NataçÃo para deficientes físicos, aspectos teóricos da atividade física para deficientes



Baixar 25,34 Kb.
Encontro23.08.2017
Tamanho25,34 Kb.

NATAÇÃO PARA DEFICIENTES FÍSICOS, aspectos teóricos da atividade física para deficientes
Introdução

Nos últimos anos, muito se tem falado, muito se tem escrito sobre os efeitos benéficos das atividades na água para pessoa portadora de deficiência, mas na realidade, a utilização da água como elemento terapêutico, não é novo, pois de acordo com Harris (1978) apud Lépore et al (1998), já desde o tempo de Hipócretes, a água era utilizada no auxílio à reabilitação; por exemplo, os gregos e romanos já utilizavam a água corrente para a cura de doenças Moran ( 1979) apud Lépore et al (1998). Nos Estados Unidos, a atividade na água como terapia iniciou-se antes mesmo da Primeira Guerra Mundial, sendo utilizada para indivíduos com problemas reumáticos.

Segundo Lépore et al (1998), Charles Lowman foi considerado o pai dos exercícios aquáticos como terapia e sistematizou a hidroterapia por volta de 1930. Após a Segunda Guerra Mundial, a água também, foi grandemente utilizada como elemento terapêutico para traumáticos e amputados, bem como para soldados com problemas psicológicos.

A natação para pessoas portadoras de deficiência é compreendida como a capacidade do indivíduo para dominar o elemento água, deslocando-se de forma independente e segura sob e sobre a água utilizando, para isto, toda sua capacidade funcional, residual e respeitando suas limitações.

A água apresenta propriedades que facilitam para o indivíduo sua locomoção sem grande esforço, pois sua propriedade de sustentação (empuxo) e eliminação quase que total da força da gravidade, podem segundo Campion (2000), “aliviar o estresse sobre as articulações que sustentam o peso do corpo, auxiliando no equilíbrio estático e dinâmico, propiciando dessa forma maior facilidade de execução de movimentos que, em terra seriam muito difíceis ou impossíveis de serem executados”.
Objetivos


  • Objetivos gerais

Demonstrar através de aspectos teóricos os benefícios da atividade aquática para portadores de deficiência.

  • Objetivos específicos

- Apresentar de forma teórica os benefícios fisiológicos sobre os sistemas cardiovascular, respiratório e locomotor;

- Apresentar de forma teórica os benefícios psicossociais;


- Apresentar de forma teórica os benefícios cognitivos;
- Demonstrar de forma teórica os efeitos terapêuticos de atividades realizadas na água.
Fundamentação teórica
Benefícios fisiológicos

Segundo Campion (2000), “quando o corpo está exposto a um estímulo frio, por exemplo, em água de temperatura fria, estes vasos se contraem, evitando que seja liberado calor interno, ao contrário, se o estímulo de calor é maior que a temperatura interna, há uma vaso dilatação para que o calor seja liberado e a temperatura se mantenha em equilíbrio. Com as mudanças constantes de temperatura interna da água este mecanismo é constantemente acionado, fazendo com que o organismo adquira uma maior resistência contra mudanças bruscas de temperatura externa, proporcionando ao indivíduo, também, maior resistência contra as doenças provocadas pelas intempéries do meio”.

Para o mesmo autor, “concomitantemente com a grande influência sobre os sistemas de regulação térmica, a água, também, apresenta grande significado na melhoria do sistema circulatório e coração, pois a pressão e a resistência exercidas pela água sobre o corpo, juntamente com esforço exigido na execução dos movimentos agem diretamente sobre o sistema, uma vez que provoca o aumento do metabolismo, promovendo o fortalecimento da musculatura cardíaca, o aumento do volume do coração e uma consequente melhoria no sistema circulatório, já no sistema respiratório provocará o fortalecimento dos músculos respiratórios, aumento do volume máximo respiratório e consequente melhoria, também na elasticidade da caixa torácica”.
“Em se tratando de pessoas portadoras de deficiência, juntamente com grande dificuldade de equilíbrio e desenvolvimento da marcha, as características peculiares da água como alta viscosidade, espessura, eliminação da gravidade vêm contribuir para a realização de exercícios de educação e/ou reeducação motora, proporcionando-lhes maior segurança na execução dos movimentos”. (Lépore, 1999)

Benefícios psicossociais

Ao contrário do que muitos pensam a natação não é uma atividade solitária e extremamente individualista. Segundo Lépore (2000), “atividades aquáticas ou aprender a nadar é também um processo de aprendizagem de socialização. Daí a necessidade do portador de deficiência aprender a galgar degrau a degrau, inicialmente, relacionando-se indivíduo-objeto para depois pessoa-pessoa e, por último, o indivíduo interagindo com o grupo. As atividades aquáticas devem propiciar ao indivíduo situações de desenvolvimento de atividades em pequenos e grandes grupos, estimulando assim as experiências corporais, a integração e o convívio social”.

Para Campion (2000), “o aspecto psicológico, o efeito na melhoria do humor e na motivação em pessoas portadoras de deficiência é altamente significativo através da natação, além de possibilidade de descarregar as tensões psíquicas através do poder de relaxamento da água e satisfazer as necessidades de movimento”.

Benefícios cognitivos

Os aspectos motivacionais e propriedades terapêuticas da água estimulam o desenvolvimento da aprendizagem cognitiva e o poder de concentração, pois o aprendiz busca compreender o movimento do seu próprio corpo explorando as várias formas de se movimentar, adaptando suas limitações às propriedades da água (Dulcy, 1983 apud Lépore et al 1998).

De acordo com American Red Cross, 1977 apud Lépore et al 1998, muitos instrutores de atividades motoras na água têm interagidos conteúdos da aprendizagem escolar nas atividades aquáticas, reforçando desta forma o aspecto cognitivo destas crianças, por exemplo, contar viradas, mergulhar objetos de formas e cores diferentes, entre outras.

Efeitos terapêuticos da atividade na água


Para Lépore (1999) podemos conseguir os seguintes efeitos obtidos com exercícios terapêuticos da água, considerando os vários tipos de deficiências, tais como:

- Diminuição de espasmos e relaxamento muscular;


Alívio da dor muscular e articular;

- Manutenção ou aumento da amplitude do movimento articular;

- Fortalecimento e aumento da resistência muscular localizada;
- Melhoria circulatória e na elasticidade da pele;

- Melhoria no equilíbrio estático e dinâmico;


- Relaxamento dos órgãos de sustentação (coluna vertebral)
- Melhoria da postura;
- Melhoria da orientação espaço-temporal.

Na natação para portadores de necessidades especiais a nomenclatura das classes ainda sofre uma diferença entre os nados; por exemplo, a letra S significa que o nadador competirá nas provas de nados livre, costas ou borboleta. O nado peitoutiliza o SB, de breaststroke (nado peito), e no medley é utilizado o termo SM (medley). Na

classificação do peito, não existe a classe SB10, ou seja, só existem nove classes oferecidas para

deficientes físicos neste estilo (de SB1 a SB9).

As classes são dividas em:

S1 / SB1 / SM1 a S10 / SB9 / SM10 (deficiente físico / motor);

S11 / SB11 / SM11 a S13 / SB13 / SM13 (deficiente visual);

S14 / SB14 / SM14 (deficiente mental).

Quanto menor o número dentro da classe, mais alto é o nível de comprometimento físico ou

sensorial (visual) causado pela deficiência.

Exemplos de padrões motores da classificação funcional da natação (Penafort, 2001, p.41):

S1 – Lesão medular completa abaixo de C4/5, ou pólio comparado, ou paralisia cerebral

quadriplégico severo e muito complicado;

S2 – Lesão medular completa abaixo de C6, ou pólio comparado, ou PC quadriplégico grave

com grande limitação dos membros superiores;

S3 – Lesão medular completa abaixo de C7, ou lesão medular incompleta abaixo de C6, ou

pólio comparado, ou amputação dos quatro membros;

S4 – Lesão medular completa abaixo de C8, ou lesão medular incompleta abaixo de C7, ou

pólio comparado, ou amputação de três membros;

S5 – Lesão medular completa abaixo de T1-8, ou lesão medular incompleta abaixo de C8,

ou pólio comparado, ou acondroplasia de até 130 cm com problemas de propulsão, ou

paralisia cerebral de hemiplegia severa;

S6 – Lesão medular completa abaixo de T9-L1, ou pólio comparado, ou acondroplasia de

até 130cm, ou paralisia cerebral de hemiplegia moderada;

S7 – Lesão medular abaixo de L2-3, ou pólio comparado, ou amputação dupla abaixo dos

cotovelos, ou amputação dupla acima do joelho e acima do cotovelo em lados opostos;

S8 – Lesão medular abaixo de L4-5, ou pólio comparado, ou amputação dupla acima dos

joelhos, ou amputação dupla das mãos, ou paralisia cerebral de diplegia mínima;

S9 – Lesão medular na altura de S1-2, ou pólio com uma perna não funcional, ou amputação

simples acima do joelho, ou amputação abaixo do cotovelo;

S10 – Pólio com prejuízo mínimo de membros inferiores, ou amputação dos dois pés, ou

amputação simples de uma mão, ou restrição severa de uma das articulações coxofemoral.

17

Natação para Deficientes Físicos



As classes visuais reconhecidas pela IBSA e pelo IPC são as seguintes:

B1 ou S11 – De nenhuma percepção luminosa em ambos os olhos a percepção de luz, mas

com incapacidade de reconhecer o formato de uma mão a qualquer distância ou direção.



B2 ou S12 – Da capacidade em reconhecer a forma de uma mão à acuidade visual de 2/60

e/ou campo visual inferior a cinco graus.



B3 ou S13 – Da acuidade visual de 2/60 à acuidade visual de 6/60 e/ou campo visual de mais

de cinco graus e menos de 20 graus.

Todas as classificações deverão considerar ambos os olhos, com melhor correção. Isto é,

todos os atletas que usarem lente de contato ou





©bemvin.org 2016
enviar mensagem

    Página principal