Luca Pacioli nasceu em Sansepulcro em Itália no ano de 1445



Baixar 12,36 Kb.
Encontro21.01.2018
Tamanho12,36 Kb.
Luca Pacioli nasceu em Sansepulcro em Itália no ano de 1445.

Pouco se sabe da sua infância excepto que recebeu a sua educação de um matemático Dominico Bragadino, e do seu amigo mais velho Piero Della Francesca (com quem, alguns anos mais tarde, teve uma disputa devido a ter plagiado alguns dos seus trabalhos.

Proveniente de uma família pobre, o futuro de Pacioli avizinhava-se pouco promissor. Juntou-se a um mosteiro Franciscano em Sansepulcro e tornou-se num aprendiz de um homem de negócios local. O jovem Pacioli cedo abandonou as suas aprendizagens para ir trabalhar como matemático para uma escola.

Pacioli e o seu amigo Piero Della Francesca foram para Appenines, onde Francesca conseguiu que Pacioli tivesse acesso à biblioteca de Frederico, Conde de Urbino. A colecção de cerca de 4000 livros permitiu-lhe aumentar os seus conhecimentos em matemática.

Francesca apresentou Pacioli a Leon Baptist Alberti, que se tornou seu novo mentor e levou Pacioli para Veneza onde lhe arranjou um cargo como tutor dos três filhos de António de Reimpose, um rico mercador.

Durante este tempo, no ano de 1470, Pacioli escreveu o seu primeiro manuscrito sobre álgebra, o qual era dedicado aos três filhos de Reimpose. Tinha nesta altura 25 anos.

Alberti também apresentou Pacioli ao Papa Paulo II que encorajou Pacioli a tornar-se monge e a dedicar a sua vida a Deus.

Depois da morte de Alberti, em 1472, Pacioli aceitou a sugestão do Papa, e fez os votos para Franciscano.

Em 1475, Pacioli tornou-se professor na universidade de Perugia, onde ficou durante seis anos, tendo sido o primeiro a leccionar uma cadeira de matemática nessa universidade.

Depois de 1481, Pacioli andou por toda a Itália, e por alguns locais fora, até ser chamado de novo para a universidade de Perugia pelos Franciscanos, em 1486. No decorrer deste tempo. Pacioli começou a chamar-se a si mesmo “Magister” que significa mestre que é equivalente a um professor a tempo inteiro nos dias de hoje.

O ano de 1494 é o único durante a vida de Pacioli que é absolutamente certo. Foi durante este ano que Pacioli, com 49 anos, publicou o seu famoso livro “Summa de Arithmetica, Geometria proportioni et propornaliti” (colecção de conhecimentos de Aritmética, Geometria, proporção e proporcionalidade), conhecido apenas por “Summa”. Este livro foi impresso em Itália em 1494, apenas doze anos após o aparecimento, em Veneza da primeira edição impressa dos “Elementos” de Euclides. Esta obra de Pacioli, contém parte original realizada por ele, além de uma compilação do conhecimento matemático da época; precisamente por isto constitui um documento muito importante pois permite estabelecer comparações com obras anteriores.

Foi também uma outra secção deste livro que tornou Pacioli famoso. A secção de que falamos era a “Particulario de computies et Scripturis”, um tratado sobre a contabilidade. O “scripturis” foi depois descrito por alguns como “um catalisador que lançou o passado no futuro”. Pacioli foi a primeira pessoa a descrever contabilidade de dupla entrada, também conhecido como método Veneziano. Este novo sistema era o último grito que revolucionou a economia e o comércio. O “Summa” tornou Pacioli uma celebridade e assegurou-lhe um lugar na história como “o pai da contabilidade”. Este livro foi o tratado de matemática mais lido em toda a Itália e foi um dos primeiros livros publicados na imprensa de Gutemberg.

No que respeita ao estudo de equações, Luca Pacioli trata, no “Summa”, a resolução da equação geral de 1º e 2º graus. Os casos que especifica são exactamente os mesmos casos que Fibonnaci no “Liber Abaci” e as justificações que dá são também baseadas nos “Elementos” de Euclides.

A comparação das duas obras permite, portanto, concluir que não houve, neste campo, progressos sensíveis nos cerca de trezentos anos que separam os seus autores.

A obra de Pacioli tornou-se instantaneamente famosa e, em 1497 ele foi convidado para ir para Milão ensinar matemática na corte de Loduvico Maria Sforzo, duque de Milão. Um dos seus alunos viria a ser Leonardo da Vinci. Durante os setes anos que Pacioli e da Vinci passaram juntos, os dois entre ajudaram-se para criar duas obras primas que iriam ficar para a posteridade. Da Vinci ilustrou o seguinte e segundo mais importante manuscrito de Pacioli “De Divina Proportioni. Pacioli por sua vez ensinou a da Vinci perspectiva e proporcionalidade. Isto permitiu a da Vinci criar uma das suas maiores obras primas; um mural na parede norte do claustro Dominicano de Santa Maria de Graça. Este mural é a mais famosa pintura do sec. XV, conhecido como “ A ultima ceia”. A geometria que Pacioli ensinou a da Vinci viria a manifestar-se em muitos dos seus últimos trabalhos. O próprio menciona muitas vezes Pacioli nas suas obras

Nos anos que se seguiram Pacioli continuou a ensinar e a escrever.

Em 1505, foi eleito superior da ordem Franciscana na província romana, e depois foi aceite como membro do mosteiro de Florença em “Santa Croce”.

Em 1509, “De Divina Proportioni” e os “Elementos” de Euclides foram publicados em Veneza. No mesmo ano Pacioli deu uma importante aula sobre proporção e proporcionalidade, uma aula que realçou a relação da proporção com a religião, medicina, direito, arquitectura, gramática, imprensa, escultura, musica e todas as artes liberais.

Durante este tempo de transição entre a metafísica “aproximada” da idade média e a aproximação racional da Renascença, Pacioli deu a explicação lógica do significado da divina proporção dos números no seu livro “Divina Proportioni”. Isso deixou uma marca nas razoes divinas no tempo do Renascimento.

Em 1514, o Papa Leon III chamou Pacioli ao Papado de Roma para este se tornar ai professor.

Os estudiosos estão incertos sobre o que aconteceu posteriormente a Pacioli, mas pensam que ele não chegou a ir para Roma.

Contudo, Pacioli não deu uma contribuição assim tão original para a matemática, embora o seu trabalho “Summa” escrito em linguagem vulgar, que permite a qualquer leigo aprender os conteúdos de Álgebra, contribuiu para o seu desenvolvimento no século XVI.



Pensa-se que Pacioli morreu a 19 de Junho de 1517 no mosteiro de Sansepulcro.

Texto retirado da internet sem correcção: http://www.educ.fc.ul.pt/docentes/opombo/seminario/renascenca/pacioli.htm


Compartilhe com seus amigos:


©bemvin.org 2019
enviar mensagem

    Página principal