Modelo de integraçÃo de três filosofias de gestãO: aplicaçÃo em uma oficina ferroviária



Baixar 1,98 Mb.
Página6/6
Encontro06.09.2018
Tamanho1,98 Mb.
1   2   3   4   5   6

6. Resultados


As cartas de controle dos indicadores de Performance e da Taxa de Utilização podem ser vistas nas FIGURAS 15 e 16. Para o indicador de Performance, não houve melhoria significativa dos valores médios, ao se comparar os valores de antes e depois da implementação do projeto, respectivamente 86,30% e 87,81%, e em relação ao valor do desvio padrão, também não houve melhora (TABELA 1). Por outro lado, o indicador de Taxa de Utilização aumentou sua média para 80,74%, mediante a uma média anterior ao projeto de 37,77%.

Figura 15 - Carta de controle do indicador performance



FONTE: O autor



Figura 16 - Carta de controle do indicador taxa de utilização

FONTE: O autor



Tabela 1 - Dados dos indicadores de performance e taxa de utilização

FONTE: O autor

O Mapeamento do Fluxo de Valor Futuro foi construído considerando as mudanças implementadas durante as etapas da integração. As informações relacionadas ao fluxo das informações do PCM e aos intervalos de atendimento logísticos se mantiveram sem alterações. Dentro do mapeamento (FIGURA 17), pode-se notar uma mudança entre os processos de desmontagem, qualificação e reparação.

Figura 17 - Mapeamento do fluxo de valor do MT do estado futuro



FONTE: O autor

Considerando os novos valores de lead time total da cadeia, que foi reduzido para 19,22 dias (anteriormente o valor era 34,45 dias), e o tempo das atividades que agregam valor (WCE), que foi calculado em 4,7% (em comparação ao valor anterior de 3,2%), é possível dizer que houve uma melhora no fluxo como um todo. Em porcentagem, o lead time foi reduzido em 44% e o WCE foi aumentado em 47%. Vale a pena ressaltar, que ainda há oportunidades para melhoria dos dois indicadores.

9. Discussões


Ao analisar os resultados da aplicação da integração das três filosofias, nos indicadores de atendimento ao cliente, de performance do fluxo e do VSM, é possível concluir que a integração forneceu um sequenciamento lógico de aplicações de ferramentas das três filosofias que, ao final, permitiu melhorar os resultados operacionais

A cada etapa foi possível identificar os benefícios e as dificuldades que o modelo de integração oferece. Inicialmente ficou claro que é necessário envolver os gestores do fluxo a ser trabalhado de forma a obter o apoio necessário para realizar todas as atividades, essa constatação está em concordância com Cleto e Quinteiro (2010). Outro fator, identificado como crítico para o sucesso do projeto, é a barreira da falta de conhecimento das ferramentas propostas pelos integrantes do projeto. Segundo Albliwi et al (2014), se faz necessário que os envolvidos nos projetos de melhoria conheçam as ferramentas que serão aplicadas. Como maneira de superar essa barreira, pode-se indicar o acréscimo de uma etapa no modelo de integração, cujo objetivo seja a capacitação dos colaboradores.

Dentre as ferramentas aplicadas, pode-se destacar a utilização do VSM, que segundo Rother e Shook (2003), fornece dados precisos de desperdícios do fluxo estudado. Houve receio por parte do autor sobre utilizar o VSM em um fluxo com atividades de manutenção, porém, conforme Faulkner e Badurdeen (2014) demonstram, apesar do VSM ser uma ferramenta conhecida e aplicada extensivamente em ambientes produtivos, ela pode ser aplicada em operações de outra natureza.

Durante a injeção de melhoria, ao se deparar com a necessidade de implementar várias ações simultaneamente, foi possível constatar que seria de grande valia adicionar ferramentas de gestão de projetos ao modelo de integração. Os aspectos de gestão de projetos que mais críticos foram gerenciamento de riscos, prazos e orçamentos.


10. Conclusões


Ao final da pesquisa, mediantes os resultados obtidos durante a execução da integração, é possível afirmar que esse modelo de integração melhorou os indicadores do fluxo, reduzindo os desperdícios e as variações. As melhorias do fluxo aconteceram durante o projeto de pesquisa e possuem a tendência de se manterem no médio e longo prazo. Também foi possível constatar que o modelo pode receber algumas modificações, para facilitar o atingimento do resultado esperado no final.

Ao estudar a aplicação de um modelo pouco conhecido de integração da Teoria das Restrições, Manufatura Enxuta e Seis Sigma em um ambiente ferroviário, essa pesquisa contribuiu para a área de estudo da Engenharia de Produção, ao acrescentar registros científicos de uma metodologia que permite aumentar a produtividade, e consequentemente, a competitividade das organizações em nosso país. Outro fator de contribuição relevante é o estudo relacionado a ferrovias que, conforme a revisão bibliográfica realizada pelo autor, ainda é muito pequena no Brasil.

Esse projeto de pesquisa foi de grande relevância para o autor, que pode adquirir experiência e conhecimento, mediante a obstáculos que foram superados. Quanto a sugestões de trabalhos futuros, seria de grande importância aplicar o modelo de integração em operações de diferentes naturezas e até mesmo em ambientes não operacionais, para ser possível comparar os resultados e verificar o quanto esse modelo é flexível.

11. Referências


ALBLIWI, Saja; ANTONY, Jiju; LIM, Sarina; WIELE, Ton. Critical failure factors of Lean Six Sigma: a systematic literature review. International Journal of Quality & Reliability Management, v. 31, n. 9, p. 1012-1030, 2014.

ANTF. Balanço do transporte ferroviário 2014. http://www.antf.org.br/images/2015/informacoes-do-setor/numeros/balanco-do-transporte-ferroviario-de-2014-v130815.pdf. 2015. Acesso em: 15 ago. 2016.

ARMSTRONG, John H. The Railroad: What it is, What it Does. The Introduction to Railroading. 1990.

BAYKUT, Mert. Evaluation of Lean Systems in Rail Maintenance Operations. 2011. Dissertação de Mestrado. Cleveland State University.

CAMPOS, Cesar Augusto. Desenvolvimento e aplicação de um método para implementação de sistemas de produção enxuta utilizado os processos de raciocínio da teoria das restrições e o mapeamento do fluxo de valor. 2004. Tese de Doutorado. Universidade de São Paulo.

CHANDRA, Satish. Railway engineering. Oxford University Press, Inc., 2008.

CLETO, Marcelo Gechele; QUINTEIRO, Leandro. Gestão de projetos por meio do DMAIC: um estudo de caso na indústria automotiva. Revista Produção Online, v. 11, n. 1, p. 210-239, 2010.

CNA, Boletim Agronegócio Internacional. Disponível em: http://www.canaldoprodutor.com.br/sites/default/files/boletim-agronegocio-internacional-n8_0.pdf. 2015. Acesso em: 15 ago. 2016.

CORRÊA, H. L.; CORRÊA, C. A. Administração da produção e operações, manufatura e serviços: uma abordagem estratégica. Atlas, 2004.

EMD - Electro-Motive Diesel. EMD Locomotive Service Manual - RFFSA. 1986.

FAULKNER, William; BADURDEEN, Fazleena. Sustainable Value Stream Mapping (Sus-VSM): methodology to visualize and assess manufacturing sustainability performance. Journal of cleaner production, v. 85, p. 8-18, 2014.

GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo, v. 5, p. 61, 2002.

LETROUVE, T; LHOMME, W; POUGET, J; BOUSCAYROL, A. Different hybridization rate of a diesel-electric locomotive. Vehicle Power and Propulsion Conference (VPPC) - IEEE, 2014. p. 1-6.

MERCADO, Carlos Ignácio Navarro. O modelo iTLS tm-integração da teoria das restrições, Lean Manufacturing e Seis Sigma: análise da aplicação do iTLS tm na redução do Lead Time em uma cadeia de valor em multinacional no Brasil. 2014. Dissertação de mestrado. UFPR

PIRASTEH, R. Effects of Combined Approach of Theory Of Constraints, Lean and Six Sigma on Process Improvement. 2006. Tese de Doutorado. Kennedy Western University.

PIRASTEH, R.; FOX, R. E. Profitability With no Boundaries: Focus, reduce waste, contain variability, optimize TOC, Lean, Six Sigma Results. Wisconsin: ASQ Quality Press, 2010.

REFORM, Railway. Toolkit for Improving Rail Sector Performance. Washington, DC, The World Bank, 2011.

ROCKY MOUNTAIN RAIL AUTHORITY. High-Speed Rail Feasibility Study Executive Summary – APENDIX 7: Operating Costs. Disponível em: . Acesso em: 05/03/2017.

ROTHER, Mike; SHOOK, John. Aprendendo a enxergar: mapeando o fluxo de valor para agregar valor e eliminar o desperdício: manual de trabalho de uma ferramenta enxuta. Lean Institute Brasil, 2003.

SILVA, Edna Lúcia; MENEZES, Estera Muszkat. Metodologia da pesquisa e elaboração de dissertação. UFSC, Florianópolis, 4a. edição, v. 123, 2005.



THIOLLENT, M. Metodologia da pesquisa-Ação. 18. ed. São Paulo: Cortez, 2011.


1   2   3   4   5   6


©bemvin.org 2016
enviar mensagem

    Página principal