O gigante Egoísta (1º Narrador)



Baixar 23,49 Kb.
Encontro16.10.2017
Tamanho23,49 Kb.



O Gigante Egoísta


(1º Narrador) Certo dia, o Gigante olhando as suas altas e negras torres e os seus portões de bronze maciço disse para consigo:

(Gigante) Se fizer aqui um jardim, ficará menos triste!

(1º Narrador) Se assim pensou, assim o fez. Manejou quase sem descanso a enxada e a picareta e pôs pronto o seu jardim, que ficou atapetado de relva macia.

(Gigante) – Ficou tão bonito e alegre o meu jardim, com estas lindas flores. Parecem estrelas entre a relva. Agora já posso ir visitar o meu amigo, o ogre de Cornualha.

(2º Narrador) Na Primavera as aves pousavam nas árvores e algumas crianças, que ali perto estavam no recreio da escola, ouviam o seu cantar e uma delas disse:

(1ª Criança) – Vamos brincar para aquele lindo jardim?

(outras crianças) – Vamos! Que Bom!

(2º Narrador) Decorrido algum tempo, o gigante, regressou e, como era muito egoísta, ao ver as crianças a brincar no seu jardim, ficou muito zangado, expulsou-os, ameaçando bater-lhes e gritando-lhes:

(Gigante) – O jardim pertence-me e, por isso, não deixarei que ninguém brinque nele, a não ser eu.

(2º Narrador) As crianças choraram muito e foram embora. O gigante para guardar melhor o jardim para si, cercou-o de altos muros, para que ninguém o pudesse ver.

(3º Narrador) Veio a Primavera. As árvores do jardim do gigante não floriram e os pássaros fugiram, pois não gostavam de lá voar, porque não ouviam o sorrir das crianças. Só a neve e a geada habitavam lá, assim como o Vento Norte, que assobiava, agora mais triste do que a própria tristeza.
(3º Narrador) Durante muitos anos, o jardim não conheceu a Primavera, por causa do egoísmo do Gigante. Até que certa manhã, este acordou ao som de uma linda música.

(3º Narrador) Abriu a janela e viu um espectáculo maravilhoso. Por um buraco pequenino do muro, as crianças tinham entrado no jardim e estavam sentadas na relva macia a brincar. As aves ouviram-nas e tão contentes voltaram, voaram e cantaram alegremente.

(Exclama o Gigante) – Até que enfim, chegou a Primavera! A neve, a geada e o vento norte abandonaram o meu jardim.

(1º Narrador) Num canto do jardim encontrava-se um lindo menino de caracóis loiros e olhinhos azuis, que queria subir a uma árvore mas não conseguia e então chorava imenso.

(Gigante) Coitadinho do petiz, e como tenho sido egoísta! Vou pô-lo em cima da árvore e depois derrubarei o muro, a fim de que, de futuro, o jardim pertença sempre às crianças.

(1º Narrador) E o Gigante, correu até ao menino e sentou-o com mil cuidados, num ramo. As aves vieram cantar sobre ela e o menino estendeu os braços e beijou o Gigante. As outras crianças, quando viram que o Gigante já não era mau, voltaram a correr e a saltar; e, com elas, regressou também, para sempre, a Primavera ao jardim.

(2º Narrador) O Gigante pegou no martelo e derrubou o muro e depois fez um grande baloiço onde se sentava de manhã e à noite, para ver as crianças brincar e rir. Só tinha um desgosto o Gigante! É que o menino dos caracóis loiros nunca mais aparecera no jardim, muito embora se fartasse de perguntar por ele. Mas ninguém o conhecia! E o Gigante envelheceu, a balouçar-se na sua cadeira e ralado de saudades pelo menino.

(3º Narrador) Chegou o Inverno e o Gigante, que de tão velho mal podia quase andar, não ficou aborrecido, pois agora sabia que, no seu jardim depois do Inverno vinha a Primavera. Ora, certa manhã – numa manhã em que o Gigante se sentia mais fraco do que nunca, viu que, no canto do jardim havia uma árvore coberta de flores brancas. E, debaixo da árvore, estava o menino de caracóis loiros e olhinhos azuis.

O Gigante foi ter com o menino, com tanta pressa quanta permitiam as suas pernas. Ao chegar junto dele, parou admirado, pois ele tinha as mãozinhas e os pezinhos feridos.



(Gigante) Diz-me quem te feriu, que eu matá-lo-ei com o meu cajado!

(Menino de caracóis loiros) – Não digo, pois as minhas feridas são de Amor.

(Gigante) – E quem és tu?

(1º Narrador) O menino sorriu então para o Gigante e disse-lhe:

(Menino de caracóis loiros) – Tu deixaste-me brincar uma vez no teu jardim; hoje virás comigo para o meu jardim, que é o do Paraíso.



(2º Narrador) E, quando as crianças vieram nessa tarde brincar para o jardim, encontraram o Gigante morto debaixo de uma árvore e todo coberto de flores brancas.
FIM
(Conto infantil adaptado de Òscar Wilde por João Sereno)

Compartilhe com seus amigos:


©bemvin.org 2019
enviar mensagem

    Página principal
Prefeitura municipal
santa catarina
Universidade federal
prefeitura municipal
pregão presencial
universidade federal
outras providências
processo seletivo
catarina prefeitura
minas gerais
secretaria municipal
CÂmara municipal
ensino fundamental
ensino médio
concurso público
catarina município
Dispõe sobre
Serviço público
reunião ordinária
câmara municipal
público federal
Processo seletivo
processo licitatório
educaçÃo universidade
seletivo simplificado
Secretaria municipal
sessão ordinária
ensino superior
Relatório técnico
Universidade estadual
Conselho municipal
técnico científico
direitos humanos
científico período
espírito santo
pregão eletrônico
Curriculum vitae
Sequência didática
Quarta feira
prefeito municipal
conselho municipal
distrito federal
nossa senhora
língua portuguesa
educaçÃo secretaria
Pregão presencial
segunda feira
recursos humanos
Terça feira
educaçÃO ciência
agricultura familiar