como destinatário, as funções da comunicação discursiva demonstram que a leitura do soneto possui diferentes graus de compreensão, dependendo da bagagem cultural do leitor e de suas condições de compartilhamento dos saberes interrelacionados pelos enunciadores (ou sujeitos líricos) em sua expressão poética.

As funções da comunicação discursiva do soneto também induzem a uma experiência de leitura em nível emocional, centrada no Amor idealizado e impossível, simbolizado por um mito de princípios cosmogônicos que incita a compaixão por uma mulher devota que se sacrifica em nome da castidade – seja por intuito religioso, seja por crença na predestinação ao serviço humanitário –, concedendo proteção aos seres mais frágeis, assim como induzindo ao comportamento exemplar em meio a relações sociais e até no universo das concepções artísticas (pintura, teatro, poesia, prosa, música, escultura etc).

O mito de Cassandra conta uma história sagrada, um acontecimento ocorrido no tempo primordial, protagonizado por uma figura feminina humana e um deus do gênero masculino. Cassandra, devotada a Apolo, já vivia em sacrifício (virgem adoradora do deus), porém, por veleidade, o deus do canto e da poesia torna o sacrifício dela ainda mais intenso, fazendo-a desacreditada. Em todas as reatualizações do mito há uma transposição da narrativa para um novo contexto, nas quais identifica-se a prática literária da intertextualidade e, em alguns casos, a prática da interdiscursividade, visto que temos, em alguns casos, a transposição do mito para gêneros discursivos diferentes, como o cinema e o teatro.

Na transposição do mito de Cassandra feita por Andresen, o passado literário ressurge como a Idade de Ouro recuperada pela poesia, a qualquer tempo. No instante poético recriado, a forma clássica petrarquiana é também recuperada, tendo a função de expressar harmonia entre forma e conteúdo do soneto – coerência formal e temática.

Ao transpor o mito de Cassandra do illo tempore para o tempo da poesia, a autora do soneto, além de retornar ao passado por meio da apropriação do mito, também mescla presente e passado nas estrofes ao introjetar, uma na outra, vozes de dois sujeitos líricos manifestados em primeira pessoa.

O primeiro sujeiro lírico, imiscuído ao segundo, produz os enunciados da primeira estrofe, introduzindo a narrativa da figura mítica no tempo presente da leitura do poema (“Homens, barcos, batalhas e poentes/Não sei quem, não sei onde, delirava.”).

O segundo sujeio lírico produz os enunciados das três estrofes seguintes, sob identidade da figura mítica de Cassandra, que assim narra a síntese de sua própria história em versos, empregando verbos no pretérito perfeito (“Houve instantes de força e de verdade –”) e no prérito imperfeito (“Era o cantar de um deus que embalava”).

Esta estratégia discursiva da poetisa manifesta formalmente a intenção de reduzir a distância entre passado e presente, entre a tragédia grega e a poesia moderna portuguesa.

O sacrifício feminino de Cassandra – ter visões, profetizar e não ser acreditada, o que a exclui do viver em harmonia com outros seres (deuses e humanos) – desumaniza sua condição de vida terrena, mas sacraliza sua existência mítica por meio da oralidade, cuja essência verdadeira, no caso dela, é invisível aos homens e mulheres in illo tempore. Mas a descrença em suas profecias não torna sua existência mítica desimportante, muito pelo contrário, pois quem atenta para a lição exemplar contida no mito compreende que: um “deus” pode agir por velidade, sacrificando um ser humano; há profecias que se realizam, mesmo que mulheres e homens não tenham fé nas palavras do profeta ou da profetisa.

Cassandra está viva no mito e, segundo sugere a poesia de Andresen, também está viva como musa poética, ganhando voz de sujeiro lírico em primeira pessoa no soneto. No tempo da poesia de Andresen, contudo, os enunciados das duas últimas estrofes contêm um simulacro de uma autoreflexão de Cassandra sobre sua condição de sacrifício in illo tempore: ela admite que vivia “perdida”, sem “saber se caminhava” entre deuses ou seres mortais.

Ao transpormos a mesma autoreflexão de Cassandra, agora em via de mão inversa, do mito presentificado para a poesia moderna de Andresen, verifica-se que o soneto revela um sujeito lírico que também faz uma autoreflexão sobre o percurso histórico, literário poético e estilístico que realiza ao revisitar o passado mítico e o passado clássico da poesia, em busca de inspiração (temas e formas) para expressar sentimentos experimentados no seu tempo presente.

Considerando-se que há a permanência no soneto do rigor estético e da submissão da sacerdotisa e musa Cassandra ao deus da poesia, Apolo, pode-se inferir que o sacrifício feminino, sob a visão de mundo da poetisa, não tem fim, sejam quais forem o tempo e o contexto, dado que: na produção de sua poesia, os sujeitos líricos sentem-se obrigados, como seres e entes femininos, a prestar tributo a poetas (homens) consagrados do passado, como Homero, Camões e Petrarca, denominados “deuses” da escrita; na recepção de sua poesia, estes sujeitos líricos de vozes femininas não estão seguros a respeito da aceitação e da compreensão, em todos os níveis, dos versos que produzem e das mensagens por eles transmitidas aos seus leitores.

Referências bibliográficas
ANDRESEN, Sophia de Mello Breyner. Kassandra. (1947) In: Dia do Mar. Tomo III. In:

Obra Poética. Lisboa: Assírio & Alvim, 2015, p. 159.

BAKHTIN, Mikhail. Marxismo e Filosofia da Linguagem. Capítulos 4, 5 e 6. São Paulo:

Editora Hicitec, 2010, 14ª ed.

BAKHTIN, Mikhail. Os gêneros do discurso. In: Estética da criação verbal. São Paulo:

Martins Fontes, 2003, 4ª ed.

BOSI, Alfredo. O ser e o tempo da poesia. São Paulo: Cultrix, 1999.

BRANDÃO, Junito de Souza. Mitologia Grega Vol. II. Rio de Janeiro: Vozes, 23ª ed.

BRUNEL, Pierre. Dicionário de mitos literários. Rio de Janeiro: José Olympio, 1997.

BULFINCH, Thomas. O livro de ouro da mitologia – Histórias de Deuses e Heróis. Rio

de Janeiro: Agir, 2014.

CHEVALIER, Jean. GHEERBRANT, Alain. Dicionário de símbolos. Rio de Janeiro:

José Olympio, 10ª ed.

ELIADE, Mircea. Mito e realidade. São Paulo: Perspectiva, 2000.

FIORIN, José Luiz. As astúcias da enunciação. São Paulo: Ática, 1996.

GUIMARÃES, Ruth. Dicionário da mitologia grega. São Paulo: Cultrix,

HOMERO. Ilíada. Tradução de Carlos Alberto Nunes. São Paulo: Ediouro, p. 376.

HUTCHEON, Linda. Poética do pós-modernismo – Teoria, história e ficção. Rio de

Janeiro: Imago, 1988.

SACCONI, Luiz Antonio. Poética. In: Nossa gramática – Teoria e prática. São Paulo:

Atual, 1983.

SHAKESPEARE, William. Tróilo e Cressida. In: Obra Completa. Vol 1. Rio de Janeiro:

Editora Nova Aquilar, 1989, p. 132-134.



Anexo 1 – Metrificação do soneto Kassandra

Kassandra2

Ho / mens, / bar / cos, / ba / ta / lhas / e / po / en (tes). (10)

Não / sei / quem, / não / sei / on /de, / de / li / ra / (va). (10)

E o / fu / tu / ro / ver / me / lho / trans / bor / da/ (va) (10)

A / tra / vés / das / pu / pi/ las / trans / pa / ren / (tes(. (10)


Ó / dia / de oi / ro / so / bre as / coi /sas / quen / tes, (10)

Os / ros / tos / ti / nham /al / mas / que /mu / da / (vam),(10)

E as /a / ves / es / tran / gei / ras / tres / pa /ssa / (vam) (10)

As / mi / nhas / mãos / a / ber / tas / e / pre/ sen / (tes). (10)


Hou /ve ins / tan / tes /de / for /ça e /de /ver /da / (de) – (10)

Era o /can /tar /de /um /deus /que /me em /ba / la /(va) (10)

En /chen /do o / céu / de/ sol / e / de / sau / da / (de). (10)
Mas / não / de / te / ve a / lei / que / me / le/ va / (va), (10)

Per / di / da / sem / sa / ber / se / ca/ mi / nha / (va) (10)

En/tre os /deu / ses /ou en/ tre a / hu/ ma / ni /da / (de). (10)

Sonetro petrarquiano ou soneto italiano

Duas estrofes de quatro versos mais duas estrofes de três versos DUAS

Versos decassílabos (10 sílabas poéticas em cada versos)



Anexo 2 – Rimas e ritmos no soneto Kassandra
Kassandra3
Homens, barcos, batalhas e poentes.

Não sei quem, não sei onde, delirava. Rimas interpoladas

E o futuro vermelho transbordava Graves e esdrúxulas

Através das pupilas transparentes.


Ó dia de oiro sobre as coisas quentes,

Os rostos tinham almas que mudavam, Rimas interpoladas

E as aves estrangeiras trespassavam Graves e esdrúxulas

As minhas mãos abertas e presentes.


Houve instantes de força e de verdade

Era o cantar de um deus que me embalava

Enchendo o céu de sol e de saudade.

Rimas interpoladas

Mas não deteve a lei que me levava, Graves e esdrúxulas

Perdida sem saber se caminhava

Entre os deuses ou entre a humanidade.


Soneto petrarquino ou soneto italiano decassílabo

Duas estrofes de quatro versos mais duas estrofes de três versos

Aliterações em: "s", "as", "ba", "en", "o", "me", "trans", "m", "da",

"de", "oi", "t", "va", "não"

Rimas internas: não/não/não; almas/estrangeiras/minhas/abertas; entre/entre

Rimas perfeitas (sonoridade)

Rimas ricas e pobres (valor)

Anexo 3 – Cassandra na Ilíada, de Homero
CANTO XXIII4

694 O cróceo manto já abrira na terra a solicita Aurora.

Guiando os corcés, à cidade chegaram, por entre gemidos,

prantos e dores; os mulos seguiam com o corpo. Notado

ninguém os tinha, nem Teucros nem Teucra de cinto elegante,

com exceção de Cassandra, tão bela quanto áura Afrodite,


700 que, da alta Pérgamo, o pai conhecera, de pé na carruagem,

junto do arauto que tem por ofício apregoar na cidade.

Viu o cadáver, também, sobre o leito que os muitos traziam.

Soam por toda a cidade seus gritos e tristes lamentos.

"Vinde, Troianos e Teucras, a Heitor contemplar, esse mesmo

que, quando vivo, folgáveis de ver, ao voltar dos combates,

por ser o gáudio de Tróia, por ser para todos um ídolo".


Anexo 4 – Cassandra em Tróilo e Cressida, de Shakespeare
Cena III: Tróia. Diante do paláio de Príamo.5

Entram Heitor e Andrômaca.


ANDRÔMACA. – Desde quando tem meu senhor tão mau humor para fechar os ouvidos às advertências? Tirai as armas, tirais as armas e não luteis hoje.

HEITOR. – Vós-me obrigais a ofender-vos; entrai! Por todos os deuses eternos, eu irei!

ANDRÔMACA. – Meus sonhos, ficai certo, pressagiam um dia funesto.

HEITOR. – Basta, já disse. (Entra CASSANDRA.)

CASSANDRA. – Onde está meu irmão Heitor?

ANDRÔMACA. – Está aqui, minha irmã, armado e cheio de intenções sangrentas. Uni-vos às minhas veementes e ternas súplicas, imploremo-lhe de joelhos, pois sonhei com uma refrega sangrenta e passei toda a noite só vendo formas e imagens de morte.

CASSANDRA. – É verdade!

HEITOR. – Mandai tocar minha trombeta!

CASSANDRA. – Em nome do céu, meu doce irmão, que não seja toque de partida.

HEITOR. – Ide embora, já vos disse. Os deuses me ouviram jurar.

CASSANDRA. – Os deuses ficam surdos aos juramentos temerários e violentos. São oferendas profanadas, mais repulsivas do que as manchas nos fígados das vítimas oferecidas ao sacrifício.

[...]


CASSANDRA. – Oh! adeus, querido Heitor! Olha como estás morrendo! Olha como teus olhos estão ficando pálidos! Olha como tuas feridas estão sangrando por mil bocas! Escuta como Tróia ruge! Escuta como Hécuba soluça! Como a pobre Andrômaca lança gritos lacinantes expressando a própria dor! Contempla: a loucura, o frenesi e o estupor, como se fossem bonecos sem alma, abordam-se e gritam: "Heitor! Heitor está morto! Ó Heitor!"

TRÓILO. – Vai-te embora. Vai-te embora!

CASSANDRA. – Adeus! ... Um momento, entretanto... Heitor, despeço-me de ti. Tu te iludes e iludes toda nossa Tróia. (Sai.)

HEITOR. – Meu suserano, ficastes estupefacto com as exclamações de Cassandra. Entrai e despertai a confiança na cidade. Nós vamos combater e praticaremos atos dignos de elogios que vos contaremos hoje de noite.




1 ANDRESEN, Sophia de Mello Breyner. Dia do Mar. Tomo III. In: Obra Poética. Lisboa: Assírio & Alvim, 2015, p. 159.


2 ANDRESEN, Sophia de Mello Breyner. Dia do Mar. Tomo III. In: Obra Poética. Lisboa: Assírio & Alvim, 2015, p. 159.


3 ANDRESEN, Sophia de Mello Breyner. Dia do Mar. Tomo III. In: Obra Poética. Lisboa: Assírio & Alvim, 2015, p. 159.


4 HOMERO. Ilíada (Em verso). Tradução de Carlos Alberto Nunes. São Paulo: Ediouro, p. 376.


5 SHAKESPEARE, William. Tróilo e Cressida. In: Obra Completa. Vol 1. Rio de Janeiro: Editora Nova Aquilar, 1989, p. 132-134.


©bemvin.org 2016
enviar mensagem

    Página principal