O sistema de ensino ser está preocupado com a preservação das paisagens brasileiras e do


Aula 27 Narrativas em foco: do mito à crônica



Baixar 2,22 Mb.
Pdf preview
Página14/15
Encontro25.03.2020
Tamanho2,22 Mb.
1   ...   7   8   9   10   11   12   13   14   15

Aula 27
Narrativas em foco: do mito à crônica
23
LÍNGU
A
 
POR
TUGU
ES
A
SER_EF2_Portugues8_M1_Guia_001_048.indd   23
10/1/15   9:49 AM

 2.
  Camilo vai à cartomante antes de se encontrar com Vi-
lela. Nesse encontro, Camilo deixa claro que se acalmou 
com as palavras da mulher, que lhe disse não haver 
motivo para medo, pois nada aconteceria “nem a um 
nem a outro; ele, o terceiro, ignorava tudo”. Porém, a 
história teve um fim trágico, diferentemente daquele 
previsto pela cartomante. Em sua interpretação, qual 
foi a mensagem que o autor quis transmitir com o des-
fecho da história?
A extrapola•‹o da mensagem depender‡ do conhecimento 
de mundo dos alunos. Nesse momento, talvez eles ainda n‹o 
consigam reconhecer a ironia machadiana impl’cita no cl’max 
do conto, quando Camilo vai à cartomante. Isso j‡ deveria 
provocar a desconfian•a no leitor. PorŽm, Ž poss’vel que 
compreendam a mensagem de que o autor faz uma cr’tica 
ao comportamento de Camilo e Rita irem procurar uma car-
tomante para resolver os pr—prios problemas e, ainda, depo-
sitar nas previs›es de uma desconhecida a confian•a sobre 
o destino da pr—pria vida.
P‡ginas: 56 e 57
• 
TEMA: “Modos de citação do discurso de outros”.
• 
CONTEòDO TRABALHADO: Discurso indireto livre.
Objetivos
¥ 
Identificar a voz do discurso indireto livre.
¥ 
Criar um discurso indireto livre.
EstratŽgias
No início desta aula, retome com os alunos o conceito 
de discurso e de texto e peça que expliquem como diversas 
vozes são colocadas em um discurso pelo narrador.
Lembre os conceitos de discurso direto e de discurso 
indireto, deixando que os alunos os construam de acordo 
com a interpretação que tiveram. Esclareça as dúvidas con-
ceituais que surgirem.
Em seguida, exponha a terceira maneira de inserir vo-
zes de outras pessoas em um texto: o discurso indireto li-
vre. Mostre como ele ocorre com base no exemplo desta-
cado na página 56. Leia coletivamente o conceito e, depois, 
conceda um tempo para que os alunos realizem as ativida-
des da página 57.
Retome a crônica “Emergência” (páginas 47 e 48) e 
identifique com os alunos trechos em que o discurso indire-
to livre aparece. Depois, organize a turma em grupos e peça 
que retomem o conto “A cartomante” para identificar os 
trechos em que o discurso indireto livre ocorre.
No momento da correção coletiva, chame atenção para 
o fato de que em um mesmo texto pode haver várias formas 
de incursão de vozes.
Para casa
Solicite a realização das seguintes atividades:
 1.
  Releia o trecho abaixo, da crônica “Emergência”, e trans-
porte o discurso indireto livre em discurso direto. Faça as 
adaptações que julgar necessárias.
Quando o avião começa a correr pela pista antes de 
levantar voo, ele é aquele com os olhos arregalados e a ex-
pressão de Santa Mãe do Céu! no rosto. Com o avião no ar, 
dá uma espiada pela janela e se arrepende. É a última es-
piada que dará pela janela.
Quando o avi‹o come•a a correr pela pista antes de levantar 
voo, ele arregala olhos e solta:
Ð Santa M‹e do CŽu!.
Com o avi‹o no ar, d‡ uma espiada pela janela e se arre-
pende:
Ð ƒ a œltima espiada que eu vou dar pela janela.
 2.
  Agora, releia este trecho de “A cartomante” e transforme 
o discurso direto em discurso indireto livre, fazendo as 
adequações necessárias.
Abriu uma gaveta e tirou um baralho de cartas com-
pridas e enxovalhadas. Enquanto as baralhava, rapida-
mente, olhava para ele, não de rosto, mas por baixo dos 
olhos. Era uma mulher de 40 anos, italiana, morena e ma-
gra, com grandes olhos sonsos e agudos. Voltou três car-
tas sobre a mesa, e disse-lhe:
– Vejamos primeiro o que é que o traz aqui. O senhor 
tem um grande susto...
Abriu uma gaveta e tirou um baralho de cartas compridas e 
enxovalhadas. Enquanto as baralhava, rapidamente, olhava 
para ele, n‹o de rosto, mas por baixo dos olhos. Era uma mu-
lher de 40 anos, italiana, morena e magra, com grandes olhos 
sonsos e agudos. Voltou tr•s cartas sobre a mesa para pri-
meiro ver o que o trazia à frente dela.
P‡ginas: 57 e 58
• 
TEMA: “Modos de citação do discurso de outros”.
• 
CONTEòDO TRABALHADO: Transformação de discurso 
direto em discurso indireto.
Aula 28
Aula 29
Narrativas em foco: do mito ˆ cr™nica
24
SER_EF2_Portugues8_M1_Guia_001_048.indd   24
10/1/15   9:49 AM

Objetivos
¥ 
Transpor as vozes do discurso segundo a intencionalidade 
dele.
¥ 
Adequar a linguagem e o estilo do discurso segundo a voz 
que se manifesta nele.
EstratŽgias
Corrija a tarefa de casa. Após, mostre aos alunos as 
técnicas para realizar a transforma•ão de discursos, dispos-
tas no quadro inicial da p‡gina 57. Chame aten•ão para os 
elementos de coesão que serão os respons‡veis por ligar as 
partes. Se considerar necess‡rio, revise a fun•ão dos ele-
mentos mais comumente utilizados para a transposi•ão do 
discurso: conjun•›es ligam ora•›es e preposi•›es, palavras. 
Mostre em detalhes como ocorre a adequa•ão verbal.
ƒ importante destacar a necessidade de adequar o 
discurso e, ao mesmo tempo, manter o estilo do autor, para 
que a realiza•ão da atividade não se torne mec‰nica e pouco 
reflexiva. A ideia é que os alunos compreendam a funciona-
lidade da transposi•ão de vozes em uma narrativa.
Finalizadas as explica•›es, leia coletivamente os 
exemplos e explica•›es das p‡ginas 57 e 58 e explique mais 
detalhadamente como ocorre a adequa•ão lingu’stica des-
sas vozes.
Pe•a que os alunos fa•am a atividade 2 da se•ão Ativi-
dades: modos de cita•‹o do discurso (p‡gina 61).
Para casa
Solicite a realiza•ão da seguinte atividade:
 
  Transforme o trecho a seguir, da cr™nica ÒEmerg•nciaÓ, de 
Lu’s Fernando Verissimo, para o discurso indireto, como 
se o próprio passageiro estivesse contando a história, j‡ 
acontecida, para alguém:
Mas o pior est‡ por vir. De repente ele ouve uma 
misteriosa voz descarnada. Olha para todos os lados para 
descobrir de onde sai a voz.
ÒSenhores passageiros, sua aten•‹o, por favor. A se-
guir, nosso pessoal de bordo far‡ uma demonstra•‹o de 
rotina do sistema de seguran•a deste aparelho. H‡ sa’das 
de emerg•ncia na frente, nos dois lados e atr‡s.Ó
– Emerg•ncia? Que emerg•ncia? Quando eu com-
prei a passagem ninguém falou nada em emerg•ncia. 
Olha, o meu é sem emerg•ncia.
Uma das aeromo•as, de pé ao seu lado, tenta acal-
m‡-lo.
– Isto é apenas rotina, cavalheiro.
– Odeio a rotina. Aposto que voc• diz isso para todos. 
Ai meu santo.
Mas o pior estava por vir. De repente, ouvi uma misteriosa 
voz descarnada e olhei para todos os lados para descobrir 
de onde ela saía. A voz pedia atenção aos passageiros e 
explicava que o pessoal de bordo faria uma demonstração 
de rotina do sistema de segurança daquele aparelho. Falava 
também que havia saídas de emergência na frente, nos 
dois lados e atrás. Aí eu me alterei e perguntei que emer-
gência seria aquela, já que quando eu comprei minha pas-
sagem ninguém falou nada em emergência. Falei que que-
ria meu voo sem emergência.
Uma das aeromoças, de pé ao meu lado, tentou me acalmar 
e explicar educadamente que aquilo era apenas uma rotina. 
Então eu respondi a ela que odeio a rotina e que apostava 
que ela dizia aquilo para todos. Finalizei clamando pelo meu 
santo protetor.
Página: 58
• 
TEMA: ÒHora de organizar o que estudamosÓ
• 
CONTEÚDO TRABALHADO: Sistematiza•ão dos conceitos 
de vozes do discurso e sequ•ncias textuais.
Objetivos
¥ 
Transpor as vozes do discurso segundo sua intencio-
nalidade.
¥ 
Adequar a linguagem e o estilo do discurso segundo a voz 
que se manifesta nele.
EstratŽgias
Corrija a tarefa de casa. Indique as partes nas quais foi 
necess‡rio mudar o elemento de coesão para que não hou-
vesse muitas repeti•›es das palavras e para que se manti-
vesse o estilo humor’stico do texto.
Por se tratar de uma aula de revisão, aproveite a corre-
•ão da atividade para sistematizar as caracter’sticas do g•-
nero cr™nica, por meio da se•ão Hora de organizar o que es-
tudamos (p‡gina 58). Lembre os alunos sobre o conceito, a 
inten•ão, os elementos de constru•ão do g•nero, a lingua-
gem e o tipo de leitor que aprecia esse g•nero.
Nesse momento, pergunte a eles se gostaram da 
cr™nica ÒEmerg•nciaÓ e deixe que se manifestem livre-
mente.
Pe•a que fa•am a atividade 1 da se•ão Atividades: mo-
dos de cita•‹o do discurso (p‡gina 61).
Aula 30
Narrativas em foco: do mito à crônica
25
LÍNGU
A
 
POR
TUGU
ES
A
SER_EF2_Portugues8_M1_Guia_001_048.indd   25
10/1/15   9:49 AM

Para casa
Solicite a realização da seguinte atividade:
 
  Releia o trecho da reportagem reproduzido na atividade 2 
da seção Atividades: sequências textuais (páginas 59 e 
60). De acordo com o conteúdo denunciado pela reporta-
gem, como pode ser compreendido o problema da morte 
das aves no prédio da Procuradoria Geral da República, em 
Brasília? Assinale a alternativa correta.
a) Como um problema espacial, porque existem dois pré-
dios no local, o que impede o voo das aves.
b)  Como um problema arquitetônico, porque se os pré-
dios não fossem cilíndricos e tivessem menos de 30 
metros de altura as aves não bateriam neles.
c)   Como um problema matemático, porque não é possí-
vel mensurar quantas aves já morreram e, por isso, 
biólogos da Universidade de Brasília foram contrata-
dos para estudar o problema.
d) Como um problema ambiental, já que se relaciona à 
morte de espécies de animais por causa da interferên-
cia do homem no meio ambiente.
Resposta: alternativa D.
P‡gina: 62
• 
TEMA: “Prática de oralidade”.
• 
CONTEòDO TRABALHADO: Planejamento de dramatização.
Objetivos
¥ 
Planejar as etapas de uma apresentação dramática.
¥ 
Identificar previamente as necessidades de uma apresen-
tação oral.
Estratégias
Para esta atividade proposta na seção Pr‡ticas de ora-
lidade serão necessárias quatro aulas. Nesta, exponha a 
proposta: dramatização da crônica “Emergência”, de Luís 
Fernando Verissimo (páginas 47 e 48) e organização do pla-
nejamento dela.
O intuito é chamar atenção dos alunos para a lingua-
gem cômica e sua implicação para a adequação à tipologia 
dramática.
Para iniciar o planejamento, organize a turma em gru-
pos de, no mínimo, seis alunos, conforme a instrução 1 da 
página 62. Peça que planejem:
¥ 
Local e data da apresentação: escolher conjuntamente o 
local onde será apresentado e as datas viáveis. Caso seja 
possível apresentar para a comunidade, definam também 
horários, de modo que não seja cansativo à plateia assistir 
a todas as adaptações.
¥ 
Cenário: decidir de que material será feito, quais itens se-
rão representados, qual será o tamanho. É importante que 
esta seja uma decisão de toda a turma, pois não haverá 
mão de obra e tempo hábil para a troca do cenário.
¥ 
Indumentária: analisar os personagens e definir quais se-
rão as roupas e os acessórios utilizados e se será neces-
sária confecção.
Circule entre os grupos para orientá-los quanto a esse 
planejamento. Sugira a elaboração de um cronograma, con-
siderando que a apresentação ocorrerá na última aula desta 
sequência de dramatização.
Seria produtivo e significativo abrir a apresentação para a 
comunidade. Para tanto, verifique a possibilidade com a direção 
da escola e, depois, sugira a ideia para os alunos. Caso a suges-
tão seja aceita, agendem uma data viável e, se necessário, fa-
çam adequações no cronograma para que haja tempo hábil de 
preparação e ensaios, sem prejuízo na sequência das aulas.
Para incentivar a participação dos alunos e inserir o re-
querimento no contexto das aulas de Língua Portuguesa, in-
centive a elaboração de estratégias escritas para a persua-
são da direção. Informe-a sobre a solicitação e peça que 
responda por escrito aos alunos.
É importante que o produto desta aula seja um plane-
jamento físico com um cronograma de trabalho que viabilize 
a apresentação.
Para casa
Solicite que os alunos separem os materiais necessá-
rios para a confecção do cenário e iniciem a produção. Peça 
também que visitem o local da apresentação e prestem aten-
ção na iluminação (considerando se será de dia ou à noite), no 
espaço (para que seja possível delimitar um palco e um espa-
ço de coxia), na sonoridade (para verificar se todos ouvirão as 
falas e se não há ruídos externos que possam atrapalhar), 
entre outros itens físicos que julgarem importantes para o su-
cesso da apresentação.
P‡gina: 62
• 
TEMA: “Prática de oralidade”.
Aula 31
Aula 32
Narrativas em foco: do mito ˆ cr™nica
26
SER_EF2_Portugues8_M1_Guia_001_048.indd   26
10/1/15   9:49 AM

• 
CONTEòDO TRABALHADO: Transforma•‹o de texto 
narrativo em texto dram‡tico.
Objetivo
¥ 
Transformar um texto narrativo em texto dram‡tico que 
possa ser encenado.
Estratégias
Solicite que os alunos se reœnam com os grupos e rea-
lizem coletivamente a transposi•‹o do texto para que seja 
encenado. Pe•a que considerem todos os personagens e 
que eliminem a presen•a ou as marcas de fala do narrador, 
tendo em vista que todo o texto dever‡ ser dramatizado. 
Oriente que a apresenta•‹o deve ter, no m‡ximo, dez mi-
nutos.
Para tanto, explique que os grupos dever‹o trabalhar 
para transpor o discurso indireto e o indireto livre em discur-
so direto. Solicite que sejam também delimitadas as falas de 
cada personagem, colocando o nome dele ˆ frente e inserin-
do marcas de a•›es que, desde j‡, identifiquem como signifi-
cativas para garantir, na dramaticidade, o humor caracter’sti-
co da cr™nica adaptada. Um exemplo: Viajante de primeira 
viagem: (express‹o de desespero) Santa M‹e do céu!
Caso haja mais integrantes no grupo do que persona-
gens na cr™nica, oriente os alunos a criar outros para intera-
girem na hist—ria, sem modificar a mensagem final.
Circule entre os grupos para garantir que os alunos n‹o 
estejam mudando a ess•ncia do texto.
Ap—s a defini•‹o de cada aspecto textual, chame a 
aten•‹o de toda a turma para que, coletivamente, iniciem a 
produ•‹o do cen‡rio de acordo com a proposta definida na 
primeira aula e com o material dispon’vel. Coloque na lousa 
todos os itens que ser‹o produzidos e deixe cada grupo res-
pons‡vel por uma ou mais partes.
Para casa
Solicite que os alunos digitalizem o texto que escreve-
ram em sala de aula, organizando as falas para ficarem dis-
postas de modo claro para os atores lerem. Ap—s, devem 
fazer a leitura individual do texto para verificar a necessida-
de de adequa•‹o pontual que o grupo n‹o tenha considera-
do. Oriente para que isso seja feito a l‡pis, no texto j‡ digita-
lizado, para incluir definitivamente depois ou apagar facil-
mente. Na pr—xima aula, eles devem ler as sugest›es ao 
grupo para que a decis‹o de inser•‹o no texto final seja feita 
coletivamente.
P‡gina: 62
• 
TEMA: ÒPr‡tica de oralidadeÓ.
• 
CONTEòDOS TRABALHADOS: Defini•‹o do texto final e 
ensaio.
Objetivo
¥ 
Elaborar coletivamente um texto, considerando a opini‹o 
de todos os envolvidos.
Estratégias
Nesta aula deve ser realizada a defini•‹o final do texto 
dram‡tico que ser‡ apresentado.
Organize os alunos nos grupos definidos para que ava-
liem as sugest›es feitas pelos integrantes em casa. Circule 
entre eles para corrigir pontualmente inconsist•ncias for-
mais dos textos.
Definido o texto final, abra espa•o para os grupos en-
saiarem ou terminarem a produ•‹o do cen‡rio.
Para casa
Solicite a realiza•‹o das seguintes atividades:
 1.
  Discuta com seus colegas como foi o processo de ade-
qua•‹o da pe•a e os pontos positivos e os negativos do 
processo de produ•‹o coletiva da apresenta•‹o.
 2.
  Além do contexto, conte resumidamente como foi o proces-
so de modifica•‹o do texto e como foram utilizados os co-
nhecimentos aprendidos nas aulas anteriores sobre as se-
qu•ncias textuais e as transposi•›es de vozes do discurso.
P‡gina: 62
• 
TEMA: ÒPr‡tica de oralidadeÓ.
• 
CONTEòDO TRABALHADO: Apresenta•‹o das 
dramatiza•›es.
Objetivo
¥ 
Realizar uma pr‡tica oral adequada a determinado pœblico.
Estratégias
Esta é a aula de apresenta•‹o das produ•›es.
Caso seja poss’vel fazer a apresenta•‹o em outro dia e 
espa•o que n‹o seja a sala de aula, ceda esta aula também 
Aula 33
Aula 34
Narrativas em foco: do mito ˆ cr™nica
27
LêNGU
A
 
POR
TUGU
ES
A
SER_EF2_Portugues8_M1_Guia_001_048.indd   27
10/1/15   9:49 AM

para ensaio. Caso contrário, peça que os alunos montem o 
cenário e iniciem as apresentaç›es no tempo determinado.
Para não gerar expectativas de tempo, informe que as 
apresentaç›es poderão continuar na próxima aula, caso não 
seja possível finalizá-las nesta.
Faça anotaç›es sobre cada apresentação e, depois, 
elabore um breve texto para entregar aos grupos no final 
das apresentaç›es, para que avaliem o desempenho coleti-
vo e ponderem necessidades de melhoria no processo. 
Nessa avaliação, considere os desempenhos em grupo, o 
senso de coletividade e de solidariedade, o empenho na re-
alização das atividades, a desenvoltura na apresentação, 
entre outros itens que julgar pertinentes. Para facilitar, os 
itens podem ser elencados igualmente para todos e demar-
cados com ÒxÓ. A escala pode variar de Òbom desempenhoÓ, 
Ònecessário melhorarÓ, Òfaltou envolvimentoÓ atŽ Òtentar 
novamenteÓ. Sugest›es de avaliação devem ser aceitas. O 
importante Ž não estabelecer um ÒmuroÓ que crie uma zona 
de conforto mediana para compor a devolutiva.
Para casa
Solicite a realização das seguintes atividades:
 1.
  Redija um breve texto que descreva como foi a experi•n-
cia da apresentação. Defina o processo de composição e 
seus sentimentos com relação a ela.
 2.
  Em sua opinião, qual foi a etapa mais importante para o su-
cesso desse projeto de apresentação do texto dramático?
Páginas: 62 e 63
• 
TEMAS: ÒPrática de oralidadeÓ e ÒOutras linguagensÓ.
• 
CONTEòDOS TRABALHADOS: Avaliação das 
apresentaç›es e leitura de imagem.
Objetivos
¥ 
Fazer a autoavaliação do processo de produção de um 
projeto coletivo.
¥ 
Transpor linguagem não verbal em linguagem verbal.
Estratégias
Retome com os alunos as avaliaç›es entregues para 
eles na aula anterior. Pergunte sobre as impress›es que ti-
veram do processo e como poderiam aprimorar essa expe-
ri•ncia. Abra espaço para que leiam os textos que produzi-
ram na tarefa de casa.
Faça um fechamento, chamando atenção para a import‰n-
cia do planejamento e da fixação de prazos para essa atividade.
Em seguida, explique como os g•neros são adequáveis 
ˆs intenç›es de comunicação, modificando-se pela estrutura 
e por seu formato, como aconteceu com a cr™nica que foi 
transformada em um texto dramático. Mas mostre tambŽm 
que, alŽm da adequação de um texto, há possibilidades de um 
g•nero abarcar em si uma linguagem não verbal. Para exem-
plificar, use os próprios elementos envolvidos no teatro, como 
o cenário, as vestimentas, entre outros itens que comunicam 
algo. Depois, retome a metáfora da fotografia como uma cr™-
nica não verbal, porque registra um momento que pode ser 
captado de diversas maneiras, sob o olhar do fotógrafo, e in-
terpretado de várias formas segundo o observador.
Realize, então, a leitura coletiva do texto ÒFotografia de 
flagrante cotidianoÓ, na seção 
Outras linguagens (página 62).
Em sala ou em casa, solicite que os alunos façam as 
atividades 1 e 2 da seção 
Outras linguagens (página 63).
Para casa
Solicite a realização da seguinte atividade:
 
  Imagine que voc• está acompanhando um deficiente visual 
em uma exposição de fotografias. Narre para ele, com deta-
lhes, a fotografia de Thiago Nagasima, exposta na página 63.
Pessoa de pŽ, de costas, segurando guarda-chuva e com 
uma bolsa disposta na transversal, da esquerda para a direi-
ta. Est‡ parada, aguardando para atravessar a rua. Est‡ em 
frente ˆ faixa de pedestre, sobre a qual passa um carro, que 
n‹o se mostra n’tido. Do lado direito da imagem, ao final da 
faixa de pedestres, visualiza-se o sem‡foro, de lado. Do ou-
tro lado da rua, uma constru•‹o que parece ser um prŽdio, 
com cinco portas colocadas lado a lado de forma simŽtrica e 
com altern‰ncia entre janelas de vidro e concreto, que dei-
xam o prŽdio com apar•ncia de ser listrado.
Página: 64
• 
TEMAS: Ò Crono: o deus do tempo na mitologia gregaÓ e 
ÒCr™nica: história registrando a HistóriaÓ.
• 
CONTEòDOS TRABALHADOS: História de Crono e cr™nica 
de Pero Vaz de Caminha.
Objetivos
¥ 
Reconhecer a ideologia do discurso do autor nos textos.
¥ 
Modificar a intencionalidade de um discurso por meio da 
mudança de seu autor.

Compartilhe com seus amigos:
1   ...   7   8   9   10   11   12   13   14   15


©bemvin.org 2019
enviar mensagem

    Página principal
Prefeitura municipal
santa catarina
Universidade federal
prefeitura municipal
pregão presencial
universidade federal
outras providências
processo seletivo
catarina prefeitura
minas gerais
secretaria municipal
CÂmara municipal
ensino fundamental
ensino médio
concurso público
catarina município
Dispõe sobre
Serviço público
reunião ordinária
câmara municipal
público federal
Processo seletivo
processo licitatório
educaçÃo universidade
seletivo simplificado
Secretaria municipal
sessão ordinária
ensino superior
Relatório técnico
Universidade estadual
Conselho municipal
técnico científico
direitos humanos
científico período
espírito santo
pregão eletrônico
Curriculum vitae
Sequência didática
Quarta feira
prefeito municipal
conselho municipal
distrito federal
nossa senhora
língua portuguesa
educaçÃo secretaria
Pregão presencial
segunda feira
recursos humanos
Terça feira
educaçÃO ciência
agricultura familiar