O cuidado ao usuário de drogas: experiências de pesquisas e práticas Débora Schlotefeldt Siniak



Baixar 8,32 Kb.
Encontro26.01.2018
Tamanho8,32 Kb.


O cuidado ao usuário de drogas: experiências de pesquisas e práticas

  1. Débora Schlotefeldt Siniak;

  2. Aline Basso da Silva



Introdução: o cenário das Políticas Públicas brasileiras é marcado pela dicotomia entre políticas proibicionistas e a redução de danos. As políticas proibicionistas tem como norte modelos baseados na questão moral/criminal e na doença, tendo por objetivo a recriminação, eliminação do consumo e a abstinência ao uso. Em contrapartida, a Redução de danos questiona as políticas de proibição, pois não contiveram a utilização de drogas mundialmente, trazendo a importância de conhecer e entender o fenômeno, elas propõem estratégias e práticas que não estejam ligadas somente a abstinência, visando a compreensão dos modos de vida das pessoas e suas necessidades para além do uso de drogas. O tema das drogas ainda é marcado por uma visão reducionista, voltado a uma mídia que reforça a imagem da dependência com a criminalidade e violência, ou somente avaliando sobre o ponto de vista biológico que deve ser tratado e curado. No entanto, as drogas são um problema sociocultural, que envolve um mosaico de aspecto cultural, social, econômico, histórico, de vida, e para tal, precisamos conhecer estas experiências e problematiza-las. Desta forma, pretendemos realizar uma roda de conversa com os participantes do evento, trazendo suas experiências pessoais, de trabalho e de pesquisa, problematizando com nossas experiências de pesquisa para refletirmos as práticas de cuidado no tema das drogas. Método: trata-se de uma roda de conversa, onde todos os participantes terão a oportunidade de trazer suas experiências pessoais, da prática assistencial, da pesquisa, bem como dúvidas, reflexões e questionamentos sobre o tema do cuidado ao usuário de drogas. No primeiro momento será realizada uma apresentação coletiva, a fim de conhecer os participantes e o motivo do interesse pela roda de conversa. Serão duas ‘mediadoras’ que terão o objetivo de escuta, reflexão e tensionamento sobre as questões levantadas, bem como, irão trazer suas experiências de pesquisa e na prática de cuidados ao usuário de drogas. Resultados e discussão: Serão presentados no debate alguns resultados das pesquisas das mediadoras, focando em aspectos do cuidado que reforcem a Clínica ampliada, a necessidade de conhecer os modos de vida das pessoas, seus territórios de vivência e incorporar aos seus planos terapêuticos. Além disso, através das vivências dos participantes e das mediadoras serão problematizadas diversas questões como: o modelo jurídico-repressivo relacionado ao uso da droga, o des(cuidado) às pessoas em situação de rua que utilizam drogas. Esperamos com este debate, gerar um espaço de expressão reflexão sobre o tema, ampliando a necessidade de repensarmos permanentemente políticas e práticas de cuidado voltadas aos modos de vida das pessoas que utilizam drogas.
Clínica ampliada, Uso de substâncias psicoativas, Atenção Psicossocial.

1 Enfermeira; Doutoranda em Enfermagem pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul - URFGS; E-mail: deborasiniak@gmail.com.

  1. Enfermeira; Doutoranda em Enfermagem pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul – URFGS.


©bemvin.org 2016
enviar mensagem

    Página principal