Melipona quadrifasciata, durante a estaçÃo produtiva



Baixar 45,71 Kb.
Encontro18.12.2017
Tamanho45,71 Kb.


FEITO DA SUPLEMENTAÇÃO PROTEICA NA MANUTENÇÃO E MULTIPLICAÇÃO DE COLMEIAS DE MANDAÇAIA (MELIPONA QUADRIFASCIATA), DURANTE A ESTAÇÃO PRODUTIVA

Diana Felhaus Rech dos Santos1, Luiz Miguel Rech dos Santos2, Vinícius Coitinho

Tabeleão3, Joares Adenilson May Júnior4

RESUMO: Este estudo teve como objetivo avaliar a curva de sobrevivência de colmeias de mandaçaia, com utilização de suplementos proteicos. Foram utilizadas 24 caixas racionais de abelhas mandaçaia, num meliponário em Santa Rosa de Lima - SC. As caixas foram divididas em quatro tratamentos, com visitas semanais, em grupo controle (GC; n=6), que recebeu suplemento energético e não recebeu suplemento proteico; grupo 1 (G1; n=6) com suplemento contendo mel e pólen de Apis melifera; grupo 2 (G2, n=6): com suplemento contendo farinhas de milho e de soja, mais mel de Apis melifera; grupo 3 (G3, n=6): com suplemento contendo açúcar cristal, levedura de cerveja, farinha de soja e mel de Apis melifera. Para determinar o ponto de divisão, reprodução das colmeias, avaliou-se o número de discos maduros e o comportamento reativo a manipulação, mensalmente. Pelos resultados da curva de Kaplan Méier, pode-se inferir que não há necessidade de suplementar as mandaçaias com proteína nas estações de primavera e verão.

PALAVRAS-CHAVE: abelhas sem ferrão, mandaçaia, meliponas, Melipona quadrifasciata, suplementação.

ABSTRACT: This study has the objective to evaluate the mandaçaia hive survival curve, using protein supplements. 24 rational boxes mandaçaia bees were used, from a meliponary in Santa Rosa de Lima - SC. The boxes were divided into four treatments, with weekly visits, control group (CG, n = 6), which received energy supplement and not received a protein supplement; group 1 (G1, n = 6) containing honey and pollen Apis mellifera; group 2 (G2, n = 6): containing flour, corn and soybean, Apis mellifera Honey more; group 3 (G3, n = 6): containing crystallized sugar, yeast, soybean flour and Apis mellifera honey. To determine the dividing point, reproduction of hives, evaluated the number of mature discs and the flight of bees with active behavior, monthly. The results of the Kaplan Meier curve, it can be inferred that there is no need to supplement the mandaçaias with protein in the spring and summer seasons.

Keywords: stingless bees, mandaçaia, meliponidae, Melipona quadrifasciata, supplementation.

INTRODUÇÃO

As abelhas são parte do ecossistema regional de mata atlântica, tendo um importante papel ecológico na polinização de diversas espécies nativas, contribuindo na manutenção e na produção de alimentos. Elas perdem habitat diariamente com o desmatamento e não recebem a devida importância ambiental e socioeconômica. O desenvolvimento, manutenção e desempenho de abelhas sem ferrão, utilizadas para produção de mel e formação de novas colmeias, ocorrem quando todos os fatores nutricionais e ambientais estão em equilíbrio. O objetivo desse estudo foi verificar o efeito da utilização de suplementos proteicos na dieta das mandaçaias em sistema de criação racional, a fim de avaliar a reprodução destas colmeias.



MATERIAL E MÉTODOS

O estudo foi realizado em um meliponário localizado no município de Santa Rosa de Lima, durante a estação produtiva de novembro de 2015 a abril de 2016. Para tanto foram utilizadas colmeias de abelhas sem ferrão, da espécie mandaçaia (Melipona quadrifasciata). As colmeias foram mantidas em caixas racionais com dimensões equivalentes, medindo 25 x 25 cm nas laterais, altura entre 6 e 8 cm e melgueiras ou sobreninhos com 4 cm de altura na porção interna da caixa. Foram utilizadas 24 colmeias divididas em quatro grupos de seis caixas, as quais receberam suplementação energética como base, e suplemento proteico de acordo com os ingredientes descritos na tabela 1. Para suplementação energética, foi utilizada uma solução de açúcar cristal e água, na diluição de 1:1,2 (peso:volume), essa solução foi aquecida até fervura, após atingir temperatura ambiente, foi distribuída para as colmeias. Todas as colmeias, independentemente do grupo, receberam 100 mililitros (ml) de solução energética, semanalmente, em frascos plásticos dispostos dentro de cada colmeia, com esteiras de madeira imersas na solução energética. O Grupo Controle (GC, n=6): Controle não recebeu suplemento proteico; Grupo 01 (G1, n=6): recebeu 10 gramas do suplemento 1; Grupo 02 (G2, n=6): recebeu 10 gramas do suplemento 2; Grupo 03 (G3, n=6): recebeu 10 gramas do suplemento 3. O suplemento proteico foi distribuído nas colmeias em forma de “bife” dentro das colmeias quinzenalmente. As visitas às colmeias de Melipona quadrifasciata, para avaliação do ponto de reprodução das colmeias ocorreu mensalmente sendo considerada apta a reprodução enxames com nota igual ou maior que seis.

Para elaboração das novas colmeias foram utilizadas caixas novas com padrão aceito pela espécie, estas foram alocadas no mesmo ponto da caixa matriz. As caixas com as colmeias novas foram compostas pelos discos de cria maduros, cera, abelhas campeiras e alimento energético. A caixa matriz, por sua vez, foi deslocada a uma distância mínima de 10 metros da sua origem. As colmeias matriz foram classificadas em aptas a reprodução ou não. A viabilidade da reprodução das colmeias foi avaliada por meio da curva de sobrevivência do método Kaplan-meier, considerando a comparação das curvas de cada tratamento pelo teste Chi–quadrado. Para isso considerou-se as visitas de manejo com ato de reprodução como valor um e sem reprodução valor zero. Comparado entre os grupos dentro de cada experimento. Essas análises foram realizadas com auxílio do softwer Graphpad Prism® V5 2009.

RESULTADOS E DISCUSSÃO

Todas as colmeias acompanhadas neste experimento, independente do grupo, ofereceram condições de reprodução semelhante sem diferença significativa, conforme é observado na curva de kaplan-meier (figura 1). Cada manejo mensal, resultou em uma produção por colmeia, de acordo com a análise estatística, sem favorecimento de maior número de colmeias reproduzidas em algum dos grupos. Esses resultados corroboram com o que TURCATO (2011), encontrou num estudo onde coletou hemolinfa de Apis mellifera, alimentadas com diferentes fontes proteicas, que não o pólen e constatou que os suplementos proteicos podem manter as colmeias ativas. As diferentes fontes proteicas, pólen de Apis mellifera, farinha de milho, farinha de soja e levedura de cerveja, usadas para formular os suplementos proteicos, foram aceitas e consumidas pelas abelhas mandaçaias, resultados semelhantes também foram encontrados por COSTA (2008) & PIRES (2010).

As exigências nutricionais de proteínas e carboidratos para abelhas forrageiras variam com o trabalho que desenvolvem (STABLER D. et al. 2015). LANDIM (2009), afirma que as abelhas jovens, em desenvolvimento corporal, precisam de mais proteína para sua constituição estrutural, do que abelhas mais velhas, as forrageiras, que precisam de uma alimentação quase exclusiva de néctar. Uma justificativa para não encontrar-se, diferença significativa no número de colmeias reproduzidas, entre o grupo que recebeu apenas suplemento energético, e os que receberam suplemento energético e proteico, pode ser pelo suprimento nutricional suficiente das forrageiras e estas terem conseguido nutrir a colmeia com pólen e néctar, do forrageamento, em quantidades equivalentes as oferecidas de forma artificial aos demais grupos.

Considerando que nenhum dos suplementos proteicos teve maior produção de novas colmeias, sugere-se a utilização de farinha de milho, farinha de soja, e levedura de cerveja, como fontes proteicas, não o pólen de Apis mellifera, devido seu potencial patogênico, pois este pode transmitir patógenos das Apis para os meliponídeos alimentados, caso esteja contaminado (LANDIM, 2009).

Quanto a composição química dos ingredientes usados neste estudo, não se realizou uma avaliação bromatológica, contudo mesmo o pólen na natureza tem grande variação nutritiva (GENISSEL et al. 2002; BRODSCHNEIDER & CRAILSHEIM, 2010). O pólen é um componente importante na nutrição das de meliponídeos, porém seus nutrientes não são facilmente acessíveis na digestão e absorção. (LANDIM, 2009., MAPALAD, LEU & NIEH, 2008).

Tabela 1. Ingredientes (em gramas) utilizados para elaboração dos suplementos proteicos para os grupos 1, 2 e 3.



Ingrediente

Grupo1

Grupo 2

Grupo 3

Pólen

35

-

-

Mel de abelhas africanizadas.

65

60

25

Farinha de soja fina

-

30

22

Farinha de milho

-

10

-

Açúcar cristal moído

-

-

31

Levedura inativa de cerveja

-

-

22

Total

100

100

100

Fonte: Elaboração dos autores.

Figura 1 Representação da curva de Kaplan-meier, com resultados da reprodução das colmeias durante o experimento, apresentando a porcentagem de colmeias reproduzidas em cada manejo reprodutivo, realizado mensalmente.



Fonte: Elaboração dos autores.



CONCLUSÕES

Os resultados demonstraram que não há interferência da suplementação proteica, na reprodução das abelhas mandaçaia durante a estação de primavera e verão.



LITERATURA CITADA

BRODSCHENEIDER, R., Crailsheim, K. Nutricion and health in honey bees. Apidologie, 2010. DOI: 10105/apido/2010012. In: https://hal.archives-ouvertes.fr/hal00892087/document(acesso em 22 maio de 2016).

COSTA, Luciano. Nutrição de operárias de uruçu-amarela, Melipona flavolineata Friese, 1900 (Apidae: Meliponina). 2008. 72f. Dissertação (Mestrado em Ciência

Animal) – Universidade Federal do Pará, Belén, 2008. In:



http://www.cienciaanimal.ufpa.br/pdfs/CA_Ciencia_Animal/CA_LucianoCosta.pdf(acessado em 16 março de 2016).

LANDIM, Cruz Carminda da. Sistema Digestório. In: Abelhas Morfologia e função de sistemas. São Paulo: Editora UNESP, 2009. 265-301.

GÉNISSEL, A., Aupinel, P., Bressac, C., Tasei, J.N., Chevrier, C., Influence do pollen origino on performenace of Bombus terrestris micro-colonies. Entomology Experiemnetalis et Applicata, 104, p. 329-336, 2002. In: http://onlinelibrary.wiley. com/doi/10.1046/j.1570-7458.2002.01019.x/abstract(acesso 20 de março de 2016).

MAPALAD S. K., Leu D., Nieh J. C., Bumble bees heat up for high quality pollen., The Journal of Experimental Biology., USA., n. 211, p.2239-2242., 2008. In: http://jeb.biologists.org/content/jexbio/211/14/2239.full.pdf (acessado em 28 de maio de 2016). Doi: 10.1242/jeb.016642.

PIRES, Nercy V. C. R; Venturieri, Giorgio C; Contrera, Felipe A. L. Elaboração de uma dieta artificial proteica a base de extrato de soja para Melipona fasciculata (Hymenoptera, Apidae, Meliponini). In: Encontro sobre Abelhas, 4., 2010 Ribeirão Preto. Anais do IX Encontro sobre Abelhas. São Paulo: USP, 2010. 329 - 330. In: http://www.ciencias.unal.edu.co/unciencias/datafile/user_21/Anais_do_IX_Encontro_sobre_Abelhas.pdf(acessado em 23 de maio de 2016).

STABLER D. et al., Nutrient balancing of the adult worker bumblebee (Bombus terrestris) depends on the dietary source of essential amino acids., The Company of

Biologists., USA n. 218, p.793-802., 2015. In: http://jeb.biologists.org/content/jexbio/218/5/793.full.pdf(acessado em 27 abril de 2016).Doi :10.1242/jeb.114249.

TURCATTO, Aline Patricia. Desenvolvimento e análise do efeito de dietas protéicas como suplementação nutricional para abelhas Apismellifera. 2011. 74 f. Dissertação

(Mestrado em Ciências) - USP, Ribeirão Preto, 2011. In: http://www.ffclrp.usp.br/imagens_defesas/02_05_2013__15_36_22__45.pdf(acessado em 18 de março de 2016).

FOMENTO

O trabalho teve a concessão de Bolsa pelo Programa Bolsas de Pesquisa do Art.170.





©bemvin.org 2016
enviar mensagem

    Página principal