Normas para Envio dos Trabalhos Científicos



Baixar 32,65 Kb.
Encontro23.08.2018
Tamanho32,65 Kb.
Normas para Envio dos Trabalhos Científicos

A XX Semana da Biologia da UNESP/Bauru publicará os trabalhos completos ou em andamento, aceitos pela Comissão Científica. Os trabalhos somente serão analisados mediante o pagamento da taxa de inscrição, realizada somente através do sistema on-line.

Os trabalhos devem ser editados seguindo a formatação de no máximo 500 palavras, com fonte em Times New Roman, tamanho 12, cor preta, espaçamento simples, margens 2,0 cm. O texto deve ser justificado.

Cada trabalho deverá conter, de maneira clara e objetiva, cabeçalho com título do trabalho (em negrito) e nomes dos autores e instituições. O autor responsável deve ter seu nome sublinhado e informar endereço eletrônico. Além do cabeçalho, os trabalhos devem apresentar introdução, objetivos, material e métodos, resultados e conclusão. Recomenda-se aos autores a máxima cautela na redação e correção dos seus trabalhos, pois os mesmos serão publicados tal qual enviados. Os autores serão responsáveis pelo conteúdo dos trabalhos apresentados.


Os trabalhos não devem conter figuras, gráficos ou tabelas. Caso os autores queiram colocar agradecimentos ou mencionar instituições financiadoras, devem fazê-lo no final do resumo e entre parênteses.
Os trabalhos, na forma de resumo, serão fornecidos em CD contendo todos os trabalhos de todas as áreas.

Os trabalhos serão apresentados na forma de painel de tamanho até 1,0m x 1,0m.

O envio on-line dos resumos será feito no período de 11 de março à 05 de abril de 2013.

Os textos serão analisados pela Comissão Científica. As cartas comunicando aceitação ou não serão encaminhadas ao primeiro autor via e-mail.


Dicas sobre os Resumos para a XX Semana da Biologia.
Introdução:
Deve introduzir o problema da pesquisa, trazer bases conceituais e teóricas, incluindo bibliografia. Contém a justificativa e a pergunta da pesquisa.

Objetivo:
Indicar o objetivo a ser atingido pela pesquisa.

Material e Métodos:
Explicitar os métodos de coleta e de análise de dados.

Resultados e Discussão:
Apresentar os resultados obtidos (não colocar figuras, tabelas e gráficos) e discuti-los diante do que já foi publicado sobre o tema.

Conclusões:
Deve sintetizar a resposta à pergunta da pesquisa e discorrer sobre o atendimento do objetivo proposto.


Modelo de Resumo abaixo:

ANÁLISE MUTACIONAL DO GENE ALX4 EM PACIENTES COM ANOMALIAS CRANIOFACIAIS COMPLEXAS.

BESSÃO, C.O.; DA-ROCHA, A.L.B.; LEGNARO, C.C.; RIBEIRO-BICUDO, L.A. USP/BAURU

carolbessao@yahoo.com.br

Resumo

Introdução: Nos vertebrados o desenvolvimento craniofacial é um processo dinâmico e complexo, o qual é iniciado por vários diferentes primórdios, especialmente durante a quarta e quinta semanas do desenvolvimento embrionário. Disrupções na regulação do processo de desenvolvimento craniofacial, causado por fatores genéticos e/ou ambientais, podem resultar diferentes tipos de anomalias craniofaciais, tais como, alterações estruturais do sistema nervoso central, defeitos de fechamento dos ossos do crânio, defeitos de linha média craniofacial com hipertelorismo ocular (alterações do processo frontonasal), fissuras orofaciais e alterações do primeiro e segundo arcos faríngeos. O controle da morfogenese facial requer ação integrada de vários genes, responsáveis pela codificação de diversos fatores essenciais para o desenvolvimento e a diferenciação. Alterações nessa rede podem causar sinalização disfuncional, e comprometer as interações entre mesenquima e epitélio, resultando em diversas malformações e graus de fissura facial. Mutações homozigotas no gene ALX4 resultam em craniossinostose, alopecia, nariz bífido e deficiência intelectual. O gene ALX4 está localizado na região 11p11.2, e está associado ao desenvolvimento craniofacial. Objetivos: O objetivo deste trabalho é realizar a análise mutacional do gene ALX4 em indivíduos com anomalias craniofaciais complexas associadas à alterações no desenvolvimento ocular, auxiliando no prognóstico e no conhecimento etiológico de anomalias relacionadas a este gene. Material e Métodos: Foram estudados 18 pacientes portadores de anomalias craniofaciais cadastrados no Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais da Universidade de São Paulo– HRAC/USP-Bauru/SP. O DNA dos pacientes foi extraído do sangue periférico, seguido por reação em cadeia da polimerase (PCR), eletroforese e sequenciamento. As análises moleculares foram realizadas através do programa Sequence Scanner® v1.0, do software Polyphen e do banco de dados ENSEMBL. Resultados: Dos 18 pacientes analisados, 10 apresentaram uma variante não-sinônima p.V173G, indicativo de mutação benigna com o score de 0,148 no programa Polyphen. Os polimorfismos são de grande importância para compreender as variações fenotípicas não patogênicas. Polimorfismo Não-Sinônimo é uma mutação que ocorre em até 1% da população, e que modifica o aminoácido, entretanto, essa modificação não altera a natureza da proteína produzida. Conclusão: No grupo amostral de 18 pacientes, 10 indivíduos apresentaram a mesma variante caracterizada como um polimorfismo novo. É possível que essa variante Não-Sinônima tenha uma relação com as características do grupo amostral. Para a confirmação dessa hipótese, são necessários estudos adicionais.

(Bolsa Fapesp)


©bemvin.org 2016
enviar mensagem

    Página principal